XP Expert

Otimismo com negociações EUA-China embala mercados

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,5% | 108.779 Pontos

CÂMBIO 0,7% | 4,02/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa renovou sua máxima histórica ontem de 108.779 mil pontos, alcançando patamares acima dos 109 mil pontos durante o dia. A manhã desta terça se inicia em território positivo nos mercados globais, com bolsas asiáticas e europeias encerrando o pregão em alta, assim como futuros dos EUA.

O principal fator para tal otimismo continua a ser a evolução das negociações comerciais entre EUA e China, com notícias mencionando que ambos os países estão considerando retirar algumas das tarifas sobre importações de modo a assegurar a conclusão de um acordo comercial preliminar (normalmente denominado “fase 1”).

Entre os pontos em discussão na fase 1, citamos a compra de produtos agrícolas dos EUA pelos chineses, regras para impedir a manipulação do câmbio e medidas de proteção à propriedade intelectual. Como contrapartida, o Financial Times aponta que os EUA estão avaliando voltar atrás na decisão feita em 1º de setembro desse ano de aplicar tarifas de 15% sobre US$112 bilhões de importações da China, além de retroceder na taxação de outros US$156 bilhões de importações planejadas para 15 de dezembro.

Ainda na agenda internacional, o Banco Central da China anunciou ontem sua decisão de cortar sua taxa de empréstimos de médio prazo de um ano em 5 pontos-base, de 3,3% para 3,25%. A medida foi bem recebida pelos mercados, uma vez que a redução da taxa injetou cerca de 400 bilhões de yuans no sistema financeiro do país e barateou os empréstimos para empresas chinesas no longo prazo. Outra surpresa positiva foi o PMI composto do país, que subiu de 51,9 em setembro para 52,0 em outubro, atingindo sua maior leitura desde abril deste ano.

Do lado das commodities, os preços de celulose de fibra curta na China, embora ainda em tendência de queda, recuaram apenas -US$1,1/t nessa terça-feira, em US$458,6/t. Na nossa visão, embora a visibilidade permaneça baixa, os preços parecem estar próximos de um piso e sinais de queda de estoques por parte da Suzano são positivos. Olhando para frente, mantemos nossa visão positiva para a dinâmica de oferta/demanda no médio-longo prazo.

Já os preços de petróleo Brent operam em alta de +1,1%, impulsionado por alívio nas tensões comerciais e afirmações da OPEP que sua oferta de petróleo deve diminuir continuamente nos próximos 5 anos para compensar a fraqueza da demanda e o crescimento de produção da commodity nos EUA. Na próxima reunião de 5 de dezembro, a OPEP e aliados como a Rússia vão debater a extensão ou não do acordo de cortes de produção de 1,2 milhão de barris por dia.

No Brasil, o destaque vai para a divulgação da ata do Copom, que trouxe um tom bastante cauteloso com possíveis novos cortes a partir de uma Selic em 4,50%, reforçando a falta de evidência histórica para o atual grau de ajuste, e para a agenda de reformas pós-previdência. O presidente Bolsonaro e o ministro Guedes vão hoje às 11 horas ao Senado entregar o pacto federativo, a PEC para desvincular fundos e a “PEC emergencial”, que prevê economia de R$ 24,8 bilhões em 2020. Ficou para amanhã a entrega à Câmara da reforma administrativa e para quinta-feira o detalhamento da desoneração da folha de pagamento para jovens e pessoas acima de 55 anos. O desafio continua sendo político, dado que o governo precisa de foco para fazer avançar as propostas.

Na agenda de empresas, destacamos que o Ministério de Minas e Energia (MME) informou à Eletrobras que o Projeto de Lei que permitirá a privatização da companhia deve ser assinado hoje pelo presidente da república, Jair Bolsonaro, durante a cerimônia de comemoração dos 300 dias de governo marcada para o fim da tarde de hoje. Em seguida o texto será enviado ao Congresso.

Por fim, publicamos hoje relatório em que listamos dez ações da nossa cobertura que devem pagar dividendos acima da SELIC nos próximos anos, com o intuito de oferecer alternativas atrativas de investimento no atual cenário de juros mais baixos por mais tempo.

Tópicos do dia

Agenda de resultados hoje

ISA CTEEP (TRPL4):  Após o fechamento
AES Tietê  (TIET11): Após o fechamento
Engie Brasil (EGIE3):  Após o fechamento
Sanepar (SAPR11): Após o fechamento
Clique aqui para acessar o calendário completo
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados

Brasil

  1. Política Brasil: Bolsonaro e Guedes vão hoje ao Senado entregar o pacto federativo
  2. Ata do COPOM: Documento mostra bastante cautela com a condução de política monetária e destaca a falta de evidência histórica para o atual grau de ajuste

Internacional

  1. China: Estímulo monetário e dados de atividade mais fortes trazem alívio aos mercados
  2. Petróleo: Opep prevê continuação de restrições à oferta para contrabalancear produção dos EUA e queda na demanda

Empresas

  1. Eletrobras: Projeto de Lei da privatização deve ser assinado pelo presidente hoje
  2. Cessão Onerosa: Ação popular tenta impedir o leilão dos barris excedentes

Renda Fixa

  1. Light comunica resgate antecipado de 35% de seus bonds


Veja todos os detalhes

Brasil

Política Brasil: Bolsonaro e Guedes vão hoje ao Senado entregar o pacto federativo

  • Bolsonaro e Guedes vão hoje às 11 horas ao Senado entregar o pacto federativo, a PEC para desvincular fundos e a “PEC emergencial”, que prevê economia de R$ 24,8 bilhões em 2020. Ficou para amanhã a entrega à Câmara da reforma administrativa e para quinta-feira o detalhamento da desoneração da folha de pagamento para jovens e pessoas acima de 55 anos. O desafio continua sendo político. O governo precisa de foco para fazer avançar as propostas;
  • O partido Rede Sustentabilidade pediu ao Conselho de Ética da Câmara a cassação do mandato de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por fala na qual defendeu a edição de um novo AI-5. Governistas buscam partidos de centro para evitar que o pedido prospere. No entanto, a articulação com o Congresso em geral continua com problemas. Com o PSL rachado, parlamentares ligados a Luciano Bivar agora pedem que o presidente detalhe as despesas com cartão corporativo;
  • E o dia foi de crise com os militares. No dia em que o general Maynard Marques de Santa Rosa pediu demissão da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Rodrigo Maia elevou o tom em relação ao general Augusto Heleno após manifestação sobre o AI-5 e o Congresso. Disse que o ministro do Gabinete de Segurança institucional “virou um auxiliar do radicalismo do Olavo”.

Ata do COPOM: Documento mostra bastante cautela com a condução de política monetária e destaca a falta de evidência histórica para o atual grau de ajuste

  • A ata do COPOM, divulgada na semana seguinte à decisão de juros, trouxe um tom bastante cauteloso com possíveis novos cortes a partir de uma Selic em 4,50%;
  • No parágrafo 15 do documento, o comitê destaca que as características do atual ciclo econômico, marcado pela menor participação do estado, maior participação de recursos livres e do mercado de capitais no mercado de crédito, podem afetar a sensibilidade de variáveis macroeconômicas de uma forma ainda não totalmente conhecida, uma vez que faltam comparativos históricos para o atual grau de ajuste;
  • Nos parágrafos 17 e 18, o comitê destaca que a inflação se comportará de forma benigna, mas destaca algum risco para os preços administrados, que compensaram algumas surpresas desinflacionarias. Além disso, no parágrafo 18 o comitê ressalta que suas projeções de inflação para 2021 (horizonte relevante para a política monetária) estão “ligeiramente” abaixo da meta, revelando alguma preocupação;
  • Nos parágrafos 20 e 26, o comitê volta a destacar a necessidade do avanço das reformas para a consolidação da queda da taxa de juros, enquanto os parágrafos 22 e 27 voltam a ressaltar que o atual ciclo econômico exige cautela na condução da política monetária;
  • Nosso entendimento é que o Banco Central será bastante cauteloso com a condução de política monetária, passando a depender de evidências muito claras do lado da inflação, da retomada da atividade e do avanço das reformas para romper a barreira dos 4,5%. Acreditamos que o BC consiga levar a Selic até 4,25% em fevereiro, patamar que deve ser mantido até o final de 2020.

Internacional

China: Estímulo monetário e dados de atividade mais fortes trazem alívio aos mercados

  • O Banco Central da China anunciou ontem sua decisão de cortar sua taxa de empréstimos de médio prazo de um ano (MLF) em 5 pontos-base, de 3,3% para 3,25%;
  • A MLF é uma taxa referencial utilizada para aumentar a liquidez nos bancos e não sofria reduções desde 2015. Sua redução injetou cerca de 400 bilhões de yuans no sistema financeiro do país e barateou os empréstimos para empresas chinesas no longo prazo;
  • Além disso, o PMI composto da China subiu de 51,9 em setembro para 52,0 em outubro, atingindo sua maior leitura desde abril deste ano. A alta do índice, que engloba manufatura e serviços, foi impulsionada principalmente pelo forte desempenho da indústria chinesa, que chegou a 51,7 em outubro e registrou seu maior nível em 32 meses. Os dados reforçaram o nosso entendimento de que o risco de recessão das principais economias globais tem se tornado menor.

Petróleo: Opep prevê continuação de restrições à oferta para contrabalancear produção dos EUA e queda na demanda

  • A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) afirmou que sua oferta de petróleo deverá diminuir continuamente nos próximos 5 anos, de modo a contrabalancear os efeitos de um crescimento de demanda menor que o esperado e a contínua expansão da produção dos EUA de petróleo de xisto;
  • Na próxima reunião de 5 de dezembro, a Opep e aliados como a Rússia vão debater a extensão ou não do acordo de cortes de produção de 1,2 milhão de barris por dia (mbpd). Porém, em seu relatório anual, a OPEP espera que a produção do bloco sofra uma queda adicional de até 1,6 mbpd até 2025, comparado a um crescimento de 0,5 mbpd no ano passado;
  • A mensagem é positiva para preços de petróleo, sinalizando que a OPEP e aliados deverão continuar a balancear a dinâmica de oferta e demanda no longo prazo. Mantemos nossa estimativa de preços de petróleo de US$60 / barril para o Brent, patamar que consideramos o equilíbrio por corresponder ao custo marginal da produção de petróleo de xisto nos EUA.

Empresas

Eletrobras: Projeto de Lei da privatização deve ser assinado pelo presidente hoje

  • Segundo o Estadão, o Ministério de Minas e Energia (MME) informou à Eletrobras que o Projeto de Lei que permitirá a privatização da companhia deve ser assinado hoje pelo presidente da república, Jair Bolsonaro, durante a cerimônia de comemoração dos 300 dias de governo, marcada para o fim da tarde de hoje. Em seguida o texto será enviado ao Congresso;
  • O projeto de lei de privatização prevê a emissão de novas ações da Eletrobras a serem vendidas no mercado. Nesse modelo a União abriria mão do controle da empresa reduzindo sua participação para algo inferior a 50%. A proposta prevê ainda a opção de se repassar o controle das subsidiárias Furnas, Chesf, Eletronorte e Eletrosul para a Eletropar, outra empresa do grupo Eletrobras, para facilitar operacionalmente a capitalização;
  • Por fim, o governo prevê arrecadar R$ 16,2 bilhões com a privatização, que deve ocorrer no próximo ano. O montante já está previsto no Orçamento de 2020;

Cessão Onerosa: Ação popular tenta impedir o leilão dos barris excedentes

  • Segundo o Valor Econômico, uma ação popular com pedido de liminar apresentada na Justiça Federal de São Paulo pediu a suspensão do leilão de barris excedentes da Cessão Onerosa, previsto para amanhã (06/11);
  • Os autores argumentam que não há suporte legal para a licitação. Os advogados responsáveis afirmam que não são previstos na Lei da Cessão Onerosa e no Marco do Pré-Sal licitações de blocos coincidentes com campos já declarados comerciais sob o regime de cessão onerosa e nem a possibilidade de acordo de coparticipação. Segundo os advogados, um campo em plena fase de desenvolvimento da produção em um regime fiscal não deveria ser licitado como um bloco em outro regime fiscal.

Renda Fixa

Light comunica resgate antecipado de 35% de seus bonds

  • De acordo com fato relevante publicado pela Light S.A. no dia 4 de novembro, a companhia realizou o resgate antecipado de US$210 milhões de seus bonds, que correspondem a 35% do valor total dos títulos em dólares emitidos pelas controladas Light Serviços de Eletricidade S.A. e Light Energia S.A;
  • O saldo remanescente de bonds, de US$390 milhões, continua com vencimento em maio de 2023, data original, com opção de resgate a partir de maio de 2021;
  • A Light tinha R$2,3 bilhões em bonds ao final do segundo trimestre de 2019, correspondendo a 25% da dívida total do grupo. Com o resgate antecipado, a dívida bruta, com base nos últimos números reportados, teria redução de 9%, para R$8,6 bilhões;
  • O resgate será coberto pelos recursos da 17ª emissão de debêntures de R$1 bilhão e já era previsto, fazendo parte de esforços de liability management para melhorar seu perfil de dívida e reduzir custos financeiros.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.