XP Expert

Nova máxima histórica do Ibovespa, Davos e coronavírus na China

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 0,3% | 118.862 Pontos

CÂMBIO 0,6% | 4,19/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou com leve alta de 0.3% ontem, mas atingiu sua máxima histórica aos 118.861 pontos. Sem a referência americana, graças ao feriado de Martin Luther King, o Ibovespa teve um dia de baixa liquidez. Nesta manhã, as bolsas internacionais operam em direção mista, com bolsas na Europa em leve alta, ao passo que futuros nos Estados Unidos e na Ásia estão em queda, em parte graças a notícias sobre um surto de um vírus respiratório na China.

O governo chinês confirmou ontem a transmissão entre humanos do coronavírus, que já matou três pessoas no país e trouxe à tona memórias do surto de SARS, que balançou os mercados 17 anos atrás. Com o Ano Novo Lunar agora no dia 25, o risco de contágio no país aumenta e as ações chinesas negociadas em Hong Kong tiveram sua pior performance diária desde Outubro de 2018.

Além disso, investidores aguardam por uma nova bateria de resultados desta semana e os desdobramentos do Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça. O ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe participam do Fórum com a missão de mostrar que o Brasil mudou em 2019 para um período de recuperação.

Durante o painel “Shaping the Future of Advanced Manufacturing”, Guedes disse que o Brasil vai aderir ao acordo de compras governamentais, do qual fazem parte países europeus, Estados Unidos, China e Japão.

O governo pretende aproveitar a grande presença de investidores internacionais no Fórum para anunciar a abertura inédita a empresas estrangeiras interessadas em participar de licitações e concorrências públicas no mercado nacional.

Para atrair o olhar dos estrangeiros, a equipe econômica pretende explorar também a perspectiva de acelerar a sua entrada como membro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), depois do apoio dado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, à candidatura brasileira.

Do lado econômico, no internacional, o Banco do Japão (BoJ) manteve sua política de juros sem alterações, conforme esperado, mas aumentou sua expectativa de crescimento econômico para 2020. Adicionalmente, o FMI melhorou as projeções de curto prazo para o Brasil, destacando os efeitos positivos da reforma da Previdência e dos cortes na taxa de juros. Por outro lado, a instituição fez um alerta: o endividamento do setor público ainda é alto e requer empenho no ajuste fiscal.

Em relação às empresas, publicamos um relatório atualizando a nossa visão sobre as ações da Via Varejo. Estamos aumentando o nosso preço-alvo para R$17,0 por ação ao final de 2020 e mantendo a nossa recomendação de Compra. Após a alta de 154% em 2019, o risco-retorno das ações está menos atrativo. Entretanto, continuamos otimistas em relação à perspectiva de curto prazo e esperamos um sólido 4T19.

Do lado das commodities, os preços de celulose de fibra curta na China tiveram a terceira alta consecutiva esta semana (+US$1,3/t), para US$460,9/t. Acreditamos que os preços estejam próximos de um piso, reforçados pela continuidade do movimento de desestocagem da Suzano. Seguimos com uma visão positiva para o balanço de oferta/demanda no médio/longo prazo. Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje.

Tópicos do dia

Brasil

  1. Brasil deve aderir ao acordo de compras governamentais

Empresas

  1. Via Varejo (VVAR3): A ação que subiu 154% em 2019. Porque continuamos otimistas?
  2. Papel & Celulose: Alta no preço da celulose de fibra curta nesta semana
  3. Iguatemi (IGTA3): Empresa divulga Guidance para 2020
  4. Serviços financeiros: Indústria de cartões pretende criar seu próprio sistema de pagamentos instantâneos
  5. Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): Importadores chineses de carne bovina buscam renegociar preços para remessas brasileiras
  6. Ambev (ABEV3): empresa amplia meta para 100% de uso de plástico reciclado até 2025
  7. Seguradoras: Parceria entre Caixa e Icatu
  8. Bancos: Nubank atinge 20 milhões de clientes

Renda Fixa

  1. Even divulga prévia operacional do 4T19; indicadores têm crescimento
  2. Açúcar atinge maior preço em dois anos

Veja todos os detalhes

Brasil

Brasil deve aderir ao acordo de compras governamentais

  • Durante o painel “Moldando o futuro da indústria avançada”, realizado durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil vai aderir ao acordo de compras governamentais, do qual fazem parte países da Europa, Estados Unidos, China e Japão;
  • De acordo com o ministro, a adesão ao acordo será feita de forma a permitir um tratamento isonômico aos estrangeiros interessados em participar de licitações e concorrências públicas no país;
  • O Acordo sobre Compras Governamentais (GPA), mantido pela Organização Mundial do Comércio (OMC), estabelece para os países participantes uma série de compromissos em matéria de transparência e acesso aos mercados nacionais de compras públicas. Seus integrantes ficam obrigados a dar isonomia de tratamento entre empresas nacionais e estrangeiras em contratações para a aquisição de bens, serviços e obras. O ministro não informou, entretanto, a data que o Brasil pretende aderir oficialmente ao acordo.

Empresas

Via Varejo (VVAR3): A ação que subiu 154% em 2019. Porque continuamos otimistas?

  • Continuamos otimistas… As ações da Via Varejo tiveram uma valorização expressiva de 154% em 2019 e 77% desde a nossa última atualização. De qualquer maneira, nós continuamos otimistas frente ao progresso em relação ao processo de reestruturação da companhia;
  • … mas o risco-retorno das ações tá menos atrativo. Após a forte alta das ações, acreditamos que parte importante da melhora operacional de curto prazo já está precificada. Dessa forma, na nossa visão um aumento mais significativo dos níveis atuais dependerá da capacidade da empresa de acelerar o ritmo de crescimento;
  • Prévia do 4T19: Esperamos um trimestre positivo, com (i) a empresa retomando o crescimento de receita em relação 4T18, após a queda de apresentada nos nove primeiros meses deste ano, e (ii) melhora significativa na rentabilidade;
  • Atualizamos o nosso preço-alvo para R$17,0 ao final de 2020, refletindo as nossas novas estimativas e o novo múltiplo alvo de 22x;
  • Para mais detalhes, acesse o link.

Papel & Celulose: Alta no preço da celulose de fibra curta nesta semana

  • Os preços da celulose de fibra curta na China fecharam em alta pela terceira semana consecutiva, +US$1,3/t, atingindo US$460,9/t. Apesar da visibilidade de curto prazo permanecer baixa, acreditamos que o preço esteja próximo de um piso e o movimento de desestocagem da Suzano parece positivo. Mantemos nossa visão positiva no médio/longo prazo;
  • Esperamos uma reação positiva para Suzano (Compra; preço-alvo de R$45/ação) e Klabin (Neutro; preço-alvo de R$20.5/ação).

Iguatemi (IGTA3): Empresa divulga Guidance para 2020

  • A Iguatemi reportou ontem o seu Guidance para 2020, divulgando informações referentes ao crescimento estimado de receita, margem EBITDA e Capex (investimentos);
  • As previsões de crescimento de receita reportados foram acima das nossas expectativas e também acima do consenso do mercado. A margem EBITDA divulgada estava em linha com às nossas expectativas. Para acessar o nosso relatório completo, clique aqui.

Serviços financeiros: Indústria de cartões pretende criar seu próprio sistema de pagamentos instantâneos

  • De acordo com a mídia, a indústria de cartões pretende criar seu próprio sistema de pagamento instantâneos. Bancos, empresas de adquirentes e de cartão de crédito devem participar do novo sistema e de seu desenvolvimento. A notícia também afirma que o desenvolvimento do projeto começou há mais de um ano;
  • O aviso surge no mesmo momento em que o Banco Central do Brasil planeja criar seu próprio sistema de pagamentos instantâneos, o que representa uma ameaça para todos os envolvidos no sistema de pagamentos, principalmente aqueles cujas receitas dependem de cartão de débito e transações bancárias (TED, DOC );
  • No geral, o aviso é positivo para as empresas sob nossa cobertura. As mudanças regulatórias estão representando, como as impostas pela agenda do BC #, uma ameaça à lucratividade do setor e qualquer reação deve ser bem-vinda pelos investidores.

Frigoríficos (JBSS3, MRFG3, BRFS3): Importadores chineses de carne bovina buscam renegociar preços para remessas brasileiras

  • De acordo com a Folha de S.Paulo, alguns importadores chineses estão se recusando a pagar por remessas que já chegaram à China, buscando um desconto junto aos exportadores brasileiros; 
  • Os preços da carne bovina no Brasil atingiram uma alta histórica no final do ano passado, principalmente devido à maior compras da China, que também aumentaram as compras dos vizinhos brasileiros Uruguai e Argentina; 
  • Acordos com produtores brasileiros de carne bovina aumentaram mais de 50%, e várias novas plantas de processamento no Brasil foram autorizadas a vender carne bovina e outras carnes para o país asiático;
  • O jornal disse que algumas dessas novas empresas recentemente autorizadas a vender estão enfrentando dificuldades financeiras devido aos pedidos de renegociação da China e agora estão tentando desviar cargas que ainda não chegaram à China para outros destinos em potencial, como o Irã.

Ambev (ABEV3): empresa amplia meta para 100% de uso de plástico reciclado até 2025

  • Em 2018, a companhia havia anunciado a meta de ter 100% dos produtos em embalagens retornáveis até 2025; agora, a companhia pretende chegar em 100%. Atualmente, 18% de todo o líquido produzido pela Ambev é envasado em embalagens plásticas, de acordo com a companhia;
  • “Nos últimos dois anos, geramos negócios da ordem de R$ 200 milhões na economia circular com a reciclagem de plástico. Quando chegarmos em 100% de plástico reciclado, vamos colocar na economia circular em torno de R$ 1 bilhão, sem contar investimentos em inovação e em novos materiais”, afirmou Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de sustentabilidade e suprimentos da Ambev;
  • O executivo disse que a companhia busca alternativas que tenham o mesmo custo do plástico não reciclado, ou que sejam mais baratas. “Hoje conseguimos com parceiros acesso a plástico reciclado pelo mesmo preço do plástico virgem”, disse Figueiredo.

Seguradoras: Parceria entre Caixa e Icatu

  • A Caixa divulgou ontem que sua subsidiária de seguros, Caixa Seguridade, firmou uma parceria com a Icatu. O acordo visa é distribuir os títulos de capitalização da Icatu pelas agências da Caixa;
  • A divulgação ocorre no momento em que a Caixa prepara sua subsidiária para uma oferta pública de ações, com mudança de CEO e outras parcerias divulgadas;
  • No geral, o fluxo de notícias é negativo para nossa cobertura do setor de seguros. Embora o principal público alvo possa ser o próprio cliente do banco, a Caixa possui mais de 3 mil agências que devem aumentar a concorrência no setor.

Bancos: Nubank atinge 20 milhões de clientes

  • O Nubank divulgou ontem que alcançou 20 milhões de clientes;
  • Ainda existem algumas questões: i) número de correntistas; ii) número de clientes de cartão de crédito); e iii) se há dupla contagem;
  • No geral, a divulgação é negativa para os bancos sob nossa cobertura, pois o banco digital está atingindo escala.

Renda Fixa

Even divulga prévia operacional do 4T19; indicadores têm crescimento

  • A incorporadora Even divulgou ontem prévia operacional referente ao quarto trimestre de 2019 (4T19);
  • A prévia mostra melhora no trimestre, com aumento de lançamentos e vendas, com queda de distratos. Para saber mais, clique aqui.

Açúcar atinge maior preço em dois anos

  • De acordo com o Valor Econômico, a baixa produção de açúcar na Ásia (principalmente Tailândia e Índia) na safra internacional 2019/20 levou os preços da commodity aos maiores níveis em dois anos
  • Os papéis para março fecharam na última sexta-feira em 14,45 centavos de dólar a libra-peso (c/lb) na bolsa em Nova York, representando alta de 10% desde o início do ano;
  • Para as usinas brasileiras, essa alta, combinada à alta do dólar, pode representar uma oportunidade de retomada da produção, uma vez que o país é exportador de açúcar;
  • Nas últimas duas safras, as vendas de açúcar estavam rendendo de 15% a 20% menos que o etanol, o que fez com que as usinas dessem preferência à produção do combustível;
  • No entanto, especialistas acreditam que ainda é cedo para saber se o mix das usinas mudará, uma vez que o etanol ainda é vantajoso. Portanto, não devemos esperar ainda que haja mudanças significativas na estratégia das empresas do setor.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.