XP Expert

Economia em Destaque: nova variante do coronavírus e inflação pressionada no Brasil marcam a semana

Seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Resumo

No cenário internacional, o surgimento de uma nova variante do coronavírus, batizada omicron causa stress nos mercados e reacende riscos relacionados à atividade econômica no mundo inteiro. A ata da última reunião do FOMC, a recondução de Jerome Powell a um segundo mandato como presidente do Fed e a pauta fiscal americana também foram destaques.

No Brasil, a semana contou com a divulgação do IPCA-15, balanço de pagamentos e arrecadação federal. A PEC dos Precatórios está sendo discutida no Senado.

Para semana que vem, os destaques serão o PIB do terceiro trimestre, IGP-M, resultado primário do governo central de outubro, produção industrial, PNAD (taxa de desemprego) e Caged.

Atualizações Covid-19

O destaque negativo da semana ficou para a descoberta de uma nova variante da Covid-19, já predominante na África do Sul. A variante omicron foi descoberta inicialmente em 5 países no sul do continente africano e detectada em pacientes de Israel e Hong Kong, e apresenta diversas mutações – o que eleva as preocupações sobre sua potencial resistência à vacinas e anticorpos. Diante disso, países europeus já anunciaram restrições a viagens internacionais da região.

Ainda se sabe muito pouco sobre a capacidade da omicron de se tornar predominante diante de outras variantes, mas há indícios que, em poucas semanas, ela já se tornou predominante na África do Sul. A farmacêutica Pfizer afirmou que é capaz de produzir em 100 dias um novo imunizante caso a vacina atual não seja eficaz contra a nova cepa do vírus.

Enquanto isso, no Brasil, tanto a média móvel (7 dias) de novos diagnósticos quanto a de óbitos causados pela covid-19 apresentaram leves quedas em relação à semana passada. Ao todo, 74,8% da população brasileira já está vacinada com ao menos a primeira dose de imunizante contra a doença, enquanto 62,2% já completou o ciclo vacinal.

Clique aqui para receber por email os conteúdos de economia da XP

Cenário Internacional

Estados Unidos: recondução de Powell, inflação pressionada e ata do FOMC

Nos Estados Unidos, a semana começou com a decisão do Presidente Joe Biden de reconduzir o atual presidente do Banco Central do país (o FED), Jerome Powell, para um segundo mandato. Biden também indicou a economista Lael Brainard (hoje diretora da instituição) para a posição de vice-presidente.

Os discursos que acompanharam o anúncio reforçaram a preocupação com a alta de preços recente e o impacto na vida dos trabalhadores. O tom considerado mais hawkish (ou seja, mais rígido contra a inflação) contribuiu para a elevação das taxas de juros de títulos do Tesouro americano de longo prazo (as famosas “T-notes”), dado a expectativa de aumento de juros no horizonte de médio a longo prazo.

Na mesma linha, a ata da última reunião do FOMC (o comitê de política monetária do FED) indicou que alguns membros já estariam dispostos a acelerar o ritmo do fim do programa de compra de ativos (processo conhecido como tapering).

O dado de inflação também divulgado essa semana corrobora a preocupação com a alta de preços. O deflator do consumo (PCE deflator, na sigla em inglês) atingiu a marca dos 5% no acumulado em doze meses até outubro. Enquanto isso, dados do mercado de trabalho seguiram indicando rota de recuperação, com o número de novos pedidos de seguro-desemprego atingindo uma baixa histórica.

Assim, crescem as expectativas de elevação de juros nos EUA antes do esperado. Esse movimento acaba por impactar especialmente ativos de países emergentes, como o Brasil. Menores estímulos e maiores juros no mundo reduzem a atratividade relativa de ativos em países mais arriscados,dada a redução do chamado diferencial de juros. Em outras palavras: com juros maiores em países considerados menos arriscados (EUA sendo o principal deles), investidores pensam um pouco mais sobre investir aqui, onde o risco é maior.

Nesse cenário, vemos moedas de emergentes perderem valor contra o dólar, como é o caso do real.

Finalmente, no cenário político americano, as discussões do Congresso se voltam para a pauta fiscal. A prioridade deve ser um acordo sobre o orçamento público, sem o qual o governo entraria em paralização (shutdown) a partir do dia 3 de dezembro. Em seguida, o foco deve ser voltado para o teto da dívida, que segundo a secretária do Tesouro Americano, Janet Yellen, poderia ser infringido em meados de dezembro.

Europa: coronavírus e os entraves à atividade

O aumento nas infecções por coronavírus na Europa já tem se refletido na atividade econômica. Indicadores de confiança divulgados nessa semana indicaram quedas na Alemanha, o que deve penalizar negócios na temporada de Natal. A chanceler Angela Merkel disse que o risco da Covid-19 hoje é o pior até agora. Na Zona do Euro, os indicadores de confiança têm acompanhado essa mesma tendência, enquanto os índices de gerentes de compras (PMI) ainda mantem-se em expansão.

China: Banco Central sinaliza estímulos para a recuperação econômica

Em seu relatório trimestral de política monetária publicado na última sexta-feira, o Banco Central da China sinalizou possíveis medidas de flexibilização para auxiliar a recuperação econômica após dados recentes de atividade mais fracos e as incertezas do mercado imobiliário.

As medidas foram bem recebidas por agentes de mercado, especialmente diante da preocupação de desaceleração econômico da segunda maior economia do mundo, e dos impactos na recuperação global.

Clique aqui para receber por email os conteúdos de economia da XP

Enquanto isso, no Brasil…

Prévia da inflação ao consumidor de novembro ilustra pressões em preços de combustíveis

No Brasil, o índice de preços ao consumidor medido pelo IPCA-15 subiu 1,17% em novembro, impulsionado por altas acentuadas nos preços dos combustíveis. O resultado levou o acumulado em doze meses para 10,73% (contra 9,57% no mês anterior), muito acima da meta do Banco Central (de 3,75% nesse ano). Analistas de mercado discutem se o Banco Central acelerará o ritmo de aperto monetário diante das pressões inflacionárias. Entretanto, acreditamos que o BCB irá manter o ritmo já intenso de aumentos de 1,5 p.p. na taxa Selic por reunião, elevando o tom hawkish, ou seja, mais duro no combate à inflação.

Conta corrente registra déficit e BC projeta piora nos resultados de novembro

A conta corrente brasileira registrou déficit de US$ 4,5 bilhões em outubro, em linha com as expectativas do mercado, e levando o acumulado em para 1,66% do PIB. De forma geral, os dados de outubro seguiram o tom dos últimos meses, sem grandes surpresas.

Destacamos que o déficit em criptoativos em 2021 está em US$4,9 bilhões, tornando-se cada vez mais relevante no balanço de pagamentos. Por enquanto, mantemos nossa expectativa de déficit de US $ 18,7 bilhões em 2021, mas com claro viés de piora.

Arrecadação segue positiva, mas já demonstra sinais de desaceleração

Os resultados da Receita Federal de outubro mostram que a arrecadação continua trazendo surpresas positivas, tendo registrado novamente o melhor resultado para o mês da série histórica, apesar de alguma desaceleração na margem.

Para os próximos meses, a tendência de aumento da arrecadação de impostos deve ser mantida, permitindo ao governo cumprir com facilidade a meta de resultado primário deste ano. O grande desafio, entretanto, segue na trajetória fiscal de longo prazo, sobre a qual as discussões políticas em andamento (conforme descrito adiante) são centrais.

PEC dos Precatórios em discussão no Senado

Nesta semana, para ganhar apoio no Senado, o governo sinalizou com ajustes na Proposta de Emenda Constitucional que altera as regras para o pagamento de dívidas judiciais da União (precatórios) e do cálculo do teto de gastos – a PEC dos Precatórios. Rodrigo Pacheco, presidente da casa legislativa, declarou que a aprovação da PEC é uma prioridade, mas não necessariamente será votada na semana que vem.

Confira aqui a nossa avaliação para cada proposta da PEC dos Precatórios e cenários fiscais possíveis.

Clique aqui para receber por email os conteúdos de economia da XP

O que esperar para semana que vem?

No cenário internacional, as principais divulgações de indicadores serão a inflação ao consumidor e ao produtor na Zona do Euro, os índices de gerentes de compras (PMIs) na China e na Europa, além de dados de emprego nos EUA.

Já no cenário doméstico, o grande destaque entre indicadores divulgados na semana será o PIB do terceiro trimestre. Além disso, teremos as divulgações da inflação medida pelo IGP-M de novembro, resultados fiscais (com resultado do Tesouro Nacional e do setor público consolidado), além de produção industrial de outubro, PNAD (taxa de desemprego) de setembro e Caged de outubro.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.