XP Expert

Dados da China mostram desaceleração, e banco central corta juros

Dados de atividade econômica da China e temporada de resultados nos EUA são alguns dos temas de maior destaque nesta segunda-feira, 17/01/2022.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +1,3% | 106.928 Pontos

CÂMBIO +0,1% | 5,53/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaques da semana

No cenário internacional, o destaque é o PIB chinês do 4º trimestre de 2021, além de outros importantes dados de atividade econômica do país. Ainda na agenda econômica, teremos dados de inflação na Zona do Euro para o mês de dezembro. Por aqui, os destaques serão o IBC-Br, proxy do PIB referente ao mês de novembro, a arrecadação federal de dezembro e a segunda prévia do IGP-M de janeiro. No campo político, a paralização dos servidores no dia 18 deve servir como termômetro. Caso a adesão seja grande, poderemos ver mais pressões no orçamento, que segue para sanção já na semana que vem.


Além disso, a temporada de resultados nos EUA ganha mais ritmo. Empresas como Goldman Sachs, Bank of America, Morgan Stanley e Netflix irão divulgar seus balanços durante a semana.

Brasil

O Ibovespa conseguiu fechar a semana passada em alta de +4,1%, alcançando quase os 107 mil pontos, configurando sua melhor semana em dez meses. A semana foi marcada pela divulgação do IPCA de 2021, que encerrou o ano em 10,06%, maior patamar desde 2015. Em carta aberta para o Ministro da Economia, o presidente do Banco Central citou o preço das commodities e da energia elétrica, assim como os riscos fiscais que pesaram no câmbio como principais fatores responsáveis pelo estouro do teto da meta de inflação. Do lado fiscal, a pressão de servidores públicos por aumentos de salários continuou representando um importante risco fiscal no mercado doméstico.

No mercado de juros, as taxas futuras se mantiveram estáveis e fecharam a semana com pouca variação. Apesar de um sentimento no mercado de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, riscos domésticos sobre o orçamento fiscal e atenção sobre a variante Ômicron da Covid-19, a falta de volatilidade na curva demonstrou que os riscos já estavam bem precificados anteriormente.

Mundo

Bolsas internacionais amanhecem positivas (EUA +0,1% e Europa +0,6%) após resultados dos bancos contribuírem para um tom mais negativo na última sexta-feira. A bolsa americana permanecerá fechada hoje em virtude do feriado de Martin Luther King Jr. Na China, o índice CSI 300 (+0,9) encerra em alta, impulsionado por surpresa positiva do PIB Chinês, que por sua vez cresceu 4% no último trimestre de 2021 vs. 3,3% esperados pelos analistas, segundo o consenso da Bloomberg. O banco central chinês também anunciou um corte de 2,95% para 2,85% em sua taxa de juros para empréstimos de médio prazo, sua primeira redução desde abril de 2020.

Dados econômicos da China

Dados econômicos da China foram mistos: a produção industrial aumentou, mas as vendas no varejo ficaram abaixo das expectativas. O banco central da China, afrouxou inesperadamente a política ao cortar as taxas de empréstimos de médio prazo, ele cortou a taxa de juros de empréstimos de 1 ano em 10 bps para 2,85%, a primeira redução desde abril de 2020. A autoridade monetária também cortou a taxa de sete dias de recompra e injetou USD 31 bi no sistema financeiro, refletindo preocupação com os mais recentes sinais de desaceleração da economia chinesa. O mercado reage mal a mais incertezas oriundas do mercado imobiliário do país, fazendo com que os futuros do minério de ferro caiam novamente. Os futuros de petróleo Brent atingiram seu maior nível em mais de três anos (US$ 86 o barril) com os investidores apostando que a oferta permanecerá apertada em meio à produção restrita dos principais produtores, com a demanda global imperturbável pela variante do coronavírus Ômicron.

Agenda parlamentar nos EUA

Nos EUA, direitos de voto e as regras do Senado permanecem em foco. O líder da maioria democrata na Casa, Chuck Schumer, afirmou que o recesso planejado para terça-feira (19) deve ser postergado para trazer os temas à pauta. No entanto, sem apoio dos senadores Joe Manchin e Krysten Sinema, a expectativa segue sendo negativa para aprovação. Reiteramos que a nova aposta de Biden reflete a dificuldade de seu governo em avançar pautas no Congresso, mesmo com maioria nas duas Casas. Nesse contexto, crescem as preocupações no partido democrata sobre a eleição parlamentar de novembro.

Em paralelo, cresce a pressão no Congresso por nova rodada de auxílio em meio a nova onda de Covid-19. Em linha geral, o partido republicano mostra resistência a novos gastos, no entanto, um grupo dentro da oposição estaria considerando benefícios restritos para algumas categorias (como hotéis e academias). Mesmo com esse apoio dentro da oposição, chegar a um acordo sobre gastos e setores a serem beneficiados dificulta o andamento da pauta.  

Fim do congelamento do ICMS

No Brasil, jornais leves no final de semana repercutiram o fim do congelamento do ICMS sobre combustíveis, anunciado por governadores na sexta-feira, e que entrará em prática a partir de fevereiro. Expectativa é que medida gere leve alta de preços dos combustíveis.

Veja todos os detalhes

Economia

China corta juros de médio prazo com sinais de desaceleração da economia

  • Na China, a produção industrial cresceu 4,3% em dezembro em relação ao ano anterior, acima da expectativa de 3,6% e o crescimento de novembro de 3,8%. Apesar de acelerar em dezembro, a indústria deve enfraquecer em janeiro, com medidas restritivas ainda em vigor em muitas cidades antes do feriado do Ano Novo Lunar. Restrições de produção em indústrias pesadas na China antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim também podem contribuir para o enfraquecimento. Já as vendas no varejo cresceram 1,7% dezembro, abaixo do crescimento de 3,7% previsto e o crescimento de 3,9% registrado em novembro. Os gastos do consumidor caíram em dezembro, quando o governo apertou as medidas em várias partes do país;
  • Enquanto isso, o PBOC reduziu a taxa de seus empréstimos de apólice de um ano em pontos-base para 2,85%, uma vez que a queda do mercado imobiliário e os surtos de COVID-19 amorteceram o crescimento econômico. É o primeiro corte desde abril de 2020. O banco central também cortou a taxa dos acordos de recompra reversa de sete dias de 2,2% para 2,1%;
  • Na sexta, a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) trouxe alta de 0,5% nas vendas no varejo (conceito ampliado) entre outubro e novembro (XP: -0,8%; consenso: -0,4%). Esse resultado interrompeu uma sequência de três quedas mensais consecutivas. Na comparação com novembro de 2020, as vendas do comércio ampliado exibiram queda de 2,9% (XP: -6,5%; consenso: -6,1%). O resultado surpreende num cenário de inflação pressionada e renda deprimida;
  • Esperamos aumento de 0,7% para o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) entre outubro e novembro, resultado que será divulgado hoje às 9:00. Ainda na agenda, IGP-10 de janeiro (expectativa 1,61%).

Política

Nos EUA, direitos de voto e as regras do Senado permanecem em foco na agenda parlamentar e cresce a pressão no Congresso por nova rodada de auxílio

  • Nos EUA, direitos de voto e as regras do Senado permanecem em foco. O líder da maioria democrata na Casa, Chuck Schumer, afirmou que o recesso planejado para terça-feira (19) deve ser postergado para trazer os temas à pauta. No entanto, sem apoio dos senadores Joe Manchin e Krysten Sinema, a expectativa segue sendo negativa para aprovação;
  • Reiteramos que a nova aposta de Biden reflete a dificuldade de seu governo em avançar pautas no Congresso, mesmo com maioria nas duas Casas. Nesse contexto, crescem as preocupações no partido democrata sobre a eleição parlamentar de novembro;
  • Em paralelo, cresce a pressão no Congresso por nova rodada de auxílio em meio a nova onda de Covid-19. Em linha geral, o partido republicano mostra resistência a novos gastos, no entanto, um grupo dentro da oposição estaria considerando benefícios restritos para algumas categorias (como hotéis e academias). Mesmo com esse apoio dentro da oposição, chegar a um acordo sobre gastos e setores a serem beneficiados dificulta o andamento da pauta.  

Empresas

Petrobras (PETR4): Revisão da Meta de Curva de Produção e Oferta da Braskem Confirmada

  • Em 14 de janeiro, acompanhando os resultados do leilão da ANP realizado em 17 de dezembro (2ª Rodada de Licitações do Excedente da Cessão Onerosa no Regime de Partilha de Produção), a Petrobras divulgou um novo guidance de curva de produção de óleo e gás. Os números para 2022 foram reduzidos em 70 mil boe/d. Para o período entre 2023 e 2026, o impacto médio estimado para a produção é de uma redução de 100 mil boe/d;
  • Por outro lado, pela produção diferida nessas áreas, a Petrobras receberá uma compensação. Para Atapu, a Petrobras receberá indenização, antes do gross up, no valor de US$ 1,5 bilhão (pagamento até 15 de abril de 2022). No caso de Sépia, o valor é de US$ 2,2 bilhões, e a data de recebimento ainda está em negociação com o consórcio da partilha;
  • Esses números já foram incorporados previamente no nosso modelo (link). Vemos a notícia apenas como uma formalidade do que foi anunciado no dia 17 de dezembro;
  • Ainda em 14 de janeiro, a Braskem divulgou Fato Relevante que a Petrobras e a NSP Investimentos (controlada pela Novonor, ex-Odebrecht) solicitaram o registro na CVM de oferta pública secundária de até 154M de ações BRKM5. O período de reserva termina no dia 26 de janeiro;
  • Embora esperado, vemos a confirmação do processo de desinvestimento das ações da BRKM5 como positiva para a Petrobras, já que a preços atuais de mercado (R$ 52/ação) a empresa pode receber ~ R$ 4 bilhões com essa venda;
  • Lembramos que a Petrobras ainda detém 212,4 milhões de ações BRKM3 (~R$ 11 bilhões). Uma participação que a empresa também pretende alienar.

Tracker Mensal de Ferrovias: Volumes da Rumo Acima do Esperado A/A (Dez’21 +7% | 4T21 -2%); Positivo

  • A Rumo apresentou volumes acima do esperado em dezembro (+7% A/A) e no 4T21 (-2% A/A);
  • Foi antecipado que os volumes de exportação de grãos seriam fracos no 2S21 devido à quebra da safra de milho do Brasil. No entanto, o 4T21 apresentou números relativamente resilientes, sugerindo uma surpresa positiva versus as nossas estimativas (volumes do 4T21 -2% A/A vs. nossa estimativa de -33%);
  • Embora as tarifas possam ter sido pressionadas para que esse volume fosse atingido, esperamos uma surpresa positiva na receita do trimestre em relação às nossas estimativas oficiais;
  • Nos últimos 12 meses (LTM), a Rumo continuou ganhando market share (42% em dezembro LTM, vs. 40% em 2020), enquanto o Arco Norte (incluindo as operações da Hidrovias do Brasil) caiu 2p.p. para 32%;
  • Reiteramos nossa perspectiva positiva para as exportações de grãos do Centro-Oeste do Brasil e as recomendações de compra para RAIL3 e HBSA3.

Br Malls (BRML3): Recusa da oferta da Aliansce Sonae

  • Na última sexta, a Aliansce Sonae anunciou através de fato relevante sugerindo um acordo de combinação de negócios com a BR Malls;
  • A Br Malls recebeu uma oferta não vinculante da Aliansce Sonae Shopping Centers para adquirir a totalidade das ações da brMalls por meio de uma fusão de ações da BrMalls na Aliansce Sonae. De acordo com a Oferta, a Aliansce Sonae propôs uma relação de troca através da qual os acionistas da BRMalls receberiam, por cada ação que possuía, (i) 0,31769690 Ações ordinárias da Aliansce Sonae e (ii) R$ 1,6184 em dinheiro. Portanto, a proposta não atribui nenhum prêmio ao preço de fechamento das ações da BRML em 13 de janeiro de 2022;
  • O Conselho de Administração da Br Malls decidiu, por unanimidade, recusar a oferta por entender que a proposta subestima consideravelmente o valor econômico justo da BRMalls;
  • ALSO ofereceu um valuation implicando um prêmio de 13% para a carteira da BRML (50% – 50% de participação após a transação), com um potencial ganho de sinergia proveniente das receitas e da S&GA, levando a um portfólio com (i) 69 shoppings; (ii) R$38 bilhões em vendas; (iii) R$2 bilhões em NOI. Podemos ver alguns ajustes favoráveis na combinação de negócios com BRML.  Portanto, reiteramos nossa classificação de compra para BRML3 negociando em 10,6x P/FFO em 2022, o que vemos como atrativo.

EZTec (EZTC3): Prévia Operacional Mista no 4T21

  • A EZTec divulgou dados operacionais mistos no 4T21, lançando R$ 491 milhões (+ 28,9% A/A e +6,7% T/T). Esse volume foi composto por 4 projetos (In Design Ipiranga, Fit Casa Estação Oratório, Unique Green e Pin Osasco). No entanto, a empresa atingiu apenas 76,5% do guidance do biênio (R$ 4 bilhões de lançamentos), explicado pelo cenário macro desafiador com taxas de juros mais altas, e pela pandemia do COVID-19;
  • As vendas líquidas subiram (+30,8% A/A e +38,7% T/T), atingindo R$ 369 milhões no 4T21. Isso levou a uma velocidade de vendas amena de 11,6% vs. 14,0% no 4T20;
  • Além disso, a empresa divulgou que atingiu 100% de sua recompra de ações anunciada em agosto, indicando o otimismo da administração para suas operações nos próximos anos e sua visão sobre o valuation descontado das ações;
  • Apesar dos números operacionais mistos, reiteramos nossa visão positiva sobre o EZTC3, que vemos a negociação a 0,9x P/VP em 2021, o que vemos como atraente.

Plano & Plano (PLPL3): Números operacionais sólidos do 4T21, impulsionados por vendas recordes

  • A Plano & Plano apresentou dados operacionais sólidos no 4T21, impulsionados principalmente por vendas recordes, atingindo R$ 305 milhões no 4T21 (+7,1% A/A), totalizando R$ 1,3 bilhão em 2021 vs. R$ 874 milhões em 2020 (+51,8% A/A). Dito isso, a velocidade de vendas líquidas atingiu um nível sólido de 39,2% vs. 43,0% no 3T21 (LTM). Além disso, os lançamentos aumentaram (+7,0% A/A), atingindo R$ 565 milhões no 4T21, totalizando R$ 1,5 bilhão em 2021 vs. R$ 1,4 bilhão em 2020, refletindo a sólida demanda no segmento de baixa renda, apesar do cenário macro desafiador;
  • Portanto, podemos ver uma reação positiva das ações;
  • Com relação ao valuation, vemos PLPL3 atrativa, negociando a 3.0x P/L em 2022.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Renegociação de dívidas volta à cena com alta da inflação. Santander vê menos liquidez e lança campanha ampla. (Valor);
    • Aumenta busca por seguros para IPOs. Empresas procuram instrumentos que cubram ações judiciais por problemas no prospecto. (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Com pandemia, venda online supera a dos shopping centers (Estado);
    • Marketplaces ‘caçam’ lojistas na crise (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Socorro às distribuidoras de energia pode ficar em R$ 4,5 bilhões. (Terra);
    • Estados decidem encerrar congelamento do ICMS sobre combustíveis. (epbr);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | J.P. Morgan e Citigroup reportam resultados

  • Resultados do J.P. Morgan e Citigroup;
  • Tesla adia produção do Cybertruck;
  • Demanda por chips da Nvidia aumenta no mercado automotivo chinês;
  • Companhias aéreas continuam operando em capacidade reduzida na Europa;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

Volume de dívidas com viés sustentável atinge recorde em 2021 | Café com ESG, 17/01

  • O mercado encerrou em campo positivo na sexta-feira, com o Ibov e o ISE subindo +1,3% e +0,7%, respectivamente. Na semana, indo na contramão dos mercados internacionais, o Ibov fechou em alta de +4,1%, enquanto o ISE +3,0%;
  • No Brasil, o volume de dívidas com viés sustentável teve um boom no ano passado, com 109 operações rotuladas com algum tipo de selo ESG, num volume financeiro de R$84,5bn, o que se compara com 43 operações, totalizando R$30bn, em 2020;
  • No internacional, (i) segundo estudo do International Renewable Energy, o hidrogênio pode representar 12% do consumo global de energia até 2050, crescimento este impulsionado pela emergência climática e os compromissos de emissão líquida zero feitos por países e empresas; e (ii) a Microsoft está investindo US$50mn em uma instalação da LanzaJet na Geórgia que produzirá combustível de aviação a partir do etanol no próximo ano – o setor aéreo é considerado um dos mais difíceis de descarbonizar, com o combustível de aviação renovável representando menos de 0,1% da demanda global atual de combustível de aviação. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.