XP Expert

Semana começa com expectativas de vacina e IBC-Br no Brasil

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,5% | 98.363 Pontos

CÂMBIO -0,01% | 5,32/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou a semana em queda, fechando com baixa de 0,5% na sexta-feira, aos 98 mil pontos, pressionado por piora das bolsas nos EUA e o desempenho negativo do petróleo.

Hoje, mercados globais amanhecem em território neutro para positivo; nos EUA (+1%), bolsas recuperam-se após 2 semanas de queda diante do anúncio da Pfizer de que uma vacina estará provavelmente disponível para o público ainda em 2020. Na Europa, índices de lado enquanto a indefinição do Brexit pesa nos papéis.

Ainda no cenário internacional, as tensões entre os EUA e a China ganharam novos capítulos neste fim de semana: Beijing  anunciou na sexta-feira que adotará medidas contra diplomatas americanos no país após determinações do governo Donald Trump sobre diplomatas chineses nos EUA. Ainda, com 15 de setembro como a data limite afirmada por Trump para que o Tik Tok seja vendido a uma empresa americana, a Microsoft comunicou que sua oferta para comprar o aplicativo foi rejeitada pela chinesa ByteDance, que caminha para fechar parceria com a Oracle.

No Brasil, destaque para discussões sobre a reforma administrativa. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), as alterações nas regras do setor público discutidas na reforma podem resultar em uma economia entre R$ 673 bilhões e R$ 816 bilhões em dez anos para União, Estados e municípios. O impacto seria fruto principalmente do congelamento de salários por dois anos e de eventuais mudanças nas carreiras que ainda estão sendo discutidas no governo.

Na seara de indicadores, o setor de serviços, o mais prejudicado pela pandemia do novo coronavírus, completou o quinto mês consecutivo em queda na última sexta-feira, apresentando contração de 11,9% A/A em julho (o equivalente a uma expansão de apenas 2,6% M/M). O resultado, apesar de bem abaixo do esperado, compensa o viés positivo trazido pelos dados do comércio varejista e da indústria, portanto não altera por ora a nossa projeção de PIB nem para o terceiro trimestre desse ano (-5,4% A/A e +6,8% T/T), nem para 2020 (-4,8%).

Na agenda econômica dessa semana, os destaques serão as reuniões de política monetária de diversos países, incluindo Brasil, Estados Unidos, Inglaterra, Japão, Rússia e África do Sul. No Brasil, a nossa expectativa é de que a taxa Selic seja mantida nos atuais 2,00% e que o BC sinalize, em suas comunicações, a redução do espaço para novos cortes de juros adiante, apesar de não fechar totalmente a porta. Na frente de indicadores econômicos do dia, o dado mais importante será o índice de atividade econômica brasileira (IBC-Br) de julho.

Já no palco político, a semana começa com o veto do presidente Jair Bolsonaro de parte do projeto que permitia perdão de dívidas de instituições religiosas.

Na semana, a principal expectativa é em relação à apresentação do relatório do senador Márcio Bittar sobre a PEC do Pacto Federativo. Ele pretende incluir no texto gatilhos e outros mecanismos polêmicos de redução de despesas primárias, além das linhas gerais do novo programa social Renda Brasil, mas a proposta ainda passará pelo crivo do Planalto. Há expectativa também quanto à realização de sessão do Congresso na quarta-feira, quando pode acontecer a deliberação do veto à extensão das desonerações, mas ainda sem acordo.

Tópicos do dia

Coronavírus

Revisamos em agosto o target do Ibovespa para 115.000 pontos
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Brasil

  1. Boletim Focus: Com inflação de alimentos acima do esperado, projeção para o IPCA de 2020 segue em ritmo de expansão

Internacional

  1. Política internacional: tensões entre os EUA e a China voltam a ser destaque
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Azul (AZUL4): Proposta de financiamento do BNDES
  2. Eletrobras (ELET6): Proposta de privatização deve ficar apenas para 2021
  3. Proteínas (MRFG3, BRFS3): China proíbe importações de carne suína vinda da Alemanha; restrição poderia beneficiar Brasil e EUA
  4. Segundo dados do Inpe, Amazônia teve 1.359 km² sob alerta de desmatamento em agosto


Veja todos os detalhes

Brasil

Boletim Focus: Com inflação de alimentos acima do esperado, projeção para o IPCA de 2020 segue em ritmo de expansão

  • Com a surpresa inflacionária vinda principalmente de alguns alimentos consumidos no domicílio, a projeção de inflação (IPCA) para 2020 passou de 1,78% para 1.94%. Para 2021, passou de 3,00% para 3,01%;
  • Após a divulgação de indicadores de atividade econômica mais fortes do que o esperado no curto prazo (especialmente do comércio varejista brasileiro), a projeção de PIB para 2020 passou de -5,31% para -5,11%. Para 2021, permaneceu em 3,50%;
  • A projeção da taxa de câmbio permaneceu em 5,25 para 2020 e em 5,00 para 2021. E a projeção de Selic permaneceu em 2,00% ao final de 2020 e passou de 2,88% para 2,50% ao final de 2021. Clique aqui para conferir as demais projeções de mercado.

Internacional

Política internacional: tensões entre os EUA e a China voltam a ser destaque

  • As tensões entre os EUA e a China ganharam novos capítulos neste fim de semana: Beijing  anunciou na sexta-feira que adotará medidas contra diplomatas americanos no país após determinações do governo Donald Trump sobre diplomatas chineses nos EUA. Ainda, com 15 de setembro como a data limite afirmada por Trump para que o Tik Tok seja vendido a uma empresa americana, a Microsoft comunicou que sua oferta para comprar o aplicativo foi rejeitada pela chinesa ByteDance, que caminha para fechar parceria com a Oracle;
  • A Câmara dos Representantes dos EUA deve retomar as sessões nesta segunda-feira, mas o panorama permanece adverso para a aprovação de um novo pacote de estímulo;
  • No Japão, o chefe de gabinete de Shinzo Abe, Yoshihide Suga, venceu a eleição para liderar o Partido Liberal Democrata. A vitória abre caminho para que ele se torne o novo premiê.

Empresas

Azul (AZUL4): Proposta de financiamento do BNDES

  • A Azul anunciou ontem que recebeu a proposta de financiamento do BNDES, que prevê uma oferta pública de um instrumento híbrido com intuito de captar pelo menos R$ 2 bilhões. O instrumento consiste em uma combinação de debêntures simples e bônus de subscrição, cujos valores ainda serão determinados através do processo de bookbuilding;
  • O assunto ainda será discutido pelo Conselho de Administração da empresa, bem como outras alternativas de financiamento disponíveis. Apesar da potencial diluição, acreditamos que o instrumento em questão seria uma importante fonte de fortalecimento para o caixa da Azul se aprovado. Temos recomendação de Compra para as ações, com preço-alvo de R$ 29,0/ação;
  • A estrutura proposta prevê que a BNDESPAR subscreva até 60% da oferta enquanto os bancos do sindicato colocarão uma garantia firme de até 10%. O valor remanescente deverá ser captado junto a outros investidores através da oferta pública. Com base no preço de fechamento da última sexta-feira, estuma-se uma diluição potencial de ~15% com a emissão do bônus de subscrição.

Eletrobras (ELET6): Proposta de privatização deve ficar apenas para 2021

  • Segundo o Valor Econômico, as negociações em torno do projeto de privatização da Eletrobras esbarraram, novamente, na falta de vontade política da cúpula do Congresso Nacional. O tema havia ganho novo fôlego nas últimas semanas, a partir de articulações envolvendo parlamentares e o Ministério de Minas e Energia, mas não prosperou devido à resistência dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Com isso, a proposta deve ficar apenas para 2021;
  • A recente investida do governo federal buscava reiniciar a tramitação do projeto no Senado. No entanto, segundo o Valor, lideranças afirmam que o tema não seria votado pelos deputados antes das eleições pelo comando do Legislativo, marcadas para fevereiro de 2021. Diante do recado, Alcolumbre passou a defender que não enxergava mais sentido na análise do assunto;
  • Essa desmobilização acontece mesmo após o governo fazer um importante aceno ao Congresso. Há algumas semanas, o Ministério de Minas e Energia sinalizou aos parlamentares concordância com a volta de uma “golden share” (ação especial com direito a veto em decisões estratégicas) da União e a criação de um fundo bilionário para a Região Norte como forma de destravar o andamento do projeto. As duas propostas eram consideradas essenciais para quebrar as resistências de alguns parlamentares. Ainda assim, o tema não deve avançar significativamente em 2020.

Proteínas (MRFG3, BRFS3): China proíbe importações de carne suína vinda da Alemanha; restrição poderia beneficiar Brasil e EUA

  • De acordo com o Financial Times, o Ministério da Agricultura e a Administração Geral das Alfândegas da China (GACC) disseram em um comunicado conjunto no sábado que a China passou a proibir a importação de carne suína e produtos relacionados vindos da Alemanha. Tal proibição teria como objetivo “proteger a indústria chinesa de criação de animais e prevenir a propagação da doença”, após a Alemanha ter registrado seu primeiro caso de Peste Suína Africana (PSA);
  • A proibição ocorreu apenas dois dias antes da realização de uma videoconferência entre o presidente chinês Xi Jinping e Angela Merkel, chanceler alemã, para discutir questões comerciais. A reunião será realizada na segunda-feira e contará também com os presidentes do Conselho Europeu e da Comissão Europeia. Isso levou analistas a acreditarem que a proibição das importações vindas da Alemanha teria mais a ver com considerações políticas do que preocupações com a indústria de suínos da China;
  • Como comentamos na semana passada, entendemos que essa proibição de importações de carne suína vinda Alemanha poderia ser benéfica para frigoríficos expostos à carne suína situados em outros países exportadores, como Brasil e Estados Unidos. No caso do Brasil, tal impulso seria a “cereja no bolo” das exportações do país, cujo ritmo segue em alta tanto para carne bovina quanto para a suína. Confira todos os detalhes no Expresso Alimentos & Bebidas desta semana.

Segundo dados do Inpe, Amazônia teve 1.359 km² sob alerta de desmatamento em agosto

  • Dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgados na última sexta-feira mostra que o desmatamento na Amazônia em agosto permaneceu em níveis elevados, com uma área de 1.359 km² sob alerta de desmatamento no mês, a segunda maior em cinco anos. Comparado ao mesmo mês de 2019, a área foi 21% menor, quando tivemos a marca máxima para o mês, 1.714 km² (gráfico à esquerda);
  • Olhando o ano referência, que diz respeito ao desmate acumulado de julho de 2019 a agosto de 2020, houve um aumento de 34% em relação ao período anterior – que também já tinha apresentado um aumento acentuado, conforme ilustra o gráfico à direita abaixo;
  • A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro, e engloba a área de 8 estados (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e parte do Maranhão. A maior parte da área desmatada da floresta em agosto foi no Pará. Agosto marca o início da temporada de medições de desmatamento nos biomas brasileiros, com as medições sendo feitas até julho do ano seguinte;
  • Vemos a Amazônia como uma responsabilidade de todos, incluindo não só o governo, mas também a iniciativa privada, que tem gradualmente assumido a frente do debate.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.