XP Expert

Entendendo os reflexos da super quarta-feira da política monetária

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,6% | 129.259 Pontos

CÂMBIO 0,2% | 5,06/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou a sessão de quarta-feira em queda de -0,64%, cotado a 129.259, seguindo as principais bolsas americanas, que recuaram entre 0,2% e 0,8%. Durante o pregão, tivemos a decisão de política monetária do Fed, Banco Central dos EUA, na qual os membros do comitê optaram por manter a taxa de juros entre 0 e 0,25% ao ano. E já após o fechamento do Ibovespa, o Banco Central do Brasil, em mais uma reunião do Comitê de Política Monetária (COPOM), elevou a taxa Selic em 0,75 p.p. para 4,25% ao ano, subindo pela terceira vez no ano os juros básicos brasileiros.

As taxas futuras de juros fecharam o dia de ontem em alta, refletindo o comunicado do Fed, e à espera da decisão do Copom: DI jan/22 fechou em 5,435%; DI jan/24 encerrou em 7,66%; DI jan/26 foi para 8,18%; e DI jan/28 fechou em 8,59%. Enquanto isso, o dólar comercial subiu 0,34% a R$ 5,059 na compra depois de chegar a bater menos de R$ 5,00 pela manhã.

Como não poderia deixar de ser, as reuniões de política monetária nos Estados Unidos e no Brasil foram os grandes destaques da agenda econômica ontem. Em ambos os casos, os mercados interpretaram os comunicados que acompanharam as decisões como hawkish (isto é, mensagens mais duras, pró-aperto monetário).

Nesta manhã, mercados globais amanhecem levemente negativos (EUA -0,3% e Europa -0,4%) enquanto investidores digerem a decisão do último comitê monetário do Fed. As projeções dos dirigentes do banco central americano passaram a sinalizar duas altas da taxa de juros de referência até o final de 2023 (na reunião anterior, as expectativas não indicavam elevação antes de 2024). Além disso, um número maior de membros (de 4 para 7) agora prevê início do ciclo de aperto monetário em 2022.

No que diz respeito à decisão do COPOM, houve elevação da taxa Selic de 3,50% para 4,25%, conforme amplamente esperado pelo mercado. Diante do quadro de aumento da inflação e de recuperação mais forte da atividade econômica, o comitê deixou de sinalizar um ajuste “parcial” nas condições monetárias, e passou a dizer que o seu plano de voo agora é levar a taxa básica de juros para “seu patamar neutro”. Ainda, o COPOM sinalizou outro ajuste de igual magnitude (0,75 p.p.) na próxima reunião, mas acrescentou que uma deterioração das expectativas inflacionárias poderia exigir uma aceleração no ritmo de elevação da taxa Selic. A decisão anunciada ontem reforçou nosso cenário de aumento da taxa de juros para 6,50% até o final de 2021.

Na política, o Senado marcou para hoje, às 10h, o reinício da sessão para apreciação da medida provisória que permite a capitalização da Eletrobrás, depois da apresentação do relatório do senador Marcos Rogério no fim da tarde de ontem. O horário e a falta de acordo transferiram a decisão para hoje. O senador acatou 19 sugestões apresentadas por seus pares para tentar vencer resistências ao texto.

Por fim, publicamos ontem um relatório (link), feito em conjunto pela equipe de Research ESG e Internacional da XP, em que nós buscamos trazer (i) uma análise acerca do mercado de carbono; (ii) as razões pelas quais vemos esse mercado como uma oportunidade adiante, ainda que não seja a solução de todos os desafios; e (iii) uma seleção de cinco nomes para exposição ao tema: Tesla (TSLA34), Nextera (NEXT34), Jalles Machado (JALL3), São Martinho (SMTO3) e Orizon (ORVR3).

Tópicos do dia

Acesse aqui o relatório internacional

Economia

  1. “Super Quarta da Política Monetária”: Reuniões do FOMC e do COPOM 
  2. Selic sobe para 4,25% ao ano: Conheça 18 ações que pagam dividendos acima dos juros brasileiros

Política

  1. Senado tem dia decisivo para medida provisória da Eletrobrás
  2. Comissão da reforma administrativa tem previsão de discussões até agosto
  3. Política internacional: Pacote de infraestrutura permanece em foco em Washington em meio a tour diplomático de Biden

Empresas

  1. Vivara (VIVA3): Continuando a brilhar; Reiteramos Compra
  2. Eletrobrás (ELET6): Relator publica parecer sobre MP da Eletrobrás 
  3. Vale (VALE3): Trem não tripulado deve ajudar na retomada de produção em Timbopeba
  4. Locaweb (LWSA3): Principais destaques do evento com fundadores da Locaweb e empresas adquiridas
  5. Notícias Diárias do Setor Financeiro
  6. Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

ESG

  1. Conexão Global | Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema
  2. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 17/06

Veja todos os detalhes

Economia

“Super Quarta da Política Monetária”: Reuniões do FOMC e do COPOM 

  • O Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC) do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) manteve a taxa básica de juros entre 0% e 0,25%, em decisão anunciada ontem. As surpresas ficaram por conta do chamado “gráfico de pontos”, que traz as projeções dos dirigentes do Fed para a evolução dos juros americanos. A mediana das expectativas agora aponta para duas elevações na taxa de juros até o final de 2023 (o consenso de mercado esperava sinalização de uma alta) – na reunião do FOMC realizada em março, o “gráfico de pontos” não previa aumento antes de 2024. Dentre os 18 presidentes dos bancos centrais regionais que compõem o Comitê, 13 esperam alta de juros até o final de 2023, sendo que 7 passaram a prever o início do ciclo de aperto monetário em 2022; na reunião de março, 7 participantes indicavam elevação de juros até o final de 2023 e 4 projetavam início do ciclo de alta em 2022;
  • A projeção do Fed para a variação do núcleo do PCE em 2021 (deflator de despesas de consumo pessoal, medida de inflação preferida do banco central americano) subiu de 2,2% para 3,0, mas vale destacar que as expectativas para o indicador em 2022 e 2023 praticamente não tiveram alterações – por exemplo, a previsão para a alta do PCE em 2023 ficou estável em 2,1%, reforçando que a autoridade monetária dos EUA avalia o choque inflacionário atual como transitório. No campo da atividade, o FOMC aumentou a expectativa de crescimento do PIB em 2021, de 6,5% para 7,0%. Por fim, ainda acreditamos que o processo de redução gradual das compras líquidas de ativos por parte do Fed (tapering) começará no 1º trimestre de 2022, mas reconhecemos que a probabilidade de início no 4º trimestre de 2021 (em dezembro) aumentou significativamente no período recente. Esperamos que o cronograma do processo de remoção desses estímulos seja comunicado pelo Fed na conferência de banqueiros centrais a ser realizada em agosto (Simpósio de Jackson Hole). Por sua vez, esperamos que o início do ciclo de alta de juros nos EUA ocorra no 3º trimestre de 2023 (antes, projetávamos início no 1º trimestre de 2024);
  • No Brasil, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) elevou a taxa Selic em 0,75 p.p., de 3,50% para 4,25%, conforme amplamente esperado pelo mercado. No comunicado que acompanhou a decisão, o comitê avaliou que a recuperação da economia mundial segue robusta, mas destacou os riscos inflacionários. Do lado doméstico, o colegiado também destacou a força da retomada em curso, que levou a revisões relevantes nas projeções de crescimento. Sobre a inflação, o Copom chamou a atenção para a persistência da pressão inflacionária, mostrando preocupação com os efeitos secundários do choque atual – ou seja, com a elevação de alguns preços se disseminando para os demais. Este ponto é chave no comunicado, pois, a nosso ver, é o risco desses efeitos secundários que irá determinar os próximos passos da política monetária;
  • Diante do quadro de aumento da inflação e de recuperação mais forte da atividade econômica, o Copom deixou de sinalizar um ajuste “parcial” nas condições monetárias, e passou a dizer que o seu plano de vôo agora é levar a taxa Selic para “seu patamar neutro” – estimado por nós em 6,50%. O comitê afirma que “antevê a continuação do processo de normalização monetária com outro ajuste da mesma magnitude” (ou seja, 0,75pp), mas acrescenta que “uma deterioração das expectativas de inflação para o horizonte relevante pode exigir uma redução mais tempestiva dos estímulos monetários”. Isto é, aceleração no ritmo de altas da Selic. A decisão de hoje é consistente com nosso cenário de aumento da taxa Selic para 6,50% no final deste ano, com elevações adicionais de 0,75pp nas duas próximas reuniões do Copom e uma desaceleração no ritmo de alta dos juros mais adiante;
  • Na agenda econômica de hoje, destaque para a publicação de alguns indicadores nos Estados Unidos: pedidos semanais de seguro-desemprego; Índice de Atividade Industrial do Fed Filadélfia referente a junho; e Indicador Antecedente do Conference Board relativo a maio. Já divulgada nesta manhã, a leitura final da inflação ao consumidor na zona do euro mostrou alta de 0,3% entre abril e maio, levando a taxa acumulada em 12 meses a 2,0% (acima da taxa de 1,6% registrada em abril). A medida de núcleo da inflação – exclui os itens mais voláteis de energia e alimentos – mostrou elevação mensal de 0,2% e taxa de 1,0% em 12 meses. Esses resultados vieram em linha com as expectativas do mercado.

Selic sobe para 4,25% ao ano: Conheça 18 ações que pagam dividendos acima dos juros brasileiros

  • Como amplamente esperado, o Banco Central, em mais uma reunião de seu Comitê de Política Monetária (Copom), elevou a taxa Selic em 0,75 p.p. para 4,25% ao ano, subindo pela terceira vez no ano os juros básicos brasileiros;
  • Para a Bolsa, não achamos que a alta da taxa de juros impactará a trajetória do Ibovespa, pois os juros reais (juros nominais subtraído da inflação) devem continuar próximos de zero;
  • As ações conhecidas por distribuir bons e recorrentes dividendos ainda superam a taxa básica de juros. Nesse relatório, listamos as 18 ações da nossa cobertura que podem pagar um dividend yield acima da Selic.

Política

Senado tem dia decisivo para medida provisória da Eletrobrás

  • O Senado marcou para hoje, às 10h, o reinício da sessão para apreciação da medida provisória que permite a capitalização da Eletrobrás, depois da apresentação do relatório do senador Marcos Rogério no fim da tarde de ontem. O horário e a falta de acordo transferiram a decisão para hoje. O senador acatou 19 sugestões apresentadas por seus pares para tentar vencer resistências ao texto.

Comissão da reforma administrativa tem previsão de discussões até agosto

  • O plano de trabalho apresentado pelo relator da reforma administrativa, deputado Arthur Maia, prevê discussões até a metade de agosto na comissão especial, para que o parecer seja apresentado na sequência – em linha com o calendário já esperado. Depois de aprovado pela comissão, o projeto segue para o plenário da Câmara.

Política internacional: Pacote de infraestrutura permanece em foco em Washington em meio a tour diplomático de Biden

  • O pacote de infraestrutura permanece em foco em Washington em meio ao tour diplomático de Joe Biden. Sem grandes avanços nas conversas entre os partidos, as divergências internas dos democratas ficam claras e indicam que as negociações não estão perto de chegar ao seu fim;
  • Um grupo de 21 senadores, que inclui 10 democratas, expressaram apoio por um projeto de USD 579 bilhões. No entanto, esse gera resistência de importante parte da ala mais à esquerda do partido de Biden, que defende maiores gastos. Por sua vez, o senador democrata mais moderado, Joe Manchin, cujo voto é essencial no Senado, não garante que votaria pelo pacote sem apoio republicano;
  • Na seara diplomática, o encontro entre Joe Biden e Vladimir Putin foi considerado um sucesso tanto por Washington como Moscow. Sem expectativas de grandes acordos, o evento foi considerado um passo positivo para as desgastadas relações entre os países;
  • E Boris Johnson enfrenta novos ruídos políticos após vazamento de mensagens na qual descreve seu secretário de Saúde de maneira ofensiva.

Empresas

Vivara (VIVA3): Continuando a brilhar; Reiteramos Compra

  • Nós estamos reiterando nossa recomendação de Compra em Vivara e aumentando nosso preço alvo para R$40,0 por ação, de R$33,0 antes, uma vez que (i) os resultados devem permanecer sólidos, apesar do forte aumento de custo de matéria prima em 2020 e com a retomada da economia como um fator positivo; (ii) nós vemos a companhia como o melhor player para consolidar o setor dado seu track record de execução consistente e força de marca; e (iii) a expansão da Life deve contribuir para crescimento e rentabilidade dado seu maior mercado endereçável e margens.
  • Ainda, trazemos no relatório uma análise sobre a dinâmica de casamentos/nascimentos em 2020 e destacamos que a aceleração desses eventos com a volta à normalidade deve contribuir para o crescimento de vendas da Vivara no curto prazo, uma vez que as linhas de alianças/bebê representam cerca de 10% das vendas totais. Clique aqui para ver nosso relatório.

Eletrobrás (ELET6): Relator publica parecer sobre MP da Eletrobrás 

  • Ontem (16) foi publicado o parecer sobre a MP da Eletrobrás (não coberta) do Relator Marcos Rogério – DEM com poucas alterações em relação ao texto aprovado na Câmara;
  • As principais alterações foram: (i) maior especificidade na localização das termelétricas a serem contratadas nas regiões nordeste, norte e centro-oeste; (ii) a forma do pagamento da parcela devida à CDE pela descotização deixa de ser ao longo de 30 anos e será definida pelo CNPE; (iii) a parcela da outorga paga à CDE passa a ser destinada apenas à modicidade tarifária no Ambiente de Comercialização Regulada (ACR); (iv) as contribuições para os fundos de recuperação das bacias serão abatidas apenas da parcela da outorga a ser paga para a União, antes seria abatida do Valor Adicionado da descotização como um todo (tanto da parcela CDE, quanto da parcela da União); (v) o prazo mínimo para a descotização é adiado de 3 para 5 anos e (vi) a extensão do subsídio ao carvão para usinas termelétricas até 2035;
  • Por um lado as alterações podem trazer mais ônus a União, dado que diminuiria sua arrecadação. Além disso, pode haver um aumento das tarifas dado que o MP deve trazer infraestrutura de gás ao interior do país em detrimento da modicidade tarifaria. Por outro lado, as alterações fazem parte das concessões que o governo está tendo que fazer para aprovar a MP antes da caducidade no dia 22. A votação no Senado deve ocorrer hoje (17) a partir das 10h. 

Vale (VALE3): Trem não tripulado deve ajudar na retomada de produção em Timbopeba

  • A Vale informou em comunicado que poderá retomar as atividades de sua planta de processamento a seco de minério de ferro de Timbopeba em até dois meses, por conta da utilização de um trem não tripulado. Após a implantação, o trem percorrerá, de forma automática, 16 quilômetros de trilhos operados por um sistema que pode controlar a velocidade e acionar os freios. Ao final dos testes e implementação, a usina de Timbopeba será capaz de manter a operação em torno de 80-100% de sua capacidade diária de 33 mil toneladas de minério de ferro;
  • Em 4 de junho, a Vale foi forçada a interromper as atividades em sua planta de Timbopeba depois que a Superintendência Regional do Trabalho ordenou a evacuação de áreas próximas à barragem Xingu. De acordo com a companhia, a barragem permanece em nível 2 de emergência. O acesso dos trabalhadores e a circulação de veículos na zona de inundação permanecem suspensos, exceto para pessoas que trabalhem em atividades de estabilização da estrutura ou em ações estruturantes para a implantação do trem não tripulado;
  • Vemos essa retomada gradual como positiva, pois a Vale reforçou que não há risco iminente de ruptura. Estimamos um impacto total de 0,5% a 1,5% da produção consolidada da Vale em 2021 (estimamos produção de 320 milhões de toneladas). Mantemos nossa recomendação de Compra (preço-alvo de R$122/ação).

Locaweb (LWSA3): Principais destaques do evento com fundadores da Locaweb e empresas adquiridas

  • A Locaweb participou de um evento com Investidores Institucionais, com a presença de Fernando Cirne (CEO) e Rafael Chamas (CFO), além de fundadores das empresas recentemente adquiridas pela Locaweb, fornecendo uma atualização sobre os processos de integrações em curso e oportunidades futuras;
  • Mesmo que nenhuma grande notícia e números sobre a estratégia da empresa tenham sido compartilhados, vemos este encontro com bons olhos, com a empresa sendo vocal em seus desafios e perspectivas de integrações, o que deve reduzir as preocupações de curto prazo dos investidores. Portanto, reiteramos nossa recomendação de Compra e um preço-alvo de R$ 32,0/ação para o final de 2021. Clique aqui para conferir o conteúdo completo.

Notícias Diárias do Setor Financeiro

  • Acesse este relatório com notícias do setor financeiro que complementam nossos comentários publicados no Morning Call, mas que não consideramos relevantes o suficiente para serem analisadas. Aqui você encontra o título com o link para a fonte original da notícia, além de uma breve descrição do conteúdo;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

  • Nesta publicação diária, trazemos as principais notícias do setor de varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.) nacional e internacional, complementando nossa visão sobre as tendências e acontecimentos mais importantes do dia. Além disso, o relatório contém um resumo dos múltiplos e recomendações para as empresas de nossa cobertura;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Conexão Global | Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema

  • Após a Cúpula dos Líderes sobre Clima, os holofotes se voltaram para as discussões a cerca do combate às mudanças climáticas e todos estão em busca de soluções para um dos maiores desafios do mundo. Dentre os caminhos, um deles está no centro das atenções: o mercado de carbono. Conhecido ao redor do mundo, e ganhando cada vez mais notoriedade no Brasil, o mercado de crédito de carbono já movimenta bilhões mundialmente – 229 bilhões de euros em 2020, um crescimento de quase 20% A/A e mais de 5x desde 2017;
  • Na nossa visão, existe uma grande oportunidade adiante, à medida em que muitas são as instituições e países que precisam compensar suas emissões, ao mesmo tempo em que existem aqueles que deixam de emitir ou sequestram carbono. Numa simples relação de oferta e demanda, o preço do mesmo tem subido substancialmente: + 525% nos últimos 4 anos, e +98% no últimos 12 meses. Se por um lado o mercado de carbono é uma solução às mudanças climáticas, por outro, não existe uma bala de prata quando o tema é o aquecimento global. Na nossa visão, não será somente a compensação de carbono que vai resolver esse desafio, e sim um conjunto de ações;
  • Por fim, visando reforçar nossa mensagem aos investidores acerca da importância de se ter no portfólio empresas que estão ajudando a impulsionar essa transição e buscando pela sustentabilidade, nós selecionamos 2 BDRs e 3 ações de empresas brasileiras que, na nossa visão, são bons players para exposição ao tema: Tesla (TSLA34), Nextera (NEXT34), Jalles (JALL3), São Martinho (SMTO3) e Orizon (ORVR3). Clique aqui para ler o relatório completo.

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 17/06

  • Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo falam sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança;
  • Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance histórica do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP;
  • Por que essas informações são importantes? Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.