XP Expert

XP Morning Call 27/02/2019: Geopolítica e Reforma da Previdência

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: Reunião entre Líderes na Câmara e Bolsonaro; Discussões sobre proposta da Reforma da Previdência
  2. Roberto Campos Neto assume o BC e indica continuidade

Internacional

  1. Fed: “Sem pressa” para aumentar juros
  2. Tensão entre Índia e Paquistão aumenta com desaparecimento de pilotos

Empresas

  1. Sabesp (SBPS3): Privatização deve encontrar muita resistência interna, segundo Meirelles
  2. Petrobras (PETR4): Empresa prepara Programa de Demissão Voluntária e deve fechar sede de SP até junho
  3.  Klabin (KLBN11): Minoritários querem levar a empresa para o Novo Mercado

COE News

  1. Tecnologia: Nova regulamentação pode colocar em risco a criação de novos produtos

Resumo

Geopolítica e Reforma da Previdência

Mercados globais operam no campo negativo nesta manhã de quarta-feira em meio à temporada de resultados mais fraca na Europa e tensão geopolítica na Ásia, com o Paquistão derrubando dois caças indianos dentro de seu espaço aéreo, após Índia ter dito que bombardeou acampamentos em território paquistanês.
 
Nos EUA, o discurso semestral do Presidente do Banco Central (Fed) não trouxe grandes novidades, reforçando tom suave em relação à política monetária. As decisões daqui em diante dependerão dos dados econômicos, e juros somente subirão se o panorama atual mudar. Entre hoje e amanhã, Trump se encontra com o líder Norte-Coreano para segunda rodada de negociações em relação à desnuclearização.
 
No Brasil, Roberto Campos Neto teve seu nome aprovado como presidente do Banco Central em sabatina no Senado. Entre outros assuntos, falou sobre a manutenção da atual postura do BC na condução da política monetária, a necessidade de reformas e a menor presença do estado na economia, o que é bem recebido.
 
Líderes na Câmara participaram de reunião com Jair Bolsonaro na noite de ontem. A insatisfação em relação ao governo permanece, e somente se dissipará quando a interlocução com o mesmo melhorar, mas sinalizações nessa direção foram dadas ontem. Em linhas gerais, a percepção é que a proposta da Reforma da Previdência já veio com gordura para possibilitar negociações.
 
Os principais pontos de embate parecem ser a aposentadoria rural e o benefício de prestação continuada para idosos de baixa renda, o que poderia diluir a proposta inicial de R$1,17tri para algo próximo de R$900bi, enquanto alguma flexibilização na regra de transição também é provável. Na nossa visão, o cenário base deve ser uma economia de R$600-800bi, com o mercado esperando algo próximo à banda inferior.
 
Do lado das empresas, a Suzano subiu 5% ontem seguindo forte alta do preço da celulose. Sobre a Sabesp, o Secretário da Fazenda de São Paulo Henrique Meirelles afirmou que a privatização eventual da companhia deverá encontrar muita resistência interna, e que a operação continua a depender da aprovação da MP do Saneamento.


Conteúdo na íntegra

Brasil

Política Brasil: Reunião entre Líderes na Câmara e Bolsonaro; Discussões sobre proposta da Reforma da Previdência

  • Líderes na Câmara participaram de reunião com Jair Bolsonaro na noite de ontem. Saíram do encontro ainda queixosos, mas com a promessa de que terão conversas mais francas sobre participação no governo no futuro próximo. A insatisfação só se dissipará quando essa promessa virar realidade;
  • Na reunião, o presidente reconheceu aos deputados que há “gordura” no texto inicial da reforma da Previdência. As resistências iniciais dos deputados se concentram na aposentadoria rural e no benefício de prestação continuada para idosos de baixa renda;
  • Paulo Guedes tem almoço marcado com Davi Alcolumbre, presidente do Senado, e Rodrigo Maia, presidente da Câmara. É esperado que discutam questões relativas ao texto e à tramitação da reforma da Previdência. 

Roberto Campos Neto assume o BC e indica continuidade

  • O economista Roberto Campos Neto teve seu nome aprovado como presidente do Banco Central em sabatina nesta terça-feira. Entre outros assuntos, Campos falou sobre a manutenção da atual postura do BC na condução da política monetária, a necessidade de reformas e a menor presença do estado na economia;
  • Ele avaliou como “excelente” o trabalho do BC realizado desde 2016, com a redução da inflação e o reforço da credibilidade institucional da autoridade que se encontrava abalada. Segundo ele, a transparência, a cautela e a serenidade na condução da política monetária devem ser preservadas e aprimoradas;
  • Sobre o futuro do setor financeiro, enfatizou a importância do avanço em frentes que permitam o desenvolvimento do mercado de capitais e a democratização dos serviços financeiros. Blockchain, inteligência artificial, identidade digital, pagamentos instantâneos e open banking são fatores que vão alterar a dinâmica do setor e Campos entende que o BC deve estar preparado para a nova realidade.

Internacional

Fed: “Sem pressa” para aumentar juros

  • Durante depoimento ao Comitê Bancário do Senado ontem, o líder do Fed, Jerome Powell, reforçou a posição da autoridade com relação à novas mudanças nas taxas de juros americanas;
  • Ele citou os “sinais conflitantes” das últimas semanas, como dados decepcionantes sobre as vendas no varejo que contrastam com as contratações estáveis, o crescimento salarial e o baixo desemprego;
  • O efeito do crescimento econômico mais lento no exterior é outro fator a ser monitorado pelo Fed nos próximos meses que poderia impactar a abordagem do Banco Central sobre a política monetária atual.

Tensão entre Índia e Paquistão aumenta com desaparecimento de pilotos

  • As tensões entre o Paquistão e a Índia aumentam consideravelmente após o Governo do Paquistão anunciar que abateu dois caças indianos que sobrevoam seu espaço aéreo, além de prender um piloto do país vizinho;
  • A ação ocorre um dia depois de as tensões entre os dois países terem escalado com o ataque aéreo da Índia no noroeste do Paquistão. De acordo com Nova Délhi, o ataque foi preventivo e atingiu um campo de treinamento terrorista, matando “um grande número de militantes”;
  • A Rupia Indiana, moeda do país, reverteu os ganhos, enquanto o índice de ações do Paquistão chegou a cair até 3,8% em Karachi.

Empresas

Sabesp (SBPS3): Privatização deve encontrar muita resistência interna, segundo Meirelles

  • Em evento ontem, o Secretário da Fazenda de São Paulo Henrique Meirelles afirmou que o governo paulista espera arrecadar pelo menos R$4 bilhões com privatizações e venda de ativos, com destaque para a Sabesp. Entretanto, a privatização da companhia estatal de saneamento deverá encontrar muita resistência interna, e notou que a legislação atual beneficia empresas estatais por permitir a assinatura de contratos de programa com municípios sem licitação;
  • Na avaliação do Secretário, as condições para a privatização só devem melhorar após a aprovação da MP 868, que instituí o marco regulatório do saneamento e a qual contém artigo que prevê a chamada de licitação pública para contratação de serviços de saneamento (Artigo 10-C), retirando, portanto, a “vantagem competitiva” da Sabesp. Segundo outras notícias, há pressões para a retirada desse artigo da versão final da MP para evitar que a privatização seja o caminho inevitável, e viabilizar uma operação de capitalização da Sabesp;
  • Notamos que, mesmo que o Artigo 10-C da versão final da MP fosse excluído, isso não implicaria na inviabilidade da privatização da Sabesp, mas apenas em uma menor pressão para realizar o processo. No final, a decisão sobre o processo caberá ao Governador do Estado.

Petrobras (PETR4): Empresa prepara Programa de Demissão Voluntária e deve fechar sede de SP até junho

  • ​Segundo o Estadão, a Petrobras pretende desativar sua sede administrativa em São Paulo, na qual trabalham cerca de 700 pessoas, até junho desse ano. A desocupação poderia gerar uma economia de R$100 milhões até 2023, e a empresa avalia quais atividades podem ser alovadas para o Rio de Janeiro, quais seriam extintas devido a venda de ativos e quais seriam remanejadas para edifícios de co-working;
  • Além disso, segundo a notícia, a empresa planeja lançar um novo Programa de Demissão Voluntária (PDV), embora ainda não exista um cronograma definido. A empresa possuí 62,7 mil funcionários próprios;
  • Ressaltamos que não incorporamos eficiências de custos administrativos em nossas estimativas, e quaisquer esforços nesse sentido apenas melhorariam o risco-retorno e o potencial de ganho com as ações. Da Petrobras. Mantemos recomendação de compra, com preços-alvo de R$31/R$30 para PETR4 e PETR3.

Klabin (KLBN11): Minoritários querem levar a empresa para o Novo Mercado

  • Segundo o Valor Econômico, um grupo de acionistas minoritários da Klabin está aumentando a pressão para que a empresa implemente melhorias na governança corporativa, com a migração para o Novo Mercado da B3 nessa pauta;
  • A composição de uma chapa para disputar uma vaga no conselho de administração e outra no fiscal foi a primeira iniciativa. Com 13 assentos, atualmente praticamente todo o colegiado é formado por membros com sobrenomes vinculados aos diferentes núcleos de controladores, o que não agrada aos minoritários. Para o conselho de administração foi indicado Mauro Cunha, presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec) e, para o fiscal, o nome sugerido é o da filha do investidor Luiz Barsi, maior acionista individual da Klabin, Louise Barsi;
  • A assembleia geral ordinária (AGO), que elegerá o novo conselho, estava estimada para 28 de março, mas foi adiada para 30 de abril.

COE News

Tecnologia: Nova regulamentação pode colocar em risco a criação de novos produtos

  • Na última semana, associações comerciais e grandes empresas de tecnologia, incluindo o Facebook, Apple, Google, Twitter e Microsoft, se reuniram com o governo australiano para alertar que a nova regulamentação, aprovada em Dezembro de 2018, poderia criar problemas para o desenvolvimento de novos produtos no campo da comunicação;
  • Recentemente, a Austrália e o Reino Unido aprovaram leis que podem obrigar empresas de tecnologia a reportar dados para as autoridades. Adicionalmente, a Índia está considerando uma medida abrangente que daria às autoridades acesso a alguns dados do serviço de mensagens do WhatsApp, e os EUA indicaram que continuarão alocando esforços para conseguir a permissão para desbloquear dispositivos criptografados como os iPhones da Apple;
  • As autoridades querem acesso a dados de usuários para solucionar crimes e rastrear possíveis ameaças a sociedade. As empresas do Vale do Silício temem que esse acesso possa ser usado indevidamente para espionagem ou até explorado por hackers. Assim, boa parte das empresas de tecnologia estão resistindo à enfraquecer a criptografia de seus sistemas e serviços de transmissão de dados.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.