XP Expert

Morning Call XP (18.set): Bancos Centrais do Brasil e dos EUA decidirão novo patamar de juros hoje

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,90% | 104.616 Pontos

CÂMBIO +0,1% | 4,08/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ontem o Ibovespa fechou em alta de 0,9% a 104.617 pontos, voltando ao seu maior patamar desde julho. A fala do presidente norte-americano, Donald Trump, animou os mercados, ao afirmar que um acordo comercial com a China pode sair em breve.

Hoje a atenção se volta às decisões de juros dos bancos centrais. No Brasil, a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) será anunciada após o fechamento do mercado, às 18h. Esperamos corte 0,5% na taxa de juros, levando a Selic para 5,5%, e sinalização de que mais um corte de 0,5% deverá ser realizado na próxima reunião. Nossa sondagem pré-Copom mostra que 91% dos investidores institucionais consultados também esperam que o Banco Central corte a Selic em 0,5% hoje.

Antes do Copom, teremos a decisão do Banco Central americano (Fed) às 15h (horário de Brasília). Esperamos corte de 0,25% e será importante monitorar em seguida o discurso do Presidente do Fed, Jerome Powell, em conferência de imprensa às 15:30.

Enquanto os investidores aguardam o direcionamento dos juros, futuros dos EUA negociam em leve queda, em meio à sessão positiva na Europa e mista na Ásia durante a noite.

Do lado das commodities, após alta de 15% na segunda-feira, os preços de petróleo corrigiram, recuando 6,5% ontem, após a Saudi Aramco informar que voltará à plena capacidade de produção em 2-3 semanas. Nessa manhã de quarta-feira, o petróleo tipo Brent opera em leve queda de 0,3%, em US$64,4/barril.

No campo político no Brasil, o governo quer incluir mudanças a PMs e bombeiros no projeto de reforma da previdência para os militares, que ainda não avançou na Câmara. A estimativa inicial de impacto do projeto era de R$ 52 bilhões em 10 anos, mas pode ser revista para atender reinvindicações das categorias.

A PEC para controle dos gastos obrigatórios saiu da pauta da CCJ por falta de apoio do governo. O presidente da comissão, que é do PSL, afirmou que só reincluirá a matéria para discussão quando houver sinalização de que o governo está empenhado na aprovação do projeto. A PEC prevê uma série de medidas impopulares para economizar até R$ 102 bilhões por ano, o que abriria espaço para o governo gastar com despesas discricionárias e ainda assim respeitar as regras fiscais.

Por fim, dias após o presidente Jair Bolsonaro ter ordenado a eliminação de uma nova CPMF da proposta de reforma tributária do governo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender o retorno do imposto, alegando que a medida geraria empregos e impulsionaria o crescimento econômico. Na ausência de uma nova CPMF, o governo estuda agora como conseguir uma fonte de recursos capaz de compensar a chamada desoneração da folha na proposta de reforma tributária que ainda vai enviar ao Congresso. Entre as alternativas em estudo está a ideia de desistir do alívio no Imposto de Renda e de aumentar a alíquota do Imposto sobre Valor Agregado (IVA).

Tópicos do dia

Sondagem XP

  1. Investidores institucionais esperam corte de 0,50p.p na Selic

Brasil

  1. Política Brasil: Governo quer incluir mudanças no projeto da Reforma da Previdência para os militares
  2. Reforma Tributária: Guedes volta a defender o retorno de uma nova CPMF; governo estuda desistir do alívio no Imposto de Renda

Internacional

  1. Brasil e EUA decidem juros hoje

Empresas

  1. Ambev (ABEV3): Empresa distribuirá energéticos da Red Bull no Brasil

Renda Fixa

  1. Crédito imobiliário com taxa pré-fixada depende de regulamentação
  2. BNDES e a alta no desembolso das usinas

Fundos de Investimento

  1. Expectativas de Gestores Macro – Copom Setembro/19


Veja todos os detalhes

Sondagem XP

Investidores institucionais esperam corte de 0,50p.p na Selic

  • Sondagem realizada pela XP Investimentos entre 16 e 17 de setembro mostra que 91% dos investidores institucionais consultados esperam que o Banco Central corte a Selic em 0,50 ponto percentual na próxima reunião, cuja decisão será divulgada nesta quarta-feira;
  • O levantamento foi realizado com investidores institucionais, um público formado por gestores, traders e economistas de fundos de investimentos e instituições financeiras. Para ver a sondagem na íntegra, clique aqui.

Brasil

Política Brasil: Governo quer incluir mudanças no projeto da Reforma da Previdência para os militares

  • Reforma da previdência: Governo quer incluir mudanças a PMs e bombeiros no projeto de reforma para os militares, que ainda não avançou na Câmara. A estimativa inicial de impacto do projeto era de R$ 52 bilhões em 10 anos, mas pode ser revista para atender reinvindicações das categorias;
  • PEC para controle dos gastos obrigatórios saiu da pauta da CCJ por falta de apoio do governo. O presidente da comissão, que é do PSL, afirmou que só reincluirá a matéria para discussão quando houver sinalização de que o governo está empenhado na aprovação do projeto. A PEC prevê uma série de medidas impopulares para economizar até R$ 102 bilhões por ano, o que abriria espaço para o governo gastar com despesas discricionárias e ainda assim respeitar as regras fiscais.

Reforma Tributária: Guedes volta a defender o retorno de uma nova CPMF; governo estuda desistir do alívio no Imposto de Renda

  • De acordo com a Folha de São Paulo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender o retorno de uma nova CPMF mesmo após o presidente Jair Bolsonaro ter ordenado a eliminação do imposto da proposta de reforma tributária do governo. Em um evento do setor de comércio realizado na última terça-feira, Guedes alegou que o imposto viabilizaria uma redução de alíquotas de impostos existentes hoje, geraria empregos e impulsionaria o crescimento econômico;
  • Na ausência de uma nova CPMF, o governo estuda agora como conseguir uma fonte de recursos capaz de compensar a chamada desoneração da folha na proposta de reforma tributária que ainda vai enviar ao Congresso. Entre as alternativas em estudo está a deia desistir do alívio no Imposto de Renda e de aumentar a alíquota do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), hoje prevista em 25%.  Com as medidas, a perda na arrecadação seria menor e a desoneração poderia ser implementada;
  • De acordo com a mídia local, a avaliação da equipe econômica é de que o “timing” de envio do texto de reforma ainda não está certo, já que Câmara e Senado tem uma proposta que tramita separadamente. A equipe econômica tenta fechar sua proposta e ganhar tempo até que os presidentes da Câmara e do Senado cheguem a um acordo de onde o texto vai começar a tramitar.

Internacional

Brasil e EUA decidem juros hoje

  • Os eventos mais importantes do dia são as decisões de juros do Banco Central americano (Fed) e do Banco Central do Brasil às 15h e 18h, respectivamente;
  • Nosso estrategista global, Alberto Bernal acredita que o Fed deva cortar 0,25% em virtude da recente moderação das tensões comerciais entre EUA e China. A expectativa de mercado (Bloomberg) também é de corte de 0,25%. As decisões de juros nos EUA vêm sendo marcada por dissidência entre os membros votantes e por alguma imprecisão na comunicação do Fed com o mercado. Assim, o pronunciamento do presidente do Fed, Jerome Powell, marcado para as 15h30 será aguardado pelos agentes de mercado a fim de esclarecer a posição da instituição com relação a qual parte do ciclo monetário o Fed se encontra;
  • No Brasil, esperamos que o Banco Central siga cortando juros em 0,50% (em linha com a expectativa de mercado), levando a Selic para 5,50%, e sinalizando que mais um corte de 0,50% deverá ser realizado na próxima reunião. Acreditamos que o comunicado escrito emitido pelo BC logo após a decisão de juros deva mostrar que o balanço de riscos para inflação está, de forma geral, mais benigno: i) a atividade econômica ainda se recupera gradualmente, ii) a reforma da previdência foi aprovada na câmara (a despeito de enfrentar desidratação no Senado), e que iii) a desaceleração global mais pronunciada deve ter efeito líquido deflacionário para o Brasil. Esse quadro deverá ser ilustrado pelo cenário de referência do BC.

Empresas

Ambev (ABEV3): Empresa distribuirá energéticos da Red Bull no Brasil

  • Segundo a Reuters, a Ambev recebeu ontem o aval do Cade para distribuir bebidas energéticas da Red Bull em determinados pontos de venda do território nacional;
  • A Red Bull venderá suas bebidas à Ambev, que as revenderá atuando como distribuidora independente, ou seja, arcando com os custos de distribuição. De acordo com parecer do Cade, a operação tem por objetivo aliar a expertise e as rotas de distribuição da Ambev, com o interesse da Red Bull em expandir a distribuição de suas bebidas energéticas no Brasil;
  • Os valores do contrato ainda não foram informados, mas vemos a iniciativa como positiva, adicionando ao portfólio da companhia. Mantemos recomendação Neutra para as ações da Ambev.

Renda Fixa

Crédito imobiliário com taxa pré-fixada depende de regulamentação

  • De acordo com o Estadão, a nova modalidade de crédito imobiliário em estudo pela Caixa Econômica Federal, com taxas pré-fixadas, deve demorar a sair do papel, uma vez que ainda é necessária regulamentação específica em relação à repactuação dos contratos ao longo da vida do financiamento. O diretor de financiamentos e empréstimos do banco público, Leandro Diniz, relatou que a maior dificuldade dessa taxa é que não há taxa pré de 30 anos (prazo muito longo);
  • Para que fosse viável, o ideal na visão do diretor seria que os bancos pudessem repactuar o contrato a cada cinco anos, mas para isso ser possível é necessária regulamentação específica e muito diferente da existente no país. As discussões não começaram ainda entre os agentes, mas o banco espera que essa modalidade esteja disponível em até dois anos;
  • Essa nova modalidade seria mais uma opção de financiamento imobiliário, que recentemente também recebeu a notícia de possibilidade de crédito corrigido pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), sendo uma opção ao tradicional financiamento indexado à taxa referencial (TR). Ainda não houve percepção de aumento de demanda de crédito imobiliário devido à nova modalidade, porém é possível que sejam feitos ajustes nas condições de concessão das linhas que podem impulsionar a procura, sendo positivo para as empresas do setor.

BNDES e a alta no desembolso das usinas

  • De acordo com o Valor Econômico, a alta nos investimentos das usinas sucroalcooleiras no país levam o BNDES a projetar retomada de desembolso para financiamento do setor. O objetivo desses recursos seria financiar projetos de longo prazo, sendo um dos focos empresas de porte médio, porém grandes empresas teriam oportunidade de acessar esses financiamentos para investimentos em biogás e tecnologia 4.0;
  • Apesar da expectativa de retomada de desembolsos, não se espera que voltem a patamares vistos até 2015, por exemplo. Em 2018, os desembolsos para as usinas atingiram R$1,9 bilhão, distantes dos R$2,8 bilhões de 2015. Além disso, antes as liberações eram mais amplas, ao passo em que hoje são mais restritas a grandes grupos ou usinas com melhor desempenho financeiro;
  • O banco de fomento seria então complementar ao mercado de capitais, que ainda não têm capacidade de fornecer linhas de prazo tão longo (cerca de 15 anos) para implantação de projetos nesse setor, além de o BNDS não focar em financiamentos em renovação de canavial.

Fundos de Investimento

Expectativas de Gestores Macro – Copom Setembro/19

  • Nesta quarta-feira (18/09), os diretores do Banco Central se reúnem em mais um Comitê de Política Monetária, dia em que também acontece a reunião do comitê (FOMC) do Banco Central nos EUA;
  • Como prática do time de fundos de investimento da XP, fizemos um levantamento com os gestores macro da plataforma, coletando suas projeções sobre os indicadores econômicos brasileiros, assim como o posicionamento dos fundos no mercado local e a expectativa quanto ao movimento realizado pelo BC na taxa Selic;
  • Assim como às vésperas da última reunião do Copom, realizada em julho, a expectativa de corte da Selic é unânime. Para ver o consolidado das expectativas, clique aqui.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.