XP Expert

Novos estímulos para pequenas empresas nos EUA, auxílio emergencial no Brasil e início da temporada de resultados

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,02% | 78.973 Pontos

CÂMBIO -1,54% | 5,32/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Em dia de feriado de Tiradentes no Brasil ontem, a B3 não abriu, mas o principal índice da bolsa brasileira em dólares, EWZ, fechou em queda de 3,2% na Bolsa de Valores Nova York (NYSE), seguindo a queda das bolsas americanas, em meio à baixa do preço do petróleo, apesar do noticiário sobre medidas de flexibilização ao isolamento social adotadas no mundo todo.

Nesta manhã, mercados internacionais sobem após aprovação de novos estímulos para pequenas empresas nos EUA, recuperando parcialmente a queda de ontem (S&P -3%) puxada pelo cenário pessimista no mercado de petróleo, que operou pela primeira vez com preços negativos. Futuros do S&P 500 nos EUA sobem 1,2% e bolsas na Europa operam em alta de 0,9%. Mercados asiáticos fecharam sem direção definida; China +0,8%, Hong Kong +0,4% e Japão -0,7%. Acesse o relatório internacional completo aqui.

No Brasil, segundo a Caixa Econômica Federal, cerca de 7,2 milhões de brasileiros devem receber hoje o auxílio emergencial de R$ 600, enquanto mais de 16,1 milhões de indivíduos deverão ter a análise cadastral concluída até a próxima sexta-feira.

A agenda de indicadores e eventos de hoje traz como destaques a divulgação às 10h30 dos dados de arrecadação da receita federal de março e a videoconferência realizada entre parlamentares e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para tratar assuntos legislativos.

O mercado seguirá interpretando as últimas declarações dos dirigentes do Banco Central a respeito dos próximos passos da política monetária. De acordo com analistas de mercado, tanto o presidente da instituição, Roberto Campos, quanto o diretor de política econômica, Fabio Kanczuk, poderiam ter sinalizado que cortes maiores na Selic poderiam estar no radar da instituição já para a próxima reunião de maio.

O período de silêncio do BC se inicia na próxima quarta, dia 29. Até lá o mercado buscará por confirmações ou correções de interpretações. Seguimos acreditando que o BC cortará a Selic em mais 0,50% em maio e que cortes adicionais dependerão em grande medida da evolução das condições financeiras e das expectativas de crescimento e inflação.

No campo político, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, autorizou abertura de inquérito sobre as manifestações do fim de semana em que participantes pediram intervenção militar. Jair Bolsonaro, que discursou no ato em Brasília, não é investigado. O pedido da Procuradoria-Geral da República é para que seja apurada a organização e financiamento dessas manifestações, com base na Lei de Segurança Nacional, que proíbe a propaganda pública de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social.

Na agenda legislativa, senadores devem analisar o projeto de lei que inclui novas categorias de trabalhadores informais entre os beneficiários do auxílio emergencial. Já os deputados têm na pauta do dia – entre outros assuntos – o requerimento de urgência do PLP34/2020, que trata do empréstimo compulsório para grandes empresas. Se aprovado o requerimento, o projeto fica pronto para ser analisado em plenário.

Do lado das commodities, os preços de celulose de fibra curta na China seguiram em alta esta semana (+US$1,8/t), para US$466,2/t. Mantemos nossa visão de que os preços estejam próximos de um piso. Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje.

Por fim, essa semana se inicia a temporada de resultados do 1º trimestre de 2020 (Janeiro – Março). Essa temporada de resultados será bastante relevante, na nossa visão, pois mostrará os primeiros impactos e medidas sendo tomadas pelas principais empresas brasileiras em relação à crise do novo coronavírus.

Por outro lado, os números reportados pelas empresas talvez importem menos do que o normal nesse trimestre, dado que a crise chegou ao final do trimestre. Assim, várias empresas não terão impactos tão relevantes neste período, e veremos esse reflexo principalmente acontecendo no 2º trimestre. Por isso, acreditamos que as teleconferências de resultados serão mais importantes que os números do trimestre em si e os setores mais impactados serão o grande foco da temporada de resultados: transportes, varejo e shoppings, bancos, commodities e saúde.

Tópicos do dia

Coronavírus

Tempos de guerra – revisando o target da Bolsa
Revisão setorial: Novas estimativas e Preços alvo
Varejo e o COVID-19 – Parte 2: Tendências no Brasil e no Mundo
IPCA de março esboça os primeiros efeitos do coronavírus sobre a economia brasileira
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Agenda de resultados

Temporada de resultados 1° tri 2020: o que esperar?

Internacional

  1. Petróleo: Forte queda durante o feriado de ontem, reflexo de um mercado muito fraco
  2. Política Internacional: O Senado americano aprova pacote de estímulo de USD 484 bilhões

    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Papel & Celulose: Nova alta no preço da celulose de fibra curta na China
  2. JBS (JBSS3): destaques da reunião com CEO e CFO; fechamento de planta de suínos e redução de produção no Canadá
  3. AES Tietê (TIET11): Eneva retira proposta de fusão com a companhia
  4. Via Varejo (VVAR3): Nova Proposta para o Conselho de Administração
  5. Unidas (LCAM3): Programa de recompra de ações aprovado; até ~4% do capital

Veja todos os detalhes

Internacional

Petróleo: Forte queda durante o feriado de ontem, reflexo de um mercado muito fraco

  • Os preços de petróleo operaram em forte queda durante o feriado de Tiradentes ontem, com o Brent recuando -24% e o WTI recuando mais de 40%. Na manhã de hoje, o Brent opera em leve alta de +0,31%, aos US$19,39/barril e o WTI em leve alta de +1,38%, aos US$11,73/barril;
  • As quedas refletem ainda o cenário extremamente deteriorado de demanda global de petróleo, que supera em muito os cortes de produção anunciados até o momento. Em relatório publicado ontem, detalhamos mais esse cenário e os acontecimentos recentes da commodity, como os preços negativos para o WTI de 2020, que expirou ontem (veja mais no link);
  • Hoje, será importante monitorar os dados de estoques de petróleo da Agência de Informação de Energia dos EUA (EIA), que serão divulgados hoje, às 11:30 da manhã de Brasília (10:30 da manhã nos EUA). O mercado projeta um aumento de 15,15 milhões de barris de petróleo nos estoques da commodity no país, comparado a um aumento reportado de 19,248 milhões de barris divulgados na semana anterior. Quanto maior o aumento de estoques, maiores os receios de excesso de oferta de petróleo, e mais negativa a percepção para os preços da commodity;
  • Nesse cenário de deterioração contínua da demanda e aumento dos estoques de petróleo, continuamos a acreditar que será imperativa a realização de cortes de produção ao redor do mundo para se evitar um cenário de ultrapassagem dos estoques. Nesse contexto, quanto mais produtores forem levados a isso, maior será a recuperação de preços de petróleo quando a demanda pela commodity se normalizar – algo que só teremos visibilidade quando ocorrer o encerramento da quarentena. Por esta razão observamos um descolamento dos preços das ações de petroleiras globais dos preços da commodity: as grandes companhias que possuem escala e capacidade no balanço para aguentar as pressões de curto prazo vão emergir mais fortalecidas deste período.

Política Internacional: O Senado americano aprova pacote de estímulo de USD 484 bilhões

  • O Senado americano aprovou novo pacote de estímulo de USD 484 bilhões, que foi enviado a Câmara e deve ser aprovado nessa quinta-feira. A presidente da Casa, Nancy Pelosi, indicou que os representantes devem ampliar o projeto;
  • O presidente Donald Trump comentou que grandes empresas que se beneficiaram de medidas emergenciais de pacote de estímulo desenhado para pequenas empresas terão que devolver os recursos;
  • O estado de saúde de Kim Jong Un também é destaque do noticiário. Segundo inteligência americana, o líder supremo da Coreia do Norte se encontra em estado grave após cirurgia.

Empresas

Papel & Celulose: Nova alta no preço da celulose de fibra curta na China

  • Os preços de celulose de fibra curta na China tiveram alta esta semana (+US$1,8/t), para US$466,2/t. Mantemos nossa visão de que os preços estejam próximos de um piso. Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje;
  • Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje. Temos recomendação de Compra para ambos os nomes, com preço-alvo de R$43 e R$18.5/ação para Suzano e Klabin, respectivamente.

JBS (JBSS3): destaques da reunião com CEO e CFO; fechamento de planta de suínos e redução de produção no Canadá

  • Realizamos na segunda-feira (20/04) uma reunião online com o CEO, o  CFO e a DRI da JBS, Sr. Gilberto Tomazoni, Sr. Guilherme Cavalcanti e Sra. Christiane Assis, respectivamente. O impacto do coronavírus no setor de proteínas foi o principal tema discutido, assim como a estratégia da JBS em seus diferentes segmentos de atuação e regiões. Mantemos nossa recomendação de Compra para JBS, com preço-alvo de R$ 36 / ação;
  • Adicionalmente, a JBS USA declarou na segunda-feira (20/04) que iria fechar indefinidamente uma planta de suínos no estado americano do Minnesota, a qual produz cerca de 5% da carne suína do país. Trata-se da mais recente disrupção na cadeia de suprimento de alimentos dos EUA devido à pandemia de coronavírus. A planta emprega mais de 2 mil trabalhadores e processa 20 mil suínos por dia. As concorrentes Tyson Foods Inc e Smithfield Foods também já fecharam plantas de suínos devido a surtos do coronavírus entre funcionários;
  • Finalmente, o primeiro-ministro Justin Trudeau disse ontem (21/04) que o governo do Canadá não espera que ocorra escassez de carne bovina no país, apesar da disseminação do coronavírus em certas fábricas de frigoríficos. Trudeau reconheceu que os preços podem vir a subir no país, mas acrescentou que os produtores de carne bovina estão priorizando o fornecimento do mercado canadense antes de exportar produtos;
  • Segundo a Reuters, 77 casos de coronavírus ocorreram na fábrica de carne bovina da JBS em Brooks, Alberta; a empresa reduziu a produção na fábrica para apenas um turno devido ao aumento do absentismo, disse o porta-voz Cameron Bruett.

AES Tietê (TIET11): Eneva retira proposta de fusão com a companhia

  • Ontem a Eneva informou, via fato relevante, que o Conselho de Administração da companhia decidiu encerrar as tratativas em torno da proposta de combinação de negócios (fusão) com a AES Tietê;
  • A Eneva atribuiu sua decisão ao fato de que a AES Tietê, após rejeitar a fusão por unanimidade (veja mais aqui), afirmou que, mesmo que venha submeter a proposta à deliberação de seus acionistas, não reconhecerá o direito a voto dos detentores de ações preferenciais. A Eneva enxerga nisso um descumprimento do estatuto social da AES Tietê e do Regulamento de Listagem do Nível 2 de Governança Corporativa da B3;
  • Também notamos que, na segunda-feira, o BNDESPar enviou carta assinada por seu diretor, Leonardo Cabral, afirmando que a administração da AES Tietê tem o dever fiduciário de convocar Assembleia Geral para que a proposta de fusão seja deliberada pela coletividade dos acionistas independentemente do teor da manifestação de seu conselho de administração. O BNDESPar ainda destaca que os acionistas preferencialistas devem ter o direito a voto em linha com o estatuto social e as regras do Nível 2 de Governança Corporativa da B3;
  • No entendimento da Eneva a operação não deveria seguir, nesse momento, em meio a um provável embate sobre questões de governança corporativa acerca dos direitos dos acionistas titulares de ações preferenciais da AES Tietê e os interesses do acionista controlador daquela companhia;
  • A notícia pode impactar negativamente as ações da AES Tietê por eventualmente frustrar acionistas que tinham visão favorável da fusão. Temos recomendação de Compra na AES Tietê.

Via Varejo (VVAR3): Nova Proposta para o Conselho de Administração

  • Com o fim do atual mandato do Conselho de Administração da companhia em abril, a Via Varejo anunciou uma nova proposta de chapa, a ser submetida à Assembleia Geral no dia 4 de junho;
  • Dentre as mudanças, o principal destaque foi a alteração da presidência do Conselho, com a substituição de Michael Klein pelo seu filho Raphael Klein. Raphael já teve experiência dentro da companhia, tendo atuado como Diretor de Marketing da Casas Bahia em 2006 e também participado da implementação da plataforma de e-commerce. Posteriormente, também atuou como CEO da Via Varejo entre 2010 e 2012;
  • Além disso, a proposta também inclui a redução do número de membros do grupo de nove para cinco integrantes, com a saída de Michael Klein, Roberto Fulcherberguer (CEO da companhia), João Braga, André Coji e José Mario Ferreira. O número mínimo de membros do colegiado também deverá ser alterado de sete para cinco pessoas.
  • Nossa visão: A ocorrência de uma proposta de renovação do Conselho já era esperada, dado o fim do mandato anterior. Nesse contexto, a permanência da família Klein na presidência do grupo é positiva, dado que a posição acionária relevante da mesma (~30%) garante a continuidade do alinhamento com os demais acionistas. Além disso, apesar de a saída de Michael Klein da presidência do grupo ter causado surpresa em alguns investidores, acreditamos que (i) o histórico profissional de Raphael Klein seja consistente com a continuidade do plano de turnaround da companhia, e que (ii) ele também possivelmente conseguirá dedicar até mais tempo à companhia, dado a atenção que seu pai, Michael Klein, tem em seus outros negócios;
  • Mantemos a nossa recomendação de Compra para as ações de VVAR3 e preço alvo de R$ 9,50 para o final de 2020. Para mais detalhes, acesse nossa tese de investimentos.

Unidas (LCAM3): Programa de recompra de ações aprovado; até ~4% do capital

  • A Unidas anunciou na última segunda-feira que o conselho de administração aprovou o quarto programa de recompra de ações, autorizando a diretoria a adquirir ações de sua própria emissão. O programa compreende até ~20,3 milhões de ações, o que corresponde a ~4% do total do capital social total, dentro do prazo de até 18 meses;
  • O objetivo é adquirir ações de sua emissão para atender ao eventual exercício de opções dentro dos planos de opção de compra de ações e/ou planos de incentivo a longo prazo baseados em ações. Programas de recompra de ações podem sinalizar confiança por parte da companhia de que o preço atual das ações não reflete corretamente a perspectiva de geração de valor, o que pode passar um sinal positivo para o mercado;
  • Temos recomendação de Compra para as ações, com preço-alvo de R$ 17,0/ação. Apesar dos desafios no curto prazo, vemos a companhia bem posicionada nesse cenário considerando (i) seu balanço sólido e (ii) a maior presença de terceirização de frotas dentro de seu mix de receitas, segmento menos sensível no curto prazo na nossa visão.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.