XP Expert

Morning Call XP (02.out): Atenções voltadas aos destaques da reforma da Previdência

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,7% | 104.053 Pontos

CÂMBIO +0,1% | 4,16/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou ontem em queda de -0,66%, em 104.053 pontos, impactado pela aversão a risco nos mercados globais e cautela com a votação da reforma da Previdência no Senado.

As atenções ontem se voltaram para a aprovação, por 56 votos a 19, do texto-base da reforma da Previdência no primeiro turno, placar mais estreito do que o esperado. Entretanto, o governo sofreu um revés no destaque da Cidadania, que solicitava a exclusão das mudanças no abono salarial. O governo precisava de 49 votos para manter o texto, mas obteve apenas 42, além de 30 votos contrários, implicando uma desidratação de R$76,4 bilhões na reforma e levando a economia total para R$800 bilhões.

A sessão para a votação dos destaques foi encerrada após a análise do primeiro destaque e será retomada hoje pela manhã. Ainda resta a apreciação dos seis destaques remanescentes, que podem levar a uma desidratação adicional de R$200 bilhões. O PT tenta mudar regras da pensão por morte e o Podemos quer mexer nas regras de transição. Rede, PDT, Pros e MDB também tem destaques.

Esperamos que o mercado tenha uma interpretação negativa à desidratação que já aconteceu, e monitore com cautela a análise dos destaques remanescentes. Por outro lado, se a economia final com a reforma for mantida acima dos níveis inicialmente esperados (aproximadamente R$700 bilhões), esperamos um alívio dos mercados, e mudança do foco para a agenda de reformas microeconômicas que ainda está por vir.

Ontem também foram divulgados dados da produção industrial brasileira de agosto, que apresentou queda de 2,2% A/A. Apesar do resultado negativo, a leitura surpreendeu positivamente tanto as nossas expectativas (-3,6%) quanto a expectativa de mercado de (-3,2%). Com relação ao mês anterior, a produção industrial apresentou expansão de 0,8%, impulsionada por apenas três segmentos do setor de bens intermediários. Apesar da leitura positiva em agosto, o quadro de estagnação industrial brasileira persiste e aumenta a preocupação com relação à retomada da atividade econômica nesse ano.

Na frente internacional, bolsas asiáticas e europeias encerraram em queda, e futuros das bolsas americanas também operam em território negativo. O movimento de aversão a risco reflete preocupações com a desaceleração das economias globais após a divulgação de dados apontando forte contração da atividade industrial dos EUA.

O índice de atividade industrial do ISM de setembro foi de 47,8, com leituras abaixo de 50 sinalizando uma contração de atividade. Agentes do mercado atribuem a leitura, que corresponde a uma deterioração aos níveis de 49,1 de agosto, às incertezas resultantes das tensões comerciais, para as quais ainda não se enxergam soluções imediatas no curto prazo.

Na Europa, a partir das 8h de Brasília, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, apresentará sua última oferta para o Brexit durante convenção do Partido Conservador. O premiê já alertou em sua fala de hoje que se a União Européia não aceitar sua proposta, a saída será mais radical e acontecerá no próximo dia 31, mesmo sem um acordo formal.

Sobre commodities, a preocupação com o crescimento global levou a queda de -3,11% do petróleo Brent ontem, hoje operando em leve queda de -0,25%. Hoje serão publicados pela EIA os dados de estoques de petróleo nos EUA, com o mercado esperando uma alta de 1,567 milhões de barris ante 2,412 milhões na semana anterior.

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: Reforma da Previdência é aprovada no primeiro turno, mas sofre desidratação de R$76,4bi
  2. Produção industrial apresenta leve melhora em agosto, mas ainda mostra um quadro de estagnação da indústria nacional
  3. Cessão Onerosa: Presidente da Câmara afirma que vai trabalhar para garantir votação da PEC até o fim de outubro

Internacional

  1. Economia Internacional: Brexit, Impeachment nos EUA e atividade industrial nos EUA mais fraca impactam negativamente os mercados
  2. Petróleo: Estoques de petróleo dos EUA caíram 5,9 milhões de barris na semana passada

Empresas

  1. Carrefour Brasil (CRFB3): Aquisição de 49% de participação na fintech Ewally
  2. BRF (BRFS3): Esclarecimentos quanto à nova fase da operação Carne Fraca
  3. Weg (WEGE3): Anúncio de aquisição de 51% da V2COM

Renda Fixa

  1. Emissão de CRA em moeda estrangeira pode dobrar em 5 anos

Fundos de investimento

  1. Entendendo o conceito de taxa de administração: Por que os grandes bancos cobram mais do que deveriam?


Veja todos os detalhes

Brasil

Política Brasil: Reforma da Previdência é aprovada no primeiro turno, mas sofre desidratação de R$76,4bi

  • A Reforma da previdência encolheu R$ 76,4 bilhões após derrota do governo no destaque do Cidadania, levando a economia total da reforma para algo próximo a R$ 800 bilhões. Depois de aprovar o texto base no plenário por 56 x a 19 por volta de 23h, placar mais estreito que o esperado, os líderes decidiram pela continuidade da sessão para votar os destaques. A derrota se deu no destaque do Cidadania, que solicitava a exclusão das mudanças no abono salarial. O governo precisava de 49 votos para manter o texto, mas obteve apenas 42, além de 30 votos contrários. A sessão foi encerrada em seguida e será retomada hoje pela manhã e a sessão do Congresso foi adiada para 15h;
  • Viraram os votos os senadores Alessandro Vieira (CID-SE), Alvaro Dias (PODE-PR), Dário Berger MDB-SC), Eduardo Braga (MDB-AM), Eduardo Girão (PODE-CE), Esperidião Amin (PP-SC), Flávio Arns (REDE-PR), Jorge Kajuru (CID-GO), Kátia Abreu (PDT-TO), Mara Gabrilli (PSDB-SP), Reguffe (PODE-DF), Rodrigo Cunha (PSDB-AL), Styvenson Valentim (PODE-RN). Já Marcos Rogério (DEM-RO) e Telmário Mota (PROS-RR), haviam votado sim ao texto base e depois não votaram no destaque. O senador Otto Alencar (PSD-BA) havia votado não ao texto base e depois votou sim para o destaque;
  • Os seis destaques que ainda serão apreciados têm impacto potencial de R$ 200 bilhões. O PT tenta mudar regras da pensão por morte e o Podemos quer mexer nas regras de transição. Rede, PDT, Pros e MDB também tem destaques pendentes de apreciação.

Produção industrial apresenta leve melhora em agosto, mas ainda mostra um quadro de estagnação da indústria nacional

  • Em agosto de 2019, a indústria brasileira apresentou queda de 2,2% na comparação anual (ago19 / ago18), e apesar do resultado negativo, a leitura surpreendeu tanto as nossas expectativas (-3,6%) quanto a expectativa de mercado coletada pela Bloomberg (-3,2%);
  • Com relação ao mês imediatamente anterior, a produção industrial de agosto apresentou expansão de 0,8%, puxada principalmente pelo avanço pontual de três segmentos da indústria de bens intermediários: i) alimentos e bebidas elaborados para a indústria; ii) combustíveis e lubrificantes básicos e iii) combustíveis e lubrificantes elaborados, com exceção de gasolina para automóveis. Este avanço, entretanto, não foi suficiente para que a indústria brasileira retornasse ao seu patamar pré-crise (jan/2014);
  • Apesar da leve recuperação em agosto, os dados recentes mostram que a indústria brasileira passa por um quadro de estagnação crônica e que, tudo o mais constante, será necessário mais tempo para que ela recupere o nível de produção observado no começo da década. Ainda vemos um processo gradual de recuperação da indústria brasileira e continuamos esperando que o PIB cresça 0,9% na comparação anual do 3T19 e 0,4% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Clique aqui para ver a nossa interpretação da produção industrial em agosto na íntegra.

Cessão Onerosa: Presidente da Câmara afirma que vai trabalhar para garantir votação da PEC até o fim de outubro

  • Segundo a Reuters, ontem Rodrigo Maia afirmou que vai trabalhar para que a parte restante da PEC da Cessão Onerosa seja votada no plenário até o final do mês;
  • Na semana anterior o Governo e o Congresso chegaram a um acordo para viabilizar a promulgação do trecho da PEC da cessão onerosa necessário para a realização do leilão do pré-sal no início de novembro. O texto promulgado também prevê a distribuição de parte desses recursos a Estados e municípios, mas os trechos que definem os critérios dessa partilha permanecem em discussão na Câmara dos Deputados;
  • Maia se comprometeu a realizar sessões nas segundas e sextas-feiras para agilizar o prazo de tramitação da PEC restante sobre o tema. Além disso ele afirma que não há divergência, entre os deputados, sobre o percentual a ser dedicado a Estados e municípios – 15% para cada.

Internacional

Economia Internacional: Brexit, Impeachment nos EUA e atividade industrial nos EUA mais fraca impactam negativamente os mercados

  • Ontem o índice ISM de atividade industrial dos Estados Unidos do mês de setembro caiu ao seu menor nível desde junho de 2009 (47,8 pontos), surpreendendo negativamente a projeção de mercado (50,1) e aumentando a aversão a risco;
  • Além disso, às 8h de Brasília o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, apresentará sua última oferta para o Brexit durante convenção do Partido Conservador. O premiê já alertou que se a União Européia não aceitar sua proposta, a saída será mais radical (próximo dia 31) mesmo sem um acordo formal;
  • Finalmente, o possível processo de Impeachment do presidente americano, Donald Trump, segue no radar do mercado hoje após Trump qualificar o episódio como uma tentativa de “golpe”.

Petróleo: Estoques de petróleo dos EUA caíram 5.9 milhões de barris na semana passada

  • Segundo o American Petroleum Institute (API) os estoques de petróleo dos EUA caíram -5.9 milhões de barris/dia (mbpd) na semana passada, ante o aumento de +1.4 mbpd da semana anterior. O relatório oficial de fornecimento da Agência de Informação de Energia dos EUA (EIA) deve ser publicado hoje ao meio dia (horário de Brasília), com expectativas do mercado de um aumento de +1.567 mbpd nos estoques ante um aumento de 2.412 mbpd na semana anterior;
  • Em face das notícias mencionando a normalização de produção da Arábia Saudita aos níveis anteriores ao ataque dos rebeldes Houthis, somado a preocupações com a desaceleração econômica global, o Petróleo tipo Brent ontem fechou em queda de -3,11%. Nessa manhã de quarta-feira, a commodity continua operando em território negativo, em queda de -0,32%, em US$58,70/barril.

Empresas

Carrefour Brasil (CRFB3): Aquisição de 49% de participação na fintech Ewally

  • O Carrefour Brasil fechou acordo para a aquisição de 49% da Ewally, fintech especializada em serviços financeiros digitais. O valor da transação não foi informado, mas inclui a opção de compra do controle após 3 anos;  
  • Segundo a empresa, esse movimento inicia a atuação da companhia no segmento de conta digital e promove o acesso aos produtos e serviços do Banco Carrefour e ampliação da oferta de soluções para o mercado de serviços para empresas (B2B);  
  • Acreditamos que a aquisição deve reforçar a estratégia de transformação digital do Carrefour Brasil e ampliar a atuação do Banco Carrefour. Nossa recomendação para o papel é de Neutro com preço-alvo de R$25/ação em função dos patamares atuais de múltiplos, que vemos como justo.

BRF (BRFS3): Esclarecimentos quanto à nova fase da operação Carne Fraca

  • Frente às notícias veiculadas na imprensa sobre a operação deflagrada pela Polícia Federal (“Operação Romanos” – nova fase da operação Carne Fraca), a BRF, em fato relevante ontem, esclereceu que nenhum de seus escritórios ou instalações foi alvo, nesta data, de medidas de busca e apreensão no âmbito dessa operação e suas atividades seguem em plena normalidade;
  • Segundo a BRF, em consonância com comunicados ao mercado anteriores, a empresa tem colaborado com as autoridades para o esclarecimento dos fatos apurados nas investigações conduzidas pela Polícia Federal e Ministério Público;
  • A BRF reiterou seu compromisso com a adoção de um sistema eficaz, eficiente e integrado de compliance, que continue assegurando a conformidade de sua atuação com as normas vigentes. Os ruídos advindos dessa frente pressionaram os papéis da BRF na abertura do mercado de ontem (-1,57%), mas o declínio foi amenizado ao longo do dia, com o papel fechando em leve queda de -0,55% no pregão de ontem.

Weg (WEGE3): Anúncio de aquisição de 51% da V2COM

  • Weg anunciou nesta manhã o acordo de aquisição de 51% da V2COM, especializada em IoT (Internet of Things) e soluções de telemedição para sistemas de energia elétrica;
  • A V2COM é uma empresa focada no setor de energia e possui amplo portfólio de projetos em telemetria, geração de relatórios, análise de perdas e soluções de IoT para outras empresas dos setores de energia elétrica, água, gás e entre outros. Atende também com desenvolvimento de soluções de sensoriamento para a indústria 4.0;
  • O valor da aquisição não foi divulgado. Vemos esta transição positiva para a empresa e em linha com sua estratégia de crescimento e diversificação. Mantemos recomendação Neutra para Weg com preço-alvo de R$19,7/ação.

Renda Fixa

Emissão de CRA em moeda estrangeira pode dobrar em 5 anos

  • Segundo informações do Valor Econômico, a emissão de CRAs por dobrar para R$80 bilhões em cinco anos, como resultado de medida provisória assinada ontem e que permitirá a investidores estrangeiros a compra desses títulos isentos de tributação sobre variação cambial;
  • As emissões em moeda estrangeira já eram permitidas desde 2016. O que muda é que agora as Cédulas do Produtor Rural (CPR), lastro das transações, podem ser também em moeda estrangeira. Espera-se que, além de grandes produtores, aqueles de menor porte também sejam beneficiados pela medida;
  • A medida era aguardada pelo setor, que demanda fontes alternativas de funding e amplia a possibilidade de participação do mercado de capitais no fornecimento de recursos ao agronegócio.

Fundos de investimento

Entendendo o conceito de taxa de administração: Por que os grandes bancos cobram mais do que deveriam?

  • Na última reunião do Comitê de Política Monetária, os diretores do Banco Central do Brasil decidiram reduzir a taxa básica de juros (a Selic) em 50 pontos-base, de 6% para 5,5% ao ano. Patamar histórico, nunca antes os juros brasileiros haviam atingindo um nível tão baixo. Com as taxas nas mínimas históricas, o investidor brasileiro se depara com uma nova Era no mundo dos investimentos;
  • Após esse evento, as mídias se encarregaram de expor os absurdos existentes na indústria de fundos. Mais especificamente, as redes sociais colocaram em evidência o (até então) fundo de renda fixa mais caro do mercado, o Santander Inteligente FIC FIRF Curto Prazo, que, assim como a nossa taxa Selic, cobrava 5,5% ao ano. A pressão nas redes foi tão grande que o Santander reduziu a taxa de administração para 2,7% ao ano – uma sinalização positiva, mas um nível de taxa ainda absurdo para tal fundo de renda fixa;
  • Vários investidores alegaram que o preço da taxa, de fato, não era justo. Mas afinal, como avaliar qual o valor justo para a taxa de administração de um fundo? A taxa do fundo do Santander não deveria ter sido reduzida ainda mais? Para saber mais, clique aqui e leia o conteúdo completo.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.