A credibilidade sobe de escada, mas cai de elevador: autonomia do Banco Central é importante mesmo para um BC crível

Nossa análise indica que o Banco Central tem mantido bons níveis de credibilidade, tornando menos custoso manter a estabilidade de preços. A autonomia formal do Banco Central contribuir para consolidar essa realidade a frente, pois sabemos que credibilidade hoje não é garantia de credibilidade no futuro. Especialmente em meio às constantes incertezas políticas e fiscais do País.


Compartilhar:


O Presidente Bolsonaro sancionou na semana passada a lei que garante autonomia formal ao Banco Central. Como discutimos em mais detalhes em artigo recente, a mudança tende a reforçar a credibilidade da política monetária, contribuindo para o controle da inflação em um cenário marcado por incertezas fiscais.

Porém, ao refletir sobre esse importante avanço institucional, surge a pergunta: como podemos mensurar a credibilidade de um Banco Central? Seria possível observar tais mudanças de credibilidade por meio de movimentos no mercado?

O relatório Focus do Banco Central serve de instrumento para esse exercício. Observando as expectativas de agentes de mercado em relação à dinâmica da taxa Selic e da inflação, podemos identificar quando a política monetária está sendo considerada crível em seu objetivo de controlar a inflação.

Nossa análise indica que o  Banco Central tem mantido bons níveis de credibilidade, tornando menos custoso manter a estabilidade de preços. A autonomia formal do Banco Central contribuir para consolidar essa realidade a frente, pois sabemos que credibilidade hoje não é garantia de credibilidade no futuro. Especialmente em meio às constantes incertezas políticas e fiscais do País. 

Pesquisa Focus: como o mercado projeta o futuro  

Com o intuito de auxiliar na condução de políticas macroeconômicas (especialmente nas de política monetária), o Banco Central do Brasil reúne em um relatório (Focus) as projeções de mercado para alguns dos principais indicadores da economia brasileira, incluindo PIB, Selic, inflação e câmbio.

O Focus é divulgado todas as semanas e compila projeções diárias para o ano corrente, e dois ou três anos subsequentes (dependendo da variável). Em política monetária é costume se referir aos anos subsequentes (a depender do período) como “horizonte relevante”, pois a política monetária  em efeitos defasados na economia: uma mudança nos juros hoje tendem a demorar um tempo para fazer efeito sobre a atividade econômica e sobre a inflação. Assim, as projeções de inflação de anos à frente são mais relevantes para a decisão de juros do que a do ano corrente, quando já não há muito o que fazer para influenciar a trajetória dos preços. Em suas comunicações oficiais o Banco Central indica que, no Brasil, uma mudança nos juros demora entre 1 a dois anos para fazer seu efeito máximo sobre a inflação.

A medida em que diferentes choques e riscos que se materializam na economia, como por exemplo um evento climático que eleva o preço dos alimentos, as projeções de inflação no curto prazo oscilam. É por isso que existem as bandas de tolerância em torno da meta de inflação. Mesmo que o Banco Central tenha mirado direitinho a meta lá atrás, um choque de última hora pode desviar um pouco a inflação do rumo, quando o BC já não tem mais tempo para reagir. No Brasil atualmente em 1,5p.p. para cima ou para baixo da meta da inflação determinada pelo Conselho Monetário Nacional.

Alterações sucessivas nas projeções de inflação de médio/longo prazo, no entanto, tendem a sinalizar incertezas acima do usual ou a falta de confiança dos agentes de mercado na capacidade da autoridade monetária em trazer a inflação para a meta. Se um banco central tem um bom nível de credibilidade, espera-se, portanto, que as projeções de inflação para o médio/longo prazo permaneçam majoritariamente em torno da meta.

A história ensina: em política monetária, credibilidade é tudo

Em política monetária, expectativas são importantes. Isso ocorre, pois, as próprias expectativas dos agentes econômicos são essenciais na definição do comportamento dos preços. Se um provedor de serviços, sendo uma manicure ou dona de um grande negócio, por exemplo, entende que a inflação será mais alta dali um mês ou dois, este muitas vezes optará por já agregar tal custo adicional em seu serviço. Acontecendo sucessivamente na economia, as expectativas correntes quanto ao patamar futuro da inflação acabam por contribuir para a determinação da inflação corrente.  

Deste modo, o Banco Central estará sempre atento às expectativas futuras de preços, de modo a balizar suas decisões de política monetária, a principal sendo a taxa Selic.  No regime de metas para a inflação, como o existente no Brasil, a meta é a âncora das expectativas, contribuindo para que a inflação permaneça sob controle.

Tomemos o exemplo das projeções de mercado para a Selic e para o IPCA de 2014, 2015 coletadas entre 2013 e 2014.

Em meio aos riscos fiscais elevados e às incertezas políticas que caracterizaram o período em questão, as projeções de mercado para a taxa Selic de 2014 começaram a ser elevadas já em meados de 2013. Em resposta às projeções de Selic mais altas, as projeções de IPCA para os anos subsequentes deveriam reduzir gradualmente, uma vez que o efeito esperado para uma política monetária contracionista (por meio do aumento da taxa básica de juros) é a redução do produto da economia e, consequentemente, o arrefecimento da inflação.

No entanto, não foi isso o que ocorreu nesse período. Conforme ilustrado pelos gráficos abaixo, apesar das elevações das projeções para a Selic, as projeções para o IPCA também seguiram em trajetória de expansão. Ou seja, apesar de o BC estar subindo juros, os agentes de mercado pareciam não acreditar que seria o suficiente para trazer a inflação de volta à trajetória de metas.

Naquela oportunidade, provavelmente o BC viu-se na necessidade de elevar juros mais intensamente para trazer a inflação para a meta, pois não contou com a ajuda das expectativas ancoradas.

Em comparação, no cenário atual, também temos riscos fiscais e pressões inflacionárias de curto prazo. Entretanto, a dinâmica de expectativas de mercado tem permanecido bem-comportadas.

Em meio às incertezas fiscais que têm acompanhado a discussão de mais uma rodada de auxílio emergencial, a projeção de mercado para a Selic deste e dos próximos anos tem se tornado marginalmente maior. Mas, diferentemente do que observamos nos anos entre 2013 e 2014, as elevações nas projeções de Selic não têm sido acompanhadas de elevações nas projeções de inflação para o médio/longo prazo.

Como podemos observar nos gráficos abaixo, ainda que as projeções para a taxa Selic tenham se tornado mais dispersas, as projeções para a inflação no horizonte relevante de política monetária continuam estáveis. Isso demonstra que, mesmo que agentes de mercado não necessariamente concordem sobre para qual patamar, ou em que velocidade, o Banco Central deva elevar a Selic, o ponto em comum entre todos é que a inflação retornará à meta no longo prazo – independente de qual seja a “calibragem” dos juros.

Em outras palavras, o mercado acredita que o Banco Central será capaz de conduzir a inflação para a meta ao longo dos próximos anos. Tem-se, então, uma demonstração de credibilidade na autoridade monetária.

Não à toa, as projeções do mercado para a inflação no horizonte relevante oscilavam muito mais do que as projeções de inflação futura observadas hoje.

Credibilidade corrente não dispensa autonomia do Banco Central

Expectativas são essenciais para a condução da política monetária e tornam-se ainda mais relevantes em momentos de incertezas fiscais. A credibilidade da autoridade monetária tem papel central na manutenção de tais expectativas ancoradas – ou seja, em linha com o objetivo esperado de controle da inflação.

A formalização da autonomia do Banco Central favorece a dinâmica positiva observada no período recente, mesmo diante de uma autoridade monetária com já relevante credibilidade. Ao reduzir a probabilidade de que potenciais mudanças de rumo político possam interferir nas decisões de política monetária, a autonomia formal garante que essa credibilidade conquistada a duras penas não seja facilmente erodida pela potencial presença de um Presidente que não prese o controle da inflação.

Afinal, assim como a confiança, a credibilidade sobe de escada, mas cai de elevador.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.