XP Expert

B3 lança primeiro índice com foco em diversidade | Café com ESG, 16/08

Compass e Orizon anunciam criação de joint venture para investir em planta de produção de biometano; Petrobras mira hidrogênio verde e conversão de energia renovável em outras fontes de energia via eólicas offshore

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do tema ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de terça-feira em território negativo pelo décimo primeiro dia consecutivo, com o IBOV e o ISE em queda de -0,54% e -0,18%, respectivamente.

• No Brasil, (i) a B3 lançou ontem o iDiversa, primeiro índice focado em diversidade com o objetivo de medir o desempenho financeiro das empresas que se destacam na inclusão de gênero e raça em relação a seus pares – para integrar a carteira, composta por 79 ativos, a empresa precisa ter ao menos uma mulher ou uma pessoa negra no conselho administrativo e na diretoria estatutária; e (ii) o novo presidente da BB Asset, Denísio Liberato, planeja transformar a gestora do Banco do Brasil em um “hub” de investimentos que seguem as práticas ESG – o executivo assumiu o cargo há um mês e criou um grupo de trabalho que se reunirá pela primeira vez nesta semana para discutir a criação de uma vertical na área visando atrair grandes fundos de pensão, seguradoras e fundos soberanos estrangeiros.

• No internacional, a divisão de fiscalização da SEC (Securities and Exchange Commission, comissão de valores mobiliários dos EUA) enviou requerimentos de documentos e intimações a várias gestoras de ativos, todos relacionados a seu marketing sobre investimentos ESG – segundo advogados do setor de gestão de ativos, um dos focos de investigação da SEC é o dos fundos de investimento convencionais que foram adaptados para funcionar como fundos ESG.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!

Brasil

Empresas

B3 lança 1º índice de diversidade, com foco em raça e gênero

“A B3 acaba de lançar o iDiversa, primeiro índice focado em diversidade nas empresas, do quadro de funcionários ao conselho de administração. O objetivo do índice é medir o desempenho financeiro das empresas que se destacam na inclusão de gênero e raça em relação a seus pares. Para integrar a carteira, a empresa precisa ter ao menos uma mulher ou uma pessoa negra no conselho administrativo e na diretoria estatutária, ou seja, em ambas as instâncias de governança. Banco do Brasil, Hypera Pharma, Raia Drogasil, Sabesp e Renner têm os maiores pesos na versão inaugural do índice, composto por 79 ativos, entre ações ordinárias e preferenciais, de 75 empresas. Ao todo, estão representados dez setores da economia, já tipicamente usados como referência pela bolsa. O iDiversa é compilado a partir de informações dos formulários de referência registrados pelas companhias na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Neste ano, o xerife do mercado de capitais passou a exigir a apresentação do número de funcionários, integrantes de administração e de conselho por gênero e raça. Em outros índices, como o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), as empresas precisam se candidatar voluntariamente e pagar uma taxa de inscrição e fornecer os dados relevantes, que são auditados pela bolsa. “Esse é o primeiro índice da América Latina que mede a diversidade de gênero e raça nos quadros funcionais de companhias listadas”, diz Ana Buchaim, vice-presidente de pessoas, comunicação, marketing e investimento social da B3.”

Fonte: Capital Reset, 15/08/2023

Micro e pequenas empresas se engajam em agenda ESG, mas ainda não enxergam retorno

“Com a difusão da agenda ESG entre as grandes empresas brasileiras e na Faria Lima, principal centro financeiro do País, a pauta passou a ganhar também a adesão de micro e pequenos empresários. Segundo a pesquisa O engajamento dos pequenos negócios brasileiros às práticas ESG, idealizada pelo Sebrae Mato Grosso e obtida antecipadamente pelo Estadão, 91% das pequenas empresas consideram “importante” ou “muito importante” incluir aspectos do tema em sua gestão. O levantamento aponta, porém, que as empresas ainda não enxergam impactos positivos após a adoção das práticas ao seu dia a dia. Segundo o Sebrae, aproximadamente um terço das empresas já se sentiram pressionadas ou cobradas para incorporar medidas ligadas ao ESG à sua gestão. Para a entidade, o porcentual é baixo, considerando a grande exposição do tema nos meios de comunicação e o aumento da relevância da pauta nas grandes corporações e no próprio poder público. “Percebemos que as empresas, em sua maioria, reconhecem a importância dessas práticas. Entretanto, a preocupação que elas têm é se existe uma demanda, já que a pressão para que elas adotem o ESG é muito pequena”, explica o professor-doutor da Fundação Getulio Vargas (FGV), Aron Belinky.”

Fonte: Estadão, 15/08/2023

Novo presidente quer fazer da BB Asset um ‘hub’ de ESG

“O novo presidente da BB Asset, Denísio Liberato, planeja transformar a gestora do Banco do Brasil em um “hub” de investimentos que seguem as práticas ESG (sigla em inglês representa sustentabilidade ambiental, social e de governança corporativa). O executivo assumiu o cargo há um mês e criou um grupo de trabalho que se reunirá pela primeira vez nesta semana para discutir a criação de uma vertical na área. A ideia é atrair grandes fundos de pensão, seguradoras e fundos soberanos estrangeiros: “Temos fundos que seguem os conceitos ESG em todas as classes, mas ainda é muito incipiente. E queremos aumentar a sinergia com o BB, que vai gerar ativos verdes de forma muito forte nos próximos anos”, afirma. Segundo Liberato, essas entidades internacionais formam hoje a maior demanda por investimentos sustentáveis do mercado global. O executivo fala do assunto com autoridade: desde 2022, faz parte do colegiado da iniciativa Princípios para o Investimento Responsável, da Organização das Nações Unidas (ONU), e tem contato com as principais instituições do segmento.”

Fonte: Valor Econômico, 16/08/2023

Cargill mapeia 100% dos grãos comprados diretamente na América do Sul

“A Cargill atingiu um patamar inédito no mapeamento de fornecedores na América do Sul. Desde o primeiro semestre, os grãos adquiridos diretamente de produtores na região estão 100% rastreados, patamar já atingido no Brasil no ano passado. A rastreabilidade é mais um passo da empresa em seu compromisso para desenvolver cadeias de suprimentos livres de desmatamento e conversão até 2030. Além de localizar a origem dos grãos, é possível identificar oportunidades de desenvolvimento sustentável junto aos produtores. Neste levantamento, foram mapeadas mais de 32.000 fazendas, em mais de 16.500 produtores entre Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai, fornecedores diretos de grãos para o negócio agrícola da Cargill na região. O mapeamento utilizado pela companhia conta com tecnologia geoespacial, baseada em polígonos de todos os limites das fazendas dos nossos fornecedores diretos. Na prática, isso significa maior precisão para saber a origem daqueles grãos. Caso seja identificado algo que não esteja de acordo com as Boas Práticas Agrícolas (BPAs) e exigências internacionais, a Cargill pode atuar junto ao produtor com programas de agricultura regenerativa, pagamento por serviços ambientais, projeto de financiamento verde, regularização de propriedades, dentre outros.”

Fonte: PecSite, 16/08/2023

Política

Governo promete revolucionar economia com plano verde

“Nossa ambição é que o Plano de Transformação Ecológica brasileiro seja o mais ambicioso, pelo menos entre os países em desenvolvimento”, diz um dos arquitetos do plano verde brasileiro, Rafael Ramalho Dubeux, assessor especial do ministro da Fazenda Fernando Haddad. “Não é um plano apenas de descarbonização da economia. Trata-se, fundamentalmente, de um plano de desenvolvimento econômico.” Anunciado na sexta-feira, durante o lançamento do novo PAC, o plano verde brasileiro atende, no momento, por duas denominações – Plano de Transformação Ecológica e Plano de Transição Ecológica. Há quem prefira o termo “transformação”. “Parece mais apropriado para a profundidade da mudança que as medidas acarretam. É profunda a mudança que se pretende na economia brasileira”, diz Dubeux. “Todos os setores serão impactados. O conjunto da obra é muito transformador.” São seis eixos e mais de cem itens que alcançam toda a economia. Fazem parte de uma agenda para os próximos 3,5 anos. Algumas medidas são de grande envergadura, como a criação do mercado de carbono ou fusão do Plano Safra com o Plano ABC, que promove a agricultura de baixo carbono.”

Fonte: Valor Econômico, 16/08/2023

Internacional

Empresas

Siemens fabrica equipamentos de energia solar para o mercado dos EUA em Wisconsin

“O conglomerado alemão Siemens (SIEGn.DE) disse na terça-feira que começará a produzir equipamentos de energia solar nos Estados Unidos em 2024 por meio de um fabricante contratado em Wisconsin. O anúncio marca um movimento de um dos maiores fabricantes do mundo para capitalizar os incentivos da lei histórica de mudança climática do presidente Joe Biden, de um ano, para aumentar o fornecimento de componentes de energia solar fabricados nos Estados Unidos e competir com a China. A Siemens produzirá inversores de cadeia solar, dispositivos que convertem energia gerada por painéis solares em corrente utilizável, para o mercado de escala de serviços públicos dos EUA, informou em comunicado. Os produtos serão fabricados em uma instalação em Kenosha, Wisconsin, operada pela Sanmina (SANM.O). “Trabalhando com a Sanmina para estabelecer esta nova linha de produção, a Siemens está bem posicionada para enfrentar os desafios de fornecimento que nosso país enfrenta enquanto trabalhamos para localizar a produção para infraestrutura verde e renovável”, Brian Dula, vice-presidente de eletrificação e automação da Siemens Smart Infrastructure USA , disse no comunicado.”

Fonte: Reuters, 15/08/2023

SEC pressiona gestoras por questões ESG

“A divisão de fiscalização da SEC (Securities and Exchange Commission, a comissão de valores mobiliários dos EUA) enviou requerimentos de documentos e intimações a várias gestoras de ativos, todos relacionados a seu marketing sobre investimentos ESG (ligados a temas ambientais, sociais e de governança), segundo advogados. Isso sugere a possibilidade de uma ação repressiva iminente no mundo dos fundos sustentáveis. Um dos focos de investigação da SEC é o dos fundos de investimento convencionais que foram adaptados para funcionar como fundos ESG, de acordo com esses advogados do setor de gestão de ativos. A comissão também examina os casos em que fundos oferecidos nos EUA e na Europa compartilham estratégias, participações ou gerentes de carteiras, mas oferecem volumes diferentes de informações em cada região. As investigações começaram depois que a divisão de fiscalização da SEC montou, em março de 2021, uma força-tarefa para verificar a eventual existência de má conduta com relação às informações divulgadas sobre investimentos ligados a mudanças climáticas e ESG. A divisão já investigou e deu solução fora dos tribunais a outros casos contra empresas e gestoras de ativos relativos a fundos ESG, como os do Goldman Sachs e do BNY Mellon em 2022, mas neste ano não abriu nenhum caso até agora”

Fonte: Valor Econômico, 16/08/2023

Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

Análise ESG Empresas (Radar ESG)

Mineração & Siderurgia: Um setor desafiador, gradualmente buscando oportunidades; Gerdau à frente dos pares (link)

Orizon (ORVR3): Companhia segue como uma das melhores sob a cobertura da XP (link)

Cosan (CSAN3): Fortalecendo governança e impulsionando a agenda ESG em suas subsidiárias (link)

Outros relatórios de destaque

Cúpula da Amazônia: Boas intenções, mas só parte delas traduzidas em metas claras(link)

ESG: Um guia de bolso das principais regulações no Brasil(link)

Carteira ESG XP: Uma alteração para o mês de agosto (link)

O que muda com as novas normas globais de sustentabilidade do ISSB? (link)

Relatórios Semanais (Brunch com ESG)

Cúpula da Amazônia em foco; Regras da UE para desmatamento geram debate; PETR4 e seu apetite para projetos de energia limpa (link)

Emissões ESG ganham força; JBSS3 e sua meta ‘Net Zero’ para 2040; RenovaBio é reforçado (link)

Sigma Lithium estreia BDRs na B3 e outros destaques (link)


Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.