Quando o Brasil terá vacinado os idosos e profissionais da saúde?

Mantido o calendário de entregas, acreditamos que o grupo estará vacinado até junho.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Nesse exercício tentamos estimar quando o Brasil conseguirá vacinar toda sua população em dois grupos de risco: profissionais da saúde e por idade. Para tanto, delimitamos o número de pessoas e, portanto, de doses necessárias, depois organizamos o calendário de recebimento de vacinas pelo Governo Federal e então fazemos cenários para a velocidade de aplicação da vacina. Em nosso cenário mais pessimista, as pessoas do grupo de risco estariam vacinadas até dia 19 de agosto e no mais otimista, no dia 9 de abril. Acreditamos que o mais provável é que, mantido o calendário de entregas, as pessoas nesses grupos de risco estejam vacinadas até junho, com risco para que o ciclo possa ser completado até antes.

Número de pessoas e doses: Pelas informações do “Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19”, divulgado pelo Ministério da Saúde, há um conjunto de 33 milhões de brasileiros entre profissionais de saúde e idosos acima de 60 anos (https://bit.ly/2PJpPrB). Para verificação, a projeção populacional do IBGE para 2021 é de que existam 31,3 milhões de brasileiros acima de 60 anos. Como o Brasil não conta com a vacina da Johnson & Johnson, a única que requer apenas uma dose, teríamos que aplicar 66 milhões de doses para imunizar o grupo especificado.

Calendário de recebimento de doses: A disponibilidade deve ocorrer de acordo com o seguinte cronograma, segundo dados publicado pelo Ministério da Saúde (fonte: https://bit.ly/3l7pTNo).

Os cenários para vacinação: Para cada cenário, assumimos um conjunto de hipóteses diferentes e estimamos a data para vacinação total. Fica a ressalva que não consideramos também as perdas normais que ocorrem durante transporte, armazenamento e manuseio.

(i) O primeiro cenário (linha pontilhada preta), mais pessimista, assumimos que o ritmo de vacinação fica igual o atual. Extrapolamos a curva de vacinação, utilizando a média móvel semanal de vacinas aplicadas até o dia 14/03 (334,0 mil). Mantido este ritmo, atingiríamos as 66 milhões de doses requeridas no dia 19 de agosto.

   (ii) O segundo cenário (linha pontilhada amarela) considera que o Brasil, a partir de 1º de abril, dobra as aplicações de doses por dia para 697,5 mil. Os 33 milhões de habitantes estariam vacinados em 7 de junho.   

   (iii) O terceiro cenário (linha pontilhada cinza), assume que o ritmo de vacinação acelera gradualmente até chegar a 1 milhão de doses aplicadas por dia em 1º de abril e fica estável a partir de então – este ritmo seria levemente superior ao que tivemos na vacinação contra H1N1 e factível, caso haja oferta de vacinas e esforço federal. A vacinação para o grupo selecionado seria completada no dia 14 de maio.

  (iv) O quarto cenário (linha pontilhada roxa), mais otimista, prevê que todas as vacinas recebidas em dado mês sejam aplicadas dentro do próprio mês, ou seja, não haveria limite para capacidade de aplicação nem gargalo nas entregas. Aqui consideramos também a aplicação em março das vacinas recebidas mas não aplicadas em janeiro e fevereiro. Com essa premissa, as 66 milhões de doses seriam alcançadas dia 9 de abril.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.