XP Expert

Morning Call XP (20.set): A atenção se volta às negociações comerciais EUA-China

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,18% | 104.339 Pontos

CÂMBIO +1,37% | 4,16/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou ontem em leve queda de 0,2% a 104.339 pontos. Após as decisões de cortes de juros pelos bancos centrais americano e brasileiro, o foco se volta às negociações comerciais EUA-China, enquanto representantes comerciais de ambas as nações se preparam para se encontrar.

Nesta manhã, futuros nos EUA negociam em alta, em meio a sessão positiva na Europa com expectativas sobre potencial acordo para o Brexit e mista na Ásia durante a noite. As ações da bolsa de Hong Kong caíram enquanto o Índice de Shanghai subiu apenas 0,3% após o corte modesto da China em sua taxa de referência para novos empréstimos, um passo do banco central para tentar reduzir os custos dos empréstimos e apoiar a economia enquanto a guerra comercial sino-americana se arrasta.

Do lado das commodities, os preços de petróleo fecharam em alta de +1,3% ontem, frente a dúvidas sobre a capacidade de retomada da produção saudita, com rumores de que o país está buscando importar petróleo para cumprir com suas entregas.

O petróleo tipo Brent opera nessa manhã de sexta-feira em leve alta de +0,5%, em US$64,75/barril. Os preços de minério de ferro, por sua vez, seguem pressionados nesta semana e tiveram recuo de 3,31% ontem, para US$93,2/t. Ainda assim, a commodity acumula ganhos de 9% no mês de setembro e 29% no ano.

Voltando ao Brasil, no mundo da política, a operação realizada pela PF em endereços ligados ao líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), foi lida como retaliação a derrotas recentes da Lava Jato. Acreditamos que o episódio, se contido nas proporções atuais, não impactará significativamente a tramitação da reforma da previdência na Casa.

O Ministério da Economia descartou reajustes do salário mínimo abaixo da inflação e mudanças no BPC (Benefício de Prestação Continuada). Ambas medidas foram consideradas na discussão da PEC que aborda as despesas obrigatórias e as regras fiscais, mas houve recuo diante da reação negativa.

Além disso, o governo deve anunciar hoje o descontingenciamento de aproximadamente R$ 12,5 bilhões em virtude de novas receitas oriundas da Lava Jato e menores gastos com folha de pagamento, o que reduz as chances de uma paralisação (shutdown) do governo por falta de verba.

Tópicos do dia

Guia de Investimento

  1. Aumentando a exposição aos pré-fixados

Brasil

  1. Política Brasil: PF investiga o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho
  2. Governo descarta a possibilidade de congelar o reajuste do salário mínimo
  3. Descontingenciamento de R$ 12,5 bilhões no orçamento federal deve ser anunciado hoje
  4. MEC não apoiará aumento da participação da União no Fundeb para 40%

Empresas

  1. Frigoríficos: China aprova licença de exportação para mais plantas argentinas; Pequim libera reservas estatais para garantir suprimento
  2. Siderurgia: Dados fracos para o mês de agosto; Produção de aço bruto tem queda de -13,4% A/A

Renda Fixa

  1. Relatório traz atualização das principais AGDs da última semana
  2. Banco Pan capta R$1 bilhão
  3. Déficit habitacional pode levar quase 30 anos para ser resolvido
  4. Fontes renováveis deverão perder subsídios
  5. CADE aprova aquisição de participações em shoppings pela Aliansce Sonae

COE

  1. Amazon prentede utilizar mais de 100 mil caminhões elétricos até 2030


Veja todos os detalhes

Guia de Investimento

Aumentando a exposição aos pré-fixados

  • Em linha com nosso comunicado divulgado ontem, após mais um corte da taxa básica de juros em 50bps, fizemos um ajuste nos percentuais por classe de ativo, em todos os perfis. Aumentamos a exposição aos pré-fixados sendo a sugestão de alocação principalmente em ativos bancários com prazo entre 2 e 3 anos;
  • Esse ajuste tático é por vislumbramos bons potenciais de ganhos nesses ativos, devido: (1) aumento da convicção em relação às taxas de juros mais baixas por mais tempo; (2) ao mercado ainda não ter precificado os cortes de juros que prevemos ainda esse ano; (3) além de não precificar todos os cortes, quando analisamos as projeções do mercado, os preços anteveem um ciclo de alta de juros começando no primeiro trimestre do ano que vem;
  • Para ler o conteúdo na íntegra e saber o novo percentual de alocação na classe de ativos para cada perfil, clique aqui .

Brasil

Política Brasil: PF investiga o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho

  • Autorizada pelo ministro Barroso, do STF, a PF realizou operação em endereços ligados ao líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). O parlamentar imediatamente colocou o cargo à disposição do presidente, que ganha um problema para resolver. Por um lado, a demissão do líder agradaria seus apoiadores contra a corrupção e aqueles que rejeitam a política tradicional. Por outro, poderia estabelecer um precedente da atuação do presidente para possíveis episódios semelhantes no futuro e enfraquecer ainda mais a relação entre governo e Congresso. No mundo da política, a operação foi lida como retaliação a derrotas recentes da Lava Jato. Acreditamos que o episódio, se contido nas proporções atuais, não impactará significativamente a tramitação da reforma da previdência na Casa;
  • O Ministério da Economia descartou reajustes do salário mínimo abaixo da inflação e mudanças no BPC. Ambas medidas foram consideradas na discussão da PEC que aborda as despesas obrigatórias e as regras fiscais, mas houve recuo diante da reação negativa.

Governo descarta a possibilidade de congelar o reajuste do salário mínimo

  • De acordo com O Globo, o governo descartou a possibilidade de congelar o salário mínimo para conter o crescimento de despesas obrigatórias. A ideia de congelamento temporário chegou a ser considerada pela equipe econômica até a semana passada, que elaborou uma proposta de emenda à Constituição (PEC) para revisas as regras fiscais;
  • O Ministério da Economia afirmou ontem que o plano não faz parte das medidas de ajuste em estudo e que, portanto, o salário mínimo deve continuar tendo reajustes periódicos que preservem o poder aquisitivo dos trabalhadores. O Ministério informou também que está fora de cogitação mexer nas regras do Benefício de Prestação Continuada (BPC), aposentadoria paga a idosos de baixa renda;
  • Por outro lado, o texto em discussão prevê outros gatilhos para reduzir os gastos e liberar dinheiro para investimentos. Uma das possibilidades é permitir que o governo reduza salários de servidores, o que pouparia cerca de R$ 8 bilhões por ano. Outra medida em análise é suspender o pagamento do abono salarial, o que geraria uma economia estimada de R$ 16,6 bilhões.

Descontingenciamento de R$ 12,5 bilhões no orçamento federal deve ser anunciado hoje

  • Após verificar uma redução de aproximadamente R$ 6 bilhões nas despesas previstas em gastos com pessoal e da recuperação de aproximadamente R$ 2,6 bilhões pela operação Lava Jato, o governo deverá anunciar hoje o descontingenciamento de aproximadamente R$ 12,5 bilhões;
  • O bloqueio de aproximadamente R$ 34 bilhões do orçamento federal ocorreu com a frustração de arrecadação com relação ao projeto orçamentário enviado inicialmente ao congresso no começo do ano;
  • A medida reduzirá as chances de uma paralisação (shutdown) das atividades de alguns ministérios.

MEC não apoiará aumento da participação da União no Fundeb para 40%

  • De acordo com o Estadão, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse ontem que não apoiará no Congresso a proposta da deputada Dorinha Rezende (DEM-TO) para o novo modelo do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que hoje responde por mais de 63% das verbas disponíveis para os níveis fundamental e médio;
  • Dorinha defende o aumento da participação da União dos atuais 10% para 40% no longo prazo, o que, de acordo com Weintraub, poderia ferir o equilíbrio fiscal do governo. O Ministério da Educação estuda a possibilidade de aumentar esse porcentual para 15% gradativamente, desde que este incremento seja atrelado a cláusulas de desempenho dos governos beneficiados;
  • O Ministério da Educação (MEC) se baseia em estudos que estabelecem um investimento mínimo de R$4,3 mil por aluno, por ano, e diz que os 15% de verbas federais são suficientes para atingir esse patamar. O Ministério da Economia afirmou, por meio de nota, que apoia o aumento da parte da União no Fundeb para 15% desde que a fonte dos recursos sejam os fundos constitucionais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Empresas

Frigoríficos: China aprova licença de exportação para mais plantas argentinas; Pequim libera reservas estatais para garantir suprimento

  • Segundo a Reuters, a alfândega chinesa disse ontem que aprovou licenças de exportação para algumas plantas de processamento de carne argentinas, à medida que países asiáticos buscam garantir a oferta frente ao surto de peste suína africana. Em agosto, o rebanho suíno chinês teve recuo de 38,7% A/A. As companhias que foram aprovadas ainda não foram divulgadas;
  • Além disso, a China liberou ontem 10kt de carne suína, 2,4kt de carne bovina e 1,9kt de carneiro de suas reservas estatais para assegurar o suprimento durante o feriado do Dia Nacional, disse o ministério de Comércio do país. Segundo o órgão, com um aumento significativo nas importações de carne e com volumes ainda altos de carne congelada em reservas, o suprimento está assegurado;
  • A pasta disse que irá continuar monitorando a oferta e os preços da carne suína enquanto coordena com outros departamentos de governo a liberação de carnes das reservas estatais conforme necessário para garantir a oferta no mercado.

Siderurgia: Dados fracos para o mês de agosto; Produção de aço bruto tem queda de -13,4% A/A

  • A retomada ainda lenta da economia, somada às paradas de altos-fornos da CSN e da ArcelorMittal Tubarão, impactaram o setor siderúrgico, que teve um desempenho fraco no mês de agosto;
  • Segundo dados do Instituto Aço Brasil, a produção brasileira de aço bruto teve queda de -13,4% A/A em agosto, recuo de -5,4% no acumulado do ano. Do lado da CSN, a reforma do alto-forno, conforme a empresa, será concluída somente em outubro, pois os trabalhos tiveram de ser ampliados nas instalações. Na ArcelorMittal, segundo o Valor Econômico, o equipamento não tem previsão de retorno neste ano. As vendas internas de aço, por sua vez, recuaram -7,2% A/A, queda de -1,5% de janeiro-agosto. O consumo aparente (vendas internas + importações) foi de 1,8mt, 7,5% inferior vs. agosto de 2018;
  • Mantemos nossa visão cautelosa para o setor. Conforme temos mencionado, com sinais ainda marginais de uma recuperação na demanda de aço, vemos um ambiente bastante desafiador ao longo do próximo ano, com demanda fraca e dificuldade para aumento de preços.

Renda Fixa

Relatório traz atualização das principais AGDs da última semana

  • Em relatório publicado hoje, trazemos os destaques das AGDs que acompanhamos ao longo da semana, além da agenda de próximas assembleias. O conteúdo pode ser acessado aqui;
  • Acompanhe semanalmente esses destaques através da página de conteúdos de Renda Fixa!

Banco Pan capta R$1 bilhão

  • Segundo informações do Valor Econômico, o Banco Pan fixou o preço por ação em seu follow on (oferta subsequente) em R$8,25 por ação (desconto de 8% na cotação de ontem), somando R$1,04 bilhão ao considerar o número de ações da oferta;
  • O Banrisul cancelou nos últimos dias sua oferta inicial de ações (IPO), fazendo com que interessados migrassem para outra oferta do setor bancário;
  • Gestores acreditam que o apetite de investidores é grande para esse tipo de ofertas, sendo positivo para o setor.

Déficit habitacional pode levar quase 30 anos para ser resolvido

  • De acordo com o Valor Econômico, levando em consideração o atual ritmo de financiamento e de crescimento populacional, poderá levar 29 anos para que o déficit habitacional no Brasil acabe. As estimativas são da Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias);
  • Atualmente, o déficit habitacional é de 7,8 milhões de moradias e seriam necessários 14 anos para saná-lo. No entanto, o déficit crescerá em 9 milhões de moradias nos próximos 10 anos, aumentando o período para resolução. Desse total adicional, cerca de 70% seriam enquadrados no programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), que tem o FGTS como principal fonte de recursos. A Abrainc enxerga que as mudanças nas regras de saques do FGTS comprometem fortemente a capacidade de investimento do FGTS em habitação;
  • Acreditamos que, caso a questão de financiamento seja sanada, o déficit habitacional seguirá representando uma alavanca de crescimento para as construtoras, principalmente aquelas que atuam no âmbito do MCMV. No entanto, é necessário acompanhar eventuais mudanças no programa e na capacidade de financiamento do FGTS.

Fontes renováveis deverão perder subsídios

  • De acordo com o Valor Econômico, a proposta de modernização do setor elétrico deve acabar com incentivos a novos projetos de geração eólica, solar, térmica a biomassa e PCHs (pequenas centrais hidrelétricas);
  • Atualmente, o incentivo se dá através de descontos no uso de redes de transmissão e distribuição, que são arcados pelos consumidores através das tarifas. A visão da Aneel é de que o mercado de fontes de renováveis já está maduro e pode competir sem a necessidade de incentivos;
  • O efeito disso aos consumidores será positivo. Para as empresas de energias renováveis, o impacto só será sentido no caso de novos leilões, uma vez que os contratos existentes não deverão sofrer mudanças. Vale acompanhar se as novas regras reduzirão o interesse de investidores em novos projetos.

CADE aprova aquisição de participações em shoppings pela Aliansce Sonae

  • O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou a aquisição de participação em três empresas de espaços comerciais em shoppings (DBG Ziben, Atalaya e Al Malls) pela Aliansce Sonae e pelo fundo de investimento Malls Brasil Plural (Mall BP). As empresas cujas participações foram adquiridas têm presença em São Paulo, Bahia e Rio de Janeiro. As informações são do Valor Econômico;
  • As participações adquiridas são referentes a espaços em shopping que a Aliansce Sonae já tem presença (Shopping Taboão, Shopping Grande Rio e Lojas C&A do Shopping da Bahia). A transação não deverá apresentar impacto significativo na saúde financeira da Aliansce Sonae.

COE

Amazon prentede utilizar mais de 100 mil caminhões elétricos até 2030

  • O atual presidente e fundador da gigante varejista, Jeff Bezos, anunciou que está nos planos do grupo a utilização de mais de 100 mil caminhões elétricos para entrega de produtos até 2030;
  • O objetivo é ajudar no cumprimento da meta global de menos carbono – Acordo Climático de Paris, que se encerrará em 2040. Além disso, o grupo pretende atingir 80% de seu uso de energia oriundo de fontes renováveis até 2024, acima dos atuais 40%;
  • No início deste ano, a Amazon liderou uma rodada de financiamento de US$ 700mi para que a a startup, Rivian Automotive, consiga atingir suas metas de produção de caminhões elétricos. Segundo a gigante varejista, os veículos elétricos começarão a ser utilizados para entregas até 2021. A empresa planeja ter 10 mil veículos elétricos na estrada já em 2022 e todos os 100 mil até 2030.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.