XP Expert

XP Morning Call 31/05/2019: Crescimento global preocupa mercados

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: Retração do PIB gera pressão para o governo
  2. PIB do Brasil recua 0,2% no primeiro trimestre de 2019 (q/q)
  3. STF adia para próxima semana decisão sobre privatizações

Internacional

  1. Trump poderá taxar importações mexicanas enquanto a imigração ilegal continuar
  2. Atividade na China pressionada por tensões comerciais
  3. A cinco meses das eleições, pressão sobre Macri aumenta

Empresas

  1. BRF + Marfrig: Neutro a positivo para ambas; Mantemos recomendações inalteradas
  2. Frigoríficos: Ministério da Agricultura avalia caso atípico de vaca louca em MT

COE News

  1. Disney: Divisão de parques ganha nova temática inspirada nos Star Wars
  2. Unilever quer adicionar derivado da cannabis a sorvete Ben & Jerry’s
  3. AB Inbev anuncia novos produtos para se proteger de destilados e vinhos

Resumo

Crescimento global preocupa mercados

Mercados globais em queda nesta manhã de sexta-feira, seguindo ameaça do presidente Donald Trump sobre tarifas ao México, enquanto dados fracos de atividade da China aumentam as preocupações com crescimento global e elevam a percepção de risco.

Ontem, Trump disse em Twitter que os EUA irão impor tarifa de 5% sobre todos os bens do México a partir de 10 de junho, podendo aumentar para 25% até 1 de outubro caso o México não contenha a onda de imigração aos EUA.

Na China, o índice de gerente de compras de manufatura (PMI) caiu de 50,1 em abril para 49,4 em maio, abaixo da expectativa do mercado e abaixo de 50, sinalizando contração. Os pedidos de exportação vieram fracos, enquanto a confiança também caiu, o que pode ser reflexo das tensões comerciais. Com isso, o risco para o crescimento econômico se eleva, o que por outro lado pode impulsionar novos estímulos do governo Chinês.

No Brasil, a primeira retração do PIB desde 2016, divulgada ontem, pode elevar a pressão para medidas que estimulem a economia, como redução de juros e liberação de recursos do FGTS, além de também pressionar o Congresso pela necessidade de aprovação da reforma da previdência.

Na linha de medidas de estímulo, o Ministério de Economia estuda a possibilidade de liberação do saque do FGTS, mas o percentual ainda não foi definido e o anúncio só deve acontecer depois da aprovação da Reforma da Previdência. Em 2017, o governo Temer adotou medida similar injetando R$ 44 bilhões na economia e um dos setores que mais se beneficiou foi o de consumo, com destaque para segmentos com ticket médio elevado como eletrônicos, bens duráveis e viagens.

Na Câmara, o PL apresentou o mais amplo substitutivo à PEC da Nova Previdência, com previsão de R$700 bilhões de economia em 10 anos, com 180 assinaturas de apoio de parlamentares. A PEC atual recebeu 276 emendas na Comissão Especial, ao fim do prazo que encerrou ontem.

O Supremo Tribunal Federal adiou para a próxima semana a decisão sobre a necessidade de aval do Congresso para a privatização de empresas estatais e suas controladas. Notícias
indicam que o placar final deve ser apertado, mantendo-se a necessidade de processo licitatório mas retirando a necessidade de anuência de poder legislativo para desinvestimentos.

Do lado das empresas, a BRF e a Marfrig anunciaram ontem que estão avaliando uma potencial fusão. A BRF deteria 85% do capital da nova empresa, enquanto a Marfrig 15%. Nós vemos a relação como justa, e a transação como neutra a positiva para ambas, mas existem riscos de execução e mais detalhes são necessários. Mantemos Compra em Marfrig e Neutro em BRF.


Conteúdo na íntegra

Brasil

Política Brasil: Retração do PIB gera pressão para o governo

  • As manchetes do dia foram dominadas pelo anúncio da primeira retração no PIB desde 2016. Com isso, o governo passa a sentir pressão para tomar medidas que estimulem a economia, como redução de juros e liberação de recursos do FGTS. A notícia também servirá para pressionar o Congresso pele necessidade de aprovação da reforma da Previdência;
  • No segundo dia de manifestações contra o contingenciamento de recursos da Educação (que tiveram um viés mais anti-Bolsonaro), foram registrados protestos em volume menor do que o movimento do último dia 15;
  • No Câmara, o PL apresentou o mais amplo substitutivo à PEC da Nova Previdência, com previsão de R$700 bilhões de economia em 10 anos. O ponto de controvérsia da vez é a capitalização, que não é vista como prioridade agora e ainda gera dúvidas entre parlamentares sobre como será custeada a transição. O dado mais importante sobre isso é que o texto alternativo do PL teve 180 assinaturas de apoio de parlamentares. Foram recebidas 276 emendas na Comissão Especial, ao fim do prazo que encerrou ontem;
  • De olho nas eleições municipais e em 2022, partidos já começam a se movimentar internamente. Na convenção do partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a questão foi mais existencial. Dividido, o DEM usou a convenção para defender a agenda econômica, mas nada de apoio formal e irrestrito ao governo. A principal tônica foi reforçar a mensagem de que a legenda não faz parte do chamado Centrão, alvo de críticas nos protestos.

PIB do Brasil recua 0,2% no primeiro trimestre de 2019 (q/q)

  • Em linha com as expectativas do mercado, o PIB do Brasil apresentou queda de 0,2% no primeiro trimestre de 2019 (q/q). Este foi o primeiro recuo do indicador desde o quarto trimestre de 2016. Com relação ao mesmo trimestre do ano anterior, o PIB cresceu apenas 0,5%;
  • Como já era esperado, o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho afetou negativamente o desempenho da Indústria Extrativa Mineral, cujo PIB recuou 6,3% (q/q). A principal surpresa, no entanto, foi o PIB da Construção Civil, que apresentou recuo de 2% (q/q). Pelo lado da demanda, o destaque foi a queda expressiva de 1,7% (q/q) da formação bruta de capital fixo;
  • Ainda que em linha com as expectativas, os resultados do PIB do primeiro trimestre devem reforçar a preocupação do mercado com relação ao ritmo da recuperação da atividade. Para que a economia encerre o ano com crescimento de 1,2% (média do mercado medida pelo Focus), é necessário que o PIB apresente um crescimento médio trimestral de 0,6% até o final de 2019. Este cenário, até o momento, não parece provável, uma vez que as incertezas quanto à continuidade da agenda reformista e à sustentabilidade da dívida pública seguem elevadas.

STF adia para próxima semana decisão sobre privatizações

  • O Supremo Tribunal Federal adiou para a próxima semana a decisão sobre a necessidade de aval do Congresso para a privatização de empresas estatais e suas controladas. O julgamento foi iniciado ontem (30/05) pelo presidente da Corte, Dias Toffoli, que informou na abertura da sessão que os votos dos ministros só seriam lidos na próxima semana (05 de junho);
  • A Advocacia Geral Da União defendeu a possibilidade de venda de ativos de estatais e de suas subsidiárias sem licitação. Por outro lado, o Ministério Público opinou pela manutenção da necessidade de processo licitatório para alienação de controle de estatais;
  • A expectativa é de um placar apertado na Corte, mantendo-se a necessidade de processo licitatório mas retirando a necessidade de anuência de poder legislativo.

Governo discute autorização para saques do FGTS

  • Conforme notícia no Valor Econômico, o Ministério de Economia estuda a possibilidade de liberação do saque do FGTS, mas sem se comprometer com o prazos para a implementação e sugerindo que a medida só virá depois da aprovação da Reforma da Previdência;
  • A principal dificuldade é fixar um percentual de liberação que não atrapalhe as atribuições do fundo, como habitação e saneamento básico financiados com recursos dos trabalhadores. Fontes ouvidas pelo Valor sugeriram que há estudos para o trabalhador liberar até 30% de saldo do fundo, equivalente a R$120 bilhões, mas a avaliação da equipe econômica é que esse montante parece exagerado e poderia prejudicar a saúde financeira do fundo. Dessa forma, o percentual ainda não está fechado;
  • Em 2017, o governo Temer autorizou o saque em contas que estivessem inativas até dezembro de 2015, injetando R$44 bilhões na economia com contribuição estimada em 0,5 ponto percentual para o crescimento do PIB naquele ano. Os principais setores beneficiados pela medida tomada dois anos atrás foram aqueles relacionados a consumo, com destaque para os segmentos com ticket médio mais elevado, como eletrônicos, bens duráveis e viagens.

Internacional

Trump poderá taxar importações mexicanas enquanto a imigração ilegal continuar

  • O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta quinta-feira (30) novas tarifas sobre produtos importados do México, dizendo, em um tuíte, que elas permanecerão em vigor até que o problema da imigração ilegal seja resolvido;
  • Trump disse que as tarifas subirão para 10% em 1º de julho, se a crise persistir, e outros 5% para cada mês sucessivo até 25%, a menos que “o México pare substancialmente a entrada ilegal de estrangeiros vindos de seu território”.

Atividade na China pressionada por tensões comerciais

  • No início deste ano, a China reduziu sua meta de crescimento anual para 6-6,5%, a taxa mais baixa em três décadas. A quebra nas negociações comerciais com os EUA neste mês tem abalado ainda mais as perspectivas, já que os fabricantes e exportadores chineses – a força por trás da produção do país – reduzem a atividade em preparação para tarifas mais altas;
  • Os desafios foram refletidos nos dados de atividade manufatureira (PMI) da China para maio de 49,4, abaixo dos 50,1 em abril e abaixo da previsão de 49,9 compilada pela Reuters (uma leitura abaixo de 50 indica que a atividade está em contração). Essa é a primeira vez que o PMI industrial caiu em território negativo desde fevereiro, influenciado por pedidos de exportação mais fracos em meio à escalada das tensões comerciais com os EUA;
  • O agravamento dos dados e a preocupação do mercado deixam o presidente Xi Jinping em uma posição difícil tentando se manter firme contra Trump e ao mesmo tempo tentando apoiar o crescimento sem um aumento relevante da dívida. O yuan se desvalorizou 2,5% em maio, e as ações tiveram um mês difícil devido à turbulência das guerras comerciais.

A cinco meses das eleições, pressão sobre Macri aumenta

  • A quinta greve geral contra o governo argentino convocada pelas centrais sindicais, ontem, parou a Argentina, aumentando a pressão sobre o presidente Mauricio Macri a cinco meses da eleição;
  • Centenas de voos foram cancelados, e bancos e escolas não funcionaram. A greve convocada pela Confederação Geral do Trabalho (CGT), com adesão da Central dos Trabalhadores da Argentina (CTA) e da CTA Autônoma, foi sentida em Buenos Aires e em outras cidades, com interrupção dos serviços de ônibus e metrô. O ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, estimou que a greve custou 40 bilhões de pesos (US$ 900,9 milhões). O setor manufatureiro, afirmou, perdeu 8,1 bilhão de pesos e o de transporte, 2 bilhões;
  • A primeira greve contra o governo Macri ocorreu em abril de 2017. Desde então, a oposição sindical ao governo vem crescendo.

Dados econômicos globais a se monitorar

  • Com o mercado de títulos do Tesouro apresentando maior volatilidade, o relatório de hoje do PCE – o medidor de inflação preferencial do Fed – será acompanhado de perto pelos investidores ao ser publicado às 8:30 de NY. O PIB canadense do primeiro trimestre também deve ser entregue às 8h30. O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, e o presidente do Fed de Nova York, John Williams, deverão falar publicamente ao longo desta tarde. Os dados do sentimento do consumidor americano será divulgado às 10:00 de NY.

Empresas

BRF + Marfrig: Neutro a positivo para ambas; Mantemos recomendações inalteradas

  • A BRF e a Marfrig anunciaram que estão avaliando uma potencial fusão, com prazo de exclusividade de 90 dias, renovável por mais 30. A BRF deteria 85% do capital da nova empresa (NewCo), enquanto a Marfrig 15%. Nós vemos a relação como justa, e a transação como neutra a positiva para ambas, mas existem riscos de execução e mais detalhes são necessários;
  • A NewCo negociaria a 7x EV/EBITDA (9x para a BRF, 5,5x para a Marfrig), o que consideramos justo, em linha com o preço de fechamento de hoje;
  • Mantemos nossa recomendação de Compra na Marfrig (preço-alvo de R$10/ação) e Neutra na BRF (preço-alvo de R$33/ação). Para a JBS, vemos o acordo como neutro. Notamos que a empresa é muito bem posicionada, ao mesmo tempo em que vemos potenciais efeitos positivos para todos os frigoríficos com a Peste Suína africana na Ásia. Mantemos recomendação de Compra na JBS (preço-alvo de R$27/ação). Clique aqui para acessar o relatório completo.

Frigoríficos: Ministério da Agricultura avalia caso atípico de vaca louca em MT

  • De acordo com notícia da Folha, o Ministério da Agricultura está avaliando uma suspeita de caso atípico de vaca louca ocorrido em Mato Grosso. O caso está sobe investigação, mas é muito cedo para qualquer avaliação. O governo deverá ter o resultado nos próximos dias;
  • Se o caso for confirmado, porém, não será o primeiro no país. O Brasil já teve dois casos atípicos confirmados, em 2014, também em Mato Grosso, e em 2010, no norte do Paraná. Neste caso, a doença foi reportada somente em 2012, fazendo com que os países fechassem o comércio temporariamente ao Brasil, argumentando os fracos controles sanitários. Contudo, o país conseguiu manter status de risco insignificante para a enfermidade;
  • Segundo a OIE (Organização Mundial da Saúde Animal), a doença da vaca louca, quando atípica, não se configura em risco para a saúde humana. Quanto mais velhos, mais os animais são suscetíveis à doença. No caso reportado no norte do Paraná, o animal era uma vaca de 13 anos, idade semelhante à do caso atual.

COE News

Disney: Divisão de parques ganha nova temática inspirada nos Star Wars

  • Nesta temporada de férias de verão, a Disney abrirá uma atração com o tema de Star Wars, tanto na Disneyland quanto no Walt Disney World em Orlando. Cada divisão nos diferentes parques apresenta mais de 50 mil metros quadrados, contendo brinquedos, lojas e restaurantes. Isso representa a maior expansão individual da história dos parques;
  • Pelo custo de US$ 1bi cada, as novas atrações cumprem as ambições dos dirigentes do grupo e representam uma aposta na continuidade do engajamento dos fãs na trilogia Skywalker, que está próximo de concluir parte da história de Guerra nas Estrelas com o lançamento do filme “The Rise of Skywalker”, previsto para dezembro deste ano. A divisão de parques temáticos tem sido essencial para os positivos resultados apresentados ao longo dos últimos trimestres, com o lucro operacional da divisão atingindo US$ 4,5bi em 2018, mais do que o dobro do valor de cinco anos antes;
  • Segundo o atual presidente Robert Iger, o lançamento da Disney+, previsto para novembro, é fator fundamental para aumentar a sinergia entre as diversas linhas de negócios como tráfego nos parques temáticos, venda de brinquedos e bilheteria nos cinemas.

Unilever quer adicionar derivado da cannabis a sorvete Ben & Jerry’s

  • Dirigentes da Unilever planejam adicionar o canabidiol, derivado da planta cannabis que não possui efeitos psicoativos e que tem propriedades relaxantes, nos sorvetes Ben & Jerry’s, assim que for legalizado seu uso no âmbito federal nos EUA;
  • Embora a Food and Drug Administration (FDA), órgão de vigilância sanitária do país, proíba atualmente tal substância em alimentos e bebidas, a agência tem agendada para esta tarde uma audição pública sobre sua legalização. A Unilever, controladora da marca Ben & Jerry’s, submeteu uma reunião sobre o tema.

AB Inbev anuncia novos produtos para se proteger de destilados e vinhos

  • A maior fabricante de cervejas do mundo, fabricante da cerveja Budweiser, segue trabalhando em novos produtos, como aperitivos e cervejas artesanais voltadas para o público feminino, no momento em que os números do setor mostram a maior queda nos volumes de vendas de cervejas nos EUA nos últimos sete anos, com dados recentes indicando que os americanos estão trocando a cerveja pelos destilados e vinhos;
  • Michel Doukeris, presidente executivo das operações nos EUA, esboçou que ele pretende reconquistar os consumidores e que segue trabalhando em novos projetos para enfrentar a mudança nos hábitos dos consumidores incluem a Drinkworks, um empreendimento com a Keurig Dr Pepper que Doukeris descreve como “talvez a maior oportunidade” para a companhia atuar além da cerveja. Outros produtos que estão sendo promovidos pela Anheuser-Busch incluem a Naturdays, um mix de cerveja e limonada de limão cravo, e aperitivos enlatados e prontos para beber, produzidos pela Cutwater de San Diego, empresa que ela adquiriu neste ano;
  • A AB Inbev produz algumas das maiores marcas de cerveja dos EUA, incluindo a Bud Light e a Goose Island em seu país sede.

Facebook segue combatendo “Fake News”, ao promover vacinas contra sarampo

  • A gigante das mídias sociais segue combatendo “fake news” em suas plataformas. O grupo tem enfrentado dificuldades para acabar com a atual desinformação relacionada a possibilidade de vacinas contra sarampo e outras doenças juvenis causarem autismo;
  • Basicamente, o grupo alterou parte de seus algoritmos para dificultar as buscas nas plataformas do Facebook e Instagram, enquanto que limitou a função “encaminhar” no Whatsapp;
  • As autoridades de saúde pública nos EUA asseguraram publicamente a eficácia das vacinas “vaccinetruth”, “vaccinesuncovered” e “vacines revealed”, e clamaram pela continuidade da vacinação nos postos públicos de saúde e hospitais, com o intuito de controlar o maior surto de sarampo dos últimos 30 anos.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.