XP Expert

Pacto Federativo e Decisão de Política Monetária do BCE em foco

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 1,20% | 101.292 Pontos

CÂMBIO -1,00% | 5,31/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou o pregão de ontem em alta de 1,24%, fechando em 101.292 pontos e seguindo o movimento de alta observado nas bolsas americanas. As taxas futuras de juros operaram durante o dia em queda, com alívio no dólar e dados de inflação. Ao final da sessão, o fechamento da curva desacelerou, principalmente nas taxas longas. DI jan/21 fechou em 1,96%; DI jan/23 encerrou em 4,0%; DI jan/25 foi para 5,80%; DI jan/27 fechou em 6,75%.

Nos Estados Unidos, os futuros operam em baixa nesta manhã, revertendo a alta observada na última sessão. A alta havia em parte resultado de uma performance forte no setor de tecnologia. O movimento de hoje é acompanhado pelos mercados Europeus, que também operam em baixa enquanto aguardam a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) hoje pela manhã. A maioria dos analistas consultados pelo Broadcast acredita que a instituição não fará alterações na política nessa reunião. Apesar disso, o mercado irá monitorar a comunicação do BCE, especialmente em relação à apreciação recente do Euro. Além disso, o Senado dos EUA deve votar hoje sua proposta de estímulo à economia de USD 300 bilhões, que não deve ser aprovada por falta de apoio da oposição. 

No Brasil, a proposta da PEC do pacto federativo, que seria apresentada hoje à noite ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, foi adiada novamente para incluir a definição do programa Renda Brasil. De acordo com o Estadão, o parecer deverá ser apresentado ao presidente Jair Bolsonaro na quarta ou quinta-feira da próxima semana. Além disso, o Senado aprovou ontem um projeto para autorizar que prefeitos e governadores possam aplicar até o fim de 2021 os recursos que sobrarem dos repasses feitos nesse ano. Pelas regras atuais, o prazo de execução terminaria em 2020.

Também ontem foi divulgado pelo IBGE o IPCA referente a agosto, que registrou inflação de 0,24% no mês e de 2,44% no acumulado em 12 meses. Apesar de o cenário inflacionário ter permanecido benigno, alguns alimentos apresentaram alta significativa (como arroz, tomate, frutas, etc), o que nos fez revisar a nossa projeção de IPCA para o final de 2020 de 1,4% para 1,7%. Para o ano que vem, motivados pelo cenário de devolução dos preços de alimentos, revisamos de 2,7% para 2,6%.  Depois da alta apresentada, o Ministério da Justiça notificou 65 supermercados e produtores a explicar em até 5 dias o aumento do preço de alimentos da cesta básica.

Na agenda de indicadores e eventos do dia, os destaques serão a divulgação dos números do varejo brasileiro em julho e dos dados de fluxo rodoviário (ABCR) referentes a agosto. No exterior, o dia é marcado pela decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) e pela coletiva com a presidente da instituição, Christine Lagarde. Além disso, os Estados Unidos informam a inflação e os estoques do atacado, bem como os pedidos semanais de auxílio-desemprego.

Na esfera corporativa, o Grupo Pão de Açúcar anunciou na noite de ontem o início de estudos para a cisão da sua unidade de atacarejo (Assaí), com a listagem das ações na B3. Reconhecemos o potencial valor a ser destravado pela separação dos negócios. Entretanto, na nossa visão é pouco provável que o mercado atribua um múltiplo semelhante ou maior ao atual para a operação de GPA (ex-Assaí). Dessa forma, por ora mantemos a nossa recomendação de Neutro para as ações do GPA e preço-alvo de R$ 70,00 ao final de 2020.

Tópicos do dia

Coronavírus

O caso para se comprar Brasil: Rumo aos 110 mil
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Brasil

  1. Alimentação no domicílio pressiona inflação e motiva revisão de cenário para 2020 e 2021

Internacional

  1. Política internacional: Senado americano deve votar hoje pacote de estímulo à economia de USD 300 bi
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Grupo Pão de Açúcar (PCAR3): Análise sobre a possível cisão do Assaí
  2. Petrobras (PETR4): Retomada da iniciativa anticorrupção do Fórum Econômico Mundial
  3. Copasa (CSMG3): Governo de MG contrata BNDES para prestação de serviços técnicos do processo de privatização da Copasa
  4. Proteínas (MRFG3, BRFS3): de acordo com DLR, importações dos EUA de carne bovina cresceram 41% A/A em julho


Veja todos os detalhes

Brasil

Alimentação no domicílio pressiona inflação e motiva revisão de cenário para 2020 e 2021

  • O IPCA referente a agosto registrou inflação de 0,24% (2,44% no acumulado de 12 meses), em linha com as expectativas de mercado coletadas pela Bloomberg e levemente abaixo das nossas expectativas (+0,29%). Bens duráveis e eletricidade foram as principais surpresas baixistas, enquanto gasolina e alimentação no domicílio foram as principais surpresas inflacionárias;
  • Com as surpresas inflacionárias vindas principalmente de alimentação no domicílio, revisamos a nossa projeção de IPCA para o final de 2020 de 1,4% para 1,7%. Para o ano que vem, motivados pelo cenário de devolução dos preços de alimentos, revisamos de 2,7% para 2,6%;
  • Apesar da revisão, o cenário inflacionário continua benigno e os principais núcleos de inflação, que expurgam da contabilização os itens com os preços mais voláteis, seguem bem-comportados e alinhados com o cenário de Selic a 2,0% a.a. até meados de 2021.

Internacional

Política internacional: Senado americano deve votar hoje pacote de estímulo à economia de USD 300 bi

  • O Senado dos EUA deve votar hoje sua proposta de estímulo à economia de USD 300 bilhões, que não deve ser aprovada por falta de apoio da oposição;
  • Na seara eleitoral, o candidato democrata à presidência, Joe Biden, fez novo aceno ao centro-oeste nesta quarta-feira (9) ao detalhar sua proposta para proteger empregos americanos em discurso em Michigan, estado que Donald Trump venceu por apenas 0.23% em 2016 e hoje volta a apresentar leve vantagem para os democratas (por volta de 3%). Além das medidas anteriormente anunciadas, o ex-vice-presidente disse que pretende elevar os impostos sobre os lucros das empresas americanas no exterior;
  • Biden também voltou a fazer críticas à administração de Trump da pandemia, um dos temas sobre qual o presidente é pior avaliado. Por sua vez, o presidente americano reconheceu em entrevista que minimizou a ameaça representada pelo Covid-19 para não criar pânico;
  • Ainda sobre temas de relevância eleitoral, os EUA anunciaram a retirada de 2 mil militares do Iraque como parte de sua promessa de terminar “guerras intermináveis”.

Empresas

Grupo Pão de Açúcar (PCAR3): Análise sobre a possível cisão do Assaí

  • O Grupo Pão de Açúcar anunciou no dia 9 de setembro, após o fechamento de mercado, que o Conselho de Administração da companhia autorizou o início de estudos para a cisão da sua unidade de atacarejo (Assaí; Sendas Distribuidora S.A.), com a listagem de ações do Assaí na B3 (Novo Mercado) e de ADRs na NYSE;
  • Segundo o comunicado, a reestruturação envolveria a separação do GPA em duas empresas listadas diferentes: (i) CBD, incluindo as operações de Multivarejo (33% das vendas) e América Latina (Éxito; 27% das vendas), e (ii) Assaí (40% das vendas). Dessa forma, caso aprovada a operação, cada acionista atual da companhia (58,4% em circulação e 41,2% Casino) receberia uma participação igualmente proporcional em cada uma das novas empresas;
  • Mantemos Neutro. Reconhecemos o potencial valor a ser destravado pela separação dos negócios – que poderia evidenciar o valor não reconhecido na operação de varejo. Entretanto, levantamos alguns pontos de discussão em relação ao valor da soma das partes: (i) as informações públicas divulgadas pela companhia hoje permitem uma estimativa (ainda que não ideal) de avaliação por soma das partes, (ii) a separação dos dois negócios poderia potencialmente gerar ineficiências, como redundância da estrutura administrativa, (iii) na nossa visão é pouco provável que o mercado atribua um múltiplo igual ao atual ou maior para a operação de GPA (ex-Assaí), dado o menor potencial de crescimento;
  • Dessa forma, por ora mantemos a nossa recomendação de Neutro para as ações do GPA (PCAR3) e preço-alvo de R$ 70,00 ao final de 2020. Atualmente, vemos as ações do GPA negociando a um múltiplo P/L de 17,5x em 2021, que avaliamos como justo. Clique aqui para conferir o conteúdo completo com a nossa análise sobre a potencial geração de valor com a cisão.

Petrobras (PETR4): Retomada da iniciativa anticorrupção do Fórum Econômico Mundial

  • Ontem a Petrobras informou, via comunicado ao mercado, que se tornou novamente signatária da iniciativa anticorrupção Partnering Against Corruption Initiative (PACI) do World Economic Forum – Fórum Econômico Mundial. A PACI é a principal organização internacional de combate à corrupção com agentes de conformidade de grandes multinacionais, organismos internacionais e governos;
  • A participação na PACI traz à Petrobras a oportunidade de discutir e contribuir com players do mercado sobre as melhores práticas de transparência e combate à corrupção, possibilitando o aperfeiçoamento dos processos da companhia e a incorporação de novas ferramentas e metodologias de trabalho. A Petrobras foi membro da organização de 2005 até 2014;
  • O retorno é um reconhecimento dos esforços da companhia na promoção da transparência e combate à corrupção realizados nos últimos anos. Ao longo dos últimos anos, a Petrobras vem implementando diversas medidas de governança, transparência e conformidade, trabalhando para a disseminação da cultura de integridade entre seus colaboradores e suas contrapartes. Mantemos nossa recomendação de Compra em Petrobras com preço-alvo de R$30/ação em PETR4 e R$29/ação em PETR3.

Copasa (CSMG3): Governo de MG contrata BNDES para prestação de serviços técnicos do processo de privatização da Copasa

  • Ontem a Copasa informou, via fato relevante, que o Conselho Mineiro de Desestatização – CMD autorizou a assinatura de contrato com o BNDES, para prestação de serviços técnicos necessários a estruturação e implementação do processo de desestatização da companhia, para a qual é necessária autorização legislativa;
  • Acreditamos que a probabilidade de a Copasa ser privatizada é muito baixa devido: (i) à dificuldade de articulação política do partido do Governador do Estado (Partido Novo) dentro do Congresso do Estado de Minas Gerais que necessita realizar mudanças na Constituição do Estado para viabilizar processos de privatização e (ii) O contrato de Programa da capital do estado, Belo Horizonte (30,9% do faturamento), em que há cláusulas explícitas que levam à anulação do contrato no caso de um processo de privatização (veja mais no link);
  • Em virtude dos motivos apresentados acima, não achamos justa uma eventual valorização das ações da Copasa após notícias referentes à assinatura de contrato entre o Conselho Mineiro de Desestatização e o BNDES para estruturar a privatização da companhia. Na nossa visão, os riscos existentes para o processo deveriam justificar um desconto das ações em relação ao preço atual e à Sabesp em termos de múltiplos. Mantemos nossa recomendação de Venda nas ações da Copasa (CSMG3), com preço-alvo de R$46/ação.  

Proteínas (MRFG3, BRFS3): de acordo com DLR, importações dos EUA de carne bovina cresceram 41% A/A em julho

  • De acordo com o Daily Livestock Report, em julho, as importações dos EUA de carne bovina – fresca, congelada e cozida – aumentaram 41% em relação ao mesmo período no ano anterior. O maior aumento foi nas importações vindas da Nova Zelândia, que registraram um volume praticamente duas vezes aquele do ano anterior. Isso teria acontecido porque o país diminuiu significativamente suas exportações para a China este ano, já que os compradores chineses estariam suprindo a maior parte de suas necessidades via importações vindas da América do Sul, de acordo com Len Steiner;
  • As exportações do Brasil para os EUA aumentaram 141% A/A em volumes. O Brasil embarca carne tanto fresca/congelada (3.473 MT) quanto processada ​​(4.363 MT). Ainda de acordo com o DLR, os embarques brasileiros de carne fresca devem aumentar até o limite da cota; a partir daí, seria mais difícil prever, pois o embarque de produtos fora da cota implicaria no pagamento da tarifa adicional de 26,4%;
  • Em relação às exportações americanas, elas caíram 7% A/A, mas aumentaram 38% versus junho. O principal motivo por trás da queda foi a redução das exportações dos EUA para o México (-52% A/A), parcialmente atenuada pela estabilidade nas exportações para Japão e Coreia do Sul. O DLR observa que esses dois mercados asiáticos responderam por quase 57% de todas as exportações de carne bovina dos Estados Unidos em julho, ou seja, seguem sendo os mais relevantes para os EUA;
  • Consideramos esta notícia positiva porque ela mostra que (i) as exportações do Brasil para a China continuam fortes, principalmente em preços, assim como as exportações do Brasil para os EUA, impulsionadas por volumes; (ii) além disso, as exportações dos EUA para os países asiáticos também permanecem estáveis. Temos perspectiva positiva para a carne bovina no curto e médio prazo e acreditamos que notícias como essa devem beneficiar as empresas expostas ao segmento, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.