No Brasil, possibilidade de novas parcelas do auxílio emergencial segue no radar e aprovação da reforma tributária é prevista para outubro

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.


Compartilhar:


Clique para ouvir

IBOVESPA -0,4% | 119.261 Pontos

CÂMBIO 1,0% | 5,43/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Interrompendo uma sequência de três altas consecutivas, o Ibovespa fechou em queda de 0,40% na última quinta-feira, aos 119.261 pontos. Um dos fatores que trouxe pessimismo aos mercados ontem foi a fala do presidente, Jair Bolsonaro, que disse que pretendia se reunir com representantes de caminhoneiros, taxistas e outros setores para anunciar mudanças no setor de combustíveis e na cobrança de impostos do setor. A afirmação foi interpretada como uma interferência no setor privado. Enquanto isso, o dólar comercial subiu 1,00%, a R$ 5,43.

As taxas futuras de juros fecharam o dia de ontem com tendência de alta, como reflexo do comportamento do câmbio, que assim como outras moedas emergentes, desvalorizou. Não houve no noticiário local destaques que pudessem mitigar o movimento, com o mercado ainda à espera de avanços do lado fiscal. Por fim, os leilões realizados pelo Tesouro Nacional foram bem-sucedidos, com colocação integral de 5 milhões de NTN-F, inclusive com vencimentos longos e 750 mil LFT. DI jan/22 fechou em 3,37%; DI jan/24 encerrou em 5,77%; DI jan/26 foi para 6,67%; e DI jan/28 fechou em 7,21%.

Hoje, os mercados globais amanhecem em alta. Nos EUA (+0.4%), o desemprego melhora e o governo busca acelerar a aprovação do pacote de US$ 1,9tri. Na Europa (+0,4%), o índice sobe pelo 5° dia consecutivo, após resultados corporativos melhores do que o esperado.

Na política internacional, em seu primeiro discurso sobre política externa, o presidente Joe Biden afirmou que os Estados Unidos devem voltar a ter papel protagônico nas dinâmicas internacionais. Se afastando da política ‘America First’ do governo Trump, o democrata afirmou que “a diplomacia está de volta” e destacou a importância de organizações multilaterais. Ressaltamos, no entanto, que o presidente americano não reverteu totalmente a política do governo anterior. Apesar da diferença de tom com seu antecessor, Biden reforçou que os Estados Unidos devem continuar adotando uma linha dura com a China, seus “ataques aos direitos humanos” e “abusos econômicos”. Medidas como tarifas sobre produtos chineses não foram alteradas.

No Brasil, o ministro Paulo Guedes afirmou ontem à noite após se reunir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que estuda a possibilidade (caso necessário) de continuar com os pagamentos do auxílio emergencial. A ideia do Ministro da Economia é que a nova versão do programa seja apenas para metade dos beneficiários de 2020 (cerca de 32 milhões de pessoas) e que a sua prorrogação venha acompanhada de alguns compromissos com a agenda fiscal. A ideia é incluir, dentro da PEC Emergencial/Pacto Federativo, um mecanismo de calamidade que permita “atender algumas coisas, travando outras”.

Ainda ontem, Pacheco e Lira traçaram um cronograma para a reforma tributária. A ideia é ter o relatório apresentado até fevereiro para concluir a aprovação em até oito meses, em outubro.

A Câmara inclui na pauta da semana que vem três temas que têm atraído atenção: a autonomia do Banco Central (que ainda precisa ter a urgência apreciada antes de ir à votação), o texto que trata do superendividamento e restringe limites para o crédito consignado e a conclusão da Lei Cambial.

Na agenda do dia, destaque para a convocação do presidente Jair Bolsonaro com a diretoria da Petrobras sobre preço de combustíveis e para o payroll de janeiro nos EUA (Exp. XP de +225k).

Do lado das commodities, os preços de celulose de fibra curta na China tiveram mais uma forte alta na semana (+US$51,6/t), para US$593,6/t. Esperamos que uma recuperação da demanda na China sustente preços em níveis mais elevados.

Tópicos do dia

Agenda de resultados

Temporada de Resultados do 4° Trimestre – O que esperar?
Calendário do 4T20

Clique aqui para saber mais

Internacional

  1. Política internacional:  Biden diz que EUA deve voltar a ter papel protagônico nas dinâmicas internacionais 

Empresas

  1. Vivara (VIVA3): renúncia do CEO
  2. Vale (VALE3): Acordo positivo com as autoridades de Minas Gerais
  3. Setor Elétrico: Senado aprova a MP 998 que reduz tarifas de energia
  4. Tenda (TEND3): Guidance da Tenda sugere sólido ano de 2021
  5. Petrobras (PETR4): Presidente, CEO da Petrobras e ministros se reúnem hoje para discutir medidas que possam diminuir preço do diesel
  6. Papel & Celulose: Forte alta no preço da celulose de fibra curta na China


Veja todos os detalhes

Internacional

Política internacional:  Biden diz que EUA deve voltar a ter papel protagônico nas dinâmicas internacionais 

  • Em seu primeiro discurso sobre política externa, o presidente Joe Biden afirmou que os EUA deve voltar a ter papel protagônico nas dinâmicas internacionais. Se afastando da política ‘America First’ do governo Trump, o democrata afirmou que “a diplomacia está de volta” e destacou a importância de organizações multilaterais;
  • Ressaltamos, no entanto, que o presidente americano não reverteu totalmente a política do governo anterior. Apesar da diferença de tom com seu antecessor, Biden reforçou que os EUA deve continuar adotando uma linha dura com a China, seus “ataques aos direitos humanos” e “abusos econômicos”. Medidas como tarifas sobre produtos chineses não foram alteradas;
  • Nesta sexta-feira (5), Biden deve se reunir com parlamentares democratas para discutir emendas apresentadas por republicanos à resolução orçamentária que busca acelerar o tratamento do pacote de estímulo de USD 1,9 trilhões. Entre as alterações propostas, foi sugerida a mudança de critério para elegibilidade dos cheques de auxílio, medida que teve apoio bilateral;
  • Após reuniões com reguladores e entes relevantes sobre manipulação de mercado e volatilidade, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, diz que infraestrutura de mercado mostrou ser resiliente. Entretanto, considerou que reguladores devem investigar o tema em maior detalhe. Audiências foram marcadas no Congresso para avaliar o tema;
  • E no lado do processo de impeachment, o ex-presidente Donald Trump recusou pedidos de deposição ante a Câmara dos Representantes dos EUA;
  • Na Europa, a França e Alemanha disseram que ainda é muito cedo para reduzir restrições adotadas por conta da pandemia;
  • O ministro do comércio exterior francês, Franck Riester, disse que o país não assinará o acordo comercial entre a UE e Mercosul no atual formato sem um compromisso claro dos quatro países sul-americanos em pauta ambiental. O tema tenda a ganhar relevância nos próximos anos com a eleição de Biden nos EUA.

Empresas

Vivara (VIVA3): renúncia do CEO

  • Márcio Monteiro Kaufman renunciou sua posição como CEO do Grupo Vivara, a qual possuía há mais de 10 anos. No entanto, ele seguirá como membro do Conselho de Administração;
  • Paulo Kruglensky será o novo CEO da companhia, após atuar como Vice-Presidente de Operações desde o IPO e como diretor da Conipa, subsidiaria integral da Companhia antes disso;
  • Apesar de ser uma surpresa, vemos o anúncio como neutro pois entendemos que faz parte de um movimento natural de profissionalização da companhia (como diferentes membros no Conselho e na Diretoria Executiva), enquanto o Paulo tem muita experiência no grupo. Além disso, esperamos que o Márcio siga próximo da companhia através da sua posição no Conselho.

Vale (VALE3): Acordo positivo com as autoridades de Minas Gerais

  • Em fato relevante publicado ontem, a Vale anunciou um acordo de R$37,7 bilhões (~US$7bn) a fim de reparar os impactos do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, após meses de negociação com o governo de MG e entes governamentais;
  • O valor econômico firmado no acordo contempla projetos de reparação socioeconômica e socioambiental e possui um valor adicional estimado a ser despendido de R$19,8 bilhões, com base nos fluxos já desembolsados. A Vale já tem US$1,55 bilhão em provisões atualmente e US$1,78 bilhão em despesas incorridas anteriormente;
  • Em nossa opinião, vemos Dívida Líquida/EBITDA 2021E em torno de 0,4x e os dividendos não devem ser afetados, embora o dividendo mínimo possa diminuir para 7,5% de rendimento em 2021E (de 9%). Mantemos nossa recomendação de Compra (preço-alvo de R$122/ação). Clique aqui para acessar o relatório completo.

Setor Elétrico: Senado aprova a MP 998 que reduz tarifas de energia

  • Nesta quinta-feira (04), o Senado Federal aprovou a medida provisória que remaneja recursos no setor elétrico para permitir a redução de tarifas de energia. Além disso, a proposta reduz o crescimento de subsídios para fontes renováveis, como solar e eólica (também conhecidas como fontes incentivadas), e facilita a retomada das obras da usina nuclear de Angra 3. A MP 998/2020 foi aprovada na forma de um projeto de lei de conversão que veio da Câmara dos Deputados (PLV 42/2020) e segue para sanção do presidente da República;
  • Redução de tarifas de energia. O texto destina recursos não utilizados que as empresas de energia devem aplicar anualmente em projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e eficiência energética (EE) para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que é bancada por todos os consumidores brasileiros e usada para financiar diversos incentivos e políticas públicas, como os descontos para clientes de baixa renda. A medida vai permitir reajustes tarifários menores até 2025;
  • Subsídios. Quando foi editada, em setembro do ano passado, essa medida provisória encerrou os subsídios do governo à produção de energia solar, eólica e de biomassa. Mas, pelo texto do projeto de lei aprovado, a ajuda dos subsídios será estendida por 12 meses após a promulgação da respectiva lei. Adicionalmente, o texto garante uma compensação para usinas leiloadas entre 2015 e 2017 e que tiveram impacto na geração de energia por conta do chamado risco hidrológico. A proposta atende reivindicações da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). A compensação será feita por meio da extensão do prazo das concessões dos empreendimentos;
  • Região Norte. A MP estende prazo para que algumas distribuidoras do Norte – que pertenciam à Eletrobras e foram privatizadas em 2018 – possam atender parâmetros de eficiência e gestão econômica e financeira. O prazo passa a ser de cinco anos a partir da conversão em lei da medida provisória. Senadores tentaram ampliar a medida para incluir, também, a distribuidora Equatorial Pará, mas as sugestões foram recusadas pelo relator da matéria;
  • Angra 3. A MP também permite a exploração da usina nuclear de Angra 3 sob regime de autorização. Caberá ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) conceder a outorga de autorização, por até 50 anos prorrogáveis, por mais 20 anos.

Tenda (TEND3): Guidance da Tenda sugere sólido ano de 2021

  • Ontem (4 de fevereiro), a Tenda (TEND3) divulgou que a companhia espera um forte desempenho de vendas líquidas entre R$2,8 bilhões e R$3,0 bilhões, crescimento entre 9,7% e 17,5% em relação aos números de 2020, mas em linha com nossas estimativas (R$2,8 bilhões para 2021) e o desempenho de vendas anualizado dos últimos dois trimestres (terceiro e quarto trimestre de 2020);
  • Apesar do recente aumento da inflação de materiais de construção, a Tenda espera manter sua margem bruta ajustada entre 30%-32%, em linha com nossas estimativas (margem bruta ajustada de 31,7% para 2021);
  • Reiteramos nossa recomendação de compra e preço-alvo de R$37,2/ação, pois vemos o guidance alinhado com os últimos discursos dos executivos da companhia e amplamente em linha com nossas estimativas para 2021, sugerindo um sólido ano pela frente;

Petrobras (PETR4): Presidente, CEO da Petrobras e ministros se reúnem hoje para discutir medidas que possam diminuir preço do diesel

  • Segundo o Valor Econômico, nesta sexta-feira (05) às 9h o presidente Jair Bolsonaro conduzirá reunião no Palácio do Planalto para discutir medidas que possam diminuir o valor final dos combustíveis. Na agenda da reunião estão previstas a participação do ministros Paulo Guedes (Economia), Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), além do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco;
  • Em sua live semanal realizada ontem (04), o Presidente Jair Bolsonaro afirmou que gostaria que o Congresso aprovasse lei dizendo que o ICMS vai incidir sobre preço do diesel na refinaria – e não na bomba como ocorre atualmente – ou que tenha valor fixo por litro de combustível. Adicionalmente, o presidente ressalta a obrigatoriedade de se achar uma fonte de receita para compensar qualquer redução de impostos como o PIS/COFINS;
  • Mesmo com a baixa adesão de caminhoneiros à greve convocada por parte da categoria, Bolsonaro segue pressionado a tomar providências sobre o custo do frete, influenciado em grande parte pelo preço do diesel;
  • Por um lado, vemos como positivo o fato das discussões acerca dos preços de diesel não estarem focadas no elo da refinaria e, portanto, da política de preços da Petrobras. Por outro lado, enquanto não for possível encontrar uma solução que agrade todos os lados (principalmente a categoria dos caminhoneiros), recomendamos cautela e atenção para a política de preços de combustíveis da Petrobras. Temos recomendação de Compra nas ações da Petrobras, com preços-lavo em 12 meses de R$35/ação para PETR4/PETR3.

Papel & Celulose: Forte alta no preço da celulose de fibra curta na China

  • Os preços da celulose de fibra curta tiveram mais uma leve alta na semana (+US$51,6/t), para US$593,6/t. Esperamos que uma recuperação da demanda na China sustente preços em níveis mais elevados.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.