XP Expert

Expresso Alimentos & Bebidas #3

Confira os destaques do setor de Alimentos e Bebidas nesta semana.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Confira os destaques do setor de Alimentos & Bebidas nesta semana de 31 de agosto: às segundas, falamos sobre as margens dos produtores de boi, frango e suíno. Às quintas, analisamos as margens das proteínas nos Estados Unidos. Por fim, às sextas, comentamos alguns dados de fluxo e fazemos uma revisão da nossa visão para o setor.

Confira a edição mais recente do Expresso Alimentos & Bebidas clicando aqui.

Excepcionalmente nesta semana abordaremos exportações na quarta-feira, uma vez que o MDIC divulgará os dados referentes a agosto no primeiro dia útil do mês (01/09), ao invés de reportar os dados semanais na segunda de tarde, como de hábito. Na terça-feira, portanto, discutiremos as margens dos varejistas de carne.

Por que esses dados são importantes? Porque eles impactam os preços de ações como JBSS3, MRFG3, BRFS3 e ABEV3. Vale lembrar que, no setor de Alimentos & Bebidas, esperamos performance melhor para JBS e Marfrig, ao passo que o mercado de frango passa por um momento mais delicado em 2020, tanto no mercado interno quanto no mercado externo. Para acessar as teses de investimento completas, basta clicar nos blocos abaixo.

Quaisquer críticas, dúvidas ou sugestões de tema são bem vindas: basta deixar um comentário no final do post.

OBS: não podemos comentar sobre Minerva (BEEF3) por determinação da área de Compliance da XP Inc. Adicionalmente, estamos temporariamente impedidos de comentar sobre JBS (JBSS3), também por determinação do Compliance.

Ambev (ABEV3): recomendação de Neutro com preço-alvo de R$ 16

Marfrig (MRFG3): recomendação de Compra com preço-alvo de R$ 18

JBS (JBSS3): recomendação de Compra com preço-alvo de R$ 35

BRF (BRFS3): recomendação de Compra com preço-alvo de R$ 30


Segunda-Feira – Preços dos Animais Vivos

Conteúdo Extra: hoje soltamos uma breve nota em parceria com o time de Economia comentando que o PIB do segundo trimestre do Brasil deve apresentar contração de 8% t/t, mas a queda deve ser atenuada pela agropecuária. Impulsionada pelo bom momento da demanda internacional, sobretudo da China, e pela depreciação do Real (-21% ao ano), projetamos expansão de 1,1% para o setor agropecuário na comparação com o primeiro trimestre desse ano e de 2,3% na comparação com o segundo trimestre do ano passado. Confira aqui o relatório completo de projeção do PIB do time de Economia do Research XP.

Conteúdo Extra (parte 2): a @ do boi observa alta de 14% no ano, impulsionada pelas exportações e pela oferta mais restrita diante do menor volume de gado confinado este ano. A grande dúvida é se o real desvalorizado em conjunto com as exportações serão suficientes para sustentar tais preços. Do ponto de vista do mercado interno, o varejo não teria mais espaço pra repasse de margem uma vez que a população não está capitalizada como no fim do ano. Observando a curva do boi futuro, nota-se que o mercado segue otimista: usando como referência o vértice de outubro, sazonalmente mais forte e com mais liquidez no mercado futuro, observamos que as estimativas de preço estão 3% mais altas na semana, 7% mais altas no mês e 14% mais altas no semestre.


Terça-feira – Preços das Carnes & Margem do Varejista

Carne Bovina: diante da @ batendo recordes de preço e da expectativa de manutenção das margens do elo intermediário da cadeia, qual seja, os frigoríficos de carne bovina, um dos nossos pontos de atenção para o segundo semestre de 2020 é a potencial compressão de margens da ponta da cadeia: os varejistas. Ainda que os dados pra agosto sejam preliminares, traçando uma visão geral das margens dos supermercados na carne bovina, observamos que após alta durante o ápice da pandemia em março, as margens do dianteiro, aqui representado pelo acém, já estariam voltando à média desde 2019. Já no caso do traseiro, aqui representado por uma média simples entre alguns cortes disponibilizados pelo IEA, os varejistas estariam operando com margens abaixo da média desde o início do ano. Seguiremos acompanhando de perto essa situação tendo em vista que os varejistas podem eventualmente vir a exercer pressão sobre os preços cobrados pelos frigoríficos no atacado caso não sejam capazes de repassar preço no varejo de maneira satisfatória.

Carne de Frango e Suína: em linhas gerais o cenário parece ligeiramente mais benigno para as varejistas de frango. No caso da coxa, a margem do varejista segue acima da média desde o início da pandemia. Já no caso do peito, as margens também seguem acima da média desde o início do ano. Seguiremos acompanhando de perto essa relação diante do momento mais desafiador pelo qual o mercado de frango vem passando do ponto de vista dos produtores e dos exportadores. Já no caso da carne suína, não há um cenário tão claro: as margens seguem abaixo daquelas observadas em 2019 desde o início do ano, salvo pela alta em abril/maio, seguida de queda em junho/julho, indicando possível pressão sob os varejistas.

Metodologia: o preço no atacado corresponde, em geral, ao preço que o varejista paga ao frigorífico. Já o preço no varejo equivale ao preço que o consumidor paga ao supermercado. Portanto, calculamos as margens dos varejistas dividindo os preços das carnes no varejo pelo preço das carnes no atacado. Todos os dados são disponibilizados gratuitamente pelo Instituto de Economia Agrícola. Temos dados semanais para atacado e mensais para varejo. Como o mês de agosto ainda não foi divulgado para o varejo pelo IEA, assumimos preços estáveis versus o mês anterior. Para os preços de atacado, usamos os dados de fechamento da última sexta-feira (28/08).


Quarta-feira – Exportações de Carnes & Margem do Exportador

Bovinos: em agosto, foram exportadas 163 mil toneladas de carne bovina (+21% na comparação anual), a um preço médio de 4.008 dólares por tonelada (-4% A/A), levando a um faturamento mensal de US$ 654 milhões (+16% A/A). Trata-se do terceiro maior volume mensal da série, perdendo apenas para outubro/2019 e para julho/2020.

Frango: em agosto, foram exportadas 341 mil toneladas de carne de frango (+2% A/A), a um preço médio de 1.335 dólares por tonelada (-20% A/A), levando a um faturamento de US$ 455 milhões (-18% A/A). Seguimos monitorando a delicada situação do mercado de frango; pelo lado positivo, os preços melhoraram ligeiramente desde o vale em Jun/20.

Suínos: em agosto, foram exportadas 88 mil toneladas de carne suína (+79% A/A), a um preço médio de 2.236 dólares por tonelada (estável na comparação anual), levando a um faturamento de US$ 196 milhões (+90% A/A). Mais uma vez, suíno foi destaque positivo das exportações mensais.

Em suma: o setor de proteínas segue performando bem, com destaque para exportações de suínos. Exportações de bovinos seguem fortes, impulsionadas por volumes. Já as exportações de frango vieram novamente fracas, prejudicadas pela forte queda em preços. Esperamos reação positiva para frigoríficos mais expostos às carnes bovina e suína, as quais tem sido mais beneficiados pela demanda chinesa. Vale lembrar que, em agosto, o real depreciou cerca de 3% versus o dólar e acumula queda de 27% no ano, ou seja, tais preços em dólares por tonelada são ainda mais atrativos quando convertidos para reais.


Quinta-feira – Preços & Margens das Proteínas nos EUA


Ambev: produção de bebidas alcoólicas em julho cresce 24% versus 2019

O setor de Alimentos e Bebidas foi destaque positivo na Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, cujo resultado de julho foi divulgado agora de manhã (03/09). Especificamente no caso de bebidas, os dados surpreenderam positivamente ao apresentar patamares de produção superiores aos do mesmo período no ano anterior. A produção de bebidas alcoólicas cresceu 3,6% versus junho, além de ter aumentado 24% versus julho de 2019; já a de bebidas não-alcoólicas cresceu 8,6% M/M e 7,1% A/A. Ou seja, após uma “recuperação em V” da produção de bebidas, a pior parte da crise já teria ficado para trás, como ilustra o gráfico abaixo da esquerda.

Tal aumento expressivo nos volumes de produção e, consequentemente, nos volumes de venda poderia abrir espaço para reajustes de preço. Conforme ilustrado pelo gráfico abaixo à direita, a inflação de cerveja vem perdendo consistentemente para a inflação geral, conforme medida pelo IPCA-15. Nesse sentido, enxergamos como positiva a notícia veiculada ontem pelo Valor de que Ambev e Heineken estariam começando a reajustar o preço das suas cervejas, como já é de costume nessa época do ano. Segundo a reportagem, a Heineken já teria começado “a distribuir suas novas tabelas, que passam a vigorar a partir desta semana. A Ambev ainda não comunicou os novos preços, mas deverá fazê-lo ao longo do semestre”.

Metodologia: para o gráfico “margem da inflação de cerveja”, usamos como base o IPCA-15 acumulado de doze meses. Em seguida, calculamos a diferença do índice geral versus os índices de cerveja no domicílio e fora dele, fazendo (1+x)/(1+y). Assim, chegamos na margem da inflação de cerveja: valores acima de zero indicam momentos em que o reajuste do preço da cerveja foi maior que o reajuste dos preços da economia como um todo, conforme sinalizado pela faixa verde no gráfico, e vice-versa.


Sexta-feira – Performance das Ações

A Marfrig foi o destaque de agosto, registrando alta de 24%, versus -3% do Ibovespa no mesmo período. Assim, o papel consolida a tendência de valorização que já se estende desde o início do ano (+70%). Entendemos que as ações foram impulsionadas por fatores como:

  • Fortes dados de exportação de carne bovina em agosto (cerca de 70% da receita da operação América do Sul da Marfrig vem de exportações)
  • Manutenção de margens de bovinos em patamares elevados nos EUA, conforme medido pelo cut-out ratio (cerca de 75% da receita da empresa vem da América do Norte)
  • Divulgação de resultados do 2T20 que bateram recorde tanto na América do Sul quanto nos Estados Unidos e foram bem recebidos pelo mercado (12/08)
  • Anúncio de novos programas de sustentabilidade como o rastreamento da cadeia de produção e o lançamento de uma linha de carnes carbono neutra.

A BRF, por sua vez, registrou desvalorização de 5% em agosto. Assim, o papel acumula queda de 44% no ano, versus -13% do Ibovespa no mesmo período. Entendemos que as ações vem sendo penalizadas sobretudo pela percepção de que o mercado de frango passa por um momento desafiador, explicado por fatores como:

  • Alta no preço dos grãos, a qual encarece os custos de criação do frango e portanto impacta negativamente a empresa
  • Dados mais fracos de exportação na comparação anual, com volumes estáveis mas preços em queda de 20% A/A
  • Margens dos varejistas acima da média desde o início da pandemia poderiam indicar
  • Divulgação de resultados do 2T20 sólidos, mas mais fracos do que o esperado, que foram mal recebidos pelo mercado

Por fim, a Ambev registrou queda de 11% no mês, consolidando baixa de 33% no ano. Entendemos que o papel vem sofrendo por conta de:

  • Temores de curto prazo em relação ao impacto da pandemia nas operações da empresa, significativamente expostas ao setor de bares e restaurantes;
  • Preocupações de longo prazo quanto à pressão estrutural nas margens da empresa devido à necessidade de adaptação de seu modelo de negócios a um ambiente competitivo incrementalmente mais acirrado.

Quanto ao primeiro ponto, entendemos que, para a indústria de bebidas, a pior parte da crise já teria ficado para trás. Segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, a produção de bebidas alcoólicas cresceu 24% em junho versus o mesmo período no ano anterior, indicando uma verdadeira “recuperação em V”. Tal aumento expressivo nos volumes poderia abrir espaço para reajustes de preço; enxergamos como positiva a notícia de que Ambev e Heineken estariam começando a reajustar o preço das suas cervejas, como já é de costume nessa época do ano.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.