Setor Elétrico no Brasil: geração de energia

Entenda o setor de Geração de Energia


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Seguindo a nossa série de publicações sobre o Setor Elétricoacesse aqui a 1ª publicação -, iremos abordar mais detalhadamente o setor de geração de energia.

O Brasil possui uma matriz energética predominantemente renovável, com destaque para a fonte hídrica. Ela corresponde por mais de 60% da capacidade instalada em operação no país, seguida das termelétricas (gás natural, carvão mineral, combustíveis fósseis, biomassa e nuclear) com 26%.

Simultaneamente, o país tem um alto potencial de geração eólica e solar, e tem investido cada vez mais nesses segmentos.

O sistema elétrico brasileiro é composto pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), que nada mais é do que um sistema que permite a permuta de energia entre os estados da Federação. O sistema possibilita um balanceamento no uso das fontes geradoras de energia, aumentando sua a eficiência e reduzindo os custos relacionados à geração de energia.

Destacamos também como principais características do segmento, a necessidade de capital intensivo, longo prazo de maturação e um certo nível de previsibilidade na geração de caixa.

A previsibilidade é dada por se tratar de um setor regulado, no qual é necessária uma autorização ou concessão do poder público para operar. Tal autorização pode ser conseguida por meio de leilões e o gerador pode comercializar sua energia tanto no Ambiente de contratação Regulada (ACR), quanto no Ambiente de Contratação Livre (ACL).

Principais fontes de geração

Hidrelétrica

Usinas Hidrelétricas utilizam a força da água para geração de energia elétrica. É construída uma barragem em um rio com o objetivo de represar a água, formando um reservatório.

A agua é captada desse reservatório e levada através de tubulações para a casa de força – uma edificação onde ficam as turbinas e geradores que vão transformar a pressão da água da barragem em movimento e esse movimento em energia elétrica.

As grandes usinas hidrelétricas possuem como desvantagem os impactos ambientais causados pela grande área de alagamento necessária, pelo desmatamento necessário para sua construção e pelas alterações na estrutura dos rios.

Entretanto existes pequenas hidrelétricas que possuem esses impactos ambientais extremamente reduzidos, a burocracia é menor e o custo é mais baixo, tornando possível que empreendedores entrem nesse mercado.

Termoelétrica

As usinas termelétricas operam através do aquecimento de água com combustíveis fósseis como carvão, gás natural ou derivados de petróleo. O aquecimento da água produz vapor, cujo fluxo é conduzido por tubulações até as turbinas fazendo com que elas girem.

Não é uma fonte de energia renovável, pois as usinas são alimentadas, por combustíveis fosseis finitos. Essas usinas geram um grande impacto ambiental.

Eólica

Os parques eólicos são construídos para aproveitar o potencial do vento e transformá-lo em energia elétrica. Funcionam através de turbinas que giram impulsionados pelo vento.

Existe um grande incentivo para investimentos em geração de energia eólica – assim como em outros sistemas de geração de energia limpa – que vem crescendo bastante. Hoje já representa cerca de 9% da energia gerada no Brasil.

As estimativas constantes do Atlas do Potencial Eólico Brasileiro, elaborado pela Eletrobras, apontam para um potencial de geração de energia eólica de 143,5 mil MW no Brasil, volume superior à potência instalada total no país. As regiões com maior potencial medido são Nordeste, Sudeste e Sul.

Biomassa

A biomassa já responde por quase 10% da matriz energética brasileira e uma das principais linhas de pesquisa no país.

Biomassa é toda matéria de origem vegetal ou animal que inclui resíduos, plantações energéticas, plantações de árvores, que podem ser também aproveitadas energeticamente e, até mesmo, resíduos sólidos urbanos, como, por exemplo, o lixo das cidades, resíduos rurais e resíduos de animais.

Nuclear

As usinas nucleares utilizam-se de elementos radioativos, principalmente o urânio para gerar energia. No processo de geração, o núcleo do átomo de urânio é desintegrado, liberando grande quantidade de energia térmica (calor).

Não é um tipo de energia renovável, já que necessita de material radioativo – urânio – para produzir e este é um recurso limitado.

Solar

A geração de energia solar ou fotovoltaica funciona através do aproveitamento da luz do sol, transformando-a em energia elétrica, através de painéis fotovoltaicos ou de um sistema heliotérmico.

No sistema com painéis fotovoltaicos a irradiação solar é convertida diretamente em energia hidrelétrica – é um sistema que utiliza aqueles painéis solares bem comuns no mercado.

Já no sistema heliotérmico, a energia do sol é convertida em energia térmica (calor) e posteriormente em energia elétrica.

O custo de investimento em energia solar ainda é relativamente elevado, mas vem baixando com o passar dos anos e os avanços tecnológicos.

É um tipo de energia totalmente limpa e renovável, já que o sol é um recurso que não se esgota.

Capacidade Instalada de Energia Solar por País (GW)

Geração Distribuída – Potência Solar Instalada (MW)

Atualmente existem 5 FIPs-IE listados, do qual apenas o XP Infra II investe no segmento de geração de energia, com atuação no segmento de Geração Solar e Geração Distribuída, nos estados de Maranhão, Pará, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins.

Comercialização

Desde a promulgação da Lei do Novo Modelo do Setor Elétrico, o setor de geração pode operar em 2 ambientes paralelos para comercialização de energia:

  1. Ambiente de Contratação Regulada (ACR): contratos de compra e venda entre geradores e distribuidores, atendimento da demanda dos consumidores cativos por meio de leilões realizados pela ANEEL (regulado preço, vigência de suprimento);
  2. Ambiente de Contratação Livre (ACL): contratos entre geradores e comercializadores/consumidores livres, realizado por leilões na CCEE em que é permitida a concorrência (permitido negociação).

Expansão da Geração

A atual tendência global de foco em sustentabilidade e em formas limpas de geração de energia, nos leva a crer que a geração de energia de fontes renováveis irá crescer, de forma a gradualmente reduzir a participação das fontes não-renováveis na matriz energética brasileira.

A combinação de preços de energia, incentivos especiais, redução de custos de implantação de novos projetos de fontes renováveis, e crescentes custos e dificuldades ambientais para a implantação de grandes hidrelétricas e empreendimentos de geração de fontes não-renováveis contribuem para esse cenário. Assim como o aumento esperado da renda per capita e o crescimento populacional também corroboram com este cenário de expansão.

Abaixo é possível verificar o comparativo de capacidade instalada no SIN entre 2020 e 2024.

Fonte: PMO novembro/2020

A EPE (Empresa de Pesquisa Energética) realiza uma série de estudos de expansão da capacidade de geração.

Por exemplo, a EPE produz estudos indicativos – tais como o Plano Decenal de Energia (PDE) e o Plano Nacional de Energia (PNE) – apresentando alternativas de expansão da capacidade de geração. O objetivo é auxiliar na tomada de decisão dos agentes econômicos que são os responsáveis, em última instância, pelos investimentos em geração de energia elétrica. 

Concessões

De acordo com a legislação vigente, o Governo Federal (poder concedente) autoriza empresas (públicas ou privadas) a operar ativos de geração, que possuem períodos distintos:

  • 30 anos para hidrelétricas;
  • 15-30 anos para térmicas;
  • 35 anos para energia solar e eólica;

A legislação estabelece que as concessões são revertidas ao poder concedente ao término da concessão, e compensados ​​por investimentos não depreciados.

Muitos contratos de concessão permitem uma primeira renovação, dependendo da decisão do governo análise. Nesse caso, a duração pode variar.

Resumo das Concessões

Conclusão

As empresas de geração são bastante estáveis e possuem um certo nível de previsibilidade nas receitas, por conta dos contratos de longo prazo de venda de energia. Contudo, as incertezas na hidrologia e, consequentemente, a volatilidade dos preços de energia no mercado à vista, pode elevar seus riscos.

Uma característica do setor é que as empresas são boas pagadoras de dividendos e juros sobre capital próprio (JCP). Isso porque são empresas mais sólidas e consolidadas, que não necessitam reinvestir tanto de seu lucro no negócio

Os FIP-IEs, podem ser uma boa alternativa para quem deseja ter exposição ao setor elétrico ou deseja ter uma renda passiva no decorrer dos anos.

Para maior detalhamento sobre os FIP-IEs, acesse nossa publicação do setor de infraestrutura.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.