XP Expert

Atenções voltadas para a promulgação da PEC emergencial hoje e para o Copom na quarta-feira

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,7% | 114.160 Pontos

CÂMBIO 0,3% | 5,55/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa teve mais uma semana turbulenta e fechou em queda de -0,9% aos 114.160 pontos. Na segunda-feira, a Bolsa recuou fortemente com o aumento de riscos políticos após a decisão do ministro Edson Fachin de anular todas as condenações do ex-presidente Lula, tornando-o elegível para se candidatar a presidente em 2022. Ao longo da semana, o índice voltou a subir com a aprovação em segundo turno da PEC Emergencial pela Câmara e com a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhões nos EUA, mas não o suficiente para compensar as perdas de segunda-feira.

Na política, todos os olhos estariam voltados para a promulgação da PEC Emergencial na manhã de hoje, o que deve abrir espaço para a edição das medidas provisórias com a liberação de recursos e detalhamento das regras para o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial, que deve começar em abril. Virada essa página, as atenções devem se concentrar  na velocidade e ambiente para avanço do restante da agenda de medidas emergenciais, como o programa de manutenção de emprego; além da agenda setorial, que inclui marcos regulatórios do gás, da cabotagem e das ferrovias; bem como as reformas mais amplas, dentre elas a administrativa e tributária, que tendem a tomar mais tempo de discussão.

Outro ponto importante é que o presidente Jair Bolsonaro deve anunciar também no início da semana o substituto do ministro Eduardo Pazuello na Saúde; o nome mais mencionado no noticiário é o da cardiologista Ludhmila Hajjar, que já se mostrou favorável a medidas de isolamento social, é defensora da vacinação em massa e crítica do uso da cloroquina. Do lado de economia, o principal evento desta semana será a Reunião do Copom, na quarta-feira: nós e a maioria dos mercados esperamos alta de 0,50 ponto percentual na taxa Selic.

Na economia internacional, foram divulgados ontem à noite dados que continuam mostrando um forte crescimento econômico na China. Em fevereiro, vendas no varejo (33,8% A/A) e produção industrial (35,1% A/A) ficaram acima das expectativas, também impulsionadas por uma base de comparação muito baixa. O investimento fixo ficou um pouco abaixo das expectativas do mercado mas, no geral, os dados estariam totalmente consistentes com o crescimento que prevemos de 9% em 2021 na comparação anual.

Nos EUA, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, afirmou, em entrevista à ABC News, que o risco de inflação é “pequeno” e “administrável”. Sobre o plano de infraestrutura de longo prazo que está por vir, afirmou que as fontes de financiamento ainda não estão definidas, mas aumentos de impostos estão incluídos. Já a  Bloomberg reporta que o presidente Biden está planejando o primeiro grande aumento de impostos federais desde 1993 para financiar o programa.

Apesar de rejeitar a ideia de um imposto sobre a riqueza, as medidas propostas por Biden devem atingir os mais ricos. Se espera que o democrata revisite medidas adotadas por Trump, por exemplo, voltando a aumentar o imposto corporativo (na campanha foi defendido um aumento de 21% a 28%, ao invés do original 35%). Ademais, também estaria sendo estudado um aumento de imposto de renda para quem ganha mais de USD 400 mil, além de um aumento de tributos sobre ganhos de capitais, dentre outros itens.

Tópicos do dia

Agenda de resultados

Temporada de Resultados do 4° Trimestre – O que esperar?
Calendário do 4T20
Resumo dos resultados do 4º tri de 2020: Superando nossas estimativas até o momento

Clique aqui para saber mais

Internacional

  1. Política Internacional: Casa Branca estuda aumento de impostos e lidera iniciativas para combater influência da China
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Copel (CPLE6): Reforma do Estatuto Social aprovada; Desdobramento de ações na proporção de 1 para 10, novo preço-alvo
  2. IMC (MEAL3): em meio a disputa com KFC e ainda desafiada pela pandemia, IMC troca CEO; mantemos recomendação Neutra, mas esperamos reação positiva do mercado
  3. Grupo Mateus (GMAT3): Notícias de potencial aquisição na mídia regional


Veja todos os detalhes

Internacional

Internacional: Casa Branca estuda aumento de impostos e lidera iniciativas para combater influência da China

  • A Casa Branca estaria estudando aumentos de impostos para financiar plano de recuperação economia de longo prazo, projetos de infraestrutura e medidas contra mudanças climáticas. Apesar de rejeitar a ideia de um imposto sobre a riqueza, as medidas devem atingir os mais ricos. Se espera que o democrata revisite medidas adotadas por Trump, por exemplo, deve voltar a aumentar o imposto corporativo (na campanha foi defendido um aumento de 21% a 28%, ao invés do original 35%). Ademais, estuda também aumento de imposto de renda para quem ganha mais de USD 400 mil, aumento de tributos sobre ganhos de capitais, entre outros;
  • Na seara diplomática, Joe Biden condenou a nova lei eleitoral de Hong Kong. Segundo o presidente dos EUA, a lei seria um “ataque direto” sobre a autonomia do território;
  • O governo americano anunciou também que deve providenciar 1 bilhões de doses da vacina Johnson & Johnson a países do sudeste asiático em parceria com Austrália, Japão e Índia como parte de uma estratégia para combater influência da China na região;
  • Ressaltamos ainda que a China acusou o Reino Unido de “calúnia” após o governo britânico afirmar que Beijing estaria quebrando o tratado entre os países sobre Hong Kong com medidas de repressão contra dissidência. O incidente é mais um em série de episódios que inflamam as tensões entre o governo Johnson e o governo chinês;
  • E na Alemanha, o partido de Angela Merkel, o CDU, sofreu derrota em duas eleições regionais após escândalo de corrupção envolvendo deputados da sigla e críticas sobre a campanha de vacinação. No entanto, o Partido Verde, que teve forte desempenho, ganha força antes das eleições gerais de setembro.

Empresas

Copel (CPLE6): Reforma do Estatuto Social aprovada; Desdobramento de ações na proporção de 1 para 10, novo preço-alvo

  • Na última quinta-feira (11/03) a Copel informou, via comunicado ao mercado, que a proposta de reforma do Estatuto Social da companhia foi aprovada;
  • A reforma do Estatudo Social foi proposta em 21/01 e contempla significativos avanços em governança corporativa, dentre eles destacamos: (i) a adesão ao Nível 2 de Governança Corporativa da B3; (ii) o desdobramento de ações e o programa de UNITs; (iii) a garantia de que o dispositivo estatutário que obriga a aplicação de reajustes tarifários autorizados pela ANEEL não possa ser alterado sem que haja a aprovação da maioria dos acionistas detentores de ações preferenciais, e (iv) mudanças na composição de membros do conselho de administração da companhia;
  • Destacamos que com a aprovação do Estatuto as ações na data 12/03 foram desdobradas na proporção de 1 para 10. Com isso nosso novo preço-alvo passa a ser R$ 7,5/ação (de R$75/ação antes do desdobramento). Ressaltamos que o desdobramento não implica em nenhum ganho ou perda para o acionista. A formação de UNITs compostas por 5 ações de emissão da Companhia, sendo 1 ON (CPLE3) e 4 PNB (CPLE6) também foi aprovada, no entanto, ainda não possui data prevista até o momento;
  • Temos uma visão positiva da reforma do Estatuto Social da Copel, pois sinaliza avanços bem-vindos em governança corporativa que ganham ainda mais importância após elevação da percepção de risco após a divulgação da carta do acionista controlador da companhia em janeiro, o Governo do Estado do Paraná. Mantemos nossa recomendação de
    Compra com novo preço-alvo de R$7,5/ação.

IMC (MEAL3): em meio a disputa com KFC e ainda desafiada pela pandemia, IMC troca CEO; mantemos recomendação Neutra, mas esperamos reação positiva do mercado

  • A IMC informou agora há pouco, por meio de Fato Relevante, a substituição do seu atual CEO, Newton Maia, por Alexandre Santoro, ex-presidente global da Rede Popeye’s, que deve assumir o cargo no dia 1 de abril de 2021. Vale lembrar que temos recomendação Neutra para o papel, com preço-alvo de R$ 4 por ação para o final de 2021, mas esperamos reação positiva do mercado hoje ao anúncio;
  • Sob a gestão de Santoro, o Popeye’s  se tornou uma das redes de fast-food de mais rápido crescimento no mundo. Em termos de carreira, o executivo também foi vice-presidente de operações e supply chain da Restaurant Brands International (RBI), holding das marcas Burger King e Popeye’s, além de ter exercido posições de liderança na XPO Logistics, uma operadora de logística americana, bem como passagens pela Ambev e na Danone;
  • Conforme destacado pela mídia, a troca de CEO é a primeira grande mudança na IMC depois que a UV gestora e a Faro Capital compraram 23% da IMC ao longo dos últimos meses. O nome de Santoro teria sido aprovado por unanimidade pelo Conselho de Administração da empresa, e sua chegada se dá em um momento importante para a companhia, que vem se preparando para a reabertura da economia, além de estar enfrentando o processo de arbitragem contra o KFC;
  • Em suma: vemos o anúncio com bons olhos na medida em que o novo CEO traz na bagagem vasto conhecimento de operações, bem como de marcas, de fast-food para a IMC. Esperamos que ele dê continuidade ao processo de simplificação de portfolio e aumento de rentabilidade que vinha sendo capitaneado por Maia. Por outro lado, seguimos cautelosos com a performance da empresa diante das disrupções geradas pela pandemia, e mantemos nossa recomendação Neutra, com preço-alvo de RS 4 por ação.

Grupo Mateus (GMAT3): Notícias de potencial aquisição na mídia regional

  • No último sábado (13/03) em matéria veiculada pelo Diário do Nordeste, o jornal afirma que existem rumores sobre uma potencial aquisição pelo Grupo Mateus de uma rede local de supermercados no Ceará;
  • Ainda, segundo a notícia, a companhia enfrenta resistência em sua expansão no estado Cearense, uma vez que a rede de varejistas e atacadistas da região vem se mostrando contra os planos de empresas do Estado do Maranhão se instalarem na região, em resposta ao fato de não terem acesso a benefícios fiscais que o Grupo Mateus possui no Maranhão;
  • Vemos a potencial aquisição como positiva do ponto de vista estratégico, uma vez que aceleraria o plano de expansão do Grupo, em um Estado que já era foco da companhia. Além disso, o fato do potencial alvo ser uma rede local contribui para a maturação de lojas e consolidação da marca, uma vez que os consumidores já estão acostumados a encontrar um supermercado nesses pontos. Entretanto, caso seja confirmado, teríamos que analisar o valor pago, a qualidade dos pontos, o custo de conversão das lojas e eventuais benefícios fiscais para ter uma melhor análise do ponto de vista financeiro. Mantemos nossa recomendação de compra para as ações do Grupo Mateus (GMAT3), com preço-alvo de R$11/ação.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.