XP Expert

Mercado de trabalho nos EUA e novas projeções econômicas da XP em foco

Ata de reunião do Fed e déficit no balanço de pagamentos são alguns dos temas de maior destaque nesta quinta-feira, 04/01/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,10% | 132.834 Pontos

CÂMBIO -0,04% |  4,92/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa fechou ontem em alta de 0,1%, aos 132.834 pontos. Os principais destaques do dia foram a divulgação da ata do FOMC, que reduziu o otimismo do mercado com o início do ciclo de cortes de juros em março, e o aumento do petróleo tipo Brent em 3,1%, após um aumento da instabilidade no Oriente Médio.

A maior performance da Bolsa foi do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3), que subiu 10,5% após discussões sobre um aumento do limite de capital e um possível follow-on. Devido ao aumento do Brent, Petrobras (PETR3 e PETR4) também subiu no pregão (3,4% e 3,1%). Do outro lado da ponta, os frigoríficos caíram, motivados pelo aumento do preço do milho, e, com isso, BRF (BRFS3) foi a maior queda da Bolsa, com performance negativa de 4,9%. 

Renda Fixa

As taxas futuras de juros fecharam perto da estabilidade, em um pregão marcado pela liquidez limitada de negócios. O exterior contribuiu para o movimento à medida que as taxas locais seguiram a direção apontada pelos rendimentos (yields) dos Títulos Públicos norte-americanos (Treasuries), os quais perderam força após a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed). DI jan/25 fechou em 10,03% (-1bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 9,64% (1bps); DI jan/27 em 9,76% (1bps); DI jan/29 em 10,135% (1,5bps).

Mercados globais

Nesta quinta-feira, os futuros nos Estados Unidos operam em alta (S&P 500: 0,2%; Nasdaq 100: 0,2%), e os índices se recuperam de duas sessões negativas. No campo de dados econômicos, são esperados indicadores de emprego entre hoje e amanhã, que darão sinais adicionais relacionados à evolução do mercado de trabalho.

Na China, o índice de Xangai fechou em queda (CSI 300: -0,9%), enquanto o de Hong Kong permaneceu estável (HSI: 0,0%), após dados econômicos de atividade econômica terem indicado expansão mais rápida do setor de serviços desde julho na China e dados positivos de atividade em Hong Kong. Na Europa, os mercados operam em alta (Stoxx 600: 0,4%), seguindo a tendência dos EUA.

O petróleo tem nova alta, refletindo riscos ampliados de disrupções na oferta, com aumento da tensão entre Israel e Hamas e a interrupção da produção no maior campo da Líbia.

Economia

O banco central dos EUA publicou ontem a ata da sua última reunião de política monetária. O tom foi ligeiramente mais duro em comparação com a comunicação pós-reunião, em nossa opinião. Depois de o presidente Powell ter comentado que “o calendário dos cortes de juros foi discutido nesta reunião”, os detalhes da ata eram muito aguardados. No entanto, o documento revelou que “um intervalo alvo mais baixo para a taxa dos Fed Funds seria apropriado até ao final de 2024”, deixando o momento do início dos cortes incerto. De toda forma, vemos a ata, a comunicação oficial da Fed e os dados recentes – que mostram a atividade econômica desacelerando gradualmente e a inflação caindo, mas ainda acima da meta – como consistente com uma flexibilização monetária cautelosa a partir do segundo trimestre deste ano.

No Brasil, a conta corrente do balanço de pagamentos apresentou um déficit de US$ 1,6 bilhão em novembro, próximo dos US$ 1,7 bilhão registados um ano antes. O balanço de pagamentos brasileiro continua sólido, especialmente devido ao superávit comercial recorde e ao déficit em conta corrente bem abaixo da média histórica.

O time macro da XP publicou esta manhã seu relatório Brasil Macro Mensal. Uma maior deflação global e uma flexibilização mais rápida do Fed sugerem um real um pouco mais forte e a inflação do IPCA mais baixa este ano. Isso abre espaço para que a taxa Selic atinja o nível neutro mais cedo: esperamos agora 9,00% em 2024 – 100 bps abaixo da nossa projeção anterior. Para 2025, vemos a taxa básica estável em 9,00%. A tendência expansionista dos gastos fiscais e parafiscais continua a ser o principal risco para as perspetivas da política monetária.

Veja todos os detalhes

Economia

Ata do Fed mais dura do que a comunicação pós-reunião

  • O Federal Reserve dos EUA (banco central) publicou ontem a ata da sua última reunião de política monetária. O tom foi ligeiramente mais duro em comparação com a comunicação pós-reunião, em nossa opinião. Depois do Presidente Powell ter comentado que “o calendário dos cortes de juros foi discutido nesta reunião”, os detalhes da ata eram muito aguardados. No entanto, o documento revelou que “um intervalo alvo mais baixo para a taxa dos Fed Funds seria apropriado até ao final de 2024”, deixando o momento do início dos cortes incerto. Além disso, muitos membros acreditam que a política monetária deverá permanecer restritiva por “mais tempo do que o previsto”. De toda forma, vemos a ata, a comunicação oficial da Fed e os dados recentes – que mostram a atividade econômica desacelerando gradualmente e a inflação caindo, mas ainda acima da meta – como consistentes com uma flexibilização monetária cautelosa a partir do segundo trimestre deste ano.
  • As atenções agora se voltam para os números do mercado de trabalho. O relatório de abertura de vagas (Jolts), a criação de emprego medida pela consultoria ADP e os pedidos de auxílio de desemprego serão divulgados hoje e servirão de aperitivo para a principal divulgação, o relatório do Departamento do Trabalho dos EUA (também conhecido como “payroll”) que será publicado amanhã. Se os números confirmarem que o mercado de trabalho está de fato perdendo força, os participantes no mercado provavelmente voltarão a apreçar um ciclo de cortes de juros mais intenso este ano;
  • Na Europa, a inflação na França foi mais fraca do que o esperado esta manhã, com os preços ao consumidor subindo 0,1% em relação ao mês de Dezembro, um aumento anual de apenas 3,7%. Ainda hoje, serão divulgados os preços ao consumidor de cada estado alemão e os números da sondagem PMI do setor de serviços da maior parte da região;
  • Os preços do petróleo estão em alta esta manhã, refletindo diferentes acontecimentos. O campo petrolífero El Sahara, na Líbia (cerca de 300.000 barris por dia), interromperá a produção. Isto somou-se às preocupações atuais sobre transporte marítimo quem tem sido alvo no Mar Vermelho e os dados do American Petroleum Institute, que mostraram que o estoque de petróleo bruto dos EUA caíram mais do que o esperado na semana passada;
  • No Brasil, a conta corrente do balanço de pagamentos apresentou um déficit de US$ 1,6 bilhão em novembro, próximo dos US$ 1,7 bilhão registados um ano antes. As projeções apontavam para um déficit mensal menor (XP: US$ -0,2 bi; Street: US$ -0,5 bi). A balança comercial apresentou superávit de US$ 6,7 bilhões em novembro, acima do valor de US$ 4,7 bilhões verificado no mesmo mês de 2022. Em suma, o balanço de pagamentos brasileiro continua sólido, especialmente devido ao superávit comercial recorde e ao déficit em conta corrente bem abaixo da média histórica;
  • O time macro da XP publicou esta manhã seu relatório Brasil Macro Mensal. Uma maior deflação global e uma flexibilização mais rápida do Fed sugerem um real um pouco mais forte e a inflação do IPCA mais baixa este ano. Isso abre espaço para que a taxa Selic atinja o nível neutro mais cedo: esperamos agora 9,00% em 2024 – 100 bps abaixo da nossa projeção anterior. Para 2025, vemos a taxa básica estável em 9,00%. A tendência expansionista dos gastos fiscais e parafiscais continua a ser o principal risco para as perspetivas da política monetária.

Empresas

Nubank (ROXO34): Obtenção de Licença de Funcionamento na Colômbia

  • A Nu informou hoje (03), através de Comunicado ao Mercado, que a Superintendência Financeira da Colômbia concedeu sua Licença de Funcionamento;
  • Esta autorização combinada com a Licença de Incorporação, emitida em Agosto de 2022, ampliam o escopo de atuação da empresa no país;
  • Embora vejamos a obtenção das autorizações como condições precedentes para atuação na Colômbia, a notícia não seixa de ser marginalmente positiva, uma vez que sinaliza mais um passo adiante na estratégia de replicar na Colômbia a bem sucedida estratégia desenvolvida no Brasil;
  • Como resultado, reafirmamos nossa recomendação Neutra em relação ao case dado o atual patamar de valuation e, consequentemente, o limitado potencial de valorização;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Vivara (VIVA3): Acompanhando altas expectativas

  • Vivara reportou seus resultados preliminares de vendas do 4T, com números fortes mas em linha com nossas estimativas. A receita bruta atingiu R$1 bilhão, +24% A/A e 2% acima das nossas expectativas, apoiada por uma performance forte tanto em Life (+77%) como em Vivara (+13%), assim como no canal digital (+35%). Em relação às categorias, Life foi o destaque mais um vez (+32%), apesar do crescimento também ter vindo de Vivara (+20%);
  • Quanto aos eventos sazonais do 4T, as vendas de Black Friday e Natal cresceram 31% e 20% A/A, respectivamente, com as vendas do mês de dezembro correspondendo a 43,5% do trimestre, o que pode se traduzir em melhores níveis de margens brutas;
  • No geral, os números vieram em linha com as nossas percepções das visitas aos shoppings e reforça nossa visão positiva sobre a companhia. Assim, reiteramos VIVA como nossa preferência no setor;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Bebidas
      • 10 cervejarias contam como foi o ano de 2023 no mercado de artesanais – Guia da Cerveja;
    • Alimentos
      • Brasil mira Ásia e Europa para ampliar exportações de carnes – Globo Rural;
      • Quais as chances de uma fusão entre BRF e Marfrig – Globo Rural;
    • Agro
      • Entrega de fertilizantes no Brasil aumenta 21,9% em outubro – Globo Rural;
      • Brasil passa a contar com 22 usinas de etanol de cereais – Globo Rural;
    • Biocombustíveis
      • Athon compra 13 usinas de energia solar de joint venture da Raízen – Pipeline;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Combustível XP: As principais notícias que movem o setor de Óleo & Gás
    • Petróleo sobe 3% após explosões no Irã, comunicado da Opep+ e menor oferta da Líbia (Valor Econômico);
    • Petrobras reduziu preço de querosene de aviação nas refinarias em 9,8% no dia 1º de janeiro (Valor Econômico);
    • Petrobras tem espaço para fazer novas reduções no preço do diesel, avalia corretora (O Globo);
    • O presidente Lula não tem escondido de seus auxiliares a irritação crescente com o Maduro diante da escalada da crise entre a Venezuela (O Globo);
    • O Ministério Público Federal instaurou um inquérito civil para apurar “possíveis consequências nocivas” do aumento no percentual de biodiesel no diesel (O Globo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • Minha Casa, Minha Vida atrai incorporadoras pequenas e médias, e concorrência tende a crescer (Estadão);
    • Sob pressão, Nunes avalia vetar mudanças em tombamento e em verticalização de bairros (Folha);
    • Riscos fiscais da União atingem R$ 1,2 trilhão em 2024 (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Com valor estimado em R$ 60 bilhões, Codemig volta ao centro da disputa política (Valor Econômico);
    • Eletrobras recorre ao Supremo após suspensão de assembleia para incorporação de Furnas (Folha de S. Paulo);
    • Auren Energia inicia operação de usina fotovoltaica no Piauí (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Fed Minutes Suggest Rate Hikes Are Over, but Offer No Timetable on Cuts (The Wall Street Journal);
  • Fitch tem perspectiva ‘neutra’ para bancos brasileiros em 2024, mas cita pressões regulatórias (Valor);
  • A safra é desafiadora, mas preços não tem muito espaço para alta (Folha de São Paulo);
  • Quais as chances de uma fusão entre BRF e Marfrig (Globo Rural);
  • Moody’s Local atribui Rating A.br à Vipal; perspectiva estável (Moody’s Local);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Captações de fundos imobiliários devem passar de R$ 25 bi em 2024 (Estadão);
    • 4 FIIs de ‘tijolo’ e um de ‘papel’ são os mais recomendados para 2024 (InfoMoney);
    • VISC11 exerce direito de preferência e aumenta participação no Shopping Paralela (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Vendas de veículos elétricos e híbridos crescem 91% no Brasil em 2023 | Café com ESG, 04/01

  • O  mercado encerrou o pregão de quarta-feira em território misto, com o IBOV registrando leve alta de 0,1%, enquanto o ISE andou de lado (0,07%);
  • No Brasil, as vendas de veículos elétricos e híbridos cresceram 91% em 2023, segundo dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) – ao todo, foram 93.927 emplacamentos (vs. 49.245 em 2022);
  • No internacional, (i) pelo segundo ano consecutivo, bancos globais ganharam mais dinheiro com a subscrição de títulos e concessão de empréstimos para projetos verdes do que com o financiamento de atividades de petróleo, gás e carvão – segundo dados da Bloomberg, as maiores instituições financeiras do mundo geraram cerca de US$3 bilhões em taxas no ano passado com a estruturação de dívidas para acordos comercializados como favoráveis ao meio ambiente (vs. US$2,7 bilhões em ganhos agregados provenientes de acordos de combustíveis fósseis); e (ii) a BP e a Equinor chegaram a um acordo para rescindir um contrato de venda de energia de um projeto de energia eólica offshore planejado para o estado de Nova York (EUA) – a rescisão do contrato, assinado em 2022, foi devido à uma combinação de custos e taxas de juros mais altos, além de interrupções no fornecimento de energia;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.