XP Expert

Governo envia reforma tributária no Brasil e tensões geopolíticas aumentam no cenário global

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,11% | 104.310 Pontos

CÂMBIO 3,10% | 5,17/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou a sessão de ontem em leve queda de 0,11%, a 104.309 pontos, com o peso de uma correção depois das fortes altas recentes. Já as taxas futuras de juros fecharam em alta, refletindo alguns fatores observados ao longo do dia: i) entrega da reforma tributária ao Congresso, com possibilidade de retirar a desoneração de itens da cesta básica; ii) notícia de que a Casa Civil queria consultar o TCU sobre custeio de investimentos com créditos fora do teto de gastos; iii) acordo para pacote de estímulo na União Europeia. DI jan/21 ficou em 2,04%; DI jan/23 fechou em 4,03%; e DI jan/25 encerrou em 5,63%.

Nesta manhã, mercados internacionais derrapam com EUA e Europa revertendo parcialmente os ganhos de ontem diante do aumento de tensões geopolíticas. Na Ásia, bolsas tiveram fechamento misto.

O Departamento de Justiça dos EUA acusou dois hackers chineses, que estariam trabalhando para Beijing, de tentar roubar dados de empresas em 11 países, incluindo sobre pesquisas relacionadas ao Covid-19. Após Washington decretar o fechamento do consulado chinês em Houston, Beijing considerou a ação ‘uma escalada sem precedentes’ da tensão entre os dois países e prometeu retaliação. Também, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se reuniu ontem com o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, para discutir uma estratégia coordenada contra a China, ampliando a pressão para que o governo Boris Johnson imponha sanções contra o poder asiático.

No Brasil, o governo entregou ontem a primeira parte da proposta de reforma tributária ao Congresso. A principal alteração proposta pelo governo é a unificação do PIS e do Confins em um único imposto com alíquota de 12%, chamado de Contribuição Social sobre operações com Bens e Serviços (CBS). De última hora, a equipe econômica desistiu de propor o fim da desoneração da cesta básica, com a justificativa de que seria difícil explicar, neste momento, uma proposta que representaria um aumento do custo de vida para a classe média. De acordo com o secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto, a reformulação dos tributos sobre a cesta básica fará parte da segunda etapa da reforma tributária. A segunda etapa deve ser enviada ao Congresso entre 20 e 30 dias, e também deve incluir mudanças no IPI; alterações na tributação sobre renda e taxação de dividendos; e a desoneração da folha de pagamentos, com criação de contribuição sobre pagamentos para compensá-la.

Também ontem, a Câmara aprovou em dois turnos a PEC que torna permanente o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e amplia a complementação paga pela União ao principal mecanismo de financiamento da educação básica no País. A participação complementar da União será elevada de maneira escalonada, com 12% em 2021, 15% em 2022 e 2p.p. ao ano até os 23% em 2026. O custo calculado é de R$1,7 bilhões a cada ponto percentual, e tem impacto no resultado primário, embora não esteja incluído na regra do teto de gastos. O valor sobre o qual a União contribuiu em 2020 é de R$ 157,9 bilhões. Os deputados votarão agora um destaque do partido Novo e depois o texto seguirá para o Senado.

Finalmente, no campo das empresas, publicamos um relatório atualizando a nossa visão em relação ao futuro do e-commerce no Brasil e nossas recomendações para as empresas que cobrimos neste setor. Neste relatório, retomamos cobertura das ações de Via Varejo (VVAR3) com recomendação de Compra e rebaixamos as ações de Magazine Luiza (MGLU3) para Neutro. Permanecemos com recomendação Neutra para B2W (BTOW3) e Compra para Lojas Americanas (LAME4). Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Tópicos do dia

Expert 2020

Acesse aqui nossa cobertura da Expert 2020
Confira os destaques do primeiro dia de evento
Confira os destaques do segundo dia de evento
Confira os destaques do terceiro dia de evento

Agenda de resultados

WEG (WEGE3): antes da abertura
Calendário da temporada de resultados 2° tri 2020

Coronavírus

O caso para se comprar Brasil: Rumo aos 110 mil
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Internacional

  1. Política internacional: tensões com a China voltam a ser destaque
  2. Petróleo: Expectativas do mercado de uma redução de -2,0 milhões de barris nos estoques dos EUA

    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Ações de E-commerce: Retomando Via Varejo com “Compra” e Rebaixando Magalu para “Neutro”
  2. Equatorial Energia (EQTL3): Dados operacionais do 2T20
  3. Setor elétrico: ANEEL aprova retorno de cortes de energia por falta de pagamento a partir de agosto
  4. IRB (IRBR3): Justiça retira necessidade de apresentação de garantias no valor de R$ 1 bi


Veja todos os detalhes


Internacional

Política internacional: tensões com a China voltam a ser destaque

  • Em meio a alta em número de casos de Covid-19 nos Estados Unidos, o presidente americano Donald Trump anunciou que deve voltar a realizar coletivas sobre o coronavírus e passou a defender o uso de máscaras em público, o que marca uma forte mudança em seu discurso;
  • No lado das tensões com a China, o Departamento de Justiça dos EUA acusou dois hackers chineses, que estariam trabalhando para Pequim, de tentar roubar dados de empresas em 11 países. Parte da informação furtada seriam pesquisas sobre o Covid-19. O governo chinês considerou a ação ‘uma escalada sem precedentes’ da tensão entre os dois países e prometeu retaliação;
  • Também, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se reuniu ontem com o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, para discutir uma estratégia coordenada contra a China, ampliando a pressão para que o governo Boris Johnson imponha sanções contra o poder asiático;
  • Na política doméstica, a Casa Branca enfrenta desafios na relação com o Legislativo. O governo Trump e parlamentares republicanos divergem sobre prioridades do pacote emergencial, como o corte de impostos sobre a folha de pagamentos defendido pelo presidente, assim dificultando sua posição nas negociações com os democratas;
  • Joe Biden, apresentou ontem um plano de USD 775 bilhões destinado ao cuidado de crianças, pessoas com deficiência e idosos. O pacote prevê a criação de 5 milhões de empregos de forma direta e indireta, segundo a campanha do ex-vice-presidente, e seria custeado com impostos a investidores imobiliários com renda superior a USD 400 mil por ano e regras tributárias mais duras.

Petróleo: Expectativas do mercado de uma redução de -2,0 milhões de barris nos estoques dos EUA

  • O relatório oficial de fornecimento da Agência de Informação de Energia dos EUA (EIA) deve ser publicado hoje às 11:30 da manhã (horário de Brasília), com expectativas do mercado de uma redução de -2,088 milhões de barris nos estoques dos EUA;
  • Os estoques de petróleo dos EUA caíram -7,943 milhões de barris na semana passada, acima da expectativa de mercado de -2,098 milhões de barris, o que é visto como positivo por indicar uma menor oferta em relação à demanda;
  • Nessa manhã de quarta-feira, a commodity opera em território negativo, em queda de -1,13% em US$43,82 barril (Brent).

Empresas

Ações de E-commerce: Retomando Via Varejo com “Compra” e Rebaixando Magalu para “Neutro”

  • Aproveitamos o cenário atual e a alta recente das ações para atualizarmos a nossa visão em relação ao futuro do e-commerce no Brasil e nossas recomendações para as empresas que cobrimos neste setor. Neste relatório, retomamos cobertura das ações de Via Varejo (VVAR3) com recomendação de Compra e rebaixamos as ações de Magazine Luiza (MGLU3) para Neutro. Permanecemos com recomendação Neutra para B2W (BTOW3) e Compra para Lojas Americanas (LAME4);
  • Retomando Via Varejo com Compra; Rebaixando Magalu para Neutro. Retomamos cobertura das ações de Via Varejo (VVAR3) com recomendação de Compra e preço-alvo de R$ 28,0 para o final de 2020. Acreditamos que as preocupações dos investidores em relação à liquidez de curto prazo da companhia tenham sido endereçadas e que a companhia tenha reduzido algumas das lacunas em relação a seus competidores. Além disso, rebaixamos a recomendação de Magazine Luiza (MGLU3) para Neutro com preço-alvo de R$ 78,0 para o final de 2020, pois temos dificuldade em justificar um potencial de alta elevado nos níveis atuais;
  • Atualização do preço-alvo de Lojas Americanas (LAME4, Compra) e B2W (BTOW3, Neutro). Estamos atualizando os preços-alvo ao final de 2020 de Lojas Americanas (para R$ 44,0 de R$ 35,0) e B2W (para R$ 135,0 de R$ 105,0), mantendo as duas recomendações inalteradas;
  • Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Equatorial Energia (EQTL3): Dados operacionais do 2T20

  • Ontem, a Equatorial Energia divulgou os dados operacionais do grupo no segundo trimestre de 2020 (2T20). Ao todo, a energia total distribuída das distribuidoras do grupo cresceu +3,2% em relação ao ano anterior, com a performance sendo quebrada em: (1) crescimento de 0,6% na Equatorial Maranhão, (2) queda de -2,5% na Equatorial Pará, (3) queda de -3% de Equatorial Piauí e (4) alta de 36,9% na Equatorial Alagoas;
  • Quando olhamos a performance do grupo por classe de consumidores cativos (isto é, que não estão no mercado livre e que adquirem energia da distribuidora no mercado regulado), destacamos a evolução em relação ao ano anterior: (i) um crescimento de +17,6% no consumo residencial, (ii) queda de -19,5% no consumo industrial e (iii) queda de -18,8% no consumo comercial. No mercado livre, a demanda por energia cresceu 2,2% em relação ao mesmo período do ano anterior;
  • Vemos a performance operacional da Equatorial como positiva à primeira vista, uma vez que a evolução de demanda por energia claramente se destaca frente a outras distribuidoras. Também enxergamos como positivo o processo de melhoria das operações da distribuidora Equatorial Alagoas (antiga Ceal), com forte redução de perdas não-técnicas e cadastro acelerado de novos consumidores. Acreditamos que as ações deverão reagir positivamente no pregão de hoje;
  • Entretanto, acreditamos tamanho crescimento de volumes, principalmente na classe residencial foi muito influenciada pelo subsídio do governo aos consumidores cadastrados na Tarifa Social (classe de consumo que perfaz 25,1% dos consumidores do grupo). É esperado que tal subsídio às famílias de baixa renda termine ao final de agosto, conforme a redação atual da Medida Provisória 950, que dita medidas de apoio ao setor elétrico em meio à crise do coronavírus. Quando isso ocorrer, somado ao fato de que a ANEEL manteve o veto ao corte de fornecimento de energia por inadimplência para tal classe de consumidores até o final de 2020, vemos risco de um aumento de inadimplência nas distribuidoras do grupo. Tal risco é um dos motivos pelo qual temos uma postura mais cautelosa em relação às ações da Equatorial e mantemos recomendação Neutra, com preço-alvo de R$20/ação.

Setor elétrico: ANEEL aprova retorno de cortes de energia por falta de pagamento a partir de agosto

  • Ontem, a ANEEL informou que a partir de 1º de agosto, volta a ser permitido cortes de energia por falta de pagamento para consumidores residenciais e os relacionados ao fornecimento de energia aos serviços e atividades consideradas essenciais. Apenas usuários enquadrados no programa Tarifa Social, destinado a famílias de baixa renda, terão o fornecimento mantido até o fim do ano sem a realização de cortes por inadimplência;
  • Desde a declaração de pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a Aneel aprovou, temporariamente, a proibição de cortes por falta de pagamento entre 24 de março e 31 de julho para todos os consumidores. Com a retomada dos cortes de fornecimento, as distribuidoras deverão mandar um aviso, informando os consumidores. A Aneel também manteve o direito das distribuidoras de cobrar taxa de religação após a regularização da situação de inadimplência;
  • Vemos a notícia como positiva para as distribuidoras de energia, dado que a principal ferramenta das concessionárias de distribuição para evitar a inadimplência é o corte do fornecimento. Entretanto, notamos que não é garantido que o posicionamento da ANEEL seja mantido dependendo da tramitação da Medida Provisória 950, que dita medidas relacionadas ao setor elétrico em meio à pandemia do Coronavírus. Entre as medidas propostas pelo relator da MP, Deputado Léo Moraes (Podemos – RN), destacamos a manutenção do veto a cortes de energia para consumidores residenciais e que exercem atividades essenciais enquanto perdurar o estado de calamidade pública (veja mais sobre a MP 950 no link);
  • Além disso, a manutenção do veto a cortes de fornecimento para consumidores enquadrados na Tarifa Social sem que ocorra a manutenção do subsídio do governo por igual período (o relator da MP 950 propôs que a isenção continue até 31 de agosto de 2020) pode criar uma combinação adversa que acarrete uma elevação significativa de inadimplência em nomes demasiadamente expostos a este segmento, como Equatorial Energia c (25,1% de seus consumidores). Mantemos nossa visão negativa para o segmento de distribuição enquanto perdurar o estado de calamidade pública e os impactos da pandemia sobre a economia e indicadores de emprego e renda.

IRB (IRBR3): Justiça retira necessidade de apresentação de garantias no valor de R$ 1 bi

  • De acordo com a mídia, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) afastou a possibilidade de o IRB ter de apresentar de imediato garantias via depósito judicial para uma ação pública no valor de R$ 1 bilhão relativa ao ressarcimento de investidores;
  • A decisão havia sido tomada no mês anterior devido a um processo formulado por investidores com justificativa em possíveis prejuízos causados pela governança da resseguradora. Em razão disso, o TJ-SP havia pedido à empresa que comprovasse a capacidade financeira de arcar com R$ 1 bilhão via depósito judicial;
  • Nossa visão é positiva, uma vez que a medida aumenta a capacidade de a resseguradora preservar liquidez, especialmente importante durante este período de fiscalização da SUSEP.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.