XP Expert

Economia em Destaque: PIB do terceiro trimestre no Brasil decepciona e PEC dos Precatórios é aprovada

Seu resumo semanal de economia no Brasil e no mundo

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Resumo

No cenário internacional, a variante Ômicron foi o assunto principal e moveu os mercados nessa semana, devido aos riscos que ela gera para o cenário de atividade e inflação em todo o mundo.

No Brasil, os destaques da semana foram a divulgação do PIB do terceiro trimestre (abaixo do consenso), a aprovação da PEC dos Precatórios, dados de mercado de trabalho, produção industrial e resultados fiscais.

Para semana que vem, os destaques domésticos serão a reunião do Copom e a inflação do IPCA. No cenário internacional, o principal dado será a inflação ao consumidor nos EUA (CPI).

Atualizações Covid-19

A variante Ômicron seguiu como motivo de preocupação durante a semana à medida que os casos evoluem. Pesquisadores da África do Sul estão observando um aumento de casos de reincidência de Covid-19, o que indica que uma infecção prévia pode não oferecer proteção contra a nova cepa do vírus. Pelo lado otimista, dados de internações hospitalares no país seguem em níveis pouco preocupantes, e a vacina parece ser eficaz em mitigar sintomas.

Enquanto isso, no Brasil, a média móvel (7 dias) de novos diagnósticos apresentou leve queda em relação à semana passada enquanto a de óbitos causados pela covid-19 registou leve alta. Ao todo, 75,3% da população brasileira já está vacinada com ao menos a primeira dose de imunizante contra a doença, enquanto 63,9% já completou o ciclo vacinal. A dose de reforço já chegou a 8,1% da população.

Cenário Internacional

Estados Unidos: Congresso evita shutdown, mercado de trabalho mais fraco que o esperado

O Congresso americano aprovou nova extensão do orçamento para entes públicos, o que evitou um shutdown (ou seja, uma efetiva paralização da máquina pública) ao final da semana. A extensão permite funcionamento do governo até o dia 18 de fevereiro, quando o tema deve voltar para a agenda parlamentar.

Na seara de indicadores econômicos, a semana contou com divulgação dos índices de gerente de compras. Os resultados da indústria e serviços sinalizaram expansão em novembro, com o último registrando o maior crescimento para o índice da série histórica. 

Já os dados do mercado de trabalho referentes a novembro vieram mistos. O resultado do payroll, criação de empregos urbanos nos EUA, veio muito abaixo do esperado (210 mil contra expectativa de 550 mil). Ao mesmo tempo, a taxa de desemprego chegou a 4,2% contra 4,6% no mês passado, registrando aumento da força de trabalho e na taxa de participação.

Os resultados indicam que o mercado de trabalho do país segue em forte recuperação, mas ainda com alguns desafios para que atinja o nível pré pandemia. O movimento vai em linha com a nossa visão de que o Banco Central americano (o FED) pode acelerar o fim do programa de compra de ativos – seguindo também sinalizações recentes do presidente Jerome Powell, que mostrou preocupações sobre o nível dos preços em pronunciamento nessa semana.

Não obstante, mantemos nossa visão de que a primeira elevação de juros deve ocorrer no último trimestre do ano que vem, sendo seguido de subsequentes elevações graduais dos Fed funds (a taxa básica de juros no país). A reunião de dezembro do FOMC (comitê de política monetária do FED) será essencial para indicar próximos passos.

Finalmente, também foi destaque a publicação do Livro Bege (relatório publicado pelo FED, que aborda as condições econômicas em diferentes regiões do país). De acordo com o documento, a atividade econômica expandiu a um ritmo modesto a moderado na maioria das regiões entre outubro e início de novembro. Porém, apesar da demanda robusta, vários distritos notaram que o crescimento tem sido limitado pelas interrupções nas cadeias de suprimentos e dificuldades no preenchimento de vagas de trabalho.

Europa: pressões de custos podem impactar atividade

O principal destaque da semana foi a inflação.

O índice de preços ao produtor (PPI) da Zona do Euro exibiu forte elevação de 5,4% entre setembro e outubro, levando o acumulado em doze meses para 21,9%, alimentando as preocupações sobre a persistência da pressão sobre os preços. Os destaques foram os preços de energia, que saltaram 16,8% na comparação mensal.

Enquanto isso, indicadores de atividade da Zona do Euro apresentaram ligeira melhora no mês passado, mas os gargalos da cadeia de abastecimento pioraram, em linha com a alta de preços.

Já no Reino Unido, dados de atividade vieram positivos, indicando um quadro de melhora, marcado por novos pedidos e empregos em alta. Em contrapartida, a medida dos custos de fábrica do PMI atingiu o nível mais alto desde o início dos registros em 1992.

China: perda de ímpeto na recuperação econômica

Na China, o destaque ficou também para os índices de gerente de compras. O PMI de manufaturas indicou contração em novembro, indo contra o consenso. A segunda maior economia do mundo, que apresentou uma recuperação impressionante da queda pandêmica do ano passado, vem perdendo ímpeto desde o segundo semestre, à medida que luta com uma desaceleração do setor manufatureiro, problemas de dívida no mercado imobiliário e a política de tolerância zero em relação ao Covid-19 implementada pelo governo.

Já o índice referente ao setor de serviços indicou expansão, mas um pouco abaixo do consenso.

Petróleo: decisão pode dar fôlego aos preços

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (a OPEP+) surpreendeu o mercado ao manter os planos de aumentar a produção em janeiro, trazendo alívio aos preços de petróleo. No Brasil, o movimento pode tirar um pouco a pressão por novos reajustes dos combustíveis e potencialmente impactar o preço final na gasolina (para baixo), caso o barril de petróleo (Brent) se mantenha em queda.

Não obstante, a OPEP também ressaltou que a decisão de aumento de produção pode ser revista a qualquer momento diante da queda da demanda em resposta à variante Ômicron do coronavírus.

Enquanto isso, no Brasil…

Brasil Macro Mensal

Publicamos nosso relatório Brasil Macro Mensal de dezembro. A atividade econômica perdeu força antes do esperado. Cortamos nossa projeção de crescimento do PIB para 2021 de 5% para 4,5% e reduzimos a projeção para 2022 de 0,8% para 0%. O Banco Central tende a manter o ritmo de aperto por mais tempo, considerando a inflação elevada e as incertezas fiscais. Dessa forma, ajustamos nossa taxa Selic terminal de 11,0% para 11,5% (22 de março). O crescimento econômico mais fraco, no entanto, deve abrir espaço para cortes nas taxas antes do final do ano de 2022.

PIB do terceiro trimestre

Nesta semana foi divulgado o PIB brasileiro do terceiro trimestre, que caiu 0,1% em comparação com o período anterior e teve alta de 4,0% ano contra ano, aproximadamente em linha com nossa expectativa e o consenso de mercado.

Do lado da oferta, o PIB de Serviços permaneceu em uma trajetória de recuperação sólida devido à reabertura econômica, compensando (quase totalmente) a estabilidade do PIB da indústria e a queda do PIB da Agricultura e Pecuária.

Do lado da demanda, a recuperação do Consumo total (que teria sido mais forte não fosse o aumento da inflação) superou a estabilidade dos Investimentos e a contribuição negativa do Setor Externo. Mais uma vez, a variação nos Estoques puxou para baixo o crescimento total do PIB no último trimestre.

Por enquanto, vemos a atividade doméstica crescendo modestamente no 4º trimestre (0,3% no trimestre; 1,3% no comparativo anual).

Produção industrial

A produção industrial brasileira caiu 0,6% em outubro contra o mês anterior. O resultado foi uma grande surpresa negativa, tanto para nossas expectativas e para o consenso de mercado (ambos em +0,8%). Em relação a outubro de 2020, o volume produzido despencou 7,8%.

O dado de outubro consolida a quinta queda consecutiva da produção industrial brasileira, que vem sofrendo com os gargalos das cadeias de suprimentos, com destaque para a indústria automotiva.

Mercado de Trabalho

Conforme divulgado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE, a taxa de desemprego brasileira atingiu 12,6% no 3º trimestre ante 13,1% no trimestre móvel encerrado em agosto (XP: 12,8%; consenso: 12,7%). Apesar da melhora recente, a população ocupada e a população economicamente ativa ainda seguem abaixo dos níveis pré pandemia – em 1,8% e 0,9%, respectivamente.

Resultados fiscais

O resultado primário do governo central registrou superávit de R$ 28,2 bilhões em outubro, reduzindo o déficit acumulado em 12 meses para 1,4% do PIB (de 1,8% em setembro). O resultado ficou ligeiramente acima da mediana das expectativas de mercado (R$ 25,8 bilhões) e mantém a trajetória positiva observada ao longo do ano. O resultado positivo de outubro indica que a performance das contas públicas continua se beneficiando do aumento cíclico das receitas e de algum controle das despesas.

Por sua vez, o setor público consolidado registrou superávit primário de R$ 35,4 bilhões em outubro, reduzindo o déficit acumulado em doze meses para 0,24% do PIB (ante 0,63% em setembro). O resultado melhor do que o esperado representa o melhor desde 2016. Já a Dívida Bruta do Governo Geral atingiu 82,9% do PIB – mesmo patamar do mês anterior.

Para os próximos meses, esperamos que o superávit acumulado dos governos regionais seja suficiente para levar o resultado do setor público consolidado do azul no ano (um superávit de 0,3% do PIB), e a dívida bruta para 80,2% do PIB.

Para 2022 os resultados fiscais devem voltar a piorar, com a desaceleração da economia e a perspectiva de aceleração de gastos gerada pela PEC dos Precatórios.

Aprovação da PEC dos Precatórios

O Senado aprovou a PEC dos Precatórios, emenda constitucional que abre espaço para novas despesas no próximo ano. Partes do texto que foram aprovadas antes na Câmara dos Deputados foram modificadas, o que fazem a proposta precisar voltar para a votação dos deputados.

Em teoria, as partes do texto que não foram modificadas poderiam já ser promulgadas. Porém ainda não está claro se o Parlamento seguirá essa estratégia, ou se o texto todo voltará para a Câmara.

Para compreender melhor a PEC e suas implicações, confira o relatório PEC dos Precatórios e o orçamento 2022.

O que esperar para semana que vem?

Para semana que vem, o destaque internacional será a inflação ao consumidor (CPI) nos EUA, referente ao mês de novembro. Também teremos divulgações de dados da inflação de novembro na Alemanha e na China, além de PIB e mercado de trabalho referentes ao terceiro trimestre na Zona do Euro.

Já no cenário doméstico, a reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) na quarta-feira é o principal evento da semana. Esperamos que a taxa Selic seja elevada em 1,5 pp, até 9,25%. A semana também será marcada pela divulgação do IPCA e do IGP-DI de novembro, e das vendas no varejo de outubro.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.