XP Expert

Bolsas hoje: Projeções da XP e destaques da temporada de resultados

PMI de serviços no Reino Unido e Zona do Euro, e estatísticas do setor externo no Brasil são alguns dos temas de maior destaque nesta quinta-feira, 04/04/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir
Ouça no Spreaker

IBOVESPA -0,18% | 127.318 Pontos

CÂMBIO -0,34% | 5,04/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa encerrou a quarta-feira com queda de 0,2%, aos 127.318 pontos. O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que afirmou que o banco central norte-americano espera mais dados positivos para analisar o início do ciclo de cortes de juros. No Brasil, Roberto Campos Neto afirmou que a intervenção no mercado de câmbio não foi feita com a intenção de intervir em seu movimento flutuante. Com isso, o dólar encerrou o dia em queda de 0,35%, aos R$ 5,04, acompanhando os pares emergentes.

Já no micro, a alta do Brent (+0,5%) impulsionou Petrorecôncavo (RECV3; +4,6%) e 3R Petroleum (RRRP3; +3,8%), as maiores altas da Bolsa. A abertura da curva de juros penalizou o setor de Varejo, com Grupo Soma (SOMA3; -6,9%) e Arezzo (ARZZ; -6,2%) sendo os principais perdedores do dia. Os maiores papeis do Ibovespa também caíram, com Vale (VALE3; -1,5%) impactada pela queda do preço do minério de ferro, e Petrobras (PETR3, -0,8%; PETR4, -0,5%) caindo devido a preocupações relacionadas à sua política de dividendos.

Chegamos ao fim da temporada de resultados do 4T23. Veja todos os destaques aqui.

Renda Fixa

A curva de juros fechou o dia em alta singela, seguindo o movimento dos títulos do Tesouro americano (Treasuries), diante de uma agenda de indicadores esvaziada no Brasil. Por lá, os dados foram mistos: enquanto a criação de empregos no setor privado nos EUA superou as expectativas, o índice de gerentes de compras (PMI) veio abaixo do esperado pelo mercado. Em paralelo, o discurso de Powell foi considerado levemente dovish, o que aliviou uma alta mais forte dos mercados. DI jan/25 fechou em 9,96% (1,5bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 9,98% (1bps); DI jan/27 em 10,285% (2bps); DI jan/29 em 10,845% (3bps).

Mercados globais

Os mercados operam hoje em alta nos Estados Unidos (S&P 500: 0,3%; Nasdaq 100: 0,4%), após correções provocadas por falas mais duras de dirigentes do Federal Reserve. O mercado aguarda divulgação da criação de empregos (payroll) na sexta-feira. Paramount sobe cerca de 15%, após divulgação de uma aquisição da companhia pela Skydance, notícia que impulsionou ações do setor.

Na Europa, os mercados operam mistos, com o índice pan-europeu em leve alta (Stoxx 600: 0,1%) liderada pelo setor de mineração, enquanto o setor de mídia tem a pior performance. Na China, as bolsas permanecem fechadas até a próxima semana devido a um feriado.

Economia

Conforme divulgado ontem, a sondagem ISM do setor de serviços dos EUA recuou de 52,6 em fevereiro para 51,4 em março, muito abaixo da estimativa de mercado (52,7). Este resultado representou o segundo recuo consecutivo na margem. Em relação aos dados desagregados, destaque para a medida de preços pagos pelos insumos, que atingiu o patamar mais baixo em quatro anos. Enquanto isso, o setor privado dos EUA gerou 184 mil empregos em março, conforme divulgado ontem pela empresa ADP. Houve aceleração em relação ao ganho de 155 mil em fevereiro. Além disso, os salários reais continuam em alta. Os sinais de mercado de trabalho apertado reforçam a postura mais cautelosa do Federal Reserve na condução da política monetária.

No Brasil, a produção industrial recuou 0,3% em fevereiro contra janeiro, resultado abaixo das expectativas. No entanto, os dados desagregados trouxeram sinais encorajadores. As categorias de bens de capital e bens de consumo duráveis cresceram de forma expressiva nos primeiros meses do ano, em linha com a flexibilização gradual das condições monetárias. Além disso, o time econômico da XP divulgou seu relatório mensal sobre o cenário macro do Brasil. A publicação ressalta que a volatilidade externa e pressões locais desafiam o Copom. Embora as projeções para as principais variáveis econômicas tenham sido mantidas, há viés altista na maioria dos casos, com destaque para a taxa de câmbio e taxa Selic.

Clique aqui para acessar o relatório completo.        

Veja todos os detalhes

Economia

Sinais mistos na atividade econômica dos EUA; XP publica relatório mensal sobre cenário econômico do Brasil

  • Conforme divulgado ontem, o índice ISM do setor de serviços dos EUA recuou de 52,6 em fevereiro para 51,4 em março, muito abaixo da estimativa de mercado (52,7). Este resultado representou o segundo recuo consecutivo na margem. Leituras acima de 50 indicam crescimento no setor terciário. Em relação aos dados desagregados, destaque para a medida de preços pagos pelos insumos, que caiu de 58,6 em fevereiro para 53,4 em março (o patamar mais baixo em quatro anos). Além disso, o indicador de prazo de entrega dos fornecedores declinou de 48,9 para 45,4, contribuindo também para o decréscimo no índice geral. A desaceleração no setor terciário respalda as perspectivas de alívio na inflação de curto prazo;
  • Enquanto isso, o setor privado dos EUA gerou 184 mil empregos em março, conforme divulgado ontem pela empresa ADP. Houve aceleração em relação ao ganho de 155 mil em fevereiro (dado revisado, após divulgação original de 140 mil). A mediana das projeções dos analistas apontava para criação de 150 mil vagas. Além disso, os salários subiram 5,1% em março deste ano contra igual mês do ano passado, a mesma taxa de variação registrada em fevereiro. Como destaque na agenda econômica semanal, o relatório nonfarm payroll – traz as principais estatísticas sobre emprego e renda nos EUA – será divulgado amanhã. O consenso de mercado indica geração líquida de 200 mil ocupações em março. Os sinais de mercado de trabalho apertado reforçam a postura mais cautelosa do Federal Reserve na condução da política monetária;    
  • Neste sentido, o Presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse ontem que levará algum tempo para a avaliação do atual estado da inflação, deixando incerto o momento de potenciais cortes na taxa de juros. A autoridade afirmou que “sobre a inflação, é muito cedo para dizer se as leituras recentes representam mais do que apenas um solavanco” (tradução própria). Além disso, Powell reiterou que “dada a força da economia e o progresso no combate à inflação até agora, há tempo para deixar que os dados guiem as decisões de política monetária”. Em suma, os membros do banco central dos EUA têm enfatizado a necessidade de mais evidências de que a inflação está cedendo de forma sustentada para então iniciarem o ciclo de corte de juros;  
  • No Brasil, a produção industrial recuou 0,3% em fevereiro contra janeiro, abaixo das expectativas (XP: +0,3%; mercado: +0,2%). Este resultado significou a segunda queda mensal consecutiva. No entanto, os dados desagregados trouxeram sinais encorajadores. As categorias de bens de capital e bens de consumo duráveis cresceram de forma expressiva nos primeiros meses de 2024, em linha com a flexibilização gradual das condições monetárias. Consequentemente, nossa estimativa de alta frequência para o PIB aponta para crescimento de 0,7% no 1º trimestre de 2024 em comparação ao 4º trimestre de 2023 (e expansão de 2,4% ante o 1º trimestre de 2023). Projetamos alta de 2,0% para o PIB deste ano;
  • Além disso, o time econômico da XP divulgou seu relatório mensal sobre o cenário macro do Brasil. A publicação ressalta que a volatilidade externa e pressões locais desafiam o Copom. Embora as projeções para as principais variáveis econômicas tenham sido mantidas, há viés altista na maioria dos casos, com destaque para a taxa de câmbio e taxa Selic;
  • Por fim, poucos indicadores na agenda econômica desta quinta-feira. Nos EUA, atenções voltadas aos pedidos de auxílio desemprego na semana passada e à balança comercial de fevereiro. No Brasil, o Banco Central divulga as estatísticas do setor externo de fevereiro, enquanto a Anfavea publica os dados do setor automotivo referentes a março;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo;

Empresas

Hidrovias do Brasil (HBSA3) – Alguns riscos de curto prazo a serem considerados

  • Chamamos a atenção para dois pontos de preocupação para a HBSA no curto prazo:
    • Níveis mais baixos de calado no Corredor Sul, atingindo níveis críticos e impactando as operações;
    • Atraso no aumento tarifário no Corredor Norte (volumes de milho que sobram do 4T23 serão transportados sem reajustes tarifários);
  • Reiteramos nossa visão positiva sobre o anúncio do investimento da Ultrapar na HBSA3;
  • Embora mantenhamos nossas estimativas anuais inalteradas por enquanto, esperamos que o 1T24 implique riscos negativos para o ano (principalmente no Corredor Sul);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo

Santos Brasil (STBP3) – Acompanhamento Mensal do Setor Portuário | Março de 2024

  • Em nosso tracker mensal de Operadores Portuários de março de 24, destacamos: o volume total da STBP cresceu 29% A/A (tanto em mar’24 quanto no 1T24) e acreditamos que este mês ainda não mostrou todo o potencial de volume adicional do ano;
  • Destacamos também:
    • Fortes volumes de armazenagem (+17% A/A e +24% A/Ano 1T24);
    • TEV reportou volumes fracos, com 19 mil veículos movimentados (-26% A/A e -24% A/A no 1T24) implicando apenas 67% de utilização da capacidade LTM;
    • O Porto de Santos reportou aumento na utilização da capacidade (83% no LTM vs 80% em ’23 e 87% em ’22);
  • Reiteramos nossa recomendação de Compra e vemos possíveis aumentos a nossas estimativas;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Aura (AURA33): Apresentando preço-alvo 2024 de R$ 48,00/BDR e atualizando de Neutro para Compra

  • Estamos atualizando nossas estimativas para Aura e atualizando-a para Compra (de Neutro) com um preço-alvo para 2024 de R$ 48,00/ação (~23% de upside);
    • Acreditamos que os ativos expostos ao ouro podem proporcionar adequadamente uma diversificação da carteira seguindo um risco de aumento das tensões geopolíticas e de um consenso sobre soft landing relativamente aos yields dos EUA no futuro (mesmo depois de máximas recordes nos preços do ouro);
    • Dito isto, dada a sua exposição majoritária ao ouro, acreditamos que a Aura implica uma exposição escassa e defensiva (e barata), ao mesmo tempo que conta com diferentes vias de crescimento e diversas fontes de geração de valor, que ainda não vemos precificadas;
    • Finalmente, à medida que a empresa continua a executar os seus planos de crescimento, esperamos que o valuation seja reavaliado (TIR nominal de ~15%, implicando uma valorização de ~23%, com potenciais opcionalidades totalizando ~86% da valorização total);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Bens de Capital: Estimando Receitas Potenciais para a WEG do Recente Leilão de Transmissão

  • Esta é nossa mais recente edição do Resumo Semanal de Bens de Capital, onde discutimos indicadores recentemente divulgados, níveis de valuation e outros temas-chave;
  • Nesta semana, destacamos:
    • (i) nossas estimativas de receitas potenciais para a WEG a partir do leilão de transmissão da semana passada, com (a) baixa representatividade vs. nível consolidado (~4% das receitas locais de GTD), embora (b) reforçando o momento positivo da T&D (no Brasil, mas especialmente na América do Norte);
    • (ii) divulgação de dados Mar’24 da Fenabrave indicando melhora sequencial nas vendas de veículos pesados (caminhões +18% M/M e +3% A/A); e
    • (iii) short interest da Iochpe continuando em tendência de queda (-0,9 p.p. S/S);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Mineração e Siderurgia: PMI chinês se recuperou em mar’24; Preço do minério de ferro cai 7% S/S

  • Os principais temas da semana foram o PMI chinês e o relatório FIA da Aura Minerals;
    • O PMI chinês se recuperou em mar’24 após seis meses consecutivos de quedas, entrando em território expansionista;
    • A Aura Minerals reportou seu relatório FIA de 2023 mostrando um desempenho operacional positivo, com as reservas aumentando 32% A/A, impulsionado positivamente pela incorporação do projeto da Borborema;
    • Por fim, vemos a Vale precificando o minério de ferro a US$ 98/t, -4% vs. preço spot de US$ 102/t, enquanto a CMIN está precificando o minério de ferro a US$ 112/t, com prêmio de 10% vs. preço spot;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Nexa e BTG captam US$ 1,1 bi em bônus e total no ano vai a US$ 11,1 bi (Valor);
    • Campos Neto: BC planeja Pix automático em novembro, mas ‘passa por fase difícil’ (Valor);
    • Período turbulento ficou para trás, diz CEO do IRB (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Fusões em ‘pet’ perdem força, mas há espaço para consolidação (Valor Econômico);
    • Grupo Boticário cresce 30% e ganha share; B2B dobra de tamanho (Brazil Journal);
    • Amazon inaugura primeiro Centro de Distribuição com operação conjunta do Brasil (E-commerce);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Alimentos
      • “No se soporta más”: contundente reclamo de la dirigencia del campo para que se bajen las retenciones al trigo (La Nación);
      • França reporta controle da influenza aviária após campanha de vacinação maciça (Agrimídia).
    • Agro
      • Wet April outlook offers mixed benefits for US winter wheat, corn (Reuters);
      • Em “nova era” , Caraíba Sementes muda de tática e se aproxima de grandes distribuidores (AgFeed).
    • Biocombustíveis
      • Distribuidoras aposentam 35,66 mi de CBios até o final de março e não alcançam meta (Nova Cana);
      • Com mais de R$ 3 bi no tanque, Inpasa acelera produção de etanol e olha além do milho (AgFeed).
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Sírio-Libanês terá novo hospital em São Paulo (Valor Econômico);
    • Odontoprev (ODPV3) aprova pagamento de R$ 427 milhões em dividendos (Valor Econômico);
    • Ministério da Saúde inaugura fábrica da Hemobrás em Pernambuco (Futuro da Saúde);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • FIIs de papel segue como preferida da XP em carteira recomendada de abril (FIIs);
    • Fundo imobiliário de Shoppings divulga oferta primária que pode alcançar R$ 1 (FIIs);
    • Fundos imobiliários podem ser liquidados após proposta; Ifix não cansa de renovar recordes (Money Times);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Aegea estuda consórcio para comprar 15% da Sabesp e virar acionista de referência, diz CEO (Valor Econômico);
    • Eduardo Leite avalia medidas relativas à CEEE Equatorial similares às pedidas pelo MME contra Enel (Valor Econômico);
    • AGU pede prorrogação de prazo sobre discussão da participação do governo na Eletrobras (CNN Brasil);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Estratégia

Resultados do 4º trimestre de 2023

  • Chegamos ao fim da temporada de resultados do 4T23, e dentre as empresas cobertas pela XP, 39% superaram nossas estimativas de receita, 42% ficaram em linha e 19% ficaram aquém das projeções dos nossos analistas;
  • Quanto ao EBITDA (lucros operacionais), 30% superaram nossas expectativas, 47% vieram em linha, e 24% ficaram abaixo. Por fim, olhando para o lucro líquido reportado, 53% superaram nossas estimativas, 15% ficaram em linha e 33% ficaram aquém;
  • Comparado ao consenso do mercado, 41% das companhias do Ibovespa superaram as estimativas de receita, 9% ficaram em linha, e 50% vieram abaixo segundo dados do Bloomberg. Faça seu login e leia o relatório completo, com os destaques de cada setor;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Private equity stakes unloaded at a discount as investors seek exits (Financial Times);
  • Juro real longo chega perto de 6%, maior nível desde outubro (Valor);
  • Preços dos fertilizantes tendem a recuar neste trimestre, diz StoneX (Globo Rural);
  • Negociações entre Light e credores esbarram em impasse ‘bilionário’, dizem fontes (Valor);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • FIIs de papel segue como preferida da XP em carteira recomendada de abril (FIIs);
    • Fundo imobiliário de Shoppings divulga oferta primária que pode alcançar R$ 1 (FIIs);
    • Fundos imobiliários podem ser liquidados após proposta; Ifix não cansa de renovar recordes (Money Times);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

RenovaBio tem novas metas estabelecidas pela ANP | Café com ESG, 04/04

  • O pregão de quarta-feira terminou em território negativo, com o IBOV e ISE em queda de 0,18% e 0,13%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) definiu as metas compulsórias individuais do RenovaBio a serem cumpridas pelas distribuidoras de combustíveis em 2024 – de acordo com a ANP, as metas individuais foram calculadas a partir da marca anual obrigatória de 38,78 milhões de CBIOs, definida pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para este ano; e (ii) o ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou ontem que o governo tem uma medida provisória que compatibiliza cronogramas de projetos sobre energia, com expectativa de atrair investimentos na ordem de R$100 bilhões para o setor de energia – na esteira de ganhos de eficiência energética, segundo ele, Lula vai anunciar em até duas semanas um segmento do Programa de Aceleração do Crescimento voltado a veículos elétricos;
  • No internacional, a petroleira chinesa Sinopec assinou um acordo com a TotalEnergies em Pequim para formação de uma joint venture que irá produzir combustível sustentável de aviação (SAF, em inglês) com óleos residuais em uma das refinarias da Sinopec – segundo comunicado das companhias, a intenção é estabelecer uma cadeia de valor para o SAF e fornecer soluções de baixo carbono para a aviação internacional;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

Radar ESG | Aura Minerals (AURA33): Extraindo valor ESG em um setor desafiador

  • O setor de mineração e siderurgia enfrenta desafios significativos na agenda ESG, especialmente no pilar (E);
  • No que tange à Aura, como empresa de mineração de ouro e cobre, os principais riscos enfrentados nessa frente estão na descarbonização e na gestão de barragens de rejeitos, embora vejamos com bons olhos os esforços da companhia em mitigar o impacto de suas operações;
  • No pilar (S), que envolve operações in loco e exige uma ampla força de trabalho, a empresa está aprimorando a segurança no ambiente de trabalho, com destaque para o atingimento de zero acidentes desde 2019;
  • Por fim, no (G), a Aura possui um acionista majoritário (Sr. Paulo Brito), e conta com uma equipe de gestão experiente e capacitada, embora seja de válida menção que o Conselho de Administração carece de maioria independente e diversidade de gênero;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.