XP Expert

XP Morning Call 15/04/2019: Mercados globais de lado e foco para a votação na CCJ

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política e Macro Brasil: Votação da Previdência deve ficar para a próxima semana; Atividade em Fevereiro deve ter recuado

Internacional

  1. Balança Comercial da China: Exportações recuperam mas importações seguem fracas
  2. Conversas comerciais entre EUA-China evoluem
  3. UE aprova início de negociações comerciais com EUA

Empresas

  1. AES Tietê (TIET11): Operação na Polícia Federal na Renova poderia travar compra de Alto Sertão III
  2. Frigoríficos: Peste suína pode reduzir produção de carne suína na China em um terço

COE News

  1. Disney se prepara para substituir Robert Iger em 2021

Resumo

Mercados globais de lado e foco para a votação na CCJ

Os mercados globais operam de lado nesta segunda-feira, após uma semana de forte performance, com foco nas negociações comerciais entre os EUA e China / UE.
 
No sábado, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que um acordo comercial EUA-China poderia ir “muito além” dos esforços anteriores para abrir os mercados chineses às empresas americanas, destacando que se encontram “perto da rodada final” das negociações.
 
Em relação à Europa, a comissão da UE votou hoje a liberação de negociações comerciais com os EUA, apesar da resistência da França, e tentará amenizar o ambiente de ameaças sobre imposição de tarifas de ambas as partes da semana passada.
 
A China publicou dados da balança comercial no final de semana, com destaque positivo para exportações, que subiram 14,2%, mas negativo para importações, que tiveram queda de 7,6%. Os dados foram distorcidos pelo ano novo chinês e cortes de imposto, mas a expectativa é que com atividade acelerando e as tensões comerciais diminuindo, os dados venham mais saudáveis nos próximos meses.
 
No Brasil, o mercado está focado no grau de independência das empresas estatais e na votação na CCJ, que corre risco de ser atrasada.
 
O Governo decidiu bater de frente com partidos de centro e a oposição na CCJ ao tentar forçar uma votação essa semana. O risco é que os partidos de centro/oposição ainda consigam atrasar a votação para a semana seguinte, o que poderia até trazer discussões sobre alterar no projeto original.
 
Do lado das empresas, sem grandes destaques nesta manhã. Lembramos que nos encontramos restritos nas ações da Petrobras por determinação do compliance, não podendo emitir comentários / opiniões.


Conteúdo na íntegra

Brasil

Política e Macro Brasil: Votação da Previdência deve ficar para a próxima semana; Atividade em Fevereiro deve ter recuado

  • Governo decidiu bater de frente com partidos de centro e a oposição na CCJ. Como resultado, a votação da previdência pode ficar para próxima semana e há o temor até de que ocorra uma derrota do parecer, que não admitiu mudanças no projeto original;
  • No âmbito macroeconômico, projeções de analistas consultados pelo Valor apontam para queda de ~0,3% na atividade econômica brasileira em fevereiro, segundo recuo consecutivo. A projeção diz respeito ao índice IBC-Br, proxy para a atividade no Brasil. As estimativas variam entre recuo de 1% a aumento de 0,6%. O dado conversa com a visão da nossa equipe Macroeconômica de que a recuperação da atividade ainda deverá ser modesta no ano.
     

Internacional

Balança Comercial da China: exportações recuperam mas importações seguem fracas

  • As exportações chinesas recuperaram mais do que o esperado em março, subindo 14,8% A/A, e revertendo a queda nos meses anteriores após impacto do feriado do Ano Novo Lunar. As importações caíram pelo quarto mês seguido, -7,6% A/A, refletindo o impacto da disputa comercial do país com os EUA. Espera-se melhora nas importações nos próximos meses devido à flexibilização de políticas;
  • Com isso, o superávit comercial da China subiu para US$ 32,64 bilhões em março, ante US$ 4,12 bilhões em fevereiro. O superávit comercial da China com os EUA subiu para US$ 20,5 bilhões em março, ante US$ 14,7 bilhões em fevereiro;
  • ​Em março, as exportações chinesas para os EUA cresceram 3,7%, para US$ 31,8 bilhões, recuperando-se da queda de 28,6% em fevereiro. Por outro lado, as importações da China de produtos americanos caíram 25,8%, para US$ 11,3 bilhões, refletindo as tarifas retaliatórias de Pequim e a orientação para que os compradores chineses buscassem novos fornecedores.

Conversas comerciais entre EUA-China evoluem

  • No sábado, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que um acordo comercial EUA-China iria “muito além” dos esforços anteriores para abrir os mercados chineses às empresas americanas e espera que os dois lados estejam “perto da rodada final” das negociações;
  • Além disso, a Reuters informou na segunda-feira que os negociadores norte-americanos moderaram as exigências à China sobre subsídios industriais para chegarem a um acordo comercial após forte resistência de Pequim. A questão dos subsídios industriais é complicada porque eles estão interligados com a política industrial do governo chinês. Pequim concede subsídios e incentivos fiscais a empresas estatais e a setores considerados estratégicos para o desenvolvimento de longo prazo;
  • De acordo com a Reuters, no esforço para garantir um acordo no próximo mês, os negociadores dos EUA aceitaram garantir menos do que gostariam para reduzir esses subsídios e estão focados em outras áreas onde consideram que as demandas são mais viáveis, como o fim das transferências de tecnologia, melhora da proteção à propriedade intelectual e ampliação do acesso aos mercados da China.

UE aprova início de negociações comerciais com EUA

  • Os países da União Europeia deram aprovação final nesta manhã para iniciar negociações comerciais formais com os Estados Unidos após meses de atraso devido à resistência da França;
  • Segundo a Reuters, uma clara maioria votou pela aprovação dos mandatos de negociação pela Comissão Europeia, com a França votando contra e a Bélgica se abstendo;
  • A comissão autorizada quer iniciar as negociações em duas frentes – uma para reduzir as tarifas sobre produtos industriais e outra para tornar mais fácil para as empresas produzirem bens que atendam aos padrões da UE ou dos EUA.

Minério de ferro: Demanda chinesa aquecida e restrição da oferta impulsiona preços 

  • O preço de minério de ferro na China avançou 0,9% na sexta-feira, para US$96,47/t, frente à preocupação crescente com restrições na oferta transoceânica e a queda sazonal nos estoques de aço da China, que implica aumento das compras da commodity para abastecimento das siderúrgicas locais; 
  • Esse é o maior preço em 2019 e a maior cotação desde julho de 2014. Com esse desempenho, os ganhos acumulados pelo minério de ferro neste mês superaram 13% e, no ano, chegaram a 32,6%; 
  • A incerteza em relação à oferta, somado a um ambiente favorável do lado da demanda, devem manter o preço de minério de ferro sustentado no longo prazo, o que deve dar sustentação às ações da Vale. Reiteramos recomendação de Compra, preço alvo de R$68/ação (US$18/ADR).

​Empresas

AES Tietê (TIET11): Operação na Polícia Federal na Renova poderia travar compra de Alto Sertão III

  • Segundo o Broadcast, a operação da polícia federal que investiga desvios de dinheiro em um projeto de energia eólica adquirido pela Renova Energia pode dificultar a operação de venda do complexo eólico Alto Sertão III para a AES Tietê, mesmo que o ativo não tenha envolvimento com a investigação;
  • Segundo a matéria, o motivo de uma possível desistência seria evitar a associação com ilícitos e irregularidades praticados com a Renova, embora a AES Tietê já tenha afirmado que a operação permanece inalterada por sua avaliação não ter identificado problemas;
  • Mesmo que ocorra uma possível desistência da aquisição por parte da AES Tietê, não veríamos a notícia como muito negativa, haja visto que as ações já se encontram demasiadamente descontadas com os ativos existentes. Além disso, menores riscos de uma possível emissão de ações (follow-on) para financiar a aquisição podem diminuir as pressões negativas sobre a TIET11. Mantemos a recomendação de compra, com preço-alvo de R$15/unit.
     

Frigoríficos: Peste suína pode reduzir produção de carne suína na China em um terço

  • ​Segundo relatório do banco Rabobank, a peste suína africana na China é considerada endêmica e pode provocar perda de produção suína entre 25 e 35%;
  • O banco destaca que a peste suína já está avançando para países vizinhos à China, por exemplo, o Vietnã, e deve se espalhar para outros países do Sudeste Asiático, colocando cerca de 80% da produção suína na Ásia em risco;
  • Segundo o relatório, a disponibilidade global de proteínas pode ser insuficiente para suprir o déficit de suínos gerado na China, o que provocaria aumento de preços. Além disso, os mercados devem aumentar a produção de carne bovina, frango e peixes para tentar suprir a queda de produção de suínos. Positivo para frigoríficos brasileiros.

COE News

Disney se prepara para substituir Robert Iger em 2021

  • Recentemente, o sr. Iger informou que pretende se aposentar após seu contrato com a Disney expirar no final de 2021, deixando para o conselho da empresa a missão de preparar um sucessor que de continuidade ao plano de distribuição direta de conteúdo próprio;
  • O atual presidente, Bob Iger, continua a ser avaliado positivamente por grande parte dos investidores, após ter anunciado nesta quinta-feira o novo serviço de streaming de vídeo, Disney+;
  • Os principais candidatos para ocupar o cargo são Robert Chapek, responsável por gerenciar a divisão de parques temáticos e venda de produtos como brinquedos, e Kevin Mayer, líder das operações internacionais e distribuição de conteúdo através dos serviços streaming, Disney+. Jimmy Pitaro, atual diretor responsável pelos canais ESPN também desponta como potencial candidato;
  • O próximo CEO da Disney herdará o atual plano de investimentos no desenvolvimento da nova plataforma de streaming de vídeo, Disney+. A empresa espera que os gastos com o novo serviço cheguem a US$ 2,5bi até 2024, sobretudo devido aos custos com desenvolvimento de conteúdo.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.