XP Expert

Bolsas hoje: inflação nos EUA em foco nesta sexta

Medida compensatória no Brasil e inflação na Zona do Euro são alguns dos temas de maior destaque nesta sexta-feira, 31/05/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Ouça no Spreaker


IBOVESPA -0,87% | 122.707 Pontos

CÂMBIO +1,09% | 5,21/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

Na última quarta-feira, o Ibovespa fechou em queda, aos 122,707 pontos (-0,9%), renovando o menor nível de fechamento de 2024. O dia também foi negativo para bolsas globais, devido a divulgação do “Livro Bege” nos EUA indicando que a atividade econômica no país continuou a se expandir do início de abril a meados de maio, reduzindo a possibilidade de corte de juros.

Os principais destaques negativos foram ações cíclicas como Hypera (HYPE3, -6,0%) e Yduqs (YDUQ3, -3,8%), pressionados pela inclinação da curva de juros futuros. O destaque positivo da sessão foi Locaweb (LWSA3, +3,4%), fruto de um movimento técnico.

Renda Fixa

Os juros futuros encerraram a sessão de quarta-feira com abertura por toda a extensão da curva, mas principalmente nos vértices longos. Os dados de emprego divulgados apontaram uma economia ainda aquecida, e levaram o mercado a precificar mais risco na curva de juros. Além disso, os investidores elevaram a aposta numa próxima reunião do Copom sem corte na Selic. Outro fator que contribuiu para o aumento da curva de juros brasileira foi a baixa procura pelas Treasuries – títulos do Tesouro americano – nos EUA, impulsionando o rendimento delas. Por lá, as Treasuries de 2 anos fecharam em 4,96% (+2,0bps) e as de 10 anos em 4,61% (+7,0bps). DI jan/25 fechou em 10,415% (alta de 4,5bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 10,825% (alta de 15bps); DI jan/27 em 11,17% (alta de 16,5bps); DI jan/29 em 11,645% (alta de 14,5bps).

Mercados globais

Nesta sexta-feira, os futuros nos Estados Unidos operam em queda (S&P 500: -0,2%; Nasdaq 100: -0,4%), no aguardo da divulgação do deflator PCE, medida de inflação preferida pelo Federal Reserve. A semana foi marcada por leilões fracos do tesouro e preocupações quanto à trajetória da inflação, que provocaram altas nas treasuries.

Na Europa, as bolsas operam mistas, e o índice pan-europeu permanece estável (Stoxx 600: 0,0%). Dados de inflação mostraram uma leve aceleração, o que preocupa os mercados, que aguardam um corte de juros pelo Banco Central Europeu. Na China, as bolsas fecharam em queda (CSI 300: -0,4%; HSI: -0,8%), após dados revelarem uma contração inesperada no setor industrial em maio.

Economia

No Brasil, dados de emprego mostraram força na quarta-feira, e a expectativa se volta para medida compensatória à desoneração da folha de pagamentos pelo governo. No cenário internacional, inflação na zona do euro surpreende negativamente na madrugada, enquanto todas as atenções estão concentradas para a divulgação do core PCE nos Estados Unidos.

Veja todos os detalhes

Economia

Atenções voltadas ao Core PCE nos Estados Unidos

  • No Brasil, dados de emprego foram divulgados na quarta-feira e mostraram forte dinamismo no mercado de trabalho. A Pnad contínua mostrou que a taxa de desemprego recuou para 7,5% em abril de 7,9% em março. Segundo nossas estimativas, o desemprego do Brasil está no menor nível em quase dez anos (7,1%). Na mesma direção, o Caged de abril mostrou geração líquida de 240 mil empregos formais, acima do consenso do mercado. Vale dizer que ambos os dados também revelaram aceleração dos salários no mês, o que pode minar o processo de desinflação adiante, colocando mais pressão sobre o Banco Central.
  • Conforme escrito pelo time XP Política, a Medida Provisória em elaboração pela Fazenda para compensar as perdas de receitas com as desonerações dos 17 setores e dos municípios deve prever restrições no uso de créditos de PIS/Cofins. A mudança tem potencial significativo de arrecadação, cerca de R$ 25 bilhões em 2024, segundo as nossas estimativas.
  • O setor público consolidado registrou um superávit primário de R$ 6,7 bilhões em abril, abaixo das expectativas de mercado. O resultado do setor público em abril ficou bem abaixo das expectativas devido a dois fatores. O desempenho do governo central foi decepcionante, já que a receita líquida cresceu 8,4% em termos reais, enquanto a despesa total aumentou cerca de 12,4% graças ao pagamento antecipado do 13º salário em aposentadorias. Chamamos a atenção que o crescimento acumulado da receita líquida desacelerou de 9,1% em março para 8,4% neste mês, abaixo do necessário para atingir a meta de resultado primário zero, enquanto a pressão sobre as despesas permanece muito elevada. Olhando para frente, esperamos que o governo central continue a apresentar alguma melhoria graças ao aumento das receitas, mas não o suficiente para atingir a meta de déficit zero. Assim, mantemos, sem viés, a nossa previsão de um déficit de 0,6% do PIB em 2024.
  • Na Zona do Euro, a inflação ao consumidor avançou 0,2% m/m em maio, condizente com alta interanual de 2,6%. O núcleo de inflação, que exclui itens mais voláteis, surpreendeu as expectativas de mercado para cima ao acelerar para 2,9% a/a. Vale dizer que a inflação de serviços avançou 0,6% m/m, revelando composição desafiadora do dado. Apesar das surpresas altistas, acreditamos que o Banco Central Europeu inicie o ciclo de corte de juros na reunião da próxima semana.
  • Na China, o índice de gerente de compras PMI para a indústria caiu para 49,5 pontos, enquanto o índice de serviços recuou para 51,2 pontos em maio. Ambos os dados reforçam que o governo chinês deve continuar com suas políticas de estímulo monetário e fiscal para garantir convergência de crescimento à meta de 5,0% em 2024.
  • Nos Estados Unidos, o núcleo do PCE, índice de inflação do consumo pessoal, será divulgado às 9h30 – trata-se do índice de principal monitoramento pelo Banco Central americano, o Fed. A expectativa de mercado é que o indicador avance 0,2% m/m em abril, mantendo-se em 2,8% a/a. Ontem, a segunda leitura do PIB americano trouxe revisão baixista para o primeiro trimestre, de 1,6% para 1,3% na variação trimestral anualizada. A principal contribuição baixista veio do consumo das famílias, mostrando perda gradual de vigor da economia.


Empresas

Rumo (RAIL3): Anúncio da venda do Terminal XXXIX (T39) em Santos

  • A Rumo anunciou a venda de sua participação no Terminal XXXIX de Santos;
  • Vemos o anúncio como positivo e reforçando a estratégia da Rumo de concentrar seus esforços de investimento na geração de valor em seu core business;
  • Nesta transação, destacamos:
    • Valuation de 8,0x EV/EBITDA 23 e 16,8x P/L 23, dada a coerência estratégica das transações;
    • Demonstra o contínuo interesse das tradings em ter Santos como rota de exportação e também na expansão de sua capacidade;
    • Reforça a visão de que há interesse de empresas na parceria com a Rumo para a construção de novo terminal em parceria com a DPW em Santos;
  • Reiteramos nossa recomendação de Compra para Rumo;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo

Grupo Mateus (GMAT3): Transformando um competidor em aliado

  • Hoje, o Grupo Mateus anunciou que assinou um memorando de entendimento sobre uma potencial combinação entre as 21 lojas da GMAT em Pernambuco, Alagoas e Paraíba com o Novo Atacarejo, motivado pelo parque de lojas altamente complementar, transformando um forte concorrente em um aliado;
  • A governança da “NewCo” ainda não foi definida, mas o GMAT será o acionista controlador com 51% de participação;
  • Embora o valuation não tenha sido divulgado, ele deve ser baseado nas vendas brutas do acumulado do ano anualizadas, com um potencial pagamento adicional em caixa para equilibrar as participações, embora o impacto financeiro não deva ser material;
  • Em suma, vemos o acordo como positivo, pois fortalece o posicionamento do GMAT em cidades-chave do Nordeste com um parceiro forte ao seu lado, enquanto o negócio também pode render sinergias de capital de giro e despesas operacionais;
  • Clique aqui para ler o relatório completo.

Varejo XP: Tributação de compras internacionais aprovada na Câmara

  • A Câmara dos Deputados aprovou nesta semana uma proposta para cobrar uma alíquota de 20% de imposto de importação em compras internacionais abaixo de US$ 50 (vs. 0% anteriormente), enquanto aquelas acima de US$ 50 devem continuar sujeitas a alíquota de 60% do imposto;
  • A proposta deve seguir agora para o Senado, com discussões previstas para hoje. Depois disso, o projeto deve ser aprovado pelo presidente, com notícias locais apontando que o governo se comprometeu a sancionar o novo imposto de importação. Se não houver vetos, a proposta tem efeito imediato;
  • Vemos a aprovação da proposta na Câmara como um anúncio positivo e muito aguardado, especialmente para varejistas de vestuário de média renda (CEAB, GUAR e LREN) e players de comércio eletrônico (BHIA, MGLU), pois traz um alívio para o cenário competitivo vs. AliExpress, Shein e Shopee;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Nubank entra na lista das 100 empresas mais influentes do mundo da ‘Time’ pela 3ª vez (Valor);
    • Visa quer crédito, débito, pré-pago, voucher e pontos no mesmo cartão (Valor);
    • Venda de crédito inadimplente sobe em dois anos e pode chegar a R$ 60 bilhões (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Senado adia votação do Mover e da taxação de importados de até US$ 50 para a semana que vem (Estadão);
    • Fim da isenção de compras internacionais de até US$ 50 pode afetar R$ 1 bi em encomendas por mês (O Globo);
    • Arroz a R$ 4 pode chegar nas lojas só no fim de julho, diz Abras (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Mater Dei desfaz aquisição do Hospital Porto Dias, que retorna aos fundadores (Valor Econômico);
    • Amil e Unimed pretendiam cancelar pelo menos 110 mil planos de saúde de forma unilateral (Valor Econômico);
    • Após medida sobre planos de saúde, ações de Hapvida e Rede D’Or caem e papel da Qualicorp sobe (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • STF retoma em junho julgamento sobre revisão do FGTS (Valor);
    • Mercado de trabalho da construção continua registrando resultados positivos (CBIC);
    • CBIC debate com Alckmin apoio à reconstrução do RS e medidas de auxílio a empresas afetadas (CBIC);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Assembleia de credores da Light aprova plano de recuperação judicial (CNN Brasil);
    • Justiça mantém validade de aprovação da venda da Sabesp na Câmara de SP (Folha de S. Paulo);
    • Taxação de painéis solares e turbinas importadas pode custear programa industrial do governo (MegaWhat);
    • Clique aqui para acessar o relatório.


Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Euro zone inflation rises to 2.6% in May, but bloc still seen heading for interest rate cut (CNBC);
  • Com juros altos, investidor privilegia renda fixa e ganha com ativos no exterior (Valor Econômico);
  • Enel troca presidente da distribuidora em São Paulo; assume Guilherme Lencastre (Valor Econômico);
  • Fitch Eleva Rating Nacional de Longo Prazo do Sicoob Cocred Para ‘A(bra)’; Perspectiva Estável (Fitch);
  • Clique aqui para acessar o clipping.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Imóveis de FIIs ajudam no apoio às vítimas no RS; 25 fundos têm ativos no Estado (InfoMoney);
    • HSML11 compra parte de shopping por R$ 41 milhões; veja quanto o FII pode ganhar (FIIs);
    • RBRP11 anuncia recebimento de aluguel inadimplente; qual seria o impacto no faturamento? (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Vale (VALE3) adota o ISSB; Paralisação parcial no Ibama e mais destaques | Café com ESG, 31/05

  • O mercado encerrou o pregão de quarta-feira, pré feriado de Corpus Christi, em queda, com o IBOV e o ISE caindo 0,86% e 1,01%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) a Vale anunciou que vai adotar de forma voluntária o padrão global do International Sustainability Standards Board (ISSB), ligado à IFRS Foundation, para a divulgação de seus relatórios financeiros relacionados à sustentabilidade – a expectativa da companhia é divulgar o primeiro reporte já em 2025, se antecipando em dois anos à adoção obrigatória pela CVM; e (ii) o prolongamento da greve de servidores, com paralisação parcial das atividades, nos órgãos de licenciamento ambiental tem aumentado a agonia entre investidores com empreendimentos já contratados e com cronograma de obras a cumprir – no Ibama, a redução do ritmo de trabalho diminuiu o volume de autorizações a menos da metade;
  • No internacional, o governo dos EUA propôs na última quarta-feira a expansão de créditos fiscais para além dos setores de energia solar e eólica, visando cobrir uma gama mais ampla de tecnologias, incluindo fusão nuclear e hidroelétricas – segundo o Departamento do Tesouro, os novos créditos de eletricidade limpa estarão disponíveis em 2025;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.