XP Expert

XP Morning Call 13/05/2019: Guerra comercial segue em foco

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Resumo de Resultados

  1. 1T19: Resumo dos resultados e o que focar para frente

Brasil

  1. Política Brasil: Moro a ser indicado ao STF; Discussão sobre o COAF
  2. IPCA de abril fica 0,18 ponto percentual abaixo da taxa registrada em março

Internacional

  1. Petróleo: Arábia Saudita afirma que 2 navios petroleiros foram atacados na costa dos Emirados Árabes, Brent + 1,6%

Empresas

  1. Movida (MOVI3): Atualização pós 1T19; Elevamos preço-alvo para R$ 13,5/ação
  2. Suzano (SUZB3): Anúncio de corte de produção impulsionou as ações, mas falta de visibilidade reverte ganhos
  3. Vietnã abate 1,2 milhões de porcos à medida que a febre suína africana se espalha no país

COE News

  1. Citigroup: Continuidade do plano de inovação, foco no banco digital

Resumo

Guerra comercial segue em foco

Mercados globais começam a semana em queda, após a pior semana de 2019, com incerteza ainda grande em relação aos próximos passos das negociações comerciais entre os EUA e a China.

O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse à Fox News no domingo que as tarifas dos EUA permanecerão em vigor enquanto as negociações continuarem, e que a China convidou o representante de comércio americano e o secretário do Tesouro de volta a Pequim, embora ainda sem uma data marcada.

Entretanto, as notícias também ressaltam que Trump teria dado seu aval para estudar tarifas adicionais para os outros US$325bi importados da China, enquanto jornais chineses trazem tom mais desafiador, e o receio é de medidas retaliatórias.

A expectativa é que Trump se reúna com o presidente chinês Xi Jinping durante a reunião do G20 no final de junho, onde poderíamos ter avanços. Até lá, a incerteza deve ser grande, à medida que potenciais tarifas adicionais americanas ou medidas de retaliação chinesas teriam forte impacto no crescimento global.

No Brasil, Bolsonaro diz que indicará Moro ao STF, provavelmente para a vaga de Celso de Mello, que se aposentará em 2020. O movimento do presidente que frearia possível ambição maior do ministro da Justiça tem resistência no Congresso.

Além disso, foco na política está em dois movimentos do PSL: (1) movimento a favor da manutenção do COAF com Moro e (2) contra acordos com os partidos de centro, em especial a negociação envolvendo ministérios. Caso o Planalto siga os parlamentares, o risco é de tensão e, portanto, atrasos na aprovação da previdência.

Nesta quarta-feira, a oposição promete fazer manifestações relevantes. A pauta era contra a reforma da previdência, mas aproveitaram os cortes na educação para engrossar o movimento. Se confirmadas as expectativas dos organizadores, será o primeiro protesto de rua relevante contra o governo.

Segundo a Reuters, o Vietnã abateu mais de 1,2 milhão de porcos infectados com a peste suína africana (de ~30 milhões de suínos criados no país), enquanto o vírus continua a se espalhar rapidamente na região.

As ações dos frigoríficos brasileiros têm sido impulsionadas pela proliferação da doença na Ásia, que pode impactar significativamente a oferta/demanda de proteínas no mundo. Acreditamos que novas notícias sobre o caso devem manter os papéis sustentados. Recomendamos compra de JBS e Marfrig, Neutro em BRF.

Ainda do lado das empresas, as ações da Suzano caíram quase 9% na última sexta à medida que a empresa deixou de passar perspectiva mais clara em relação a sua estratégia comercial e à potencial retomada de preço de celulose.

Atualizamos hoje nossas estimativas para a Movida (MOVI3) a fim de incorporar os resultados do 1T19 e perspectivas atualizadas de crescimento – elevamos o preço-alvo para R$ 13,5/ação (potencial +14%), mantendo recomendação neutra.

Por último, em relação aos resultados, durante a última semana, destacamos no campo positivo a BR Distribuidora, Gerdau, CSN e Unidas, enquanto a Vale, Suzano, BRF e B2W divulgaram resultados mais fracos que o esperado. A próxima semana marca o fim da temporada de resultados, com destaque para: Segunda-feira: Cosan, JBS; Terça-feira: Banrisul e Taesa; Quarta-feira: Ultrapar, Marfrig e Cemig.


Conteúdo na íntegra

Resumo de Resultados

1T19: Resumo dos resultados e o que focar para frente 

  • Com a maior parte da temporada de resultados completa, apesar da atividade mais fraca no Brasil, as empresas registraram resultados em média ligeiramente melhores que o esperado, embora com maiores destaques negativos. Durante a última semana, destacamos no campo positivo a BR Distribuidora, com melhorias de margens em praticamente todas as linhas de negócio. Gerdau, CSN e Unidas também divulgaram resultados acima das nossas expectativas. Por outro lado, Vale, Suzano, BRF e B2W divulgaram resultados mais fracos que o esperado. Os resultados de AES Tietê, Engie, B3, Pão de Açúcar e Carrefour vieram em linha com nossas expectativas;
  • Essa semana marca o fim da temporada de resultados, com destaque para: Segunda-feira: Cosan, JBS; Terça-feira: Banrisul e Taesa; Quarta-feira: Ultrapar, Marfrig e Cemig;
  • Resumimos no relatório completo os principais destaques até agora, bem como o que focar nos próximos resultados. Clique no link para acessar o relatório completo

Brasil

Política Brasil: Moro a ser indicado ao STF; Discussão sobre o COAF

  • Bolsonaro diz que indicará Moro ao STF, provavelmente para a vaga de Celso de Mello, que se aposentará em 2020. O movimento do presidente que freia possível ambição maior do ministro da Justiça tem resistência no Congresso, que pode acelerar mudança da regra de aposentadoria compulsória na corte, de 75 para 80 anos;
  • 40 deputados do PSL se reuniram com o presidente para transmitir sua posição em relação a dois pontos: são a favor da manutenção do COAF com Moro e contra acordos com os partidos de centro, em especial a negociação envolvendo ministérios. A movimentação teve apoio de Carlos Bolsonaro nas redes. Caso o Planalto siga os parlamentares, aumenta o risco de caducar a MP 870, o que significaria a restauração da estrutura com 29 ministérios, e de atrasos na aprovação da previdência;
  • Oposição promete manifestações relevantes nesta quarta-feira. A pauta era contra a reforma da previdência, mas aproveitaram os cortes na educação para engrossar o movimento. Se confirmadas as expectativas dos organizadores, será o primeiro protesto de rua relevante contra o governo.
     

IPCA de abril fica 0,18 ponto percentual abaixo da taxa registrada em março

  • Em abril, o IPCA foi de 0,57% e ficou 0,18 ponto percentual abaixo da taxa registrada em março (0,75%). Apesar da queda, a taxa acumulada no ano é de 2,09% e de 4,94% nos últimos 12 meses, ante os 4,58% nos 12 meses imediatamente anteriores;
  • Os principais responsáveis pela desaceleração foram os grupos de Alimentação e bebidas, Artigos de residência, Vestuário, Transportes e Educação;
  • O resultado registrado em abril reforçou a mensagem já transmitida pelo Copom em seus informes: a inflação continua a correr em níveis apropriados, mas não mais em níveis confortáveis como anteriormente. Por isso, a continuidade da agenda de reformas será essencial para a manutenção da inflação em direção à meta tanto no médio quanto no longo prazos.

Internacional

Petróleo: Arábia Saudita afirma que 2 navios petroleiros foram atacados na costa dos Emirados Árabes, Brent + 1,6%

  • Os preços do petróleo Brent sobe,+ 1,6% após a Arábia Saudita afirmar que dois dos seus petroleiros estavam sob ataque ao largo da costa dos Emirados Árabes Unidos no domingo, embora sem quaisquer fatalidades ou derrames de petróleo. Um dia antes, os Emirados Árabes também mencionaram que 4 navios comerciais foram sabotados no principal centro de reabastecimento de navios-tanque da região;
  • Apesar de nenhum grupo ou país ter assumido a responsabilidade pelos ataques, as notícias reforçaram os temores de riscos geopolíticos mais altos no Golfo com a maior pressão dos EUA sobre o Irã, na medida que este último ameaça fechar o Estreito de Ormuz para que outros países da região exportem petróleo.

Empresas

Movida (MOVI3): Atualização pós 1T19; Elevamos preço-alvo para R$ 13,5/ação

  • Estamos atualizando nossas estimativas para a Movida (MOVI3) a fim de incorporar os resultados do 1T19 e perspectivas atualizadas de crescimento. Elevamos nosso preço-alvo para R$ 13,5/ação, mantendo recomendação neutra;
  • A Movida registrou resultados bons no último trimestre, e destacamos (1) o forte crescimento no volume de diárias tanto no segmento de aluguel de carros (RAC) como gestão de frotas (GTF), com um aumento simultâneo de 300 bps na margem EBITDA de RAC (desconsiderando os efeitos do IFRS 16), ajudado por um ambiente de preços benigno e pela alavancagem operacional. Destacamos também (2) a melhoria sequencial do retorno sobre o capital investido (ROIC);
  • Estimamos um crescimento de volume de diárias consolidado em torno de 22% em 2019 e 12% em 2020, impulsionado pelo segmento de GTF, mas parcialmente limitado pelo endividamento da empresa. As margens devem melhorar sequencialmente, e o segmento de Seminovos continua sendo o principal desafio em nossa visão. Vemos as ações negociando a ~15,6x P/L 2019 e 12,2x P/L 2020. Para acessar o relatório completo, por favor acesse esse link.

Suzano (SUZB3): Anúncio de corte de produção impulsionou as ações, mas falta de visibilidade reverte ganhos

  • Na quinta-feira, a Suzano anunciou ao mercado que o volume de produção de celulose de mercado em 2019 deverá alcançar entre 9,0-9,4mt (vs. capacidade de 10,9mt). Esse é um passo importante para reduzir os estoques de celulose no mercado, além de ser uma sinalização importante quanto à disciplina de oferta, o que é positivo para preço de celulose. Frente ao anúncio, as ações da Suzano responderam e fecharam o dia com alta de +6,98%;
  • Ainda na quinta-feira, após o fechamento do mercado, a Suzano divulgou seus resultados pro 1T, que foram fracos, com EBITDA de R$2,8bi, 5% abaixo do nosso (-22% T/T), mas, no geral, em linha com o consenso. Embora fraco, todo o foco do mercado estava em potenciais atualizações que pudessem ser dadas na teleconferência de resultados na sexta-feira, referente ao anúncio do corte de produção de 1,5-1,9mt, e o planejamento do volume a ser vendido. Contudo, poucos detalhes foram dados pela empresa no que se refere a sua estratégia comercial, bem como sobre as perspectivas para o preço de celulose, o que, junto com um resultado fraco, pesou no sentimento do mercado, com as ações recuando -8,72% na sexta-feira, revertando os ganhos vistos no dia anterior;
  • Em nossa visão, embora as ações permaneçam descontadas, a falta de visibilidade em relação a uma potencial recuperação do preço de celulose pode pesar no desempenho das ações. Para acessar nosso relatório completo sobre o resultado do 1T, clique aqui.

Vietnã abate 1,2 milhões de porcos à medida que a febre suína africana se espalha no país

  • De acordo com Reuters, o Vietnã abateu mais de 1,2 milhão de porcos criados infectados com a peste suína africana, disse o governo na segunda-feira, enquanto o vírus continua a se espalhar rapidamente no país do sudeste asiático; 
  • A carne suína representa três quartos do consumo total de carne no Vietnã, um país de 95 milhões de pessoas onde a maioria dos 30 milhões de suínos criados em fazendas é consumida internamente. O vírus foi detectado pela primeira vez no Vietnã em fevereiro e se espalhou para 29 províncias, incluindo Dong Nai, que fornece cerca de 40% da carne suína consumida na cidade de Ho Chi Minh, centro econômico do sul do Vietnã;
  • As ações dos frigoríficos brasileiros tem sido impulsionadas pela proliferação da doença na Ásia, que pode impactar significativamente a oferta/demanda de proteínas no mundo. Acreditamos que novas notícias sobre o caso devem manter os papeis sustentados. Recomendamos compra de JBS e Marfrig, Neutro em BRF.

B2W (BTOW3): Avalia cindir operação da Ame Digital

  • Segundo o Valor Econômico, a B2W estuda separar a Ame Digital, braço de pagamentos da B2W, de suas operações. A possibilidade de criar um negócio com foco exclusivo em inovação e tecnologia, e que cresça por meio de uma operação autônoma, fez o comando avaliar o plano de cisão da Ame;
  • Caso o plano de separação seja concretizado, a Ame poderia, por exemplo, fazer parcerias com outras varejistas e empresas, ampliando acordos e serviços, segundo fontes a par da situação. Pelo modelo em discussão, numa nova estrutura acionária, a Lojas Americanas, controladora da B2W, também seria sócia indireta da Ame, com a B2W se mantendo como acionista;
  • Na sexta-feira, em teleconferência sobre os resultados do 1T19, quando questionada sobre o assunto, a B2W não deu detalhes. Informou que está trabalhando no tema e será feito um anúncio assim que a questão for resolvida. Mantemos recomendação de compra para B2W. Porém, acreditamos que os investidores aguardam maior visibilidade sobre ganhos e estrutura societária da Ame Digital para ganharem convicção no papel. Portanto, esperamos que as ações continuem pressionadas no curto prazo, também impactadas pela volatilidade e cenário competitivo no setor.

BRF (BRFS3): Fraco 1T19, mas todos os olhos voltados para os potenciais impactos da febre suína da China

  • A BRF reportou resultados fracos no 1T19, com EBITDA ajustado de R$ 590 milhões (excluindo o efeito positivo de R$ 158 milhões de mudança contábil), 8% abaixo de nossas estimativas devido aos resultados mais fracos do que o esperado no Brasil, parcialmente compensados ​​por resultados Halal mais fortes que o esperado. A margem EBITDA consolidada de 8% foi 97 bps acima da nossa;
  • A alavancagem líquida da BRF atingiu 5,6x, enquanto a geração de caixa operacional foi de R$ 512 milhões. A empresa reiterou sua meta de 3,65x dívida líquida/EBITDA no fim de 2019 e destacou uma tendência positiva para o ano com menor pressão dos custos de grãos (que já declinaram 6,7% neste ano), reposicionamento de preços e os impactos positivos da febre suína, que devem ser vistos no segundo semestre, uma vez que os estoques ainda estão altos no país;
  • Segundo a empresa, o Brasil não teria capacidade de suprir a demanda total da China, enquanto a BRF precisaria de habilitações, já que suas plantas já estão atualmente exportando todo volume para o país. Além disso, uma quebra de produção da China de 20% levaria a um aumento na demanda de 11-12mt do país, que não poderia ser suprido por nenhuma outra proteína no curto prazo. De fato, a BRF é capaz de aumentar sua produção de frango em 2-3% sem investimentos em ativos, mas destacou que é cautelosa em investimentos de capacidade, dado que o ciclo poderia reverter nos próximos anos;
  • Vemos as ações negociando a 11,6x EV/EBITDA 2019 e 9,2x em 2020, justo em nossa visão. Mantemos recomendação Neutra, com preço-alvo de R$28/ação. Clique aqui para acessar nota completa.

Caixa: Processo de IPO do braço de seguros é iniciado

  • Pedro Guimarães, CEO da Caixa, pretende executar o IPO da Caixa Seguridade no segundo semestre de 2019. O banco iniciou o processo de IPO enviando solicitações de propostas para os bancos na semana passada, que devem responder em dez dias;
  • Segundo Guimarães, a empresa será listada tanto na B3 do Brasil quanto na bolsa de Nova Iorque e, portanto, o coordenador líder da oferta deverá ser um banco estrangeiro. A divisão de banco de investimento da Caixa também participará da oferta;
  • No mesmo evento, Guimarães também apresentou o novo produto da Caixa, o cartão de crédito consignado, que já é explorado por outros bancos e apresenta grande potencial de penetração em sua base de cliente.


Walmart encerra operação de marketplace no Brasil

  • Segundo o Estadão, o Walmart encerra sua operação de vendas online através do marketplace no Brasil. A estratégia segue a decisão anunciada em 2017 de encerrar as vendas online de produtos próprios;
  • A operação de marketplace do Walmart contava com 3,000 varejistas vendendo através de sua plataforma (versus 25,500 na B2W e 5,000 na Magazine Luiza no 1T19) e, segundo a empresa, as vendas eram tão pequenas que se comparavam a de um hipermercado de baixo desempenho. O foco do Walmart deve continuar nas operações de varejo físico, com destaque para o formato de Atacarejo;
  • Não vemos significativas mudanças no ambiente competitivo do segmento online com a saída do Walmart, tendo em vista o tamanho de sua operação, e acreditamos que o mercado deve permanecer concentrado nos grandes players como Mercado Livre, B2W, Via Varejo e Magazine Luiza.

Carrefour (CRFB3): Comunica em Fato Relevante decisão de provisão de processos relacionados a ICMS

  • Em Fato Relevante, o Carrefour Brasil comunicou a decisão de provisionar integralmente o valor de processos relacionados a créditos de ICMS de produtos da cesta básica, que até final do 1T19 somavam R$815 milhões. Para comparação, o EBITDA ajustado do Carrefour em 2018 somou R$4,2 bilhões;
  • A abordagem cautelosa de revisar a probabilidade de êxito desses processos segue a decisão, ainda não publicada na imprensa oficial, de rejeição dos embargos pelo Supremo Tribunal Federal. A referida decisão pode estar sujeita a recurso e o impacto no caixa da empresa dependerá do êxito e do cronograma desses processos.

COE News

Citigroup: Continuidade do plano de inovação, foco no banco digital

  • Com o objetivo de assegurar o crescimento no médio prazo, os dirigentes do Citigroup seguem com o plano de inovação da operação de varejo nos EUA, com destaque para promoções e novas funcionalidades do cartão de crédito, e sobretudo, banco digital via o app para smartphone. Além disso, as operações de varejo na Ásia e no México continuam a apresentar relevante potencial de crescimento;
  • Os dirigentes do Citi estão convencidos de que boa parte de sua base de clientes está pronta para deixar o formato padrão de agências para embarcar no formato digital. O banco recebeu aproximadamente US$ 1bi em depósitos digitais no 1T19, número superior ao total de depósitos em 2018. Cerca de dois terços desse total vieram de novos clientes, e um pouco mais da metade veio de pessoas que moram em regiões que o Citi não possui cobertura dentre suas 700 agências nos EUA;
  • Uma pesquisa realizada em meados de 2018 pela consultoria Accenture constatou que 84% dos clientes bancários dos EUA ainda visitam as agências ao menos uma vez por ano, indicado o vasto potencial da operação digital.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.