XP Expert

Economia em destaque: Seu resumo semanal do cenário econômico internacional e doméstico

Dados de PIB, piora dos casos de Covid-19 no Brasil e conclusão da PEC que implementará a nova rodada de de auxílio emergencial no país são os destaques da semana.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Covid-19

Nessa sexta-feira (05/03), pelo 11° dia consecutivo, a média móvel semanal de óbitos cresceu no Brasil, para 1.353 óbitos/dia. O Ministério da Saúde, segundo o Valor Econômico, prevê uma média de 3 mil mortes diárias no final deste mês, por conta de diversas variantes do vírus circulando em território nacional simultaneamente. Diante da piora do número de novos casos e hospitalizações, a notícia de que o estado de São Paulo voltará à fase vermelha de distanciamento social neste sábado foi o principal destaque,

Ainda nessa frente, o governo previa disponibilizar 16,9 milhões de vacinas de Oxford neste mês, mas alterou seu cronograma para apenas 3,8 milhões. Há atrasos tanto na liberação de insumos da China quanto na importação de doses prontas da Índia. A possibilidade de fabricar o insumo no Brasil, planejada para agosto por meio de transferência de tecnologia, também foi adiada. Por outro lado, o Ministério espera receber 8 milhões de doses de Covaxin, que anunciou 81% de eficácia nos testes preliminares da fase 3 na Índia. No total, 38 milhões de doses devem ser entregues em março.

Até o momento, o país conta com 10,1 milhões de doses aplicadas em sua população, sendo quase 2,5 milhões de brasileiros completamente vacinados. A média semanal de doses aplicadas tem subido na última semana e ontem atingiu o pico de 295,4 mil ao dia. Significa dizer que, mantido o ritmo atual, o Brasil vacinará toda sua população de risco, composta por 30 milhões de habitantes, até agosto.

Internacional

No cenário internacional, a alta dos juros dos títulos públicos nos países centrais fez uma pausa ao longo da semana, abrindo espaço para recuperação dos índices de ações e dos preços das commodities. Bancos Centrais nos EUA, Europa e Ásia vem reforçando que não pretendem reverter os estímulos monetários tão cedo. Os fundamentos para os juros mais elevados, contudo, continuam valendo, especialmente nos EUA, onde o Presidente Biden segue pressionando por seu pacote de U$ 1,9 tri, mesmo com a economia recuperando e as boas notícias na frente da vacinação no país.

Sobre o pacote de estímulos, após ser aprovado na Câmara dos EUA no sábado (27), o pacote seguiu para debates e votação no Senado. Apesar da assessora parlamentar da Câmara Alta definir que o aumento do salário mínimo não pode ser aprovado via reconciliation, divergências sobre o tema permanecem entre as diferentes alas do partido de Joe Biden. A ala considerada mais radical busca implementar impostos sobre empresas cujos funcionários não recebam ao menos USD 15 por hora. No entanto, há forte resistência à ideia entre moderados, razão pela qual ela deve ser deixada de lado. Reiteramos que as negociações devem acontecer de forma célere para poder aprovar o pacote até meados de março, quando vence uma série de programas sociais.

Na seara de indicadores, o PMI indústria de fevereiro surpreendeu as expectativas de mercado, ao atingir 60,8, reforçando a volta da atividade industrial no país, que deve seguir estável diante da manutenção da demanda e da pressão sobre os estoques.

Enquanto isso, na Europa, dados de atividade deste início de ano reforçam a percepção de que a atual onda de contágio e medidas de isolamento não terá a mesma magnitude de impacto na economia, se comparado ao ano passado. Os PMIs de manufaturas de fevereiro surpreenderam para cima em diferentes países da região, apesar do território ainda contracionista da maior parte dos PMIs de serviços.

Entretanto, a cautela continua. As vendas do varejo surpreenderam negativamente na Alemanha, ao contraírem 4.5% m/m (est. +0.3%) em fevereiro. Nos dados de mercado de trabalho de fevereiro, a taxa de desemprego ficou em 6% (est. 6%), com criação de vagas ligeiramente mais forte. Já no cenário de inflação, a prévia do CPI de janeiro da Zona do Euro ficou em 0.9% y/y (est. 0.9%) e o core em 1.1% y/y (est. 1.1%).

Finalmente, na China, os PMIs de manufatura e serviços referentes a fevereiro vieram abaixo do esperado pelo consenso de mercado, especialmente frente à normalização gradual da produção pós pandemia e efeito de medidas de restrição recentes em algumas regiões do país. Não obstante, os resultados seguem indicando expansão na atividade, e não devem impactar o forte crescimento esperado para o ano. Foi destaque também o posicionamento do regular bancário, que se disse ‘muito preocupado’ com riscos de bolhas nos mercados financeiros globais e nos preços de imóveis locais, o que contribui para a expectativa de aperto das condições financeiras no país.

Enquanto isso, no Brasil

Na seara político-econômica, o destaque foi a conclusão da votação da PEC Emergencial no Senado e o calendário apresentado pelo presidente da Câmara, deputado Arthur Lira, para a deliberação da proposta: ele pretende levar o tema diretamente a plenário e votar a primeira fase do projeto, chamada de admissibilidade, na terça-feira. Na quarta, seriam votados os dois turnos da emenda constitucional, concluindo assim sua tramitação. Ainda que atrasos possam acontecer, a expectativa é que o empenho de Lira e a pressão pelo início do pagamento do auxílio possibilitem uma aprovação rápida e sem alterações que exijam nova votação pelos senadores.

A semana também foi marcada por negociações intensas, diante da disposição de parte dos senadores de excluir do teto de gastos as despesas com o Bolsa Família. Com participação de Arthur Lira e mudança de posição do presidente Jair Bolsonaro, o governo conseguiu reverter a tendência pouco antes da sessão começar.

Ainda no palco político-econômico, o presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória com medidas para compensar o decreto com redução de PIS Cofins sobre o diesel e o gás de cozinha. Entre essas medidas está a elevação da CSLL para instituições do setor financeiro. Os bancos passam a ter CSLL de 25% até 31 de dezembro deste ano e 20% a partir do ano que vem. Segundo a Secretaria-Geral da Presidência, o aumento da CSLL só entra em vigor em 1º de julho.

Foi destaque também o posicionamento do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em entrevista ao vivo na terça-feira.  Diante de crescente pressões fiscais e expectativas de alta da Selic na próxima reunião do COPOM, Campos Neto destacou a necessidade de cautela. O presidente reconheceu a mudança nas condições internacionais e o descolamento do real frente às moedas emergentes e aos preços das commodities, em parte por causa do fiscal, destacando a importância de credibilidade fiscal e monetária. Nesse sentido, vale destacar o artigo que publicamos sobre o tema da credibilidade na política monetária e o impacto na inflação.

Finalmente, no campo de indicadores macroeconômicos, o destaque ficou para a divulgação do PIB do quarto trimestre de 2020, que registrou crescimento de 3,2% em relação ao trimestre anterior, bem acima das nossas expectativas e do consenso de mercado. A queda do PIB no ano de 2020 ficou em 4,1%.

Embora positivos, acreditamos que os números dizem pouco sobre 2021. Diferente do segundo semestre do ano passado, a renda total do consumidor está diminuindo agora, e a dinâmica da Covid piorou substancialmente. Além disso, a volatilidade do mercado financeiro aumentou, com efeitos negativos nas condições financeiras. Dessa forma, projetamos ligeira queda no 1T21 (-0,1% t/t).

Para 2021, com base no carrego estatístico e na expectativa de recuperação do setor de serviços liderada pela vacina no segundo semestre, mantemos nossa projeção de crescimento de 3,4%.

Por fim, também foram divulgados os resultados da produção industrial de janeiro, que apresentou crescimento de 0,4% m/m no mês, refletindo o processo de reposição de estoques. As indústrias extrativa, alimentícia, de papel e celulose, de cosméticos e de “outros produtos diversos” foram os principais destaques positivos. Metalurgia, indústria eletrônica e equipamentos de transporte, por outro lado, perderam fôlego no período.

O que esperar?

As pesquisas mensais do comércio e do setor de serviços, o IPCA de fevereiro e o cadastro geral de janeiro de empregados e desempregados no mercado de trabalho formal brasileiro (Caged) serão os principais destaques da agenda econômica nacional da próxima semana. No exterior, os destaques serão o PIB da Zona do Euro e o CPI das principais economias globais.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.