XP Expert

Economia em destaque: Seu resumo semanal do cenário econômico internacional e doméstico

Semana marcada por Selic a 2% ao ano, medidas de isolamento na Europa e expectativas eleitorais nos EUA

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Cenário Internacional

No cenário internacional, o principal destaque segue sendo a segunda onda de contágio pelo coronavírus. Ao longo da semana, França, Alemanha e Bélgica anunciariam medidas mais restritivas de isolamento social que seguirão em vigor por no mínimo um mês. Enquanto escolas seguirão abertas, determinou-se o fechamento de bares, restaurantes e varejo não essencial. A trajetória das fatalidades, por ora proporcionalmente menor em relação ao número de contaminados se comparado à primeira onda, segue o principal indicador a ser monitorado.

A cautela com a segunda onda de isolamento social acabou quase que ofuscando os dados melhores do que o esperado para a primeira leitura do PIB do terceiro trimestre na região. Itália, França, Alemanha e Espanha apresentando desempenho melhor do que as expectativas nas leituras preliminares, assim como o PIB da região da Zona do Euro – que mostrou um crescimento de 12.7% (est 9.6% q/q) no trimestre encerrado em setembro.

Enquanto isso, as novas restrições já começam a ser sentidas nos indicadores mais recentes, como ilustrado pela queda observada no índice de confiança do empresariado alemão referente ao mês de outubro. Nesse sentido, crescem as chances de um “mergulho duplo” na atividade econômica da região no último trimestre do ano, além das preocupações sobre comportamento similar em outras partes do mundo.

Já nos EUA, mercados seguem voltados para a corrida eleitoral, a poucos dias da eleição de 03 de novembro. O candidato democrata Joe Biden segue na dianteira da disputa, mas o cenário continua acirrado não apenas à nível presidencial, mas também à nível legislativo. A construção de uma maioria forte no Senado pelos democratas segue sendo o cenário de maior volatilidade esperada, diante da percepção de que propostas apoiadas pela ala mais radical do partido ganhariam força, como o aumento de impostos para pessoa jurídica e a imposição de barreiras para a exploração de gás de xisto.

Afora o cenário eleitoral, a semana também trouxe os dados do PIB do terceiro trimestre dos EUA. O crescimento de 7,4% de julho a setembro em relação aos três meses anteriores superou as expectativas, com destaque para o consumo das famílias e investimentos privados como os principais motores da retomada.

Enquanto isso, no Brasil

No Brasil, o destaque ficou para a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), e a bateria de indicadores que foram divulgados ao longo da semana.

A começar pela decisão de política monetária, o Copom decidiu manter a taxa básica Selic em 2,00% ao ano, como amplamente esperado pelo mercado. O comunicado que acompanhou a decisão manteve as principais mensagens da reunião anterior: i) “a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado”; ii) a Selic deve permanecer estável enquanto as expectativas de inflação não se aproximarem das metas, desde que o regime fiscal não mude (forward guidance). A decisão é consistente com nosso cenário de Taxa Selic em 2,00% a.a. até o segundo semestre de 2021, subindo gradualmente até 3,00% a.a. no final do ano.

Tivemos também a divulgação de dados do resultado primário do governo central e do setor público consolidado referentes a setembro. No que tange a União, o déficit primário do governo central alcançou 9,7% do PIB no acumulado em 12 meses, levemente acima do consenso de mercado, diante de resultados melhores do que o esperado do lado da arrecadação.Já o resultado do setor público consolidado atingiu 9,1% do PIB na mesma métrica, influenciado positivamente pela performance de estados e municípios, cuja arrecadação já alcançou níveis observados no pré pandemia, e tiveram em setembro a última parcela das transferências extraordinárias pela União (conforme a LC 173).

Finalmente, dados divulgados do Caged e PNAD ilustraram que o ritmo de recuperação do mercado de trabalho brasileiro continua heterogêneo. Enquanto o Caged indica um ritmo mais acelerado de recuperação das vagas formais (com a criação de 311,5 mil novos postos de trabalho), a PNAD tem apontando para um mercado bastante frágil – passando de 13,8% no trimestre encerrado em julho para 14,4% no trimestre encerrado em agosto. Com o término do Benefício de Manutenção de Emprego e Renda (BEm) e das parcelas do auxílio emergencial, que são as principais fontes de incerteza ao cenário de recuperação da demanda agregada, esperamos que a informalidade seja ainda maior no ano que vem. Os resultados divulgados são compatíveis com a nossa projeção de taxa de desemprego de 15,5% ao final de 2020 e de 14,5% ao final de 2021.

O que esperar?

A ata da última reunião de política monetária do Banco Central do Brasil e a divulgação de indicadores de inflação (IPCA e IPC Fipe mensal) e de atividade econômica (PMI e atividade industrial) serão os principais destaques da agenda econômica doméstica na próxima semana. No cenário internarional, as eleições americanas, a decisão de política monetária nos Estados Unidos e no Reino Unido e a divulgação dos PMI’s das principais economias serão os principais destaques.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.