XP Expert

Nesta semana, destaque para o início da temporada de resultados nos EUA

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +2,0% | 112.833 Pontos

CÂMBIO -0,2% | 5,51/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Na semana passada, a Bolsa brasileira passou quase todos os dias praticamente estável, salvo na sexta-feira, quando os ganhos se aceleraram após divulgações da inflação no Brasil e payroll nos Estados Unidos. Uma leitura positiva desses dados levou o Ibovespa a fechar o dia com ganhos de +2,0%, terminando a semana com leves perdas de -0,06%, aos 112.833 pontos. Já nesta semana, investidores devem ficar de olho no início da temporada de resultados do terceiro trimestre nos EUA, iniciada tipicamente com a divulgação dos balanços de grandes bancos americanos.

Além disso, do lado internacional, teremos a divulgação da ata da última reunião de política monetária dos EUA, o FOMC, a divulgação de dados de produção industrial de agosto na Zona do Euro e inflação de setembro na Alemanha, além de dados do setor externo e inflação ao consumidor na China, todos termômetros importantes da recuperação econômica após restrições provocadas pela variante delta. No cenário doméstico, a CPI da Pandemia se encaminha para um final e a PEC dos Precatórios deve seguir para votação em breve; além disso, a proposta de alteração no ICMS deve seguir em discussão.

Hoje, os Mercados Globais amanhecem negativos (EUA -0,5% e Europa -0,4%) ao passo que preocupações com a retomada econômica global escalam em virtude dos elevados preços do petróleo e da crise energética global. Nos EUA, investidores aguardam o início da temporada de resultados, que começa com os bancos nesta semana. Na China (+0,1%), ações de tecnologia apreciaram-se ~3% após anúncio de que a Meituan será penalizada com uma multa antitruste mais baixa que o esperado. O Bitcoin (+1,5%) amanhece em alta à medida que investidores especulam sobre uma possível aprovação de um ETF de Bitcoin que investe em contratos futuros pela SEC (CVM americana). Por fim, o petróleo (+2,8%) segue a sua sequência de alta com o descontínuo balanço entre oferta e demanda pela commodity globalmente.

Do lado de Economia, destaque para o relatório de emprego dos Estados Unidos (nonfarm payroll), divulgado na última sexta-feira (8). O documento mostrou criação líquida de apenas 194 mil empregos na economia local em setembro, resultado muito inferior às expectativas do mercado (500 mil). O ritmo mais lento de geração de vagas deveu-se, em grande medida, à contração da população ocupada no setor público, enquanto o setor privado exibiu números sólidos. Vale ressaltar que os resultados de julho e agosto foram revisados para cima, e que a taxa de desocupação americana atingiu 4,8%, o menor patamar desde fevereiro de 2020. Com isso, acreditamos que os dados relativamente fracos de emprego em setembro não irão alterar as decisões de curto prazo do Fed, que deve anunciar formalmente o início da redução gradual de suas compras de ativos (tapering) na próxima reunião de política monetária, no início de novembro.   

No Brasil, o IPCA de setembro, também divulgado na última sexta-feira, apresentou elevação mensal inferior às expectativas. Apesar disso, o índice registrou a maior taxa de variação acumulada em 12 meses desde fevereiro de 2016. Mantemos o cenário de inflação bastante pressionada no curto prazo, como reflexo dos preços de commodities em níveis altos (petróleo como maior destaque), taxa de câmbio depreciada, restrições nas cadeias globais de suprimentos e efeitos da crise hídrica (aumento expressivo da tarifa de energia elétrica): projetamos alta de 9,0% para o IPCA de 2021. 

Por fim, no campo Político, a Câmara dos Estados Unidos deve votar na terça-feira (12) uma medida que eleva teto da dívida por USD 480 bilhões. O projeto já foi aprovado no Senado e não se esperam empecilhos na Câmara, onde democratas têm maioria.  Segundo estimativas do Tesouro do país, o valor deve ser suficiente para manter a solvência do país até o dia 3 de dezembro. Portanto, o debate deve ser retomado no fim do ano, ao mesmo tempo que as discussões sobre o orçamento para o governo e entes públicos terá que ser retomado. Nesse contexto, cresce apoio entre democratas para eliminação do teto da dívida. No entanto, as conversas são incipientes e a expectativa é que não haja acordo sobre o tema devido a composição atual do Congresso.

Tópicos do dia

Economia

  1. Dados de emprego nos EUA e inflação (IPCA) no Brasil vieram abaixo das expectativas
  2. Boletim FOCUS

Política

  1. A Câmara dos Estados Unidos deve votar na terça-feira (12) uma medida que eleva teto da dívida por USD 480 bilhões
  2. Janet Yellen disse que espera que o Congresso avance o imposto mínimo global

Empresas

  1. Grupo Pão de Açucar (PCAR3): Cnova anuncia adiamento de aumento de capital; Negativo
  2. Plano & Plano (PLPL3): Dados Operacionais Sólidos no 3T21
  3. Principais notícias dos setores

Mercados

  1. Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Valor da SpaceX

ESG

  1. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 11/10

Veja todos os detalhes

Economia

Dados de emprego nos EUA e inflação (IPCA) no Brasil vieram abaixo das expectativas

  • Conforme publicado pelo Departamento de Trabalho dos Estados Unidos na última sexta-feira (8), houve criação líquida de apenas 194 mil empregos na economia local em setembro, resultado muito inferior à nossa expectativa (585 mil) e ao consenso de mercado (500 mil). O ritmo mais lento de geração de vagas divulgado pelo relatório de emprego americano (Nonfarm Payroll) deveu-se principalmente à queda acentuada das categorias do setor público (-123 mil), sobretudo no ramo de educação, bastante afetado por questões de sazonalidade. Enquanto isso, o setor privado teve adição líquida de 317 mil empregos. As atividades de “Lazer e Hotelaria” voltaram a liderar a geração de vagas (74 mil), em linha com a reabertura econômica. “Serviços Profissionais e Empresariais” (60 mil e “Varejo” (56 mil) também apresentaram resultados sólidos. A taxa de desemprego dos Estados Unidos recuou para 4,8%, o menor nível desde fevereiro de 2020 (o consenso de mercado apontava para 5,1%). Por sua vez, o rendimento médio apresentou forte expansão em setembro (avanço de 0,6% ante agosto e 4,6% nos últimos 12 meses), à medida que as empresas vêm adotando a elevação de salários como forma de reduzir a persistente escassez de mão de obra na maior economia do mundo. A força de trabalho disponível diminuiu em 183 mil no mês passado e está 3,1 milhões abaixo do contingente registrado no início de 2020. Vale ressaltar que o relatório de emprego trouxe algumas boas notícias em termos de revisão na série de dados, já que a geração de ocupações de julho aumentou em 38 mil em comparação à divulgação original (para 1,09 milhão), ao passo que o saldo de agosto foi revisado de 235 mil para 366 mil. Em nossa opinião, os números relativamente fracos de emprego em setembro não irão alterar as decisões de curto prazo do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Continuamos a acreditar que o Fed anunciará formalmente a redução gradual de suas compras de ativos (tapering) na próxima reunião de política monetária, em 03 de novembro – a retirada dos estímulos deve começar efetivamente em dezembro, a um ritmo de US$ 15 bilhões a menos por mês, e terminar em meados de 2022;
  • No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve elevação de 1,16% em setembro, resultado abaixo da nossa estimativa e do consenso de mercado (1,26% e 1,25%, respectivamente). Os dados de inflação foram divulgados pelo IBGE na sexta-feira. Mesmo aquém do esperado, essa foi a maior taxa de variação para o mês de setembro desde 1994. Com isso, o IPCA acumula alta de 6,90% em 2021, e de 10,25% nos últimos 12 meses (a maior taxa desde fevereiro de 2016). Entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito exibiram alta em setembro. O maior impacto e a maior variação vieram de Habitação, influenciado principalmente pela alta da energia elétrica (6,47%) – vale lembrar que em setembro passou a valer a bandeira “escassez hídrica”. Outro grupo que registrou aumento expressivo foi Transportes (1,82%), e mais uma vez os combustíveis (2,43%) puxaram essa inflação. Os preços dos bens industrializados tiveram alta de 1,04% no mês passado, mais uma vez refletindo a forte elevação dos custos de produção e do repasse cambial (esta tendência deve permanecer nos próximos meses). Do lado mais favorável, a inflação de serviços subiu para 0,64% em setembro ante 0,39% em agosto, mas ficou abaixo do projetado (0,78%). O resultado do IPCA abaixo do esperado e com desagregação levemente positiva, principalmente nos preços de serviços, não altera nosso cenário de inflação pressionada no curto prazo, tendo em vista os efeitos dos preços de commodities em níveis elevados (destaque para o barril de petróleo), da taxa de câmbio depreciada, dos gargalos nas globais de insumos e da crise hídrica. Desta forma, projetamos alta de 9,0% para o IPCA de 2021;
  • Em relação à agenda econômica internacional desta semana, o foco dos mercados estará na divulgação de dados econômicos da China (importações/exportações na 4ª-feira e inflação – ao produtor e ao consumidor – na 5ª-feira), inflação ao consumidor (CPI) nos Estados Unidos (4ª-feira) e ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (4ª-feira). No Brasil, destaque para a publicação de resultados do setor de serviços (Pesquisa Mensal de Serviços, na 5ª-feira) e do IBC-Br, proxy mensal do PIB calculada pelo Banco Central (6ª-feira) – ambos referentes a agosto. Além disso, chamamos a atenção para a fase final da CPI da Pandemia e a continuidade das discussões envolvendo a PEC dos Precatórios e propostas de mudança na alíquota do ICMS incidente sobre combustíveis. 

Boletim FOCUS – Data de referência 11/10/2021

  • Destaque: Destaque para elevação das projeções de IPCA (2021 e 2022) e taxa Selic 2022;
  • A mediana das expectativas do mercado para a variação do IPCA em 2021 segue em trajetória de alta, variando de 8,51% na semana passada para 8,59% na divulgação de hoje (estava em 8,00% há quatro semanas). No mesmo sentido, o consenso para o IPCA de 2022 registrou elevação de 4,14% para 4,17% (4,03% há 1 mês), ficando ainda mais distante da meta de inflação estabelecida para o próximo ano (3,50%). Com base em atualizações nos últimos 5 dias úteis, a previsão para o IPCA de 2021 aumentou de 8,70% para 8,71%, enquanto a mediana para 2022 subiu de 4,14% para 4,17%;
  • Por sua vez, a previsão do mercado para o crescimento real do PIB em 2021 permaneceu (pela terceira vez consecutiva) em 5,04%. Para o PIB de 2022, por sua vez, a projeção apresentou queda de 1,57% para 1,54% (estava em 1,72% há 1 mês);
  • A mediana das expectativas para a taxa Selic no final de 2021 ficou estável em 8,25% (8,00% há 4 semanas). Por sua vez, o consenso de mercado para a taxa básica de juros no final de 2022 subiu de 8,50% para 8,75%;
  • Por fim, a projeção do mercado para a taxa de câmbio no final de 2021 ascendeu de R$/US$ 5,20 para R$/US$ 5,25. Para o final de 2022, a mediana das estimativas permaneceu em R$/US$ 5,25.

Política

A Câmara dos Estados Unidos deve votar na terça-feira (12) uma medida que eleva teto da dívida por USD 480 bilhões

  • A Câmara dos Estados Unidos deve votar na terça-feira (12) uma medida que eleva teto da dívida por USD 480 bilhões. O projeto já foi aprovado no Senado e não se esperam empecilhos na Câmara, onde democratas têm maioria;
  • Segundo estimativas do Tesouro do país, o valor deve ser suficiente para manter a solvência do país até o dia 3 de dezembro. Portanto, o debate deve ser retomado no fim do ano, ao mesmo tempo que as discussões sobre o orçamento para o governo e entes públicos terá que ser retomado;
  • Nesse contexto, cresce apoio entre democratas para eliminação do teto da dívida. No entanto, as conversas são incipientes e a expectativa é que não haja acordo sobre o tema devido a composição atual do Congresso.

Janet Yellen disse que espera que o Congresso avance o imposto mínimo global

  • Em paralelo, Janet Yellen disse que espera que o Congresso avance o imposto mínimo globalacordado na semana passada por 136 países via reconciliation, manobra que não requer votos republicanos. No entanto, diante da resistência de moderados sobre a pauta e diversas divergências existentes nas discussões sobre o projeto, o ambiente é pouco favorável à inciativa.  

Empresas

Grupo Pão de Açucar (PCAR3): Cnova anuncia adiamento de aumento de capital; Negativo

  • A Cnova, braço de ecommerce do Casino (controlador do GPA), reportou seus resultados hoje e anunciou que está adiando o aumento de capital que tinha previsto para essa ano por conta das condições de mercado;
  • Além disso, a companhia também retirou o guidance dado para o ano. Esse era um potencial trigger para o papel pois havia uma expectativa de que haveria uma parcela secundária, onde o GPA poderia desinvestir de uma parte ou de toda a sua participação de 34,17% no ativo, que traria um destravamento de valor no papel;
  • Vemos esse anúncio como negativo e reajustamos nosso preço alvo para R$29,0, mantendo a recomendação Neutra para o papel. (Clique aqui para acessar o relatório completo).

Plano & Plano (PLPL3): Dados Operacionais Sólidos no 3T21

  • A Plano & Plano registrou dados operacionais sólidos no 3T21, impulsionados principalmente por lançamentos com aumento acentuado de 24,2% vs. 2T21, atingindo R$439millon no 3T21, totalizando R$896 milhões em 9M21 contra 905mn em 9M20. Como consequência, as vendas líquidas subiram 45% ano contra ano, atingindo R$326 milhões no 3T21, totalizando R$ 1,023 bilhão em 9M21 contra R$ 590 milhões no 9M21. Dito isto, a velocidade das vendas liquidas atingiu um nível sólido de 43% nos últimos 12 meses, mesmo patamar quando comparado com 2T21 , refletindo a demanda sólida no segmento de baixa renda, apesar do cenário macro desafiador;
  • Portanto, podemos ver uma reação positiva da ação;
  • No lado de valuation, vemos a Plano & Plano negociando a 3,7x P/E em 2022, que vemos como atrativo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Bradesco anuncia compra da fatia do BB no Digio por R$ 625 milhões. Banco digital Digio tem uma carteira de R$ 2,5 bilhões e teve lucro de R$ 36,7 milhões no 1º semestre. (Valor);
    • Méliuz e Captalys fecham parceria para novo cartão. Segundo comunicado, estrutura de crédito será feita através de FIDC exclusivo. (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Amazon acelera atração de lojistas brasileiros para ser opção a gigantes do e-commerce. (Estadão);
    • Marcas próprias de supermercados tomam espaço das econômicas no varejo. (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Cotação do café alcança maior média em quase dez anos, diz OIC (Valor);
    • Confaz prorroga até abril de 2024 redução ou isenção de ICMS para insumos e produtos agropecuários (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • ONS: Níveis dos reservatórios das hidrelétricas apontam sinais de recuperação. (Valor Econômico);
    • Energia catapulta IPCA de setembro. (Canal Energia);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Valor da SpaceX

  • SpaceX é avaliada em um montante superior a US$ 100bi após venda de ações de seus investidores;
  • A TSMC planeja construir uma nova fábrica de chips, no valor de US$ 7,15bi, em conjunto com a Sony;
  • A Apple anunciou a expansão de sua sede em Culver City, próxima a Hollywood, na Califórnia;
  • Dados apontam que a atual produção de energia elétrica na China não é suficiente para suprir toda a demanda do país;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 11/10

  • Na sexta-feira, o mercado encerrou em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +2,0% e +1,9%, respectivamente. Na semana, o Ibov fechou em alta de +2,2%, enquanto o ISE +1,1%;
  • No Brasil, (i) a Petrobras passará a utilizar plataformas de produção de petróleo totalmente eletrificadas nos seus novos projetos, a fim de ganhar eficiência e reduzir o volume de emissões de carbono por barril de petróleo produzido, em meio à transição energética; e (ii) o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, afirmou no fim da semana passada que o Brasil oficializará, durante a CoP-26, o compromisso de zerar o desmatamento ilegal antes de 2030;
  • No internacional, segundo uma análise da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o financiamento climático dos países ricos aos países em desenvolvimento chegou a US$ 79,6 bilhões em 2019, um crescimento de 2% em relação a 2018, mas faltaram US$ 20 bilhões para cumprir a promessa, feita em 2009, de atingir US$ 100 bilhões anuais em 2020 em recursos climáticos. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.