XP Expert

Bolsas hoje: dados do setor externo em destaque

Nota do setor externo do Banco Central é um dos temas de maior destaque nesta sexta-feira, 24/05/2024

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Ouça no Spreaker


IBOVESPA -0,73% | 124.729 Pontos

CÂMBIO -0,04% | 5,15/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Ibovespa

O Ibovespa fechou em baixa ontem, aos 124.729 pontos (-0,7%). O mercado foi impactado principalmente pela divulgação do Índice de Gerentes de Compras (PMI) americano, que mostrou um avanço e atingiu o maior nível em 25 meses, enquanto o consenso era de um leve recuo, reduzindo as expectativas de um corte de juros em breve.

O Ibovespa também foi impactado por queda em seus componentes de maior peso, com Vale (VALE3, -0,6%) e Petrobras (PETR3, -0,9%; PETR4 -1,0%) afetadas por quedas nos preços do minério de ferro e do Brent, respectivamente. Já o destaque positivo foi a Oncoclínicas (ONCO3, +23,5%), após o conselho de administração da empresa aprovar um aumento de capital de R$ 1,5 bilhão por meio da emissão de novas ações ordinárias via subscrição privada.

Para o pregão de sexta-feira, teremos o dado de sentimento do consumidor e expectativas de inflação nos EUA, referente ao mês de maio. Em termos de resultados globais, teremos o balanço do 1T24 da Dollar Tree.

Renda Fixa

Os juros futuros encerraram a sessão de quinta-feira em queda, principalmente nos vencimentos intermediários e longos, na contramão do sentimento de aversão ao risco visto nos mercados globais. No campo doméstico, o discurso do diretor de política econômica do Banco Central, Diogo Guillen, afirmou o compromisso do Copom no cumprimento à meta de inflação, o que permitiu a retirada de prêmios da curva, que perdeu inclinação.

Nos EUA, a surpresa altista com os números preliminares do PMI reforçou os discursos contracionistas que vêm sendo conduzidos pelos dirigentes do Federal Reserve desde a última reunião do comitê de política monetária do país. Com isso, os rendimentos das Treasuries – títulos soberanos americanos – de 2 anos fecharam em 4,91% (+5,0bps) e as de 10 anos em 4,47% (+4,0bps). DI jan/25 fechou em 10,385% (queda de 1,5bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 10,735% (queda de 4,5bps); DI jan/27 em 11,04% (queda de 11bps); DI jan/29 em 11,49% (queda de 15bps).

Mercados globais

Nesta sexta-feira, os mercados operam em alta nos Estados Unidos (S&P 500: 0,3%; Nasdaq 100: 0,2%), se recuperando após queda no dia de ontem. Na Europa, as bolsas operam em baixa (Stoxx 600: -0,4%); e na China, as bolsas fecharam em queda (CSI 300: -1,1%; HSI: -1,4%).

Economia

Em maio de 2024, o PMI de Manufatura da Zona do Euro subiu para 47,4, o maior nível em 15 meses, enquanto o PMI de Serviços permaneceu estável em 53,3. Na Alemanha, o PIB cresceu 0,2% no primeiro trimestre de 2024 em comparação com o trimestre anterior, revertendo uma contração de 0,5%, impulsionado principalmente por investimentos em construção. No entanto, a economia alemã encolheu 0,2% ano a ano, entrando em recessão técnica pela primeira vez em mais de três anos.

Nos Estados Unidos, o PMI de Manufatura aumentou para 50,9 em maio de 2024, superando as previsões, enquanto o PMI de Serviços subiu para 54,8, indicando a maior expansão no setor de serviços em um ano. No Japão, a inflação anual caiu para 2,5% em abril de 2024, com o núcleo de inflação recuando para 2,2%, mantendo o Banco do Japão sob pressão para ajustar sua política monetária.

Hoje, a agenda econômica está relativamente tranquila. O Banco Central divulga sua nota de setor externo de abril, revelando o saldo em conta corrente e os investimentos estrangeiros no país.

Veja todos os detalhes

Economia

Nota de Setor Externo será divulgada hoje

  • De acordo com estimativas preliminares, o PMI de Manufatura da Zona do Euro, medido pelo HCOB, subiu para 47,4 em maio de 2024, marcando seu nível mais alto em 15 meses, acima dos 45,7 de abril e superando as expectativas do mercado de 46,2, mas ainda abaixo da marca de 50 pontos que separa a contração da expansão. A produção manufatureira continuou sua tendência de queda pelo 14º mês consecutivo. Enquanto isso, o PMI de Serviços da Zona do Euro permaneceu em 53,3 em maio de 2024, inalterado em relação ao nível mais alto em quase um ano registrado no mês anterior e aproximadamente em linha com as expectativas do mercado de 53,5. Este foi o quarto mês consecutivo de expansão no setor de serviços, sugerindo algum impulso apesar das preocupações contínuas com o crescimento devido ao prolongado período de política restritiva do BCE. Olhando para o futuro, o otimismo para a atividade do próximo ano aumentou.
  • A leitura final para o PIB da economia da Alemanha apontou uma expansão de 0,2% no primeiro trimestre de 2024 em relação ao trimestre anterior, recuperando-se de uma contração de 0,5% no período anterior, em linha com as estimativas preliminares e do mercado. Essa recuperação foi impulsionada principalmente por um forte aumento nos investimentos em construção. A demanda externa líquida também contribuiu positivamente para o crescimento do PIB. Em termos anuais, a economia caiu 0,2%, inalterada em relação ao período anterior, entrando em recessão técnica pela primeira vez em mais de três anos.
  • Nos Estados Unidos, o PMI de Manufatura da S&P Global subiu para 50,9 em maio de 2024, acima dos 50 em abril e superando as previsões de 50, de acordo com estimativas preliminares. O PMI de Serviços subiu para 54,8 em maio de 2024, de 51,3 no mês anterior, excedendo significativamente as expectativas do mercado de 51,3, com base em dados preliminares. Este resultado marcou a expansão mais acentuada no setor de serviços privados dos EUA em um ano, destacando a resiliência da economia dos EUA apesar do prolongado período de taxas de juros mais altas. Olhando para o futuro, as empresas expressaram otimismo em relação aos níveis de produção para o próximo ano, embora o sentimento tenha permanecido abaixo das médias de longo prazo devido às incertezas em torno da política monetária e das próximas eleições.
  • No Japão, a inflação acumulada em 12 meses diminuiu para 2,5% em abril de 2024, abaixo dos 2,7%. O núcleo de inflação – que exclui preços voláteis – também caiu, atingindo 2,2%, em comparação com 2,6%, de acordo com as expectativas de mercado, marcando a leitura mais baixa desde janeiro. Em uma base mensal, os preços ao consumidor subiram 0,2% em abril, o mesmo aumento de março, mantendo o ritmo mais acentuado desde outubro passado. O núcleo de inflação do Japão tem estado igual ou acima da meta do Banco do Japão (BOJ) por 25 meses consecutivos, colocando uma pressão contínua sobre o banco central para apertar ainda mais a política. Em março, o BOJ ajustou sua política monetária, aumentando as taxas de juros pela primeira vez desde 2007 e encerrando oito anos de taxas de juros negativas em resposta ao aumento dos salários e à alta inflação. Os mercados também antecipam um aperto adicional do banco central, com a expectativa de que o rendimento de 10 anos do Japão atinja 1% esta semana pela primeira vez desde maio de 2013.
  • Hoje, a agenda econômica está relativamente mais calma. O Banco Central publica sua nota de setor externo de abril, pela qual conheceremos o saldo em conta corrente e os investimentos estrangeiros no país.


Empresas

Utilities: Divulgadas as regras para renovação de concessões

  • O Ministério de Minas e Energia divulgou o decreto referente à Renovação da Concessão da DisCos;
  • Foi encaminhado à Casa Civil para definição final;
  • A maioria deles está relacionada a itens discutidos, como indicadores de qualidade mais rígidos, maior controle da sociedade e questões de modernização;
  • Acreditamos que a maioria desses itens já são esperados;
  • Vemos algumas questões como evoluções positivas, como a possibilidade de reconhecimento de capex entre ciclos e tarifas diferenciadas para áreas operacionais desafiadoras;
  • Em geral, recebemos bem essas medidas e esperamos que as distribuidoras tenham um bom desempenho com a redução do risco percebido;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Papel e Celulose: Perspectiva positiva para celulose reiterada; Futuros para Jun’24 a US$740/t

  • Esta semana, observamos:
    • (i) Esta semana organizamos uma reunião com a Hawkins Wright para discutir as perspectivas para os mercados de papel e celulose, com perspectivas positivas de curto prazo para os preços da celulose reiteradas, embora a expectativa de uma nova capacidade de celulose e papel na China possa levantar preocupações sobre um potencial excesso de oferta no mercado.
    • (ii) Os futuros chineses da BHKP estão atualmente em US$ 740/t para Jun’24 (+2% S/S) e acima dos preços spot da BHKP de US$ 720/t na China e, finalmente,
    • (iii) A Suzano está sendo negociada a 5,2x EV/EBITDA a termo quando excluído Cerrado, um desconto de 25% quando comparado à sua média histórica de 7,0x e -8% de desconto em relação aos players do mercado celulose.
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Papel e Celulose: Feedback do Evento com a Hawkins Wright – Perspectivas positivas de curto prazo para celulose reiteradas

  • Esta semana, organizamos uma reunião com a Hawkins Wright para discutir as perspectivas para os mercados de papel e celulose.
  • As principais conclusões foram:
    • Esperamos uma melhor perspectiva de curto prazo para os preços da celulose, dadas as interrupções no fornecimento de celulose (crise no Mar Vermelho, greves portuárias na Finlândia e outras várias paralisações temporárias) e um melhor mercado de P&B na Europa; e
    • Embora a expectativa de nova capacidade de celulose e papel na China possa levantar preocupações sobre um potencial mercado super abastecido,  o aumento dos custos e a disponibilidade limitada de madeira devem apoiar preços estruturalmente mais elevados a longo prazo.
    • Continuamos positivos sobre os preços da celulose, dada a oferta versus demanda apertada no curto prazo, enquanto monitoramos de perto os impactos potenciais das novas adições de capacidade no equilíbrio do mercado nos próximos anos.
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

PagBank (PAGS): A dinâmica positiva deverá manter-se; Revisão 1T24

  • O PagBank reportou números sólidos no 1T24, ligeiramente acima dos nossos números e do consenso. O lucro líquido atingiu R$ 483 milhões, um aumento de 31% A/A e 2% acima de nós e do consenso. Olhando para as Receitas, TPV e Lucro Líquido em relação ao consenso, o PagBank superou em todas as métricas (4,8%, 7,0%, 5,5%, respectivamente). Vale a pena destacar o sólido TPV com um forte crescimento de 27% A/A;
  • Apesar da fraqueza sazonal no 1T, a receita permaneceu estável T/T e teve um sólido crescimento de 15% A/A. Relativamente à carteira de crédito, apesar do maior conservadorismo da empresa, é de salientar o crescimento de 8% T/T;
  • O NPL>90 continua a diminuir, impulsionado principalmente pela estratégia da PAGS de crescer em produtos com garantia;
  • A PAGS está no bom caminho para cumprir o seu objetivo para o ano. Gostamos do posicionamento da empresa no segmento MSMB e, neste cenário de concorrência menos intensa e de redução gradual das taxas de juro, acreditamos que a PAGS é o player do setor de pagamentos que mais se beneficiará. Reiteramos nossa recomendação de Compra;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Câmara encerra sessão sem votar e PL do Mover fica para semana que vem (Valor Econômico);
    • Lula fala em veto a taxação de compras até US$ 50, mas sinaliza negociar (Folha de São Paulo);
    • Consumo no varejo do RS cresceu acima da média nacional na pior fase das enchentes (O Globo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Saúde: XP Daily | Sua dose diária de notícias
    • Amil propõe à Dasa fusão de hospitais, segundo fontes (Valor Econômico);
    • Justiça do DF proíbe Amil de cancelar planos de saúde de autistas; deputados pedem CPI dos convênios (Estadão);
    • Viveo (VVEO3): Dynamo passa a deter 10,05% de participação acionária na empresa (SpaceMoney);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • XP Daily: As principais notícias do setor Imobiliário
    • Regulamentação da produção privada de HIS em São Paulo abre janela de oportunidades para o mercado (Abrainc);
    • Ministro anuncia subsídio para moradias em pequenos municípios (Agência Brasil);
    • Living, da Cyrela, amplia área máxima de imóveis e retoma linha de compactos (Estadão);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Ministério de Minas e Energia encaminha à Casa Civil diretrizes para a renovação de concessões (Estadão);
    • Leilão de energia nova 2024 previsto para dezembro (Energia Hoje);
    • Ambipar promete reduzir alavancagem para 2,5x — e faz mudança no C-Level (Brazil Journal);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

A maré está virando? | Gráfico da semana

  • 2024 tem sido um ano desafiador para o Ibovespa: após fechar o ano passado com ganhos de 22,3%, o mercado neste ano até o momento apresenta queda de 6,4%, fortemente influenciada pela retirada de capital estrangeiro, o maior grupo de investidores na Bolsa em termos de participação, que acumula R$ 31,8 bilhões no ano;
  • Porém, em maio até o momento, vemos o primeiro mês de entrada de capital estrangeiro desde dezembro de 2023;
  • Isso pode ser explicado por 2 fatores principais:
    • A temporada de resultados do 1T24 no Brasil foi melhor que esperado pelo mercado;
    • O cenário macro tem melhorado, com um sinal positivo para o Brasil;
  • Essa combinação do macro e do micro melhorando, mesmo que marginalmente, podem explicar este retorno que estamos começando a ver de capital estrangeiro de volta à Bolsa.
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • The White House keeps talking up Fed independence. It could be a ‘message’ to Wall Street (Yahoo Finance);
  • MME publica passo a passo para empresas enquadrarem projetos e emitirem debêntures isentas (Valor Econômico);
  • Vale aprova contratação de consultoria internacional para seleção de novo CEO (Estadão);
  • Fitch Eleva Rating da Selmi para ‘AA-(bra)’; Perspectiva Estável (Fitch);
  • Clique aqui para acessar o clipping.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Cresce número de FIIs que pagam dividendos acima de 1% ao mês; veja maiores retornos (InfoMoney);
    • FII HGBL11 inicia nova emissão e tenta crescer mais de 1.900% (FIIs);
    • FIIs são boa oportunidade de diversificação, diz Tiago Reis, fundador da Suno (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

WEG (WEGE3) prevê produção 4x maior de estações de recarga para veículos elétricos em 2024 | Café com ESG, 24/05

  • O mercado encerrou o pregão de quinta-feira em queda, com o IBOV e o ISE recuando 0,73% e 0,64%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) a WEG prevê quadruplicar a produção de estações de recarga para veículos elétricos em 2024, impulsionada pela alta demanda do setor e pelo crescimento do mercado de mobilidade sustentável, passando de cerca de 1 mil estações produzidas por mês em 2023 para 4000 – segundo o diretor superintendente WEG, Carlos Grillo, a fabricante é fornecedora de 24 montadoras de veículos elétricos, sendo as concessionárias o principal canal de distribuição dos equipamentos; e (ii) o conselho de administração da Vale aprovou a contratação da consultoria internacional Russell Reynolds para assessorar o colegiado na seleção de um novo presidente para a companhia – a companhia deve apresentar o novo presidente em 3 de dezembro, durante o Vale Day;
  • No internacional, segundo dados do Serviço Meteorológico Nacional da Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos EUA, a bacia do Atlântico deverá ter uma atividade de furacões acima do normal de furacões entre junho e novembro de 2024 – os estudos preveem de 17 a 25 tempestades, sendo que 8 a 13 devem se tornar furacões;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG. 

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.