XP Expert

Otimismo sustentado por dados de atividade

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 0,2% | 116.704 Pontos

CÂMBIO 0,0% | 4,18/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa subiu 0,25% ontem, fechando o dia em 116.704 pontos. Mais cedo, a Bolsa se beneficiou do alívio após a divulgação de dados de atividade acima do esperado. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou expansão de 0,2% na comparação mensal de novembro e de 1,1% na comparação anual, surpreendendo positivamente tanto a nossa expectativa (de +0,1% versus outubro) quanto a expectativa de mercado (de estabilidade). Na nossa visão, o resultado levemente acima do esperado corrobora a mensagem de recuperação gradual da atividade econômica brasileira.

Com base nos dados disponíveis até o momento, esperamos que o PIB do 4º trimestre de 2019 apresente expansão de 1,7% com relação ao mesmo trimestre do ano anterior e de 0,5% com relação ao terceiro trimestre de 2019. Quanto à próxima decisão de juros do Banco Central, continuamos acreditando que o BC optará por entregar mais um corte de 0,25% na taxa Selic em fevereiro.

No campo internacional, futuros de ações americanas e bolsas asiáticas sobem nesta manhã após o início sólido da temporada de resultados americanos, em conjunto com a diminuição das tensões comerciais entre Estados Unidos e China e a divulgação de dados de consumo norte-americanos em linha com o esperado. Além disso, dados na China de varejo, indústria e investimentos superaram expectativas.

O PIB do país asiático no quarto trimestre apresentou expansão de 6,0% em relação ao mesmo período em 2018 e manteve-se inalterado em relação ao terceiro trimestre de 2019. O resultado veio em linha com as expectativas, ainda que este tenha sido o crescimento mais lento em quase três décadas. Considerando que o resultado é pré-acordo com os EUA, o pior parece ter ficado para trás. 

Nos Estados Unidos, o Senado americano aprovou o novo acordo comercial entre EUA, México e Canadá USMCA (antigo NAFTA). O pacto atualiza as regras comerciais entre os três países, endereça questões como tecnologia, padrões ambientais e trabalhistas no México e requisitos para a indústria automotiva. Trata-se de uma vitória para o governo Trump, que assim entrega sua promessa de campanha, uma vez que já vinha insistindo no assunto desde 2016.

Ainda nos EUA, os artigos de impeachment contra Donald Trump foram formalmente entregues ao Senado. A Casa utilizou a sessão de ontem para ler as denúncias aprovadas pela Câmara e empossar John Roberts, que irá presidir a corte. O julgamento em si deve ser aberto oficialmente apenas na terça-feira (21), já que segunda é feriado no país. Lembramos que a eleição presidencial nos Estados Unidos acontece ainda neste ano, no dia 3 de novembro, então é de interesse para Trump que o assunto seja resolvido o quanto antes.

Por fim, ontem publicamos a pesquisa XP/Ipespe, que mostrou a popularidade de Bolsonaro oscilando para baixo em janeiro, tanto na avaliação de seu governo quanto na expectativa para o restante de seu mandato. Ambas caíram 3 pontos percentuais, dentro do limite da margem de erro. No primeiro mês de 2020, 32% avaliaram a administração federal como ótima ou boa (contra 35% em dezembro); 40% disseram ter expectativa positiva para o restante do mandato (eram 43% em no fim de 2019). É o mais baixo índice de expectativa positiva desde o início da série, em novembro de 2018. Para saber mais, clique aqui.

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: A ANTT publicou nova tabela com preço mínimo para fretes
  2. IBC-Br apresenta expansão de 0,2% em novembro e surpreende as expectativas

Internacional

  1. Economia internacional permanece fragilizada

Empresas

  1. JBS (JBSS3): Muito esperada, saída do BNDES da JBS deve atrasar
  2. Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): Acordo comercial abre mercado da China para carne bovina dos Estados Unidos
  3. Cosan (CSAN3): Raízen negocia consórcio com fundo GIP para comprar refinarias
  4. WEG (WEGE3): Companhia compra fábrica de transformadores

Veja todos os detalhes

Brasil

Política Brasil: A ANTT publicou nova tabela com preço mínimo para fretes

  • A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) publicou ontem nova tabela com preço mínimo para fretes, com reajustes entre 11% e 15%. A medida era uma das principais reivindicações da categoria dos caminhoneiros. A tabela também passou a incluir no cálculo o custo da diária de caminhoneiros e a obrigatoriedade do pagamento do frete de retorno, quando o motorista não pode transportar carga ao voltar para o lugar do embarque. O Supremo Tribunal Federal deve julgar em fevereiro a constitucionalidade da tabela;
  • O secretário de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, detalhou linhas iniciais do projeto de reforma administrativa, que será apresentado pelo governo em fases. A primeira etapa será uma PEC, com linhas gerais, que deve deixar de fora questões específicas, como o salário de servidores. Em seguida, um conjunto de leis e decretos com pontos específicos será apresentado. Ainda não há detalhes dos textos nem estimativa oficial de impacto. O governo pretende que as mudanças sejam implementadas até 2022.

IBC-Br apresenta expansão de 0,2% em novembro e surpreende as expectativas

  • O IBC-Br apresentou expansão de 0,2% m/m e de 1,1% a/a em novembro, levemente acima tanto da nossa expectativa (+0,1% m/m e +1,2% a/a) quanto da expectativa de mercado (+0,0% m/m e +0,9% a/a);
  • O indicador foi influenciado negativamente pelos resultados mais fracos da indústria, serviços e comércio varejista em novembro, mas sustentado pelo setor de construção civil, que apresentou expansão de 0,8% m/m no mês;
  • Com base nos dados disponíveis até o momento, esperamos que o PIB apresente expansão de 1,7% a/a e de 0,5% t/t no quarto 4º trimestre de 2019. Quanto à política monetária, acreditamos que o bom resultado não seja suficiente para compensar os resultados mais fracos dos principais indicadores em novembro. Por isso, continuamos esperando que BC entregue mais um corte de 0,25% na taxa Selic em fevereiro. Clique aqui para acessar a análise completa.

Internacional

Economia internacional permanece fragilizada

  • O PIB da China apresentou expansão de 6,1% em 2019, registrando seu menor avanço em 29 anos. No 4T19, o PIB do país apresentou expansão de 6,0% em relação ao 4T18 e manteve-se inalterado em relação ao 3T19 e em linha com as expectativas;
  • A produção industrial chinesa, por outro lado, apresentou expansão de 6,9% na comparação anual de dezembro, surpreendendo positivamente a expectativa de mercado, de +5,9%. As vendas no varejo apresentaram expansão de 8,0% a/a em dezembro e também surpreenderam as expectativas, de 7,8%.
  • No Reino Unido, as vendas no varejo caíram 0,6% entre novembro e dezembro de 2019, enquanto o mercado esperava alta de 0,9%. E na Zona do Euro, o índice de preços ao consumidos apresentou expansão de 1,3% na comparação anual de dezembro, em linha com as expectativas.

Empresas

JBS (JBSS3): Desinvestimento do BNDES na JBS pode atrasar

  • Segundo o Estadão, o início da saída BNDES da JBS pode atrasar. O lançamento da oferta subsequente de ações (follow on), esperada para ter ocorrido nesta semana, não deve ser neste mês;
  • O motivo são trâmites internos no banco de fomento que ainda não foram cumpridos. A expectativa inicial era de que a oferta fosse em dezembro, mas foi postergada;
  • No fim do ano passado, o BNDES vendeu sua participação na Marfrig, quando embolsou R$ 2 bilhões. Segundo a notícia, nesse caso, o banco foi “provocado” para realizar a venda, já que a companhia faria, de qualquer forma, uma oferta para levantar dinheiro para financiar a compra de um ativo. Assim, o BNDES pôde embarcar na mesma oferta. Agora, no caso da JBS, a oferta será apenas secundária, com a venda de metade da fatia detida pelo banco público.

Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): Acordo comercial abre mercado da China para carne bovina dos Estados Unidos

  • Com o acordo comercial assinado entre os dois países, a carne bovina nos Estados Unidos agora poderá ser exportada para a China, potencialmente aumentando a competição com outros países exportadores como Austrália, Nova Zelândia e Brasil;
  • A China adotou os padrões internacionais dos níveis máximos de resíduos (LMR) estabelecidos pelo Codex, órgão mundial de segurança alimentar; passa a ser tolerado o uso de hormônios na carne bovino, além da remoção da restrição de idade de 30 meses para o abate de bovinos;
  • Isso agora permite que todos os bovinos dos Estados Unidos, incluindo vacas, possam ser exportados para a China; a aprovação da nova política deve ocorrer em 15 de março, mas ainda não está claro se esta será a data de remessa ou a data de chegada dos primeiros lotes de carne norte-americana.

Cosan (CSAN3): Raízen negocia consórcio com fundo GIP para comprar refinarias

  • Segundo a Reuters, a Raízen negocia consórcio com a gestora de fundos Global Infrastructure Partners (GIP) para apresentar uma oferta às refinarias que estão para ser privatizadas. A Raízen é uma joint venture entre a Shell e a Cosan na proporção 50/50 e já havia apresentado ofertas não vinculantes pelas maiores refinarias à venda, segundo fontes;
  • As ofertas vinculantes pelas quatro maiores refinarias são esperadas para o início de março, e precisam ser entregues já com a composição final dos grupos. Os grupos selecionados para a segunda fase são Ultrapar, Raízen, o fundo estatal dos Emirados Árabes Unidos Mubadala Investment Company e a petroleira chinesa Sinopec;
  • Vamos a notícia como positiva estrategicamente para a Cosan. No entanto, é difícil avaliar o impacto por ação sem maiores informações sobre quais refinarias estão sendo analisadas e em que condições. Matemos nossa recomendação de compra nas ações da Cosan.

WEG (WEGE3): Companhia compra fábrica de transformadores

  • A WEG anunciou ontem a compra de uma fábrica de transformadores junto à Transformadores e Serviços de Energia das Américas S.A. (TSEA). A planta em questão, localizada na cidade de Betim – MG e construída em 2013, dispõe de 32.500m² com equipamentos e instalações de última geração, além de uma equipe de 250 colaboradores;
  • A fábrica é especializada na fabricação de transformadores de força, reatores shunt e autotransformadores de força com classe de tensão até 800kV e potência de até 500MVA. A WEG não informou o valor da transação.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.