XP Expert

Zeina Latif: A lição dos estrangeiros

A visão dos investidores estrangeiros sobre o Brasil nos ajuda a entender quem somos. Diferente do investidor local, que comprou a agenda Temer e está bastante decepcionado e preocupado com os rumos do País, os estrangeiros não são passionais. A decepção é menor, pois também não nutriam grande otimismo em relação à capacidade do governo […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A visão dos investidores estrangeiros sobre o Brasil nos ajuda a entender quem somos. Diferente do investidor local, que comprou a agenda Temer e está bastante decepcionado e preocupado com os rumos do País, os estrangeiros não são passionais. A decepção é menor, pois também não nutriam grande otimismo em relação à capacidade do governo de aprovar reformas polêmicas, como a da Previdência. Afinal, é o Brasil. Nem tudo é tão bom, nem tudo é tão ruim.

A ignorância é muitas vezes uma bênção. Os estrangeiros, menos contaminados pelo noticiário local, avaliam de forma mais serena e pragmática os riscos pela frente.

Os estrangeiros têm visão mais global e não veem o Brasil como caso isolado de país problemático. Depois de Brexit e Trump, esses investidores parecem um pouco anestesiados. Nada os surpreende tanto assim. Muitos minimizam os riscos para a eleição de 2018, dizendo que, nos EUA, eles têm o Trump.

Alguns questionam o que realmente detonou a crise política, podendo haver algo além do escândalo de corrupção. Mas os questionamentos não vão muito além da curiosidade. Querem saber mesmo o que vem pela frente: como fica a agenda de reformas, o time econômico, a política econômica, o risco de deslize fiscal e o espaço para cortar a taxa de juros. Querem discutir as oportunidades.

Para o estrangeiro, é difícil entender que um país escolha um caminho medíocre, de baixo crescimento, ou pior, de colapso fiscal. Assim, esperam que a reforma da Previdência virá de qualquer jeito. Se não agora, mais tarde.

O reconhecimento de que o Brasil tem avançado no aperfeiçoamento de suas instituições democráticas é um ponto importante. Reduz os riscos de aventuras na política e na economia.

Diante de tantas incertezas, que impedem saber qual desfecho da crise política seria melhor para a agenda econômica, e da visão de que o País não caminha para o colapso, os estrangeiros reagem, basicamente, a preços. Quando a crise política eclodiu, diante do susto dos locais, muitos viram uma janela de oportunidade para se posicionar no Brasil. O quadro externo, com liquidez elevada e baixa volatilidade do mercado de moedas, ajuda bastante.

Os estrangeiros têm muito a nos ensinar neste momento. Ainda que o quadro recomende cautela, é importante não se deixar contaminar excessivamente pela crise política na tomada de decisões. Cautela sim, retranca não.

O quadro econômico é frágil, mas as válvulas da economia começam a funcionar em resposta à reorientação da política econômica.

O risco de retrocessos na política fiscal no curto prazo existe, mas o espaço é limitado.

O crescimento automático das despesas públicas, a começar pelos gastos da Previdência, estrangula o orçamento de forma crescente, mas houve avanços institucionais importantes, como na “regra do teto”. O político que, porventura, questionar essa regra terá, provavelmente, de recuar por conta da dura resposta dos mercados.

A agenda de ajuste fiscal é difícil e implica enfrentar o estado patrimonialista, mas o debate econômico tem avançado bastante.
A agenda pró-crescimento está em estágio embrionário, mas começou.
A crise do modelo econômico de Dilma é tão gigantesca que força a mudança de crenças. Cresce o desejo por políticas públicas mais horizontais e tratamento equitativo e justo aos setores, empresas e indivíduos (level playing field).

O caminho para a consolidação fiscal e para o crescimento é longo e cheio de desafios. O fato de não enxergarmos hoje lideranças políticas sólidas e com capacidade de conduzir a necessária agenda econômica é preocupante. Mas isso não exime as lideranças do setor privado de cumprirem seu papel na proposição e apoio de reformas que visem o bom funcionamento da economia e o bem comum. Pelo contrário. É momento de maior protagonismo.

É importante olharmos além da crise, como os estrangeiros fazem hoje. “Sentar na sarjeta e chorar” não ajuda a superar os problemas.

22 de Junho de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.