A semana na Renda Fixa (15/03 a 19/03)

Acompanhe os principais movimentos da semana no mercado de renda fixa e o que esperar para a semana que se inicia.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O principal destaque da última semana foram as decisões de política monetária pelos Bancos Centrais nos EUA e no Brasil. Nos Estados Unidos, o Comitê de Política Monetária manteve suas taxas inalteradas, enquanto no Brasil, o Copom decidiu pela elevação de 0,75 p.p. na taxa Selic para 2,75% ao ano, surpreendendo economistas e parte do mercado. Como resultado houve leve movimento de achatamento (flattening) na curva a termo no dia seguinte. No fechamento da semana, as taxas avançaram nas pontas curta e intermediária, enquanto as taxas longas apresentaram relativa estabilidade em relação à última semana. A perda de inclinação foi atenuada pelo avanço das taxas das Treasuries norte-americanas (títulos soberanos dos EUA). Os títulos do Tesouro Direto prefixados e pós-fixados apresentaram valorização, enquanto as cotações dos títulos indexados à inflação retraíram. Os spreads de créditos classificados nas faixas de rating AAA, AA e A começaram a abrir, após semanas indo na direção contrária.

Para a próxima semana, é esperada a ata do Copom referente à última reunião, a divulgação do IPCA-15 de março, resultado do setor externo de fevereiro, arrecadação federal também de fevereiro e o Relatório Trimestral de Inflação. No cenário internacional, a semana será marcada pela divulgação dos PMIs industrial e de serviços referentes a março na Zona do Euro e nos EUA, além de discurso do presidente do FED, Jerome Powell, após decisão de política monetária nessa semana. Teremos também divulgação de decisão de política monetária na China.

Cenário macroeconômico

Conforme relatório publicado, o ritmo de contágio no Brasil continua acelerado, com aumento na média móvel semanal de óbitos para 2.087 falecimentos diários, e crescimento de 58% em um mês na média móvel de casos registrados para 71.872 ao dia. Do lado positivo, aponta-se exercício elaborado pelo time da XP Investimentos, o qual indica que o país poderá conseguir vacinar toda sua população acima de 60 anos, além de profissionais de saúde, até meados de junho. No cenário internacional, os Estados Unidos anunciaram que deverão atingir a marca de 100 milhões de vacinados até o final dessa semana, enquanto novos casos de coronavírus preocupam países da Europa, como a França, que anunciou lockdown de um mês na área de Paris.

Na seara internacional, o principal destaque da semana foram as decisões de política monetária por Bancos Centrais ao redor do mundo. Nos EUA, o Comitê de Política Monetária (FOMC) manteve as taxas inalteradas, assim como a atual política em relação ao seu balanço, conforme vastamente esperado pelo mercado. Acreditamos que o FED deva iniciar o processo de redução de compra de ativos (tapering) no terceiro trimestre de 2022, e que o primeiro aumento nos juros deva vir no primeiro trimestre de 2024. Já na região da Europa, o Comitê de Política Monetária do Banco da Inglaterra (BoE) manteve o ritmo de seu estímulo inalterado, em sua reunião de ontem.

No Brasil, a semana foi também marcada por decisão de política monetária. Ao contrário dos países desenvolvidos, onde as autoridades monetárias mantiveram suas respectivas taxas básicas de juros em patamar estimulativo, o Copom decidiu pela elevação de 0,75 p.p. na taxa Selic, para 2,75% ao ano, surpreendendo economistas e parte do mercado.

Por último, destaca-se no cenário político-econômico da última semana a edição da Medida Provisória que detalhou a nova rodada de auxílio emergencial no país: o benefício será de R$ 250, indo a R$ 150 para quem mora sozinho e R$ 375 para mulheres solteiras chefes de família, a ser pago por quatro meses a partir de abril. A semana contou também com a aprovação pela Câmara dos Deputados do novo marco regulatório do gás (PL 4476/20), assim como a manutenção do veto aos trechos do Marco do Saneamento básico, que abriam espaço para a prorrogação de contratos de estatais com o poder público por mais 30 anos.

Leia tudo o que aconteceu na semana em economia.

Curva DI e NTN-B

Em semana de decisão do Copom, houve leve movimento de achatamento (flattening) na curva à termo: as taxas futuras de juros avançaram na ponta curta e intermediária, enquanto as taxas longas apresentaram relativa estabilidade em relação à última semana. A queda na inclinação foi atenuada pelo avanço das taxas das Treasuries norte-americanas (títulos soberanos dos EUA). O mesmo movimento foi observado nas taxas das NTN-Bs.

Leilões do Tesouro Nacional

Na última semana, o Tesouro Nacional realizou oferta maior de NTN-Bs e de LTNs curtas. Por outro lado, as LFTs continuam com menor procura pelo mercado, mesmo com redução no lote ofertado.

Na quarta-feira, 17, houve também novo leilão de rolagem das LTNs com vencimento em abril de 2021. Foram ofertados 4,05 milhões de papeis, com vencimentos em 2022, 2023, 2024 e 2025. Todos foram trocados integralmente, com exceção do vencimento 2023, que não teve demanda.

Leilão do dia 16/03 – NTN-B

O Tesouro colocou a oferta de papeis indexados à inflação (NTN-B) de forma integral no mercado. Os 850 mil papeis ofertados na sessão representaram volume inferior ao 1,1 milhão ofertado no leilão da semana anterior.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Leilão do dia 18/03 – LTN, NTN-F e LFT

Em oferta significativamente menor que a realizada na semana anterior e já com o efeito da decisão do Copom refletido sobre as taxas, o Tesouro conseguiu vender a totalidade das LTNs ofertadas. A demanda para LFTs e NTN-Fs mais longas foi inferior ao lote ofertado.

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Tesouro Direto

Ao contrário da última semana, os títulos do Tesouro Direto prefixados e pós-fixados apresentaram valorização. Enquanto isso, as cotações dos títulos indexados à inflação retraíram. O movimento também pode ser explicado pela movimentação após a decisão do Copom e, no longo prazo, do efeito das Treasuries sobre a curva.

O preço dos títulos sobe quando a expectativa de juro futuro cai (e vice-versa) devido à relação inversa entre os dois. Esse mecanismo que mostra o efeito dos juros sobre preços é a marcação a mercado. Entenda mais aqui.

Crédito Privado

Fluxo

Na semana, foi registrado um fluxo médio diário de negociações de R$ 866 milhões em debêntures (vs. 1 bilhão na semana anterior), R$ 110 milhões em CRA (vs. R$ 149 milhões) e R$ 88 milhões em CRI (vs. R$ 126 milhões). Vale lembrar que, como não são disponibilizados a tempo da publicação do relatório, os dados da sexta-feira não são considerados e podem alterar o apresentado.

Os papeis mais negociados por classe de ativos foram debêntures da CTEEP (CTEE29), CRI Green Towers e, assim como na semana anterior, CRA Vamos.

Spreads de crédito

Na sequência ao fechamento dos spreads de crédito nas últimas semanas, as curvas das debêntures AAA, AA e A, em todos os vértices, começaram a abrir, em todos os vértices. Com isso, as taxas nominais dos ativos tendem a se elevar, principalmente em prazos mais longos.

As curvas são extraídas a partir de debêntures precificadas diariamente pela ANBIMA (DI Percentual, DI+spread e IPCA+spread) e refletem estruturas de spread zero-cupom sobre a curva soberana para diferentes níveis de risco.

Ações de rating

Fonte: S&P Global, Fitch Ratings e Moody’s. Elaboração: XP Investimentos.

Relatórios publicados na semana de 15/03 a 19/03

Renda Fixa

Artigos

Expectativa x realidade: O dia depois do Copom

Após quase seis anos, Selic deve voltar a subir. Entenda o que esperar para a renda fixa

Atualizações de resultados

Atualização 4T20: Cyrela

Cyrela reporta números sólidos para o 4T20

Atualização 4T20: Aliansce Sonae

Atualização 4T20: Simpar

Atualização 4T20: Energisa

Atualização 4T20: Santo Antônio

Atualizações de AGDs

Atualizações nos ativos de Renda Fixa

Resumo semanal das assembleias de investidores

AGDs 1ª e 2ª emissões de debêntures da Copel Telecom

Outros

Vale reduz uso de barragens com início de operação no Complexo Vargem Grande

Engie Brasil anuncia retomada da venda da Usina Pampa Sul

Justiça do Paraná suspende as obras de projeto da Engie

Diretoria executiva da Vale é reconduzida a um novo mandato

Outras editorias

Boletim Focus: 15/03/2021

Quando o Brasil terá vacinado os idosos e profissionais da saúde?

Apresentação Macro XP

IBC-Br bem acima das expectativas

Caged surpreende positivamente em janeiro, mas dinâmica do mercado de trabalho segue preocupante

Copom: ajuste mais célere e (tentativamente) menor

Economia em destaque – seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

O que esperar – Semana de 22/03 a 26/03

Agenda econômica

Em relatório publicado pelo time Macro da XP, destacam-se na agenda econômica nacional da próxima semana a ata do Copom referente à última reunião, a divulgação do IPCA-15 referente à março (espécie de prévia para a inflação no mês), resultado do setor externo de fevereiro, arrecadação federal também de fevereiro e o Relatório Trimestral de Inflação, também publicado pelo Banco Central.

No cenário internacional, a semana será marcada pela divulgação dos PMIs industrial e de serviços referentes a março na Zona do Euro e nos EUA, além de discurso do presidente do FED, Jerome Powell, após decisão de política monetária nessa semana. Teremos também divulgação de decisão de política monetária na China.

Acesse aqui o Boletim Focus do dia 22/03 (disponível a partir de segunda-feira)

Leilões do Tesouro Nacional

Fonte: Tesouro Nacional. Elaboração: XP Investimentos.

Vencimentos de debêntures da próxima semana

Sem vencimentos previstos para a próxima semana.

Gostou? Tem alguma sugestão? Não deixe de avaliar e deixar seus comentários!

Veja mais

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.