XP Expert

Bolsas hoje: PIB dos EUA é destaque e Brasil monitora casos de vaca louca

Divulgação de indicadores de atividade nos Estados Unidos e casos de vaca louca no Brasil são alguns dos temas de maior destaque nesta quinta-feira, 23/02/2023

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -1,9% | 107.152 Pontos

CÂMBIO +0,2% | 5,17/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

Na agenda internacional desta quinta-feira (23), destaque para a divulgação de indicadores de atividade nos Estados Unidos: PIB do 4º trimestre de 2022 (segunda leitura); Sondagem Industrial do Fed de Kansas City relativa a fevereiro; Índice de Atividade Nacional do Fed de Chicago (CFNAI) relativo a janeiro; e pedidos de seguro-desemprego na semana encerrada em 18/fev. Na agenda doméstica, atenções voltadas para a arrecadação tributária federal de janeiro. Ainda no Brasil, as exportações de carne bovina para a China foram suspensas devido a um caso da doença de “vaca louca” no Pará. Ainda não há resultado do teste para saber se o caso é atípico. O Ministério da Agricultura disse esperar que a China retome as importações do produto brasileiro em março.

Brasil

O principal índice da bolsa brasileira encerrou o pregão da quarta-feira (22) com uma queda de 1,9%, aos 107.152 pontos. Enquanto o dólar avançou 0,17% frente ao real, encerrando o pregão aos R$ 5,17. As taxas futuras de juros fecharam em alta, em dia de retorno do mercado após o carnaval. O movimento refletiu, principalmente, a divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e o Relatório Focus do Banco Central, que exibiu nova desancoragem nas projeções de inflação dos agentes financeiros. DI jan/24 subiu de 13,245% para 13,395%; DI jan/25 avançou de 12,525% para 12,665%; DI jan/26 passou de 12,64% para 12,755%; e DI jan/27 saltou de 12,835% para 12,935%.

Mundo

Bolsas internacionais amanhecem positivas (EUA +0,4% e Europa +0,2%) à medida que o otimismo com os resultados da Nvidia parece ofuscar a mensagem de que o Federal Reserve continuará subindo a taxa de juros para controlar a inflação nos EUA. Nesta quarta-feira, a gigante dos semicondutores surpreendeu positivamente na divulgação de seu balanço, impulsionada por forte demanda por chips voltados para inteligência artificial. Na Europa, a inflação da Zona do Euro recuou novamente de 9,2% em dezembro para 8,6% em janeiro, no acumulado anual. Na China, o índice de Hang Seng (-0,4%) segue em tendência de baixa, enquanto investidores aguardam os resultados das gigantes Alibaba e NetEase. 

Ata do Fed

Já a ata do Fed confirmou a mensagem de que os membros ainda enxergam riscos de uma inflação mais persistente e, embora concordem em reduzir o ritmo das próximas altas, acreditam que novos aumentos ainda são necessários na taxa de juros local. Desde a última decisão de juros, houve surpresas altistas no campo da inflação (índice de preços ao consumidor acima do esperado em janeiro) e do mercado de trabalho (forte geração líquida de vagas). Ademais, os últimos indicadores de alta-frequência também apontaram para resiliência da atividade econômica local. Esses fatores respaldam o cenário de política monetária restritiva por mais tempo, até que haja sinais mais claros de perda de fôlego da atividade e de convergência da inflação à meta de 2%. Acreditamos que os dados econômicos recentes levarão o banco central a subir a taxa básica de juros – atualmente no intervalo entre 4,50% e 4,75% – em 0,25pp em mais uma ou duas reuniões. A curva de juros americana tem mais três altas de 0,25pp precificadas, e manutenção da taxa de referência até o final de 2023.

Inflação no Brasil

Conforme divulgado ontem (22) no Boletim Focus do Banco Central do Brasil, as expectativas de inflação do mercado financeiro seguem em trajetória de elevação. A mediana das previsões para a variação do IPCA em 2023 subiu de 5,79% na semana passada para 5,89% na semana corrente (estava em 5,48% há um mês). A estimativa para o IPCA de 2024 avançou marginalmente de 4,00% para 4,02%. Como destaque da publicação, as projeções para o IPCA de 2025 (de 3,60% para 3,78%) e 2026 (de 3,50% para 3,70%) aumentaram de forma expressiva na comparação semanal. A tendência altista das expectativas de longo prazo parece refletir, em grande medida, discussões sobre mudança nas metas de inflação e cenários de política fiscal expansionista.

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

CTEEP (TRPL4): Após o fechamento

Calendário do 4T22
Temporada de resultados do 4º trimestre 2022 – o que esperar?

Economia

Ata do Fed corrobora cenário de elevações adicionais de juros nos Estados Unidos; no Brasil, expectativas de inflação continuam em alta

  • Conforme divulgado ontem (22) no Boletim Focus do Banco Central do Brasil, as expectativas de inflação do mercado financeiro seguem em trajetória de elevação. A mediana das previsões para a variação do IPCA em 2023 subiu de 5,79% na semana passada para 5,89% na semana corrente (estava em 5,48% há um mês). A estimativa para o IPCA de 2024 avançou marginalmente de 4,00% para 4,02%. Como destaque da publicação, as projeções para o IPCA de 2025 (de 3,60% para 3,78%) e 2026 (de 3,50% para 3,70%) aumentaram de forma expressiva na comparação semanal. A tendência altista das expectativas de longo prazo parece refletir, em grande medida, discussões sobre mudança nas metas de inflação e cenários de política fiscal expansionista. Em relação à política monetária, as medianas das projeções para a taxa Selic no final de 2023, 2024 e 2025 permaneceram em 12,75%, 10% e 9%, respectivamente, enquanto a estimativa para o final de 2026 subiu de 8,50% para 8,75%;
  • No começo de fevereiro, o Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve (FOMC, na sigla em inglês) desacelerou o ritmo de aperto monetário de 0,50pp para 0,25pp, levando a taxa de juros de referência nos Estados Unidos para o intervalo entre 4,50% e 4,75%. A ata da última reunião do comitê, divulgada ontem à tarde, não alterou de forma relevante as avaliações do mercado sobre os próximos passos de política monetária. Pelo lado mais dovish (moderado), os membros do colegiado notaram que a probabilidade de recessão na economia americana em 2023 segue elevada, além de preverem arrefecimento das condições do mercado de trabalho ao longo deste ano. Do lado hawkish (agressivo), por sua vez, o documento revelou que nenhum dos participantes julgou apropriada uma pausa no processo de elevação de juros, e que a postura da política monetária terá que permanecer restritiva “até que a inflação esteja claramente em uma trajetória de convergência à meta de 2%”. Desde a última decisão de juros nos Estados Unidos, houve surpresas altistas no campo da inflação (índice de preços ao consumidor acima do esperado em janeiro) e do mercado de trabalho (forte geração líquida de vagas). Ademais, os últimos indicadores de alta-frequência também apontaram para resiliência da atividade econômica local. Esses fatores respaldam o cenário de política monetária restritiva por mais tempo, até que haja sinais mais claros de perda de fôlego da atividade e de convergência da inflação à meta de 2%. Dito isso, não prevemos que o Fed irá acelerar o ritmo de aperto monetário nos próximos meses. Reiteramos que o efeito cumulativo do aperto monetário deverá ficar cada vez mais evidente ao longo deste ano, o que demanda cautela nas próximas decisões. Acreditamos que os dados econômicos recentes levarão o banco central a subir a taxa básica de juros em 0,25pp em mais uma ou duas reuniões. A curva de juros americana tem mais três altas de 0,25pp precificadas, e manutenção da taxa de referência até o final de 2023;
  • Na agenda internacional desta quinta-feira (23), destaque para a divulgação de indicadores de atividade nos Estados Unidos: PIB do 4º trimestre de 2022 (segunda leitura); Sondagem Industrial do Fed de Kansas City relativa a fevereiro; Índice de Atividade Nacional do Fed de Chicago (CFNAI) relativo a janeiro; e pedidos de seguro-desemprego na semana encerrada em 18/fev. Já publicada nesta manhã, a taxa de variação anual do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro recuou de 9,2% em dezembro para 8,6% em janeiro, após ter atingido a máxima histórica de 10,6% em outubro. A estimativa final divulgada pela agência de estatísticas Eurostat ficou ligeiramente acima da estimativa preliminar, de 8,5%, porém em linha com a mediana das previsões dos analistas de mercado. Na comparação mensal, o índice registrou declínio de 0,2% em janeiro, também conforme projetado pelo consenso. Por sua vez, a medida de núcleo da inflação ao consumidor – exclui os preços de energia e alimentos – apresentou elevação anual de 5,3%, um pouco acima da alta de 5,2% estimada preliminarmente. Houve queda de 0,8% na comparação entre janeiro e dezembro. Na agenda doméstica, atenções voltadas para a arrecadação tributária federal de janeiro (XP: R$ 252,8 bilhões; consenso: R$ 250,4 bilhões). Ainda no Brasil, as exportações de carne bovina para a China foram suspensas devido a um caso da doença de “vaca louca” no Pará. Ainda não há resultado do teste para saber se o caso é atípico. O Ministério da Agricultura disse esperar que a China retome as importações do produto brasileiro em março.

Empresas

Petroleiras Jrs | Alguns não recorrentes negativos, mas no geral ainda um bom trimestre: Prévia do 4º trimestre de 2022

  • Este trimestre deve ser novamente positivo para as empresas Jr. de O&G brasileiras sob nossa cobertura, apesar da redução sequencial dos preços do Brent (-12% T/T);
  • A redução de vendas reduziu o EBITDA da PRIO, enquanto a 3R sofreu com as questões em torno da produção em Macau. Por sua vez, a Petroreconcavo deverá apresentar o melhor desempenho de EBITDA T/T, impulsionada por um aumento de 5% em sua produção de O&G;
  • Mantemos nossa visão positiva sobre as três empresas e vemos que a queda recente gerou um bom ponto de entrada;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Segundo a mídia local, a MSC pode estar negociando para adquirir o controle da Santos Brasil

  • Segundo o Scoop, veículo de notícias do Traders Club, a MSC (maior empresa de navegação global) estaria negociando a compra do controle acionário da Santos Brasil;
  • As notícias indicam que o negócio:
    • Poderia acarretar um prêmio não divulgado sobre o valor de mercado médio dos últimos 30 dias da empresa de ~R$ 7 bilhões, e
    • Estaria em fase inicial, sem garantia de fechamento.
  • Não é a primeira vez que surgem rumores de empresas de navegação interessadas em adquirir a Santos Brasil;
  • Em janeiro passado, MSC e Maersk anunciaram o fim de sua aliança até 2025, o que nos faz acreditar que seguirão estratégias individuais que podem incluir a aquisição de um ativo estratégico como a Santos Brasil (principalmente pelo perfil estratégico de seu principal terminal de contêineres no Porto de Santos);
  • Acreditamos que o ativo pode ser de interesse para ambas as empresas (MSC e Maersk), pois ambas possuem participação no Porto de Santos via a BTP (um dos maiores terminais de contêineres do Porto de Santos, com 39% de market share em 2022 [a mesma participação de marcado do Tecon Santos, terminal da Santos brasil]);
  • Reiteramos nosso rating de Compra na Santos Brasil, devido:
    • ao seu nível atrativo de valuation, e
    • à nossa expectativa positiva para a negociação de preço com clientes em 2023 dada a dinâmica favorável de oferta/demanda na região.

Data Expert | Animal Proteins Brazil – Fev/23

  • Preços no varejo começam 2023 mais fracos, momento desafiador de curto prazo para frigoríficos;
  • Bovino. Espera pela confirmação do caso da vaca louca atípico pressiona o mercado;
  • Suíno. Dados preliminares de abate apontam para 1ª retração mês contra mês desde Ago/19;
  • Frango. Lidera a queda nos preços de varejo entre as carnes;
  • Ovo. Preços menores apertam margem do produtor que terminou positiva em 2022;
  • Leite. Importação deve encontrar dificuldade com seca no Uruguai e Argentina;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Reestruturação de dívidas pode superar R$ 260 bilhões (Valor);
    • Possibilidade de recessão nos EUA em 2023 continua elevada, diz ata do Fed (Valor);
    • Caixa vai se manter pública e com foco em microcrédito e pequena empresa, diz presidente (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Aesop pode se recuperar com venda de US$ 2,9 bilhões (Australian Financial Review);
    • Shopee: vendedor cadastrado reclama de mudanças na logística de entrega (Estadão);
    • Shein promete dobrar receita para emplacar IPO (Pipeline Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Alimentos e Bebidas
      • Ministro da Agricultura espera retomar exportação de carne bovina à China em março – Valor;
      • Com novo caso de gripe aviária, Argentina tem nove confirmações – Valor;
    • Agro
      • Ucrânia quer extensão de um ano no acordo de grãos para incluir novos portos – Reuters;
      • Trigo tem mínima de quase 1 mês nos EUA por competição no mercado exportador – Notícias Agrícolas;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Com ativos no Brasil, Seacrest Petroleo conclui IPO e levanta US$ 260 milhões na bolsa da Noruega. (Valor Econômico);
    • Petrobras: Prates fecha indicação de trio que decidirá sobre reajustes de combustíveis (Estado de S. Paulo);
    • O futuro obscuro da Light (O Globo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Nvidia surpreende em faturamento, impulsionada por forte demanda de chips com foco em inteligência artificial

  • Nvidia surpreende em faturamento, impulsionada por forte demanda de chips com foco em inteligência artificial;
  • Walmart relata que consumidores estão fragilizados no cenário macroeconômico atual;
  • Baidu anuncia recompra de ações após reportar resultados acima do esperado;
  • S&P 500 registra maior queda diária de 2023;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Renda fixa

Relatório Mensal de Crédito Privado: Janeiro 2023

  • No mercado secundário de debêntures, as negociações em janeiro totalizaram R$ 19,8 bilhões (+12,3% MoM e +79,7% YoY), com 794 ativos negociados;
  • No mercado de CRIs e CRAs, foram negociados, respectivamente, 402 e 328 ativos, sendo movimentados R$ 0,6 bilhão em CRIs (-74,6% MoM e -61,3% YoY) e R$ 1,4 bilhão em CRAs (-70,4% MoM e -42,5% YoY);
  • Para as debêntures, a classe de ativos mais negociada no mês de janeiro foi a de CDI+;
  • Acesse aqui o relatório completo.

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Mercados
    • Brasil suspende exportações de carne bovina à China devido a caso de “vaca louca” (Valor Econômico);
    • Volume investido pelo brasileiro chega a recorde de R$ 5 trilhões, diz Anbima (Exame Invest).
  • Noticiário Corporativo
    • Chuvas no litoral de SP terão impacto em perfil de crédito de seguradoras, diz Moody’s (Valor Econômico);
    • Marisa já mapeia quais lojas vai fechar (Valor Econômico).
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Ifix fecha praticamente estável; FII CARE11 desaba quase 10% (InfoMoney);
    • Fundo imobiliário vira pó na quarta-feira de cinzas e ressaca de Carnaval (MoneyTimes);
    • Com crise de varejistas, fundos imobiliários recorrem a despejo (Investing);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Organograma da questão climática começa a se desenhar no governo Lula | Café com ESG, 23/02

  • O mercado encerrou o pregão de quarta-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -1,9% e -1,8%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) criado com recursos dos fundadores da Natura dez anos atrás, o primeiro fundo de impacto da gestora MOV tem uma boa história para conta – agora, em seu segundo fundo, a casa ganha uma base de investidores mais diversificada e volta o foco 100% para a Amazônia; (ii) quase dois meses após o início do mandato, começa a se desenhar o organograma da questão climática no governo de Luiz Inácio Lula da Silva – na esplanada, o tema ganhou mais protagonismo nas estruturas: dos 37 ministérios, ao menos oito — além do próprio Ministério do Meio Ambiente, que agora também inclui a Mudança do Clima no nome;
  • No internacional, uma coalizão de estados liderados pelos republicanos pediu a um juiz federal que bloqueie uma regra do governo Biden que permite que os planos de aposentadoria considerem fatores ambientais, sociais e de governança corporativa (ESG) na seleção de investimentos enquanto se aguarda o resultado de sua contestação legal;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.