XP Expert

Temporada de resultados, treasuries, queda nos mercados globais, China e Tesla | 🌎 Top 5 temas globais da semana

1. Temporada de resultados: “Mas não tinha sido bom?” 2. Taxas das treasuries continuam trajetória de alta 3. Mercados em queda: O que está acontecendo? Eu não sei! Eu não sei! 4. Atividade econômica chinesa supera expectativas no primeiro trimestre 5. Tesla: Uma estranha no ninho?

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

1. Temporada de resultados – “Mas não tinha sido bom?” – Ações têm reações negativas apesar dos lucros acima das expectativas

2. Taxas das treasuries continuam trajetória de alta – Fala de Powell e atividade forte impulsionam as taxas de juros longas nos EUA

3. Mercados em queda: O que está acontecendo? Eu não sei! Eu não sei! – A forte queda nos levou a buscar os principais culpados, e achamos seis

4. Atividade econômica chinesa supera expectativas no primeiro trimestre – PIB chinês supera expectativas no 1T24, mas cautela ainda é necessária

5. Tesla: Uma estranha no ninho? РPerformance recente de Tesla ̩ evid̻ncia de desafios que a empresa enfrenta

1. Temporada de resultados: “Mas não tinha sido bom?”

Início de temporada e os mercados ainda tentando entender qual será o tom. Até o momento, 14% das empresas do S&P 500 reportaram e a expetativa está altíssima para a próxima semana, na qual cerca de 38% da capitalização de mercado do S&P 500 irá mostrar seu desempenho, incluindo 4 Big Techs: Tesla (23/04), Meta (24/04), Alphabet e Microsoft (25/04 – XP Top Ações Internacionais).

Como de costume, o setor financeiro disparou na liderança de divulgações e 45% das empresas do setor, no universo do S&P 500, já reportaram. Como comentamos na semana passada, os resultados têm vindo bons (73% de surpresas positivas nos lucros, com média de 11,7% acima do consenso). O mercado, no entanto, tem tido uma reação negativa, mostrando-se preocupado com o crescimento de depósitos. Nesta semana comentamos sobre: Bank of America, Morgan Stanley, Goldman Sachs e American Express.

Além dos bancos, duas empresas extremamente relevantes para o mercado de semicondutores reportaram resultados: a ASML (XP Top Ações Internacionais) e TSMC. Ambas surpreenderam positivamente nos lucros, porém não na receita (TSMC apenas 1,6% acima e ASML 3,2% abaixo) e apenas reafirmaram seus guidances para o ano. Assim, mesmo com a lucratividade melhor que a esperada, as ações caíram após a divulgação e derrubaram o ETF de semicondutores (ticker: SMH) 11,5% para baixo na semana, reduzindo a alta no ano para “apenas” 14%.

E, por fim, Netflix, que apesar de também mostrar resultados sólidos e bem acima da expectativa do mercado, caiu 9% em resposta a: i) a divulgação de um guidance de receita para o 2º tri abaixo das expectativas e; ii) o anúncio de que não reportariam mais os números detalhados de usuários trimestralmente, reduzindo a transparência e a visibilidade sobre a empresa.

Em termos agregados, as estimativas de lucro por ação do S&P 500 foram ajustadas 2% para baixo ao longo da semana. O mercado, agora, espera um LPA de US$ 53,41. Isso representaria um crescimento de apenas 1,5% ante mesmo período no ano anterior.

Para mais detalhes, confiram:

A página com todos os relatórios e comentários das empresas: Temporada de Resultados 1º trimestre de 2024 – Internacional – XP Investimentos

A prévia completa: Prévia da temporada de resultados do 1º trimestre de 2024 nos EUA: Boa, mas sem grandes surpresas – XP Investimentos

 O calendário de divulgações: Ações internacionais: Calendário da temporada de resultados do primeiro trimestre de 2024 – XP Investimentos

Agenda de resultados da próxima semana

2. Taxas das treasuries continuam trajetória de alta

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, conhecido por adotar um tom mais brando em relação à condução da política monetária, deu uma série de declarações consideradas mais duras no início da semana, que contribuíram definir o tom dos mercados na semana.

Ao comentar sobre o progresso dos principais indicadores econômicos, avaliou que apesar da força atual do mercado de trabalho, este tem avançado para um equilíbrio mais favorável. Acerca da inflação, Powell notou que não têm sido observados avanços nos últimos meses, e que “é apropriado deixar a política monetária tomar mais tempo para funcionar”, numa sinalização clara de que não devem ocorrer cortes de juros tão cedo, e descartando em definitivo a possibilidade de um corte no primeiro semestre.

Powell também avalia que o atual processo inflacionário não é o caso clássico de inflação puxada por demanda superaquecida. Conforme comentamos na última semana, processos inflacionários podem ser comparados com uma hidra de várias cabeças. No momento atual, uma série de peculiaridades torna a inflação americana multifacetada, com componentes advindos da demanda, de fatores relacionados à reabertura pós-pandemia e do petróleo (conforme comentamos aqui), por exemplo. Outros dirigentes do Fed chegaram a ser mais duros que Powell, chamando a atenção para a reaceleração da inflação, e não meramente falta de progresso, e até mesmo aventando a possibilidade de não realizar cortes de juros nesse ano.

Os dados de varejo referentes a março, divulgados nessa semana, corroboram essa visão mais cautelosa em relação à política monetária. As vendas no varejo saltaram 0,7% no mês, ou 4,0% em relação ao mesmo período no ano passado, demostrando a resiliência e o apetite do consumidor americano, mesmo com a aceleração da inflação. O dado mais alto que o esperado leva para cima as projeções do mercado para o PIB do primeiro trimestre de 2024, que deve dar continuidade a trajetória forte dos últimos períodos.

A atividade econômica aquecida é um sinal negativo para a efetividade da política monetária, atrasando o ciclo de cortes de juros. Com isso, as taxas das treasuries continuaram a abrir nessa semana. A taxa de 10 anos encerrou a semana em 4,62% (contra 4,52% do fechamento da semana passada), e a taxa de 30 anos encerrou a semana em 4,71% (contra 4,62% anteriormente). A equipe de economia da XP agora espera que o Federal Reserve corte juros apenas em dezembro.

3. Mercados em queda: O que está acontecendo? Eu não sei! Eu não sei!

Okay. A gente sabe. Ou acha que sabe.

Os mercados continuaram de mau humor nesta semana e intensificaram as quedas. O S&P 500 teve a terceira semana consecutiva de correção (-0,95% ; -1,56% ; -3,05%) e o Nasdaq 100, a quarta (-0,46% ; -0,80% ; -0,58% e -5,36%).

Embora apontar um único culpado ganhe clicks e seja agradável aos ouvidos, movimentos de mercado são complexos e resultado de uma conjunção de fatores, os quais nós, pagos para isso, tentamos filtrar e concatenar de forma que faça (algum) sentido. Vamos às possíveis principais causas:

  1. Tensões geopolíticas: a continuidade da guerra entre Rússia e Ucrânia e a escalada do conflito entre Irã e Israel, agora com ataques diretos de ambos os lados, geram um sentimento de aversão a risco maior globalmente;
  2. Treasuries: As taxas das treasuries (a mãe de todas as curvas) seguem abrindo. O vértice de 2 anos já ronda os patamares de 5%, níveis próximos de março/2023 (logo antes das quebras dos 3 bancos regionais nos EUA) e de agosto/2023 (última correção mais forte dos mercados, que durou três meses – agosto, setembro e outubro). Já o vértice de 10 anos sobe pela 4 semana consecutiva e, aos 4,62%, já altera consideravelmente os valuations dos ativos globais;
  3. Fed: As previsões de cortes de juros pelo Fed em 2024, que chegaram a quase 7 (7×0,25 = 175bps) e impulsionaram os mercados, já foram reduzidas a 1,5 (nosso time macro prevê apenas um, em dezembro);
  4. Valuations: Em termos de múltiplo Preço/Lucro, os índices americanos estão acima de suas médias históricas com o S&P 500 girando em torno de 20x e o Nasdaq 100 a 24x.  Além disso, há uma alta expectativa para o crescimento de lucros embutidas nessa conta, ou seja, caso não se materialize, os índices estariam ainda mais “caros”.
  5. Liquidez: Embora os níveis de liquidez na economia ainda estejam consideravelmente acima dos padrões históricos, houve uma redução nos últimos meses com o aumento do saldo da conta do Tesouro americano (recolhimento de impostos + emissão de dívidas) e a constante redução do balanço do Fed.
  6. Fundos Sistemáticos: Esta, talvez, a causa com maior potencial “destrutivo” no curto prazo. Classificamos como fundos sistemáticos, os fundos CTA (Commodity Trading Advisor) que investem diretamente em futuros e os fundos de alocação baseados em volatilidade (Risk Parity Funds, Target Volatility Funds). Sem entrar no mérito de como cada um desse tipo de fundo funciona, o importante é monitorar como eles estão posicionados e como deveriam (afinal, são baseados em sistemas) se comportar. Nossas análises mostram que todas essas estratégias estavam com alocações em bolsa extremamente altas e, conforme os índices caem (e a volatilidade sobe), existe uma NECESSIDADE de vender posições, o que tem um efeito de potencializar os movimentos. Nossos indicadores mostram que esse movimento JÁ COMEÇOU mas ainda está EM CURSO.

Momentos como esse, de movimentações bruscas e fluxos extremos, fazem parte da busca do equilíbrio de mercado. Calma, paciência, boa gestão de riscos, diversificação e lista de compras na mão! Oportunidades surgirão!

4. Atividade econômica chinesa supera expectativas no primeiro trimestre

A semana foi de dados econômicos na China. Após uma inflação que desapontou na semana passada, a divulgação de um PIB mais positivo que o esperado atenuou as preocupações com a região. No primeiro trimestre de 2024, a economia chinesa cresceu 5,3% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o país ainda sofria restrições à mobilidade por conta da pandemia da Covid-19.

O crescimento foi apoiado por uma série de estímulos do governo, uma vez que o país passa por uma crise no setor imobiliário e busca novas avenidas de crescimento. O dado foi impulsionado pelo setor industrial no trimestre. Apesar da notícia positiva, dados mais fracos que o esperado em março para as vendas no varejo e indústria indicam que ainda é necessário manter cautela, e que o governo deve seguir estimulando a economia ao longo do ano para atingir a meta de crescimento, estipulada em 5% para 2024.

A piora na margem dos dados de atividade econômica podem revelar um desafio maior: o excesso de capacidade da China entra em conflito com interesses de potências ocidentais, que possuem interesse em preservar sua dominância em setores como o de veículos elétricos e de placas solares. O Comissário de Comércio da União Europeia, Valdis Dombrovskis, alertou para riscos relacionados a usar o comércio como arma de relações diplomáticas, prática que deu origem à Guerra Comercial de 2019 entre Estados Unidos e China.

A temática deve seguir em foco ao longo deste ano, que é de eleições nos Estados Unidos.  

5. Tesla: Uma estranha no ninho?

Magnificent7, Mag7, as sete magníficas (quase maravilhas) do mundo da tecnologia. Quem não ouviu falar destas fabulosas empresas nos últimos meses, não estava prestando atenção! Em 2023 o retorno total deste seleto grupo foi excepcional: Alphabet 58,8% ; Amazon 80,9% ; Apple 49,0% ; Meta Platforms 194,1% ; Microsoft 58,2% ; Nvidia 239,0% ;Tesla 101,7%

O termo Mag7 veio substituir um mais antigo, as FAANG (Facebook, Apple, Amazon, Netflix e Google), que se tornou obsoleto, não só pela mudança de nome (Facebook -> Meta, Google -> Alphabet) mas também pelo rebaixamento de Netflix (em 2022 a empresa parecia ter perdido seus superpoderes) e pela ausência de duas estrelas trilionárias: Tesla e Nvidia.

Se, em 2023, as 7 magníficas (ou 8 se considerarmos a Netflix) andavam juntas (pra cima) e nada parecia que iria separá-las, em 2024 o grupo rachou! 2 empresas das 7 (ou 8!) têm performances negativas no ano: A Apple (-14%) que enfrenta problemas para crescer receitas, especialmente com a queda de vendas de iPhones na China e a Tesla (-41%).

A lista de preocupações com a empresa de Elon Musk não é pequena. Algumas das mais importantes são:

  1. O mercado de veículos elétricos tem enfrentado dificuldades e não cresce mais em penetração de mercado como nos anos anteriores devido a problemas de precificação, altos custos de seguros e reparos, menores incentivos fiscais, alta depreciação, baixo valor de revenda e a intensa competição de veículos híbridos.
  2. A ascensão das montadoras chinesas que, com apoio do governo, têm crescido e exportado para os principais mercados consumidores do mundo, como Europa e Brasil. Essa competição tem forçado a Tesla e entrar numa guerra de preços para manter o volume de entregas.
  3. A compressão de margens da Tesla, como comentamos aqui, dados os menores preços e a afirmação de Musk que a empresa chegou no “limite natural de redução de custos na atual linha de automóveis atuais”.
  4. O possível adiamento (ou abandono) do projeto de um novo modelo (Model 2) mais barato, cujo lançamento era esperado para o próximo ano.
  5. Os riscos envolvidos no projeto de Robotaxis cuja aprovação por reguladores e viabilidade ainda são uma grande incógnita.
  6. Os comentários do CEO, Elon Musk, acerca da impossibilidade de desenvolver projetos de inteligência artificial dentro da empresa, dada sua falta de controle acionário.

Com essa grande (e ainda assim, não exaustiva) lista de dificuldades, a Tesla parece estar em seu “momento Netflix”, no qual o mercado não mais acredita no seu economic moat e não tem interesse em pagar antecipadamente para ver se a empresa será capaz de dar a volta por cima. As ações caíram 14% na semana.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.