XP Expert

Mercados globais em alta com dados da China, foco nos dados de emprego dos EUA

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -1,1% | 107.220 Pontos

CÂMBIO 0,7% | 4,02/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou o pregão de ontem em queda de -1,1%, em movimento de realização com a maior tensão no campo internacional e também impactado pela divulgação de resultados de empresas mais fracos do que o esperado (como o Bradesco, que caiu -4,0%).

Por outro lado, nesta manhã mercados asiáticos, europeus e futuros das bolsas americanas operam em alta. No cenário internacional, dados de atividade surpreenderam positivamente e reforçaram o argumento de que o risco de recessão das principais economias globais tem se tornado menor. No Reino Unido, o PMI industrial subiu para 49,6 pontos em outubro, atingindo seu maior nível em seis meses, enquanto na China, o indicador subiu para 51,7, sua maior leitura desde fevereiro de 2017.

Na agenda econômica, o destaque serão divulgados às 9h30 os dados do mercado de trabalho (Payroll) dos Estados Unidos, que deve registrar a criação de 85 mil novos postos e uma taxa de desemprego de 3,6%.  Os dados serão monitorados de perto, pois devem sinalizar os próximos passos da política monetária adotada pelo Fed, que na última semana sinalizou uma pausa no ciclo de corte de juros.

Voltando para o Brasil, Eduardo Bolsonaro, em entrevista, defendeu a edição de um novo AI-5 em caso de radicalização da esquerda. A referência ao início da ditadura militar foi imediatamente alvo de crítica generalizada, inclusive pelo presidente Jair Bolsonaro. Eduardo postou um vídeo se desculpando, mas a oposição estuda levar o deputado e líder do PSL na Câmara à Comissão de Ética da Casa.

Outras notícias apontam que o governo deve anunciar programa para incentivar a contratação de jovens e pessoas acima de 55 anos. Nesses casos, a desoneração da folha deve ficar em 30% dos encargos devidos. Haverá um custo de R$ 5 bilhões ao Tesouro, mas ainda não há detalhes sobre compensação, a ser feita via corte em outras áreas ou aumento de impostos.

Finalmente, de acordo com o noticiário local, o governo planeja implementar um corte linear de 10% em todos os incentivos tributários em vigor, que somam R$ 307 bilhões no total. O corte incluiria programas como o Simples e a desoneração da cesta básica, mas deixaria de fora alguns incentivos às regiões do Norte e Nordeste e da Zona Franca de Manaus, estimados em R$ 30 bilhões. Dessa maneira, o corte de 10% aliviaria o orçamento federal em aproximadamente R$ 27 bilhões. Para os próximos quatro anos, caberá ao congresso analisar a necessidade de cada um desses subsídios e determinar a extinção completa dos que não se mostrarem viáveis.

Na agenda das empresas, a Suzano reportou resultados levemente acima do esperado, com a normalização dos estoques além das expectativas sendo o principal destaque positivo. Apesar da falta de visibilidade em relação aos preços de celulose adiante e, consequentemente, no que se refere à alavancagem da empresa (que segue sendo uma preocupação), nós vemos com bons olhos o esforço em direção à normalização dos estoques e reiteramos nossa visão positiva sobre a dinâmica da oferta / demanda de celulose no longo prazo. Mantemos Compra.

Por fim, publicamos nosso Panorama de Mercado para novembro. Outubro foi um mês positivo para o Ibovespa, que subiu 2,4% e fechou em 107.220 pontos, com destaque para: (1) otimismo com a aprovação da reforma da previdência no segundo turno no Senado; (2) gradual consolidação da agenda pós-previdência; (3) melhora relativa no cenário externo, com expectativas de que os EUA e China cheguem pelo menos a um acordo comercial preliminar; (4) menor probabilidade de recessão nos EUA.

Seguimos otimistas com o Brasil e especialmente com a Bolsa. Reiteramos nossa projeção de 140 mil pontos para o final de 2020. Para acessar o relatório completo, clique aqui. Além disso, não houve alterações na Carteira Top 10 ações XP e realizamos duas trocas na nossa carteira Top Dividendos XP: (i) trocamos EDP por Sanepar e (ii) substituímos Engie por CTEEP.

Tópicos do dia

Panorama de Mercado

  1. Ações: O que saber para investir em novembro

Brasil

  1. Política Brasil: Eduardo Bolsonaro faz declaração polêmica
  2. Governo anunciará corte linear de 10% em todos os incentivos tributários
  3. Mercado de trabalho brasileiro apresenta leve piora em setembro
  4. Guedes estuda a possibilidade de utilizar dinheiro parado em fundos para diminuir a dívida pública do país

Empresas

  1. Suzano (SUZB3): Resultados levemente acima do esperado; Normalização dos estoques vai além das expectativas
  2. Copasa (CSMG3): Resultados melhores por aumento de dias de cobrança
  3. Vale (VALE3): Protocolo de emergência para barragem em Ouro Preto acionado
  4. B2W (BTOW3) e Magazine Luiza (MGLU3): O que o resultado do 3T19 de Mercado Livre significa para B2W e Magalu?
  5. Setor Imobiliário: Pesquisa reforça cenário positivo para segmento corporativo em SP

Renda Fixa

  1. Setor de shoppings centers tem melhor terceiro trimestre desde 2013

COE

  1. Amazon, Google e Uber pretendem iniciar testes de entrega via Drones
  2. Heineken manterá o contrato de distribuição com a Coca-Cola até 2022
  3. Apple: lançamento do AirPods Pro pode ajudar na diversificação de receitas


Veja todos os detalhes

Panorama de Mercado

Ações: O que saber para investir em novembro

  • Publicamos nosso Panorama de Mercado para novembro. Outubro foi um mês positivo para o Ibovespa, que subiu 2,4% e fechou em 107.220 pontos, com destaque para: (1) otimismo com a aprovação da reforma da previdência no segundo turno no Senado; (2) gradual consolidação da agenda pós-previdência; (3) melhora relativa no cenário externo, com expectativas de que os EUA e China cheguem pelo menos a um acordo comercial preliminar; (4) menor probabilidade de recessão nos EUA;
  • No Brasil, o corte de 0,50% na Selic manteve aquecida a discussão de juros mais baixos por mais tempo e sustentou o  índice Ibovespa no relativo aos mercados globais. Nossos economistas esperam mais um corte de 0,50% na próxima reunião do Copom em dezembro, e um adicional de 0,25% na reunião de fevereiro, levando a Selic para o menor patamar de sua história, de 4,25% ao ano;
  • Seguimos otimistas com o Brasil e especialmente com a Bolsa. Reiteramos nossa projeção de 140 mil pontos para o final de 2020. Para acessar o relatório completo, clique aqui.

Brasil

Política Brasil: Eduardo Bolsonaro faz declaração polêmica

  • Eduardo Bolsonaro, em entrevista, defendeu a edição de um novo AI-5 em caso de radicalização da esquerda. A referência ao início da ditadura militar foi imediatamente alvo de crítica generalizada, inclusive pelo presidente Jair Bolsonaro. Eduardo postou um vídeo se desculpando, mas a oposição estuda levar o deputado e líder do PSL na Câmara à Comissão de Ética da Casa;
  • Governo deve anunciar programa para incentivar a contratação de jovens e pessoas acima de 55 anos. Nesses casos, a desoneração da folha deve ficar em 30% dos encargos devidos. Haverá um custo de R$ 5 bilhões ao Tesouro, mas ainda não detalhes sobre compensação, a ser feita via corte em outras áreas ou aumento de impostos;
  • A imprensa traz detalhes sobre outras inciativas com impacto no orçamento do governo. A equipe econômica quer cortar em 10% os incentivos concedidos pelo Tesouro, que foram de R$ 293 bilhões em 2018. Ficaria de fora apenas a Zona Franca de Manaus (R$ 25,1 bilhões). A economia seria de R$ 26,7 bilhões;
  • A segunda iniciativa é a intenção de desvincular as despesas de fundos da união que tem destinação específica para os recursos que arrecadam. Os R$ 220 bilhões em estoque de recursos não gastos, hoje parados na conta do Tesouro, iriam formalmente para o abatimento da dívida pública. E o fluxo nos próximos anos seria liberado para aplicação no orçamento por livre escolha dos parlamentares, com execução por parte executivo.

Governo anunciará corte linear de 10% em todos os incentivos tributários

  • De acordo com o Valor Econômico, o governo planeja implementar um corte linear de 10% em todos os incentivos tributários em vigor, que somam atualmente R$307 bilhões. O corte incluiria programas como o Simples e a desoneração da cesta básica, mas deixaria de fora alguns incentivos às regiões do Norte e Nordeste e da Zona Franca de Manaus, estimados em R$ 30 bilhões. Assim, aproximadamente R$ 270 bilhões são passíveis de serem cortados;
  • O corte de 10% eliminaria aproximadamente R$ 27 bilhões em desonerações de imediato. A ideia será implementar uma mudança na sistemática desses incentivos nos próximos quatro anos, cabendo ao congresso avaliar a necessidade de cada incentivo;
  • Nosso entendimento inicial é que a medida, apesar de apontar na direção correta, é inviável de ser operacionalizada de forma homogênea devido ao caráter obrigatório dessas isenções. Seria necessário avaliar cada incentivo em separado e discutir seus desafios técnicos.

Mercado de trabalho brasileiro apresenta leve piora em setembro

  • A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), realizada mensalmente pelo IBGE, apontou que a taxa de desemprego brasileira passou de 11,9% em agosto para 12,0% em setembro de 2019 na série livre de efeitos sazonais;
  • Ainda que o aumento do indicador em setembro não altere o nosso entendimento de que a força de trabalho brasileira segue em um processo de recuperação gradual, o resultado surpreendeu negativamente as nossas expectativas e mostrou uma leve piora do mercado de trabalho brasileiro em setembro;
  • De forma adicional, ainda que o mercado de trabalho brasileiro continue apresentando sinais de recuperação, a informalidade continua elevada. A cada 100 pessoas ocupadas, estima-se que cerca de 26 estejam no mercado de trabalho informal. Clique aqui para acessar a nossa análise completa do resultado.

Guedes estuda a possibilidade de utilizar dinheiro parado em fundos para diminuir a dívida pública do país

  • De acordo com a Folha de São Paulo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai inserir no conjunto de medidas que serão apresentadas nos próximos dias uma proposta de liberação de R$ 220 bilhões que estão em fundos públicos;
  • O foco da medida apresentada será a promoção de um ajuste fiscal adicional que ajude a reequilibrar as contas do governo e a permitir uma redução da dívida do país. A área econômica estuda utilizar o montante em estoque nos fundos subutilizados ou cujas funções não sejam prioritárias;
  • A apresentação da medida para alterar o sistema de fundos, assim como do pacote do pacto federativo, está prevista para acontecer na próxima terça-feira.

Empresas

Suzano (SUZB3): Resultados levemente acima do esperado; Normalização dos estoques vai além das expectativas

  • A Suzano reportou um resultado levemente acima do esperado no terceiro trimestre, com EBITDA de R$ 2,4 bilhões, 4% acima do nosso e em linha com o consenso (-22% T/T, -55% A/A). O principal destaque positivo foi a forte redução de 450kt nos estoques, valor que se compara as 300kt esperadas pelo mercado, o que ajudou a impulsionar a geração de caixa;
  • Do lado negativo, o nível de endividamento da Suzano (medido pela relação dívida líquida/EBITDA) segue sendo uma preocupação, uma vez que um EBITDA mais baixo continua sendo uma realidade nos resultados dado os menores volumes e preços; 
  • Apesar da falta de visibilidade em relação aos preços de celulose adiante e, consequentemente, no que se refere à alavancagem da empresa, nós vemos com bons olhos o esforço da Suzano em normalizar os níveis de estoque e reiteramos nossa visão positiva sobre a dinâmica da oferta / demanda no longo prazo. Dito isso, mantemos nossa recomendação de Compra nas ações da Suzano. Clique aqui para acessar o relatório completo. 

Copasa (CSMG3): Resultados melhores por aumento de dias de cobrança

  • Copasa divulgou seus resultados do 3T19 ontem, após o fechamento do mercado. O EBITDA ajustado de R$461,9 milhões veio acima da nossa estimativa de R$390,4 milhões e do consenso de mercado de R$419,0 milhões. O Lucro Líquido de R$193,3 milhões também superou nossas estimativas de R$134,1 milhões e o consenso de R$164,3 milhões;
  • Atribuímos o maior resultado ao aumento de dias de cobrança no 3T19 em comparação ao mesmo período do ano anterior (92,20 dias vs. 89,15 dias). Tal diferença reflete o ciclo de cobranças de cada município e o número de dias úteis em um trimestre. No entanto, tal ganho no 3T19 deveria ser compensado no próximo trimestre. Finalmente, temos uma avaliação positiva dos menores gastos de provisão com inadimplência em comparação ás nossas estimativas;
  • Mantemos nossa recomendação neutra em Copasa, com preço-alvo de R$72/ação. Apesar do otimismo do mercado com a possível privatização da empresa e sua par Sabesp com a eventual aprovação do novo marco regulatório do saneamento no Congresso, preferimos ter cautela. Precisaríamos ver uma evolução na articulação política do poder executivo em Minas Gerais para viabilizar a privatização de empresas estatais, que requer a aprovação de mudança da constituição estadual na Assembleia Legislativa.

Vale (VALE3): Protocolo de emergência para barragem em Ouro Preto acionado

  • A Vale informou ontem que acionou, de forma preventiva, o protocolo de emergência em Nível 1 da barragem Forquilha IV, em Ouro Preto – a barragem não recebe rejeitos desde fevereiro deste ano. A evacuação da população a jusante da barragem, de acordo com a Agência Nacional de Mineração (“ANM”), não é necessária;
  • A decisão é uma medida preventiva, derivada de avaliação da própria Vale, e acordada com órgãos de fiscalização externos, devido a uma anomalia identificada na barragem durante inspeção de rotina. Com os fatos novos observados, a expectativa é que se torne negativa a Declaração de Condição de Estabilidade (“DCE”) da estrutura;
  • Segundo a Vale, o acionamento do Nível 1 da barragem Forquilha IV não impacta o plano de produção de 2019, dado que o mesmo já não previa a disposição de rejeitos na estrutura em questão nos próximos anos. Isso posto, a retomada de ~50mt segue inalterada, conforme apresentou a Vale nos resultados do terceiro trimestre de 2019.

B2W (BTOW3) e Magazine Luiza (MGLU3): O que o resultado do 3T19 de Mercado Livre significa para B2W e Magalu?

  • Na noite de ontem o Mercado Livre (MELI) reportou resultados referentes ao 3T19. Os destaques mais relevantes para as empresas da nossa cobertura são:
  • #1. Forte crescimento de vendas, mas desacelerando. O GMV (valor total de mercadorias vendidas no site) cresceu 24% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, apesar do impacto de 2p.p referente à greve dos Correios;
  • #2. Progresso na estrutura de logística. A empresa já está realizando e entrega de 30% dos pedidos por meio de sua estrutura logística própria (cross-docking e fulfillment), um progresso significativo em relação à taxa de 10% no 3T18;
  • Nossa visão: Apesar de forte, o crescimento de vendas tem mostrado uma leve desaceleração ao longo dos últimos trimestres (~30% no 1H19) e está abaixo das taxas de 54% e 28% reportadas pela B2W e Magalu no trimestre. Sobre o progresso em logística, a empresa continua reduzindo gradualmente a dependência dos Correios, mas acreditamos que tanto a B2W quanto o Magalu hoje têm estruturas logísticas mais desenvolvidas.

Setor Imobiliário: Pesquisa reforça cenário positivo para segmento corporativo em SP

  • De acordo com a Coluna do Broadcast, uma pesquisa realizada pela Colliers Internacional Brasil reforça dados já publicados previamente sobre o segmento corporativo de alto padrão em São Paulo. De acordo com a pesquisa, a taxa de vacância nesses empreendimentos caiu a 14% no terceiro trimestre, patamar visto pela última vez em 2013. Os dados revelam que as taxas mais baixas de vacância estão na Avenida Juscelino Kubitschek (2%), Vila Olímpia (3%), Barra Funda (7%), Faria Lima (8%), Berrini (10%) e Paulista (11%). No Itaim Bibi não há mais empreendimentos disponíveis;
  • A pesquisa também aponta que preço médio manteve-se estável em R$ 83 m²/mês no terceiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado. Na lista das regiões com aluguéis mais elevados, a Faria Lima domina, com o preço médio do aluguel em R$ 148 m²/mês. Na JK, onde a vacância ainda é menor, o preço médio está em R$ 136 m²/mês.

Renda Fixa

Setor de shoppings centers tem melhor terceiro trimestre desde 2013

  • De acordo com o Valor Econômico e dados divulgados pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), o setor de shoppings centers teve neste 3T19 o melhor resultado para o período desde 2013. As vendas avançaram 7,2% em comparação com o 3T18;
  • O resultado é efeito da retomada da economia e seu reflexo sobre o grande varejo. Os principais segmentos que impulsionaram o crescimento foram eletroeletrônicos, telefonia e perfumaria, com ticket médio de vendas de R$96,34;
  • Vale lembrar que este ano ocorreu no 3T a Semana do Brasil, evento criado pelo governo federal para impulsionar vendas no mês de setembro, tradicionalmente mês de vendas baixas. Como resultado, as vendas aumentaram 16,8% em relação a setembro de 2018. Assim, as expectativas para o 4T19, que conta com Black Friday e Natal, sobem;
  • Os dados indicam resultados positivos das empresas do setor, como a Aliansce Sonae, maior administradora de shoppings do país. A empresa reportará seus resultados no dia 14 de novembro.

COE

Amazon, Google e Uber pretendem iniciar testes de entrega via Drones

  • Robôs voadores, originalmente chamados de Drones, que entregam pacotes às portas das pessoas não são mais ficção científica;
  • Amazon, Google e Uber iniciaram testes mais avançados para confirmar a viabilidade de utilizarem Drones para entregas nos EUA. A gigante varejista, por exemplo informou que até junho do ano que vem pretende iniciar entregas neste formato. Outro grande competidor, a gigante de entregas UPS, recentemente obteve aprovação da Federal Aviation Administration para construir uma frota de aeronaves não tripuladas para fornecer suprimentos de saúde e, eventualmente, produtos nos EUA;
  • Aparentemente as operações de entrega via drones em larga escala levarão anos, mas a FAA já prevê que as vendas de drones para fins comerciais podem sair de 600 mil em 2016 para 2,7mi em 2020.

Heineken manterá o contrato de distribuição com a Coca-Cola até 2022

  • Recentemente a Coca-Cola enviou à “CVM” americana (SEC) um documento confirmando que o tribunal encarregado de disputas comerciais decidiu em favor das distribuidoras da Coca-Cola;
  • Em meados de 2017, a Heineken havia comunicou aos distribuidores da Coca sua decisão de encerrar a parceria na qual as distribuidoras tinham o direito exclusivo de distribuição das cervejas da marca holandesa;
  • A intenção da gigante cervejeira era aproveitar a estrutura de distribuição da Brasil Kirin, recém adquirida. Desde então, a Heineken tem feito a distribuição das marcas adquiridas da Brasil Kirin, porém as cervejas de marca Heineken continuam nas mãos da Coca.

Apple: lançamento do AirPods Pro pode ajudar na diversificação de receitas

  • A Apple está lançando uma versão sofisticada de seus fones de ouvido sem fio AirPods com um novo design e cancelamento de ruído, à medida que a gigante da tecnologia procura ampliar sua oferta de produtos e assim acelerar sua diversificação de receitas;
  • As vendas deste dispositivo aumentaram cerca de 70% no 2T19, ao atingir quase US$2bi, o que ajudou a compensar a desaceleração das vendas do iPhone;
  • A adição de uma linha Pro de AirPods, que custa US $ 249, segue a tradição da empresa de oferecer um modelo mais sofisticado e outro convencional de preço mais acessível. O novo dispositivo apresenta um novo design com pontas auriculares de silicone que, segundo a Apple, estão em conformidade com as orelhas de cada indivíduo. Eles têm recursos de cancelamento de ruído e bateria com maior autonomia;
  • A popularidade dos fones de ouvido sem fio levou os rivais da Apple a oferecer suas próprias versões. A Microsoft anunciou neste mês que pretende lançar um dispositivo semelhante, enquanto que a Google também pretende lançar fones de ouvido sem fio em 2020.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.