XP Expert

XP Morning Call 07/02/2019: Respiro, conforme esperávamos

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: Reforma da Previdência em destaque
  2. Copom mantém taxa Selic em 6,5%, e defende cautela e serenidade

Internacional

  1.  Alemanha: Desaceleração inesperada da indústria gera preocupação com recessão
  2. Banco Central da Índia corta inesperadamente juros em 0,25%

Empresas

  1. BRF anuncia venda de ativos na Europa e Tailândia
  2. Petrobras (PETR4): Destaques de entrevista do CEO Roberto Castello Branco

COE News

  1. British Petroleum apresenta resultados fortes e em linha com o setor

Resumo

Respiro, conforme esperávamos

Ontem, o Ibovespa teve seu pior pregão desde a greve dos caminhoneiros em 2018, com queda de 3,74% após a forte valorização de 13% desde o fim dezembro, seguindo fraqueza nos mercados internacionais e notícias pontuais sobre a agenda reformista do governo.
 
De fato, no nosso Panorama desse mês, destacamos que o mercado antecipou parte da melhora no cenário no Brasil e fevereiro poderia ser de volatilidade, com respiro no Ibovespa. Apesar disso, continuamos otimistas e acreditamos que 2019 pode ser transformacional para o Brasil com a evolução das reformas necessárias.
 
Hoje os mercados internacionais continuam em território ligeiramente negativo, com queda de -0,3% nas bolsas Europeias e de -0,2% no futuro do S&P. Investidores seguem a espera de negociações comerciais entre China e os EUA. Na Índia, o Banco Central surpreendeu os mercados com corte na taxa de juros.
 
Ontem o presidente do Banco Central americano (Fed) fez discurso público para educadores nos Estados Unidos sem grandes destaques para política monetária. No Brasil, a taxa de juros foi mantida em 6,5% na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), como esperado. O Banco Central defendeu serenidade e informou que continuará a avaliar os fatores de risco da inflação para decidir os próximos passos da política monetária.
 
Sobre previdência, o Presidente da Câmara Rodrigo Maia defende tramitação mais longa e aprovação da reforma na Câmara deve atrasar, aumentando a preocupação no mercado. Como parte das propostas da reforma, empresas e trabalhadores que ganham menos podem ver redução alíquota do INSS, o que poderia ser compensado com o aumento de até 14% da contribuição de quem ganha mais.
 
Do lado das empresas, a BRF anunciou a venda de seus ativos na Europa e na Tailândia para a Tyson Foods por US$ 340 milhões, levantando um total de, aproximadamente, R$ 4,1 bilhões, dos R$ 5,0 bilhões que haviam sido inicialmente previstos em seu Plano de Reestruturação. Em entrevista, o CEO da Petrobras Roberto Castello Branco voltou a ressaltar o seu compromisso com a redução do endividamento da empresa, desinvestimentos de ativos que não são o foco da empresa e redução de custos, e também forneceu atualizações sobre as negociações da Cessão Onerosa.


Conteúdo na íntegra

Brasil

Política Brasil: Reforma da Previdência em destaque

  • Previdência: O presidente da Câmara Rodrigo Maia defende tramitação mais longa e aprovação da reforma na Câmara deve atrasar, aumentando a preocupação no mercado. Como parte das propostas da reforma, empresas e os trabalhadores que ganham menos podem ver redução alíquota do INSS. Isso pode ser compensado com o aumento para até 14% na contribuição daqueles que ganham mais;
  • ​Previdência ou reforma trabalhista? A reforma da previdência pode criar um contrato de trabalho fora da CLT, que teria menos direitos, seria ligado ao regime de capitalização e se aplicaria apenas aos jovens;
  • ​Lula é condenado a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no processo sobre o sítio em Atibaia.

Copom mantém taxa Selic em 6,5%, e defende cautela e serenidade

  • O Copom decidiu por unanimidade manter a taxa Selic estável, em 6,5% ao ano; 
  • Em seu comunicado, a autoridade monetária destacou que o cenário externo permanece desafiador, mas diminuíram os riscos de curto prazo associado à normalização das taxas de juros nos países desenvolvidos;
  • Com respeito ao cenário doméstico, o Banco Central defendeu serenidade, e que a evolução dos balanços de riscos justifica a manutenção do nível atual da Selic, em contraste com expectativas de um discurso mais suave que pudesse apontar para futuros cortes de juros. O Comitê enfatizou que a continuidade do processo de reformas e ajustes na economia brasileira é essencial para a manutenção da inflação em níveis baixos, queda de juros e recuperação da economia.

Internacional

Alemanha: Desaceleração inesperada da indústria gera preocupação com recessão

  • A produção industrial da Alemanha, maior economia da Europa, caiu inesperadamente em dezembro, segundo dados oficiais divulgados hoje. Esta é a última de uma série de sinais apontando para uma desaceleração na atividade do país;
  • A produção caiu 0,4% em dezembro, contra um aumento de 0,9% esperado pelos analistas, segundo a Reuters. O resultado foi impulsionado principalmente pela construção e bens de produção e consumo, que mais do que compensaram o aumento da produção de bens de capital no mês;
  • ​Este foi o quarto mês consecutivo de queda na produção industrial, levantando preocupações sobre uma recessão no país. O índice de ações alemão DAX reagiu e caía 0,5% mais cedo hoje.

Banco Central da Índia corta inesperadamente juros em 0,25%

  • O Banco Central da Índia cortou inesperadamente sua taxa básica de juros na reunião de estreia do governador Shaktikanta Das, tornando-se o primeiro país na Ásia a aliviar as taxas este ano, seguindo cenário benigno de inflação;
  • O comitê decidiu por um corte de 0,25, levando as taxas de juros a 6,25% e citando a desaceleração do crescimento econômico e a queda acentuada da inflação. O comitê também mudou sua posição de política monetária para “neutra” em relação à perspectiva anterior de “aperto calibrado”, sugerindo que haverá espaço para futuros cortes;
  • Esta decisão foi prevista por apenas 11 dos 43 economistas consultados pela Bloomberg. O Comitê de Política Monetária, formado por seis membros, votou unanimemente para mudar seu posicionamento para neutro, de “aperto calibrado”, adotado em outubro.

Empresas

BRF anuncia venda de ativos na Europa e Tailândia

  • A BRF anunciou hoje a venda de seus ativos na Europa e na Tailândia para a Tyson Foods por US$ 340 milhões. Segundo a empresa, o conjunto das medidas que integram o Plano de Reestruturação, incluindo a operação de hoje e as demais iniciativas relacionadas a desinvestimentos, venda de ativos non-core, capital de giro e securitização de recebíveis, deverá resultar na arrecadação de um total de, aproximadamente, R$4,1 bilhões, dos R$5,0 bilhões que haviam sido inicialmente previstos; 
  • Em função disso, a BRF estima que a dívida líquida/EBITDA ajustado ficará em torno de 5x no 4T18, incluindo os efeitos pro forma de todas as vendas de ativos já anunciadas, e aproximadamente 3,65x no 4T19, acima dos 4,35x e 3x inicialmente previstos, respectivamente, com adiamento de 6 meses para o alcance das metas iniciais. A alavancagem acima da inicialmente prevista era esperada dado atraso na conclusão dos desinvestimentos e vendas de ativos na Argentina a valores mais baixos que o esperado, mas o não atingimento do plano pode ser visto como negativo pelo mercado; 
  • Em teleconferência, a BRF reiterou o foco na contínua desalavancagem e a expectativa de fluxo de caixa positivo em 2019. Além disso, a empresa espera melhoria dos resultados operacionais com reversão da queda de margem esse ano e volta à média histórica em 2020. O mercado doméstico já apresenta melhora, com preços mais robustos, enquanto a empresa poderia buscar parcerias para investir na Europa e na Arábia Saudita. Não há previsão de investimentos inorgânicos nos próximos 3 anos – apenas investimentos para manutenção e melhorias operacionais. Por fim, a empresa reiterou que está confortável com sua situação de caixa e que não precisará de caixa adicional após as inciativas alcançadas;
  • Mantemos nossa recomendação Neutra para BRF. Apesar de esperarmos recuperação de resultados, vemos a ação negociando a 10.5x EV/EBITDA 2019 e 8x 2020, justa em nossa visão.

Petrobras (PETR4): Destaques de entrevista do CEO Roberto Castello Branco

  • Em entrevista concedida ao Valor, o CEO da Petrobras Roberto Castello Branco voltou a ressaltar o seu compromisso com a redução do endividamento da empresa (considerando 1.5x Dívida Bruta / EBITDA como o nível adequado), desinvestimentos de ativos que não são o foco da empresa e redução de custos, bem como atualizações sobre as negociações da Cessão Onerosa;
  • Quanto a desinvestimentos, os principais destaques da entrevista foram (1) um programa de venda de refinarias mais ambicioso, que evite a transferência de monopólios do público para o privado, (2) saída da Braskem no preço adequado e (3) possível venda do controle da BR Distribuidora ou de uma participação adicional. O executivo mencionou que pode haver definição sobre o modelo das refinarias e da BR no primeiro semestre desse ano;
  • Finalmente, com respeito à Cessão Onerosa, o executivo mencionou que as conversas vem acelerando e as partes trabalham para que as negociações sejam concluídas até o fim do mês. A prioridade de todos é que o leilão dos barris excedentes possa ser feito esse ano, de modo a favorecer o desenvolvimento da indústria de petróleo do Brasil.

     

COE News

British Petroleum apresenta resultados fortes e em linha com o setor

  • A BP reportou nessa terça-feira resultados fortes no 4T18, com aumento na produção e preço do petróleo (brent chegou a atingir US$ 85,00/barril), surpreendendo as expectativas de mercado e levando os papéis a uma alta de ~5%. O custo de produção para a exploração de petróleo (~resultado operacional) atingiu US$ 6,3 bilhões, 81% superior no ano contra ano e 26% acima do consenso. O lucro atingiu US$ 3,5 bilhões, 65% superior na comparação ano contra ano e 32% acima das expectativas de mercado;
  • A produção média diária no trimestre atingiu US$ 2,6 bilhões, número 2% superior neste mesmo período. Com exceção da operação na Rússia, a BP reportou 3,7 milhões de média de barris/dia em 2018, a maior nível desde 2010;
  • Após vender US$ 3,5 bilhões em ativos, a BP segue com o plano de desinvestimento até atingir a meta de US$ 10 bilhões ao longo dos próximos 2 anos, ajudando a equilibrar o endividamento da empresa após ter adquirido a mineradora e petrolífera anglo-australiana BHP que opera Xisto nos EUA.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.