Setor Elétrico no Brasil: distribuição de energia

Entenda o setor de Distribuição de Energia


Compartilhar:


Seguindo a nossa série de publicações sobre o setor elétrico, iremos abordar mais detalhadamente o setor de distribuição de energia.

O setor elétrico é um importante segmento da economia, garantindo a produção e consumo de energia por empresa e indivíduos. Para saber mais sobre a estrutura do setor elétrico, acesse nossa 1ª publicação da série.

O setor de distribuição de energia é responsável por receber a energia das empresas de transmissão e distribui-las para os centros consumidores residenciais e industriais. Além disso, as distribuidoras são responsáveis por arrecadar a tarifa e realizar os repasses relacionados a custos de geração e transmissão para toda a cadeira do setor.

Distribuição de Energia

As redes de distribuição de energia elétrica no Brasil são constituídas por um sistema que visa levar energia desde onde foi gerada até o local onde será consumida. Essas redes complexas integram unidades geradoras, linhas de transmissão, canais de distribuição e consumidores finais de energia elétrica.

Essa rede nem sempre foi integrada. No passado, antes do processo de industrialização na região Sudeste do país, as linhas de transmissão e distribuição eram isoladas e visavam a atender as necessidades locais. Porém, a dimensão territorial do Brasil, a urbanização, a industrialização e o aumento da demanda por energia elétrica, motivaram a integração do sistema de energia elétrica no país (SIN).

Outro fator importante para essa necessidade de integração era que, em muitos casos, a geração de energia, em sua maioria de origem hidrelétrica, não estava localizada próximo dos locais de maior consumo, como os grandes centros urbanos e as regiões industriais.

Fonte: ABRADEE – Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica

Sistema de Distribuição

A conexão, o atendimento e a entrega efetiva de energia elétrica ao consumidor do ambiente regulado ocorrem por parte das distribuidoras de energia. A energia distribuída, portanto, é a energia efetivamente entregue aos consumidores conectados à rede elétrica de uma determinada empresa de distribuição, podendo ser rede de tipo aérea (suportada por postes) ou de tipo subterrânea (com cabos ou fios localizados sob o solo, dentro de dutos subterrâneos).

Do total da energia distribuída no Brasil, dentre as Distribuidoras associadas à Associação Brasileira de Distribuidores de Energia (ABRADEE), o setor privado é responsável pela distribuição de, aproximadamente, 60% da energia, enquanto as empresas públicas se responsabilizam por, aproximadamente, 40%.

Assim como ocorre com o sistema de transmissão, a distribuição é também composta por fios condutores, transformadores e equipamentos diversos de medição, controle e proteção das redes elétricas. Todavia, de forma bastante distinta do sistema de transmissão, o sistema de distribuição é muito mais extenso e ramificado, pois deve chegar aos domicílios e endereços de todos os seus consumidores.

Redes de Distribuição

As redes de distribuição de energia elétrica no país possuem basicamente três tipos de linhas: de alta, média e baixa tensão. Entretanto, a potência de distribuição pode ser dividida essencialmente em:

  • Redes elétricas primárias – redes de distribuição de média tensão – que além do papel de distribuição, abrange empresas e indústrias de médio e grande porte.
  • Redes elétricas secundárias – redes de distribuição de baixa tensão – abrange os consumidores residenciais, pequenos estabelecimentos comerciais e iluminação pública.

Investimentos no Setor

Devido ao tamanho de nosso país e à dispersão territorial da população brasileira o segmento de distribuição conta com muitos desafios e muitos investimentos para zelar pelo melhor fornecimento de energia elétrica.

Segundo a ABRADEE, o segmento de distribuição investiu, em 2018, aproximadamente 16 bilhões de reais na compra de novos equipamentos, expansão da rede, atendimento aos consumidores, combate a furtos e fraudes, etc.

No gráfico abaixo é possível notar o aumento dos investimentos no setor de distribuição de energia elétrica.

Indicadores de Monitoramento

  • Duração de interrupção individual por unidade consumidora (DIC): Intervalo de tempo que, no período de apuração, em cada unidade consumidora ou ponto de conexão, ocorreu descontinuidade da distribuição de energia elétrica;
  • Frequência de interrupção individual por unidade consumidora (FIC): Número de interrupções ocorridas, no período de apuração, em cada unidade consumidora ou ponto de conexão;
  • Duração máxima de interrupção contínua por unidade consumidora ou ponto de conexão (DMIC): Tempo máximo de interrupção contínua de energia elétrica, em uma unidade consumidora ou ponto de conexão; e
  • Duração da interrupção individual ocorrida em dia crítico por unidade consumidora ou ponto de conexão (DICRI): Corresponde à duração de cada interrupção ocorrida em dia crítico, para cada unidade consumidora ou ponto de conexão.

Tarifa de Energia no Mercado Cativo

Embora as distribuidoras sejam responsáveis por toda a arrecadação do mercado regulado de energia elétrica (ACR), elas só ficam com 20% do que é arrecadado. Tal parcela (normalmente denominada “Parcela B” no jargão do setor) corresponde à previsão de custos operacionais das distribuidoras e uma parcela para remuneração dos investimentos realizados.

As demais parcelas são (i) destinadas à geradoras e transmissoras (que compõem a “Parcela A” das contas de luz, referente a custos não gerenciáveis), (ii) impostos como PIS/COFINS e ICMS e (iii) encargos setoriais.

Segmentos do Setor Elétrico

Por ser o segmento mais complexo do setor elétrico, o segmento de Distribuição possui o maior perfil de risco comparado com Transmissão e Geração.

Fonte: ANEEL. Elaboração: XP Investimentos

Atualmente existem 4 FIPs-IE listados, e nenhum possui investimentos nesse segmento.

Conclusão

O segmento de Distribuição é considerado o mais regulado do setor elétrico.  A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), é responsável pela regulação, condições, responsabilidades e penalidades relativas à conexão, planejamento da expansão, operação e medição da energia elétrica.

Vale destacar que as distribuidoras de energia não podem estabelecer seus próprios preços, principalmente ao fato de as distribuidoras são signatárias de concessão que preveem métodos regulatórios para o estabelecimento de preços aos consumidores.

Dito isso, dado a sua maior exposição a riscos, como a demanda de energia, o segmento de distribuição é considerado o de maior risco dentro do setor, seguido de Geração e Transmissão. Com isso, por hora, não vemos nenhum FIP-IE listado investindo neste segmento.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.