XP Expert

Fundos de Papel: Saiba o que são e por que vale investir nesses FIIs

Entenda as principais características dos FIIs de Papel, como funcionam e itens a serem observados ao escolher fundos desse segmento.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Nos últimos relatórios seguimos destacando que no atual cenário de pressão inflacionária e altas da taxa de juros Selic, o segmento de fundos de papel tem nossa preferência.

Desde 2020, FIIs com maior exposição aos índices de inflação (IGP-M e IPCA) têm sido beneficiados devido a aceleração da inflação. Mesmo com as recentes altas dos juros, os economistas esperam inflação relativamente elevada para o ano de 2022, o que deve continuar alimentando uma robusta distribuição de dividendos dos fundos de recebíveis.

Adicionalmente, a alta da Selic impacta positivamente os fundos imobiliários do segmento de recebíveis dado que diversos fundos possuem alocações em CRIs com indexação ao CDI, o que levaria a um aumento nos rendimentos e, consequentemente, da distribuição de dividendos.

Portanto, dado o cenário macroeconômico, os FIIs de Papel se tornaram relevantes, atrativos aos investidores e altamente buscado por aqueles que querem se proteger perante um contexto de maiores incertezas. Dito isso, entender as características, como funcionam e pontos a serem observados desses fundos é fundamental.

O que são Fundos Imobiliários de Papel?

Os fundos imobiliários, de modo geral,  são o resultado da união de pessoas interessadas em investir em imóveis sem necessariamente comprar e administrar imóveis. As cotas de cada acionista, que são as partes do fundo que cada investidor possui, são proporcionais ao seu investimento no FII em questão.

Os fundos de papel funcionam por meio de investimentos em recebíveis imobiliários, sejam eles investidos em renda fixa ou voltados diretamente para o setor de imóveis.

Os Fundos Imobiliários (FIIs) de papel são investimentos de Renda Variável que investem o patrimônio dos seus cotistas em instrumentos financeiros com lastro no setor imobiliário, tais como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras Hipotecárias (LH).

Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI): são títulos emitidos por instituições que não sejam do setor financeiro com o objetivo de executar projetos no setor imobiliário. Por exemplo, o proprietário de um imóvel que deseja ampliá-lo, pode realizar a emissão de um CRI e oferecer como garantia o valor dos aluguéis que receberá no futuro em troca do dinheiro para as obras. Uma securitizadora, então, emite o CRI e antecipa os aluguéis, mediante o pagamento de uma taxa de, por exemplo, 5% + IPCA ao ano. Os FIIs de papel, então, compram esses CRIs e recebem os 5% + IPCA combinados em contrato.

Letras de Crédito Imobiliário (LCI): ss letras são elaboradas por bancos ou outras instituições financeiras como forma de oferecer empréstimos ao setor imobiliário. Diferente do CRI, as LCIs são emitidas somente por instituições do setor financeiro. Os FIIs de papel, dessa maneira, compram essas LCIs, que podem ser pré ou pós-fixadas e recebem, no futuro, os valores da Letra atrelados a uma taxa. Nesse caso, é mais comum LCIs indexadas à CDI.

Letras Hipotecárias (LH): são títulos de Renda Fixa com lastro em crédito imobiliário. Elas também são emitidas somente por instituições financeiras que realizam empréstimos ao Sistema Financeiro de Habitação (SFH). A remuneração da Letra Hipotecária também é pré ou pós-fixada seguindo uma taxa, como a Taxa Referencial, o IGP-M ou o INPC. Do mesmo modo, o FII de papel adquire a LH da instituição financeira e recebe os valores.

Como funcionam os FIIs de Papel?

Os fundos de Papel são comumente chamados de Fundos de Recebíveis, já que são proprietários de títulos que conferem o direito ao recebimento dos créditos imobiliários.

Como funcionam:

  • O Fundo é constituído e emite cotas a serem vendidas na Bolsa de Valores a investidores pessoa física e institucionais;
  • O valor da venda das cotas é usado para montar uma carteira de investimentos com os produtos que conhecemos acima;
  • O valor mensal recebido dos CRIs, LCIs e LHs entram no caixa do FII que distribui ao menos 95% do resultado líquido (após as despesas administrativas) aos cotistas no semestre;
  • Quando os CRIs, LCIs ou LHs se encerram, os gestores do Fundo traçam novas estratégias para incluir novos ativos e renovar o patrimônio do FII.

O valor de suas cotas é determinado pelas movimentações de compras e vendas diárias na Bolsa de Valores. Além disso, conforme o prazo dos recebíveis for se aproximando e sendo liquidado, o gestor do FII precisa procurar novos investimentos para a carteira do Fundo. Essas novas aplicações, podem ser de retorno maior ou menor do que os anteriores.

Vantagens x Desvantagens dos FIIs de Papel?

Vantagens:

Menor Risco e Volatilidade

A diversificação dos títulos que compõem o portfólio de um FII de papel, normalmente traz consigo uma redução de risco e volatilidade quando comparados a outros perfis de investimentos de renda variável.

Liquidez

Recentemente os fundos imobiliários de papel têm demonstrado boa circulação e consequentemente considerável liquidez, ou seja, isso permite que o cotista possa vender e/ou comprar com maior facilidade.

Diversificação do Risco

Fundos de Papel podem distribuir a alocação do seu patrimônio líquido visando maior diversificação setorial e em credores.

Desvantagens:

Baixo Potencial de Valorização patrimonial

Diferente dos Fundos Imobiliários de tijolos em que os imóveis que compõem seus portfólios podem se valorizar, nos FIIs de papel  a valorização patrimonial é baixa e ocorre em ritmo bem devagar, dado que distribuem quase todo resultado.

Como analisar um FII de Papel?

  • Gestão: o investidor deve analisar o histórico da gestão do Fundo, mesmo que a rentabilidade passada não garanta o futuro. Por meio desse estudo, é possível verificar como a administração se comportou nos diferentes momentos do passado, se houve crises no Fundo, impactos negativos de governança, entre outras questões.
  • Qualidade do certificado de recebível imobiliário (CRI): é muito importante. E isso depende dos devedores, ou seja, bons devedores apresentam bom lastro. Além disso, a garantia que está atrelada ao CRI é muito importante, uma boa garantia traz maior segurança no caso dos devedores não pagarem sua dívida.
  • Diversificação de Indexadores: ainda na análise da carteira, é recomendável averiguar se é um portfólio bem diversificado no âmbito da indexação dos títulos. FIIs com patrimônio com melhor distribuição de títulos indexados ao CDI, ao IPCA e ao IGP-M, tendem a ser mais protegidos.
  • Duration: Priorizar fundos que apresentem duration menor, ou seja, isso também está associado à relação risco retorno do fundo, já que o duration seria como o prazo de vencimento do CRIs da carteira, e nesse caso quanto mais distante os vencimentos dos CRIs maiores os riscos.
  • Loan To Value (LTV):  é o valor da dívida em relação ao valor do imóvel em garantia. Quanto mais alto esse valor, consequentemente, menor a garantia, Em relação às garantias, quanto menor o LTV, mais a garantia tem representatividade em relação ao CRI.
  • Rendimentos e dividend yield: é importante entender a regularidade dos rendimentos distribuídos, assim como o crescimento ou decrescimento dos proventos.
  • Liquidez: ao estudar um FII, seja ele de qualquer tipo, é importante analisar a liquidez das suas cotas, ou seja, qual a facilidade de comprar e vender na Bolsa de Valores. Isso pode ser verificado pelo número de negócios por dia.

Últimos Relatórios

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.