XP Expert

Pfizer anuncia corte de 50% em sua meta de produção de vacinas para 2020, mas otimismo segue elevado com a possibilidade de pacote fiscal nos Estados Unidos e acordo entre membros da OPEP

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 0,4% | 112.292 Pontos

CÂMBIO -1,41% | 5,16/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Mesmo amenizando a alta depois da notícia de que a Pfizer deve enviar somente metade das doses da vacina contra a covid-19 previstas para esse ano, o Ibovespa teve alta ontem de 0,40%, aos 112.292 pontos. O dólar comercial caiu 1,41%, a R$ 5,16.

As taxas futuras de juros fecharam o dia de ontem em queda novamente, em dia de leilão de LTNs e LFTs pelo Tesouro, com venda integral dos lotes. No entanto, após a etapa regular, a curva reagiu negativamente à notícia de que a Pfizer reduziria pela metade o lançamento de vacinas, o que deverá trazer pressão de alta no dia de hoje. Além disso, ao fim do dia saíram notícias de que o Congresso poderia tentar mudar a Lei de Diretrizes Orçamentárias e levar gastos de 2021 para 2022, o que também foi recebido negativamente. DI jan/21 ficou em 1,91%; DI jan/23 encerrou em 4,53%; DI jan/25 foi para 6,19%; e DI jan/27 fechou em 7,01%.

Mercados internacionais começaram em alta nesta manhã (EUA +0,3% e Europa +0,4%), com as petroleiras se beneficiando do otimismo após o acordo entre membros da OPEP. Do lado negativo, o anúncio da Pfizer de corte de 50% em sua meta de produção de vacinas para esse ano faz o Nasdaq 100 (tecnologia), agora “defensivo”, fechar em patamar recorde.

No cenário internacional, com recorde de mortes causadas pela doença nos EUA nas últimas 24 horas, governadores do país anunciaram mais restrições, enquanto o presidente eleito Joe Biden disse que deve pedir que os americanos usem máscaras por 100 dias.  No lado da política americana, o noticiário destaca o otimismo sobre a possibilidade de que parlamentares cheguem a um acordo para um novo pacote de estímulos à economia em meio ao aumento de casos de Covid-19 no país. E na Europa, a 27 dias do prazo do Brexit, a União Europeia e o Reino Unido ainda não chegaram a um acordo. Apesar do otimismo nos últimos dias, as negociações acabaram em desentendimentos nesta semana. Na agenda de indicadores, destaque para o payroll de novembro nos Estados Unidos, com expectativa de criação de 478 mil postos de trabalho.

No Brasil, foi divulgado ontem o PIB referente ao terceiro trimestre desse ano, que registrou crescimento de 7,7% contra o trimestre imediatamente anterior e queda de 3,9% contra o mesmo trimestre de 2019. O resultado veio abaixo da nossa expectativa (de crescimento de 8,4% na comparação trimestral) e abaixo também do consenso de mercado (que esperava crescimento de 8,7% t/t). No entanto, na comparação anual, o resultado veio em linha com nossas expectativas (de queda de 3,8%) e abaixo das projeções de mercado (de queda de 3,5%). No lado da oferta, indústria e varejo foram os principais destaques positivos, com a população substituindo a demanda de serviços (devido à pandemia) pelo consumo de produtos e bens. Do lado da demanda, os destaques foram o consumo das famílias e os investimentos. Vale ressaltar que o IBGE também revisou o crescimento do PIB de 2019 de 1,1% para 1,4%. Mantivemos a nossa projeção em -4,6% para 2020 e +3,4% para 2021.

Na política, o STF começa a votação que pode abrir caminho para reeleição de Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia. A temperatura da disputa pelo comando da Câmara segue esquentando e governo pode dar a indicação de ministros em troca de apoio a Arthur Lira. De acordo com a mídia, o relator da reforma tributária pode apresentar seu texto no fim da próxima semana. Mas Aguinaldo Ribeiro afirmou ao jornal que só quer enviar o texto quando tiver calendário para votação. Com tempo curto, a reforma deve acabar ficando para 2021. E ontem a Câmara aprovou a MP do Casa Verde e Amarela, substituto do Minha Casa Minha Vida. O texto, agora, será direcionado ao Senado.

Do lado das empresas, ontem a OPEP e seus aliados concordaram em aumentar sua produção em apenas 500 mil barris/dia a partir de janeiro de 2021. O pequeno aumento equivale a cerca de 0,5% da demanda global pré-pandemia de 100 milhões de barris ao dia (mbpd), o que significa um aumento modesto na oferta global. Além disso, poderão ocorrer aumentos sucessivos e graduais de produção de petróleo nos meses posteriores, embora o grupo tenha acordado em revisar o panorama de produção a cada mês tendo em vista o ambiente ainda incerto de demanda para a commodity dada a pandemia da Covid-19. Vemos a notícia como positiva para preços de petróleo, tendo em vista que indica o atingimento de um consenso entre países membros da OPEP+. Além disso, o aumento gradual de produção implicará uma menor pressão sobre estoques de petróleo (e, portanto, preços da commodity) tendo em vista o ambiente ainda incerto de demanda por combustíveis e derivados com a pandemia do novo coronavírus.

Tópicos do dia

Internacional

  1. Política internacional: cresce otimismo por um novo pacote de estímulo nos EUA em meio a aumento de casos de Covid-19
  2. Petróleo: OPEP+ chega a um acordo para elevar a produção em apenas 500 mil barris ao dia a partir de jan/21
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Petrobras (PETR4): Aberta a fase de novas propostas vinculantes para compra da refinaria da Bahia (RLAM)
  2. Papel & Celulose: Leve alta no preço da celulose de fibra curta na China

Veja todos os detalhes

Internacional

Política internacional: cresce otimismo por um novo pacote de estímulo nos EUA em meio a aumento de casos de Covid-19

  • Com recorde de mortes causadas pela doença nos EUA nas últimas 24 horas, governadores do país anunciam mais restrições. Joe Biden disse que deve pedir que americanos usem máscaras por 100 dias;
  • No lado da política americana, o noticiário destaca otimismo sobre a possibilidade de que parlamentares cheguem a um acordo para um novo pacote de estímulos a economia em meio ao aumento de casos de Covid-19 no país;
  • Na Europa, a 27 dias do prazo do Brexit a UE e Reino Unido ainda não chegaram a um acordo. Apesar de otimismo nos últimos dias, negociações acabaram em troca de farpas nesta semana.  

Petróleo: OPEP+ chega a um acordo para elevar a produção em apenas 500 mil barris ao dia a partir de jan/21

  • Segundo o The Wall Street Journal, nesta quinta-feira (03) a OPEP e seus aliados concordaram em aumentar sua produção em apenas 500 mil barris/dia no mês a partir de janeiro de 2021. O pequeno aumento equivale a cerca 0,5% da demanda global pré-pandemia de 100 milhões de barris ao dia (mbpd), o que significa um aumento modesto na oferta global;
  • Além disso, poderão ocorrer aumentos sucessivos e graduais de produção de petróleo nos meses posteriores, embora o grupo de maiores produtores globais de petróleo tenha acordado em revisar o panorama de produção a cada mês tendo em vista o ambiente ainda incerto de demanda para a commodity dada a pandemia da COVID-19;
  • No início desta semana, a OPEP estava inclinada a recomendar a manutenção dos cortes existentes de 7,7 milhões de barris ao dia por até mais três meses. Por outro lado, essa visão enfrentou oposição de alguns países aliados, liderados pela Rússia, que queriam retomar o aumento da produção à medida que os preços de petróleo começavam a se recuperar. Assim, o aumento aprovado corresponde a um meio termo entre os dois lados da discussão dentro da OPEP+;
  • Vemos a notícia como positiva para preços de petróleo, tendo em vista que indica o atingimento de um consenso entre países membros da OPEP+. Além disso, o aumento gradual de produção implicará uma menor pressão sobre estoques de petróleo (e, portanto, preços da commodity) tendo em vista o ambiente ainda incerto de demanda por combustíveis e derivados com a pandemia da COVID-19;
  • Na nossa visão, conforme houver maior visibilidade sobre a aprovação e administração de vacinas para a COVID-19, acreditamos em uma retomada da demanda por derivados de petróleo com o fim de medidas de isolamento social e restrições a viagens. E tal recuperação de demanda deverá levar a uma alta de preços de petróleo, que acreditamos que deva se normalizar por volta da faixa de US$55-60/barril, correspondente ao custo marginal de produção do petróleo de xisto nos EUA e que consideramos como produtor marginal da commodity devido á maior flexibilidade de suas operações.

Empresas

Petrobras (PETR4): Aberta a fase de novas propostas vinculantes para compra da refinaria da Bahia (RLAM)

  • A Petrobras informou ontem, via comunicado ao mercado, que concluiu a fase de negociação com o Grupo Mubadala no âmbito do processo para desinvestimento da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia. Dando seguimento ao processo, foi aberta uma nova rodada de propostas vinculantes, na qual todos os participantes que submeteram propostas anteriormente, inclusive o Grupo Mubadala, devem apresentar suas ofertas finais com base na versão negociada do contrato com o Mubadala. A Petrobras espera receber essas ofertas em janeiro de 2021;
  • Em julho de 2020 o fundo de investimento de Abu Dhabi, Mubadala Investment entrou em negociações exclusivas com a Petrobras para comprar a refinaria RLAM. As negociações duraram meses e não foram públicas. No entanto, como o contrato mudou significativamente no decorrer das negociações, a Petrobras, como prevê o processo, chamou de volta os concorrentes para uma segunda rodada de licitações com base no preço e nas condições acordadas com o Mubadala;
  • Vemos a continuidade do processo de venda da RLAM como positivo, dado que o plano de desinvestimento de ativos da companhia é de grande importância para a avaliação das ações da empresa. Ao todo, estimamos que a RLAM vale entre R$19,7 e R$25,9 bilhões (veja mais no nosso relatório de início de cobertura da Petrobras). Mantemos nossa recomendação de Compra para a Petrobras, com preço-alvo de R$32/ação para PETR4 e PETR3.

Papel & Celulose: Leve alta no preço da celulose de fibra curta na China

  • Os preços da celulose de fibra curta tiveram mais uma leve alta na semana (+US$0,4/t), para US$464,70/t. No longo prazo, acreditamos que os níveis de preço atuais não sejam sustentáveis, na medida em que se encontram há muito tempo abaixo do custo marginal (~US$500/t, em nossa opinião). Adicionalmente, esperamos que uma recuperação da demanda na China seja gatilho para um movimento de recomposição de estoques.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.