XP Expert

Divulgação do PCE – medida de inflação preferida do Fed – é destaque

Inflação nos EUA é o tema de maior destaque nesta sexta-feira, 30/09/2022

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,73% | 107.664 Pontos

CÂMBIO +0,41% | 5,40/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

Mercados amanhecem em alta, porém ainda preocupados com os temores de recessão e apertos monetários pelos bancos centrais mundiais. Na agenda de hoje, destaque principal para o PCE de agosto, indicador de consumo pessoal considerado a medida de inflação preferida do Fed.

Brasil

O Ibovespa fechou em queda de -0,7%, aos 107.664 pontos, com performance melhor do que a maioria dos índices internacionais. Frente ao real, o dólar fechou em baixa de +0,41%, a R$ 5,40. As taxas futuras de juros fecharam perto da estabilidade, arrefecendo o movimento de mercado registrado na quarta-feira. Apesar de a sessão ter se iniciado com avanços nas taxas de juros, a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), considerando o primeiro corte de juros em junho do próximo ano, e o leilão do Tesouro Nacional inverteram a dinâmica. DI jan/23 fechou em 13,695%; DI jan/24 encerrou em 12,88%; DI jan/25 foi para 11,745%; DI jan/27 fechou em 11,695%; e DI jan/29 foi para 11,86%.

Mundo

Mercados globais amanhecem positivos (EUA +0,9% e Europa +1,2%) após uma sequência de perdas não vista desde 2008-09 em meio aos temores de recessão e apertos monetários. Nos EUA, o foco ficará com a divulgação do PCE, indicador de inflação preferido do Federal Reserve, e do índice de confiança do consumidor. Na Europa, a taxa de desemprego da Zona do Euro permaneceu constante em 6,6% e a prévia da inflação veio em 10%, no acumulado dos últimos 12 meses, vs. 9,6% das expectativas. Na China, o índice de Hang Seng (+0,3%) encerra em leve alta, após o PMI de manufaturas registrar 50,1 pontos, uma surpresa positiva vs. as expectativas de 49,6 pontos do consenso da Reuters. Ainda assim, o índice de Hong Kong encerrou setembro com a sua pior performance trimestral dos últimos 11 anos.

Inflação da Zona do Euro

A inflação na zona do euro aumentou em 1,2% em Setembro, acima das expectativas do mercado de 0,9%, levando taxa de variação anual de 9,1% em agosto para 10,0% em setembro, mais um recorde. No geral, a inflação mostrou uma pressão contínua se espalhando por todos os setores e países e, como esperávamos, energia e alimentos pressionaram o aumento deste mês mais uma vez e continuam sendo a principal preocupação. Esse número pressionará o Banco Central Europeu a mais aumento da taxa de juros, uma vez que se espera que as decisões permaneçam dependentes de dados, e o mercado espera elevação da taxa de 0,75 p.p. na próxima reunião. Daqui para frente, as perspectivas de inflação e política monetária provavelmente permanecerão reféns do conflito geopolítico Rússia-Ucrânia, dado seu impacto deletério nas economias da região, que continua pressionando as cadeias de suprimentos e, em particular, os preços da energia.

PIB do Reino Unido

No Reino Unido, o PIB do segundo trimestre subiu 0,2%, uma melhora surpreendente em relação à estimativa anterior de queda de 0,1%, o que significa que uma recessão de verão foi evitada apesar da crise do custo de vida.

Índice de gerente de compras da China

O índice de gerentes de compras (PMI) industrial da China subiu de 49,4 em agosto para 50,1 em setembro, resultado acima das expectativas de 49,8 do mercado. A leitura acima de 50 sugere expansão da atividade. Já o PMI de serviços recuou de 52,6 para 50,6 no período, ainda no território de expansão.

Veja todos os detalhes

Economia

Os dados sobre a inflação na UE e nos EUA são destaques da agenda

  • A inflação na zona do euro aumentou em 1,2% em Setembro, acima das expectativas do mercado de 0,9%, levando taxa de variação anual de 9,1% em agosto para 10,0% em setembro, mais um recorde. No geral, a inflação mostrou uma pressão contínua se espalhando por todos os setores e países e, como esperávamos, energia e alimentos pressionaram o aumento deste mês mais uma vez e continuam sendo a principal preocupação. Esse número pressionará o Banco Central Europeu a mais aumento da taxa de juros, uma vez que se espera que as decisões permaneçam dependentes de dados, e prevemos elevação da taxa de 0,75pp na próxima reunião. Daqui para frente, as perspectivas de inflação e política monetária provavelmente permanecerão reféns do conflito geopolítico Rússia-Ucrânia, dado seu impacto deletério nas economias da região, que continua pressionando as cadeias de suprimentos e, em particular, os preços da energia;
  • No Reino Unido, o PIB do segundo trimestre subiu 0,2%, uma melhora surpreendente em relação à estimativa anterior de queda de 0,1%, o que significa que uma recessão de verão foi evitada apesar da crise do custo de vida;
  • E na China, dados oficiais mostraram que a atividade manufatureira cresceu inesperadamente em setembro, quebrando dois meses consecutivos de declínio, mas uma pesquisa privada separada da Caixin pintou um quadro muito diferente, já que o PMI industrial do país encolheu para 48,1 em setembro, de 49,5 no mês anterior;
  • Nos EUA, dia de agenda cheia com destaque para dados de renda e despesas dos consumidores, ao deflator do PCE de agosto, ao Chicago PMI e a leitura final da sondagem da Universidade de Michigan;
  • No Brasil, IBGE divulgará dados de emprego da PNAD de agosto, para qual é esperada queda na taxa de desemprego para 8,9% pelo mercado e pela XP; e o Banco Central divulgará a nota de fiscal, com consenso de déficit de R$ 71,7 bi para o governo geral e de dívida líquida/PIB avançando a 57,5%.

Política

Eleições no Brasil: o que esperar dos mercados?

  • As eleições presidenciais e estaduais no Brasil estão chegando. No dia 2 de outubro, o Brasil realizará o 1º turno de suas eleições nacionais, período em que os investidores esperam maior volatilidade nos mercados devido à incerteza política;
  • Nesse contexto, realizamos um estudo para explorar o comportamento do mercado brasileiro em períodos eleitorais, analisando os retornos e a volatilidade anualizada dos setores mais relevantes do Ibovespa;
  • Os principais destaques deste relatório são:
    • em geral, a volatilidade tende a aumentar à medida que nos aproximamos das eleições, mas não é persistente, pois também tende a cair após o próprio evento e normalizar;
    • historicamente, o setor de Energia é o mais volátil, principalmente devido à Petrobras e sua sensibilidade ao risco político;
    • Elétricas e Saneamento tende a ter a menor volatilidade historicamente, e, até agora em 2022, esse comportamento persistiu;
    • ambos os setores vêm superando a média histórica 3 e 6 meses antes das eleições, possivelmente devido aos preços mais altos do petróleo para Energia e fortes retornos da Eletrobras, que atualmente tem um peso de 30% no setor de Elétricas e Saneamento;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Renda Fixa

Café com S&P: A visão para o crédito no Brasil

  • No dia 21 de setembro, o time de analistas da S&P Global Ratings realizou um café da manhã para investidores, com o objetivo de apresentar sua visão sobre os setores de cobertura no Brasil;
  • De maneira geral, apesar dos desafios no ambiente macroeconômico local e global, os bancos e empresas sob cobertura estão bem posicionados em relação a seus ratings;
  • Os principais riscos apontados são as taxas de juros elevadas e ambiente inflacionário persistente. Por outro lado, há oportunidades em setores como infraestrutura e commodities;
  • Clique para ler o resumo completo.

Empresas

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.) e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • BC eleva projeção de crescimento do crédito em 2022 de 11,9% para 14,2% (Valor);
    • Resgates de investidores institucionais na B3 este ano superam os R$ 100 bilhões (Valor);
    • Softbank enxuga time, inclusive no Brasil (Pipeline);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • Ações de tecnologia chinesas revisitam mínimas de março ao caírem 39% no ano (Valor);
    • Vtex e adyen iniciam parceria global para oferecer solução de comércio unificado a grandes marcas e varejistas (Ecommerce);
    • Reclamações sobre telecom seguem em queda em agosto (Teletime);
    • Incentivo para região desatendida fica fora de 80% das leis de antenas (Teletime);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Alimentos e Bebidas:
      • Tyson Foods reformula quadro de executivos diante da queda nas vendas – Valor;
      • Growth drivers for the global beer industry in 2022 and beyond – IWSR;
    • Agro:
      • Petrobras faz primeira comercialização de diesel renovável em Curitiba – Valor;
      • Tereos slows sugar output as TotalEnergies halts fuel supplies – Reuters;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Aumento de confiança da classe C eleva expectativa para compras na Black Friday, segundo Google (Valor);
    • Preço de brinquedos sobe 20% e inflação deve reduzir vendas do Dia da Criança (Folha);
    • Varejo registra terceiro mês seguido de queda no movimento de lojas (Folha);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Eletrobras coloca em marcha plano de transformação. (Valor Econômico);
    • Petrobras precisa vender 5 refinarias este ano para evitar penalidade. (Valor Econômico);
    • Suécia diz que há 4 pontos de vazamento nos gasodutos russos. (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

Carteiras XP: Top 10, Dividendos, Small Caps e Ações Internacionais (BDRs)

  • Setembro foi um mês marcado por uma postura hawkish – mais dura – dos principais bancos centrais mundiais. Nesse mês, houve uma série de decisões de política monetária por bancos centrais globais, ainda na tentativa de conter a inflação persistente. Enfatizamos que ainda há bastante incertezas no cenário global, com preocupações com a inflação e recessão, e doméstico, com riscos políticos podendo aumentar. Continuamos focados nas teses de: 1) commodities, 2) histórias seculares de crescimento, e 3) qualidade a um preço razoável. Dado esse cenário, realizamos as mudanças:
    • Na Carteira Top 10 Ações fizemos fizemos quatro alterações, com duas trocas de papéis e rebalanceamento dos pesos de dois nomes, diminuindo a exposição a setores que vemos como menos favoráveis no momento. Clique aqui para acessar;
    • Na Carteira Top 10 Ações Internacionais (BDRs) XP, optamos por reduzir nossa exposição no setor de bens de consumo e adicionamos uma exposição ao setor de energia. Clique aqui para acessar;
    • Na Carteira Top Small Caps XP, realizamos uma troca no mês. Clique aqui para acessar;
    • Por fim, na Carteira Top Dividendos XP, realizamos três mudanças, com uma troca de papéis, uma adição de um papel com boas expectativas de dividendos e rebalanceamento do peso de um dos nomes. Clique aqui para acessar.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Nike reporta resultado e preocupações com a lucratividade preocupa

  • Micron divulga resultado e sinaliza que a queda do mercado de chips está se aprofundando;
  • Nike reporta resultado e preocupações com a lucratividade superam a forte demanda dos EUA;
  • Nintendo realiza desdobramento de ações buscando atrair novos investidores;
  • S&P 500 caminha para terceiro trimestre consecutivo com perdas;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Criptoativos

Principais notícias

  • Hoje em Criptos: Notícias diárias do universo de criptoativos | Meta libera uso de NFTs para todos os usuários
    • BlackRock lança ETF ligado às criptomoedas na Europa (Livecoins);
    • Circle adquire startup de pagamentos (The Block);
    • Warner Music faz parceria com OpenSea (Decrypt);
    • Meta libera uso de NFTs para todos os usuários (InfoMoney);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Quais são os FIIs de tijolo mais promissores para 2023? Veja como escolher esses ativos (Suno);
    • Como ter renda passiva investindo pouco? Veja ranking de FIIs baratos (Estadão);
    • Kinea alerta para cotas sobrevalorizadas e FII KINP11 cai quase 60% em apenas 5 pregões; entenda (InfoMoney);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

Carteira ESG XP: Duas alterações no nosso portfólio para outubro

  • Com o objetivo de ajudar os investidores no processo de alocação de recursos, lançamos em setembro/21 nossa carteira recomendada ESG, combinando 10 nomes que gostamos sob uma perspectiva fundamentalista e que possuem altos padrões ESG;
  • Em setembro, o IBOV e ISE fecharam o mês em queda de -1,0% e -2,8%, respectivamente, enquanto nossa Carteira ESG subiu +2,6%, superando o benchmark em 540bps;
  • Para outubro, estamos fazendo duas mudanças na nossa Carteira ESG: trocando dois nomes que não vemos gatilhos de curto prazo, por duas empresas que, além de serem as melhores posicionadas na visão ESG nos respectivos setores, também possuem fundamentos sólidos e perspectivas positivas adiante;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

B3 lança terceira edição do guia de sustentabilidade empresarial | Café com ESG, 30/09

  • O mercado fechou o pregão de quinta-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -0,7% e -1,7%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) a B3 lançou ontem o guia “Sustentabilidade e Gestão ASG: Como Começar, Quem Envolver e O Que Priorizar”, a terceira edição do material de caráter prático e didático publicado anteriormente em 2011 e 2016 e que tem como objetivo dar suporte a organizações que pretendam seguir nessa trilha e inserir critérios ESG em suas atividades; e (ii) no Summit Imobiliário Brasil 2022, evento do Estadão na semana passada, diversos representantes empresariais discutiram como o fato do segmento da construção civil e do setor imobiliário contribuírem com aproximadamente 40% das emissões de gases de efeito estufa no Brasil já obriga as empresas do setor a ter um plano robusto voltado para a prática ESG, além de abordarem também sobre o marco regulatório abrangente sobre o tema que está em vias de ser criado;
  • No internacional, o Federal Reserve (FED), Banco Central dos EUA, anunciou ontem que seis dos maiores bancos do país participarão de um exercício piloto de análise de cenário climático em 2023 – Bank of America, Citigroup, Goldman Sachs, JPMorgan Chase, Morgan Stanley e Wells Fargo passarão pelo exercício, que marcará o primeiro esforço público do FED para medir o nível e a gestão de riscos para os bancos quando se trata de mudanças climáticas;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.