XP Expert

Impasse nas tensões comerciais e dados fracos da China

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,6% | 106.060 Pontos

CÂMBIO 0,3% | 4,18/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ontem o Ibovespa caiu 0,65% para 106.059, seguindo percepção de risco elevada na América Latina, principalmente devido à escalada das manifestações no Chile e incertezas quanto ao andamento das negociações comerciais entre EUA-China.

Segundo notícias, o diálogo comercial entre EUA e China atingiu um impasse em função de divergências sobre compras agrícolas. Apesar disso, o principal assessor comercial da Casa Branca, Peter Navarro, disse em entrevista que “não se deve prestar atenção a rumores” e que está otimista sobre a perspectiva de um acordo bilateral, enquanto o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou ontem que as discussões com a China “estão avançando bem rápido”.

Nesta manhã, índices futuros operam em leve alta nos EUA, ao lado das bolsas europeias e asiáticas sem direção única. O mercado segue no aguardo de notícias materiais sobre acordo entre EUA e China, enquanto a divulgação de indicadores de atividade fracos da China evidenciam os impactos da disputa sino-americana.

Na China, a produção industrial teve expansão anual de 4,7% em outubro, abaixo da expectativa de 5,2% do mercado. Também decepcionaram as vendas no varejo chinês em outubro e os investimentos em ativos fixos no acumulado dos primeiros dez meses do ano.

A agenda de indicadores internacionais desta quinta-feira traz como destaque o PIB da Zona do Euro, que apresentou expansão de 0,2% entre o segundo e o terceiro trimestres de 2019, e do Japão, que apresentou expansão de 0,1% na mesma base de comparação. Apesar de modestos, os resultados vieram em linha com a expectativa de mercado e com o nosso entendimento de que o risco de recessão das principais economias globais tem se tornado menor.

No Brasil, o comércio varejista ampliado apresentou expansão de 4,3% na base de comparação anual de setembro, surpreendendo positivamente as expectativas e reforçando o nosso entendimento de que o movimento de recuperação da economia brasileira tem se tornado cada vez mais disseminado entre os setores.

Sobre política, A reação do PSL à saída de Bolsonaro do partido e à criação de uma nova sigla foi a decisão de analisar pedidos de expulsão de Eduardo Bolsonaro por infidelidade partidária. A criação da Aliança pelo Brasil, novo partido do presidente, precisa estar aprovada pelo TSE até 5 de abril do ano que vem para permitir que ele esteja nas eleições municipais de 2020.

O secretário especial de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, afirmou que um imposto nos moldes da antiga CPMF ainda estaria no radar. Para ele, quando vierem os resultados do programa de incentivo à contratação de jovens, ficará mais clara a necessidade de compensar a desoneração da folha de pagamentos.

Na agenda de empresas, todas as atenções estão voltadas à temporada de resultados. A JBS apresentou resultados mais fortes do que o esperado no 3T19, com EBITDA recorde de R$ 5,9 bilhões, 11% acima das nossas estimativas, com Seara e segmento de porco nos EUA como principais destaques positivos. Mantemos nossa recomendação de compra.

No caso de brMalls, tivemos uma leitura positiva dos resultados do 3T19, que trouxeram indicadores sólidos e melhora sequencial nas principais métricas operacionais. Esperamos reação positiva do mercado, e mantemos nossa recomendação de compra para os papéis.

Finalmente, a Via Varejo reportou resultados fracos no 3T19, ainda impactados negativamente pelo período de ajuste. Mesmo assim, destacamos o progresso mostrado pela empresa em diversas frentes, como (1) o impacto positivo na rentabilidade em função das renegociações comerciais com fornecedores chaves e dos novos incentivos para o time de vendas nas lojas; e (2) a retomada do crescimento da operação online de estoque próprio (1P) em Outubro e Novembro.

Tópicos do dia

Agenda de resultados hoje

Cemig (CMIG4): Após o fechamento
Sabesp (SBSP3): Após o fechamento
Clique aqui para acessar o calendário completo
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultado

Brasil

  1. Política Brasil: PSL reage à saída de Bolsonaro do partido
  2. Comércio varejista apresenta expansão em setembro e reforça o nosso entendimento de recuperação da atividade econômica brasileira

Empresas

  1. JBS (JBSS3): Resultados superam estimativas, novamente
  2. Via Varejo (VVAR3): Resultados do 3T19. Ainda fracos, mas continuamos a ver melhorias; Compra
  3. brMalls (BRML3): Acima das expectativas; Positivo
  4. TAESA (TAEE11): Destaques dos resultados do 3T19
  5. Eletrobras (ELET6): Secretário do Tesouro afirma que recursos com venda da Eletrobras podem ficar para 2021
  6. Bradesco (BBDC4): Next vai ser uma subsidiária independente até o fim do 1T20

Renda Fixa

  1. Construtoras reduzem projetos no MCMV por receio de falta de Recursos


Veja todos os detalhes

Brasil

Política Brasil: PSL reage à saída de Bolsonaro do partido

  • A reação do PSL à saída de Bolsonaro do partido e à criação de uma nova sigla foi a decisão de analisar pedidos de expulsão de Eduardo Bolsonaro por infidelidade partidária. O objetivo é “tomar na justiça o mandato do filho do presidente”, com base na suposta traição dele à legenda ao “tramar” contra o comando da sigla;
  • A criação da ‘Aliança pelo Brasil’, novo partido do presidente, precisa estar aprovada pelo TSE até 5 de abril do ano que vem para permitir que ele esteja nas eleições municipais de 2020. Isso dá menos de 5 meses para recolher 500 mil assinaturas de apoio de eleitores e a estratégia, além do uso da biometria, é recorrer a movimentos conservadores e aos evangélicos.

Comércio varejista apresenta expansão em setembro e reforça o nosso entendimento de recuperação da atividade econômica brasileira

  • Em setembro de 2019, o comércio varejista ampliado apresentou expansão de 4,31% na base de comparação anual (set19 / set18), em linha com as nossas expectativas (4,3%) e levemente abaixo das expectativas de mercado coletadas pela Bloomberg (4,8%). Na base de comparação mensal (set19 / ago19), o indicador apresentou expansão de 0,95%, também em linha com as nossas expectativas (1,0%) e levemente abaixo das expectativas de mercado (1,2%);
  • A leitura positiva do varejo em setembro foi generalizada. Nove das categorias analisadas para a elaboração da pesquisa mensal do comércio apresentaram expansão entre agosto e setembro de 2019, com destaque para a categoria de móveis e eletrodomésticos, que apresentou expansão de 5,2% na base de comparação mensal. A única categoria que apresentou contração foi a de equipamentos e materiais para escritório;
  • Em linhas gerais, os indicadores de comércio apontam para um movimento de recuperação cada vez mais disseminado entre os setores. A recuperação que antes era apresentada apenas por produtos duráveis, hoje já começa a ser apresentada por outros setores da economia, principalmente por aqueles que são mais sensíveis aos estímulos monetários e ao crédito. Olhando para frente, acreditamos que a recuperação das vendas de produtos duráveis continuará sendo um dos principais vetores de crescimento do comércio nos próximos meses, mas entendemos que a partir do momento que o mercado de trabalho começar a apresentar uma recuperação mais sólida, mais setores da economia começarão a se beneficiar do ciclo econômico. Clique aqui para acessar a nossa análise completa do resultado.

Empresas

JBS (JBSS3): Resultados superam estimativas, novamente

  • A JBS apresentou resultados mais fortes do que o esperado no 3T19, com EBITDA recorde de R$ 5,9 bilhões, 11% acima do nosso (+ 34% A/A), enquanto Seara e segmento de porco nos EUA foram os principais destaques positivos. A margem EBITDA de 11,3% se compara a nossa estimativa de 10,2% e 9% no 3T18;
  • O fluxo de caixa livre foi forte em R$ 3,7 bilhões, enquanto a alavancagem (dívida líquida/EBITDA) caiu para 2,6x, ante 2,8x no 2T19. Reiteramos nossa recomendação de compra. Clique aqui para relatório completo.

Via Varejo (VVAR3): Resultados do 3T19. Ainda fracos, mas continuamos a ver melhorias; Compra

  • A Via Varejo reportou resultados referentes ao terceiro trimestre de 2019 (3T19) ainda impactados negativamente pelo período de ajuste pelo qual a empresa está passando. Conforme esperado, os números do 3T19 foram fracos de maneira geral, com um desempenho particularmente negativo em Agosto, que de acordo com os comentários da empresa foi impactado por problemas de integração;
  • A receita líquida atingiu R$ 5,7 bilhões (6% abaixo das nossas expectativas), uma queda de 10,7% em relação ao mesmo trimestre do ano passado. O EBITDA ajustado alcançou R$ 99 milhões no trimestre, acima da nossa estimativa de R$ 23 milhões. Finalmente, o prejuízo de R$ 205 milhões foi relativamente em linha com a nossa estimativa de R$ 220 milhões;
  • Mesmo assim, acreditamos que o foco dos investidores deve provavelmente ser o progresso mostrado pela empresa em diversas frentes, conforme apontado pela gestão da empresa nos comentários da divulgação de resultado. Dentre eles, nós destacamos: (1) as renegociações comerciais com fornecedores chave e novos incentivos para o time de vendas nas lojas já começaram a mostrar um impacto positive na rentabilidade; (2) a queda nas vendas online de estoque próprio da Via Varejo estabilizou em Setembro e a operação retomou o crescimento em Outubro e Novembro;
  • Ainda vemos um risco-retorno atraente para as ações da Via Varejo e mantemos a nossa recomendação de Compra e o nosso preço-alvo de R$ 8,60 no final de 2020. Para mais detalhes, acesse o relatório completo aqui.

brMalls (BRML3): Acima das expectativas; Positivo

  • A brMalls reportou resultados acima das nossas expectativas e também das expectativas do mercado. Apesar de um trimestre ainda desafiador no campo econômico, a empresa entregou (i) aumento na taxa de ocupação média do portfólio, ~0,7p.p. maior em relação ao trimestre passado (atingindo 97%), (ii) crescimento de Vendas Mesmas Lojas (SSS) de 2,2%, acima daquilo que esperávamos, (iii) redução de ~1,5 p.p. no turnover de lojistas, e (iv) redução mais forte que a esperada em algumas linhas de custos, resultando assim em margem superior à esperada;
  • Vale relembrar que a companhia concluiu durante o 3T19 a compra de uma participação no shopping Iguatemi Caxias e a venda de sete ativos, movimento que gerou efeito não recorrente positivo no trimestre (~R$ 77,8 milhões). No geral, tivemos uma leitura positiva dos resultados do 3T19, que trouxeram indicadores sólidos e melhora sequencial nas principais métricas operacionais. Esperamos reação positiva do mercado, e mantemos nossa recomendação de compra para os papéis. Para acessar nosso comentário completo, basta acessar esse link.  

TAESA (TAEE11): Destaques dos resultados do 3T19

  • A TAESA reportou Lucro Líquido de R$357,6 milhões, muito acima da nossa estimativa de R$ 245,2 milhões, com a melhora nos resultados refletindo o impacto não caixa de margem de construção de R$128,0 milhões relacionado à evolução dos projetos em construção;
  • A TAESA anunciou a distribuição de proventos totais (divididos entre dividendos e JCP) de R$ 186,5 milhões (R$ 0,54/unit ou 1.9% de yield). As ações serão negociadas ex-dividendos em 21 de novembro 2019, e o pagamento será efetuado em 29 de novembro de 2019;
  • Mantemos nossa recomendação de Neutra nas ações da TAESA por acreditar que negociam no seu preço-justo, com projeção de 8,1% de dividendos nos próximos 2 anos em comparação a uma média de 9,0% para as maiores pagadoras de dividendos do setor elétrico (TIET, EGIE e TRPL).

Eletrobras (ELET6): Secretário do Tesouro afirma que recursos com venda da Eletrobras podem ficar para 2021

  • Segundo o Valor Econômico, ontem a assessoria do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, informou que os recursos obtidos com a venda da Eletrobras correm o risco de ficar para 2021. O motivo do adiamento da inclusão na proposta orçamentária, prevista inicialmente para 2020, é que o processo de desestatização depende de aprovação de projeto de lei (PL) pelo Congresso;
  • Notamos que a afirmação causou um mal-entendido, dado que o secretário falava da questão de um ponto de vista orçamentário, e não sobre um adiamento do processo de privatização por si só. Mansueto alertou que o PL sobre a desestatização teria de ser aprovado até março para não haver atraso orçamentário;
  • Segundo sua assessoria, o secretário avaliou que a resistência no Congresso à venda da Eletrobras diminuiu bastante. Mesmo assim, ainda é preciso construir um consenso político em torno da operação, o que pode ser complexo em um ano eleitoral. A notícia levou a uma queda significativa das ações durante o pregão de ontem, mas com recuperação parcial ao final do dia, encerrando em queda de -1,8%.

Bradesco (BBRD4): Next vai ser uma subsidiária independente até o fim do 1T20

  • Otávio de Lazari, presidente do Bradesco, afirmou ontem que o banco pretende fazer do Next uma subsidiária digital até março de 2020.
  • Além dos motivos relacionados a cultura, agilidade e independência, o Bradesco quer que o seu banco digital seja regulado de maneira proporcional as outras fintechs e bancos digitais. O Next hoje é enquadrado no mais elevado dos cinco segmentos regulatórios, ao lado de grandes bancos como Itaú, Banco do Brasil, Santander, Caixa e do próprio Bradesco.
  • Uma vez realizada a transição, o Next é desobrigado de cumprir as mesmas regras que as grandes instituições, o que aumenta seu nível de competitividade. Essas obrigações vão desde remessa de demonstrativos para o BACEN até exigências na estrutura capital do banco.
  • Acreditamos que o movimento é positivo para o Bradesco, pelas seguintes razões: i) deixa o Next mais ágil, fora da estrutura da cidade de Deus e da hierarquia do Bradesco; e ii) coloca o banco digital em pé de igualdade regulatória frente a fintechs.

Renda Fixa

Construtoras reduzem projetos no MCMV por receio de falta de Recursos

  • Segundo o Estadão, a MRV e a Direcional têm a intenção de fazer parte de seus próximos lançamentos fora do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). Eles pretendem continuar com foco em famílias de baixa renda, porém sem contar com financiamento do FGTS, que é a forma que ocorre hoje no MCMV. A Tenda também está passando por ajuste no perfil de seus projetos procurando ganho de eficiência a fim de evitar a corrosão de rentabilidade;
  • No caso da MRV, maior operadora do programa, a redução se dará de forma gradual, do nível atual de 80% para cerca de 40% nos próximos anos. No lugar desses projetos, a empresa lançará empreendimentos de preço similar ao teto do MCMV, em torno de R$300 mil, podendo ser financiadas por linhas de crédito financiadas pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE);
  • Mesma estratégia será seguida pela Direcional, que lançará imóveis com preços das unidades um pouco acima do teto do MCMV. Segundo o presidente da incorporadora, Ricardo Ribeiro, há oportunidade para o setor com mudanças no cenário macroeconômico, com demanda por imóveis;
  • A possibilidade de migração de foco dessas empresas para projetos fora do MCMV é positiva, mas a incerteza quanto ao funding do MCMV deve ser monitorada. Eventuais efeitos negativos serão sentidos principalmente por empresas menores e com grande dependência do programa.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.