Raio-XP da Bolsa: Entrando em outra fase do ciclo

Nesse Raio-XP da Bolsa, iremos destacar e relembrar os principais acontecimentos do mês que serão relevantes para entender o que virá pela frente. Atualizamos nossas carteiras.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O que você vai encontrar nesse relatório:

Nesse Raio XP de agosto, vamos discutir qual o cenário para o segundo semestre de 2021.

Acreditamos que estamos entrando em um novo período do ciclo econômico global, chamado de meio de ciclo.
Nesse período, o ritmo de crescimento começa a desacelerar, enquanto a inflação permanece alta e os bancos centrais começam a subir as taxas de juros.


Assim, a liderança nos mercados vai continuar mudando. Achamos válido começar a reduzir as grandes posições em commodities e aumentar em empresas domésticas, de qualidade e de crescimento. Além disso, gostamos mais de Small Caps, que são mais expostos ao cenário doméstico, do que os setores mais cíclicos. E, recentemente, nós ficamos mais cautelosos com relação a bancos.

Continuamos otimistas com a reabertura econômica. O maior risco é surgimento da variante Delta do coronavírus. Mas diferentemente de 2020, a vacinação está ganhando força globalmente e não acreditamos que haja apetite para lockdowns severos que possam reverter a recuperação econômica, apesar da variante Delta poder levar a uma desaceleração maior.

A segunda versão da reforma tributária é positiva para ações, mas negativa para as contas fiscais. A proposta ajustada corrigiu boa parte dos problemas anteriores, com um corte maior no IRPJ para 12.5% de 5%. Olhando para todas as empresas sob nossa cobertura, isso teria um impacto positivo de 6% no resultado agregado, mesmo com o fim do Juros sobre Capital Próprio. Apesar do impacto líquido positivo para as empresas, a proposta traz um risco fiscal maior para o país. Enfatizamos novamente de que a reforma continua a ser debatida e mais mudanças devem ser feitas
.

Por fim, estamos mantendo o preço-alvo para o Ibovespa em 145.000 pontos para o final de 2021.

Para o mês de julho, estamos fazendo as seguintes alterações nas carteiras:
Carteira Top 10 XP: 1) sai Americanas S.A. (AMER3), 2) o peso de Lojas Americanas (LAME4) passa de 8,5% para 5%, 3) o peso de Vale (VALE3) passa de 15% para 10%, 4) o peso de Localiza (RENT3) passa de 5% para 10%, e 5) o peso de Rede D’Or passa de 10% para 15%.;
Carteira Top Dividendos XP: não estamos fazendo nenhuma alteração;
Carteira Top Small Caps XP: sai Hidrovias do Brasil (HBSA3) e entra Vivara (VIVA3).

A volatilidade retornou ao mercado brasileiro e global em julho, devido aos seguintes fatores: 1) aceleração dos casos de Covid-19 por conta da variante Delta; 2) pressões regulatórias do governo chinês ao setor privado, especificamente empresas de tecnologia e educação, que sofreram com uma venda generalizada recentemente, e 3) no Brasil, riscos políticos continuaram a pressionar os ativos.

Como resultado, mercados globais ficaram de lado em julho, de acordo com o índice MSCI Global, encerrando o rali de 8 meses seguidos. O Ibovespa, em dólar, caiu -6,8% em julho, em função do enfraquecimento do Real e a queda de -3,9% do índice em moeda local. Apesar da correção, o índice brasileiro subiu 2,6% em dólares até agora neste ano, ainda superando os Mercados Emergentes, que por sua vez está com leve alta de +0,3% até o momento, em virtude da fraca performance nos Mercados Asiáticos. Desde o começo da tese de reflação, que começou em novembro de 2020, o índice Ibovespa sobe +16,5% em dólares.

Entrando em outra fase do ciclo

A economia global está começando a dar sinais de desaceleração. A taxa de crescimento está começando a diminuir, porém o crescimento geral permanece em níveis sólidos. O Índice Gerente de Compras (PMI) global começou a enfraquecer após atingir patamares recorde nos últimos meses. Adicionalmente, o impulso no crédito na China também começou a desacelerar nos últimos meses.

Um dos sinais mais preocupantes nesta direção veio da classe de ativos mais líquida no planeta: os títulos de dívida americanos. Após vários meses de dominância da tese de “reflação” (volta do aumento da inflação), o mercado de renda fixa americano se acalmou durante o mês. A taxa de juros do título de 10 anos americano caiu significativamente, de 1,80% para 1,2% atualmente. Além disso, a inclinação da curva (a diferença entre o título de 2 anos e 10 anos) também passou por uma drástica redução. Essa inclinação mais amena sugere um questionamento sobre a tese de reflação e a recuperação de setores cíclicos, ao passo que o mercado de renda fixa não parece muito preocupado com uma economia superaquecida nos EUA. Esse movimento coloca um pouco em cheque a tese do super-ciclo das commodities, por exemplo, além da tese da inflação alta por muito tempo.

Na nossa visão, os dados da economia e dos mercados parecem indicar um clássico padrão de rotação de um ciclo econômico inicial para um “meio de ciclo”, ao invés de “início de ciclo” como vivemos no 1o semestre de 2021. Durante essa fase intermediária de recuperação econômica, o ritmo de crescimento começa a desacelerar, enquanto a inflação permanece alta e os bancos centrais geralmente começam a subir as taxas de juros. Como resultado, os setores que lideram o mercado de ações tendem a mudar também.

A liderança nos mercados permanece em transição

Como pontuamos no mês passado, a liderança nos mercados está em transição. Enquanto o setor de Materiais e Siderurgia tem liderado o mercado em 2021, a transição para um meio de ciclo começa a sugerir uma mudança neste padrão. Para esclarecer, ainda gostamos do setor de commodities e acreditamos que suas ações possuem um rendimento e valuations atrativos. Porém, de uma perspectiva Macro, acreditamos que esta liderança possa estar mudando. Assim, achamos válido começar a reduzir as grandes posições no setor e aumentar em empresas domésticas, de qualidade e de crescimento.

O estilo e os setores que tendem a ter melhor desempenho numa fase de meio de ciclo são os setores de crescimento defensivo, de empresas com posição dominante, balanços sólidos e com negócios defensivos, e que podem continuar a crescer.

Maior exposição doméstica, menor nos setores financeiro e cíclicos

Além de empresas defensivas e de crescimento com valuation atrativo, como Rede D’Or, Localiza e B3, também gostamos de Small Caps, dada sua maior exposição a empresas de Consumo Discricionário, do que setores mais expostos aos ciclos globais e o Financeiro, que juntos constituem 56% do índice Ibovespa. Além disso, as Small Caps também oferecem mais crescimento.

Os bancos também representam 18% do índice Ibovespa, sendo o setor com maior peso do índice, seguidos por Mineração e Siderurgia, equivalente a 17% do índice.

Recentemente, nós ficamos mais cautelosos com relação aos bancos brasileiros. Segundo os analistas do setor: “Estamos mudando nossa perspectiva sobre o setor bancário de uma postura otimista para uma postura mais cautelosa diante dos preços mais elevados em um cenário de disrupção causado tanto por intervenções regulatórias quanto por concorrência. […] Além disso, também incorporamos os riscos do Open Banking e uma concorrência mais agressiva no atacado em nossos modelos, dois fatores com os quais estamos cada vez mais preocupados. De modo geral, não acreditamos que os incumbentes devam negociar em linha com os múltiplos históricos de agora em diante […] Por fim, decidimos rebaixar a recomendação de dois de nossos incumbentes cobertos, Bradesco para Neutro e Santander para Venda, mantendo as recomendações do Banco do Brasil e do Itaú inalteradas em Compra e Neutra, respectivamente”.

Reabertura, economia e riscos que estão por vir

Daqui pra frente, continuamos otimistas com o tema da reabertura à medida que a vacinação contra a Covid-19 se acelera e a economia brasileira continua a se recuperar.

No entanto, o maior risco para o Brasil e a economia global é o surgimento da variante Delta que é mais contagiosa. O número de novos casos da doença tem voltado a aumentar globalmente com essa variante se tornando dominante. A boa notícia é que o número de mortes permanece baixo em países onde a imunização avançou rapidamente e grande parte da população está totalmente vacinada. No entanto, a maior parte do mundo emergente ainda está atrasada em termos de vacinação e, portanto, mais vulnerável ao vírus.

Embora a variante Delta tenha preocupado os investidores, estamos em um cenário bem diferente em relação a um ano atrás. Com o surgimento de novos casos de Covid-19, autoridades de alguns países começaram a implementar medidas para evitar que o vírus se espalhe ainda mais. O órgão regulador de vigilância sanitária nos EUA (CDC), por exemplo, pediu que a população volte a usar máscaras em partes do país onde os casos estão aumentando. Além disso, as medidas de distanciamento social foram implementadas novamente em países do sudeste asiático. No entanto, diferentemente de 2020, a vacinação está ganhando força globalmente e a população aprendeu a viver em meio a uma pandemia – as pessoas agora estão mais acostumadas a usar máscaras, álcool em gel e manterem o distanciamento social. Não acreditamos que haja apetite para lockdowns tão severos como os implementados no ano passado que possam reverter a recuperação econômica, porém, a variante Delta pode levar um crescimento menor.

No Brasil, os casos continuam diminuindo conforme a vacinação avança e a quantidade de casos resultantes da variante Delta permanece baixa – a contagem oficial mais recente é de 247 casos. Nos próximos meses, o país vai receber mais vacinas, o que deve ajudar a reabertura econômica a ganhar ainda mais fôlego.

Por essa razão, ainda gostamos de setores mais expostos ao cenário local. Empresas de setores como shopping centers, varejo físico e educação devem continuar se beneficiando com a reabertura da economia.

Reforma tributária brasileira – positivo para ações, negativo para contas fiscais?

Como mencionamos em nosso último Raio-XP, a apresentação do projeto de reforma tributária, que inclui mudanças no imposto de renda de pessoas físicas, jurídicas e investimentos, pode impactar significativamente os lucros das empresas.

Conforme a nossa equipe de Economia destacou, a primeira versão apresentada pelo governo foi vista de forma negativa, pois tornaria o sistema tributário brasileiro mais complexo e aumentaria a carga tributária sobre as empresas. A segunda versão, trazida pelo relator deputado federal Celso Sabino, corrigiu boa parte dos problemas.

O lado positivo…

Um dos principais ajustes positivos trazidos pelo relator Celso Sabino é uma redução maior da alíquota das empresas, originalmente em 5% e agora em 12,5%. Isso diminuiria a carga tributária das companhias e, portanto, seria muito positivo para seus resultados.

…o lado negativo…

No entanto, algumas medidas problemáticas permanecem na proposta. O fim dos Juros sobre o Capital Próprio (JCP), que atualmente reduz o lucro tributável das empresas, teria um efeito negativo para elas.

A tributação sobre os dividendos também permanece em discussão. A última versão ainda propõe uma taxa de 20% sobre o pagamento de dividendos, mas uma taxa inferior de 15% ou mesmo uma taxa progressiva foram apresentadas como alternativas. Ainda não sabemos o que ou se isso será aprovado, mas essa medida tornaria ações com altos dividendos menos atraentes para os investidores.

…e o lado pior ainda?

Adicionalmente, uma nova preocupação trazida pela segunda versão da lei tributária é que a desoneração fiscal excessiva, especialmente com um corte maior na alíquota das empresas e que poderia levar a um risco fiscal maior no Brasil. Segundo a nossa equipe de Economia, o déficit fiscal total pode chegar a R$ 50 bilhões.

A redução do imposto de renda das pessoas jurídicas e das pessoas físicas pode levar a uma política monetária mais contracionista, o que, por sua vez, pioraria a dinâmica da dívida pública. Neste caso, voltaríamos a nos preocupar com riscos macroeconômicos.

Antes de tomar qualquer decisão precipitada

Como já dissemos em relatórios passados, e repetimos desta vez, ainda é muito cedo para tomar qualquer decisão em torno do projeto de reforma tributária. Mesmo que a proposta seja aprovada como a versão atual, ainda existem alguns pontos positivos:

  1. O impacto líquido nos resultados das empresas é positivo. Olhando para todas as empresas sob nossa cobertura, o fim do Juros sobre Capital Próprio (JCP) teria um impacto negativo de cerca de 6% em seu lucro líquido agregado. E com um corte de impostos de 12,5%, seus resultados financeiros aumentariam 6%. Em outras palavras, o efeito líquido dessas duas medidas deve beneficiar as ações brasileiras.
  2. Isso pode levar a mais investimentos no crescimento futuro. Embora os impostos sobre os dividendos possam parecer negativos a princípio, as empresas seriam mais incentivadas a reter seus lucros. Assim, além de menos impostos a serem pagos, mais dinheiro poderia ser reinvestido para crescimento futuro.
  3. O imposto sobre fundos imobiliários foi retirado da conta. Isso significa que eles continuam a ser investimentos atraentes para aqueles que buscam pagamentos regulares de renda.
  4. A reforma tributária pode resultar em maior produtividade. Alguns argumentam que o projeto de lei incentiva mais investimentos, o que no longo prazo, traria mais crescimento e lucro para as empresas, além de ser positivo para a economia como um todo.

Se a reforma tributária é negativa ou positiva para os mercados ou para a economia, ainda é cedo para dizer no curto prazo. O projeto ainda está sujeito a novos debates pelo Congresso e mais mudanças devem ser feitas nas próximas semanas. Por fim, se o governo puder implementar uma reforma que alcance seu objetivo de melhorar o sistema tributário atual do Brasil e aumentar a produtividade, as mudanças podem ser muito positivas para os investidores de longo prazo.

Mantendo o target do Ibovespa em 145.000 para fim de 2021

Mantemos nosso target de 145.000 pontos para o Ibovespa, o que implica potencial de valorização de 19% em relação aos níveis atuais. Nosso target é baseado na média de três metodologias: 1) modelo do fluxo de caixa descontado; 2) múltiplo Preço/Lucro de 12,0x, em linha com a média histórica e 3) múltiplo EV/EBITDA alvo de 7x, em linha com a média histórica.

Continuamos a ver as ações brasileiras sendo negociadas em níveis atraentes de valuation. Desde o início de 2021, o múltiplo de Lucro por Ação brasileira aumentou 54%, com base em estimativas da Bloomberg, enquanto o mercado subiu 7%. Como resultado, o múltiplo P/L do Ibovespa caiu para perto de mínimas recordes de 8,8x, um desconto de 25% em relação à média de 12x dos últimos 10 anos.

Além disso, dada a baixa alavancagem para as empresas brasileiras, o rendimento do fluxo de caixa livre é estimado em 10% para 2021 e o rendimento de dividendos de 4% – ambos em níveis bastante sólidos.

Embora grande parte desse aumento nos lucros seja impulsionado pelos setores relacionados a commodities, a tendência não pode ser ignorada. Além disso, acreditamos que a vacinação acelerada e a atividade doméstica mais forte também podem elevar as expectativas de ganhos do setor doméstico na segunda metade de 2021.

Pesquisa assessores XP: Maioria acredita em Ibovespa acima de 140.000 pontos

Nos últimos dias, realizamos uma nova edição da nossa pesquisa com os assessores da XP Matriz e assessores de investimento de escritórios autônomos filiados à XP Investimentos. A pesquisa mostrou que os assessores e seus clientes continuam otimistas em relação à trajetória da Bolsa. A média de palpites calculada foi de 140.388 pontos, uma leve diminuição de -1% em relação ao mês anterior (141.964 pontos na pesquisa passada).

Em relação aos riscos, o destaque continuou sendo o cenário político, apesar da queda de -1,0 p.p. M/M, chegando a 67%. A desaceleração econômica global foi vista como o segundo maior risco em 12%, seguido da alta da inflação em 8%. Dessa forma, houve uma queda de -2p.p. M/M no número de clientes que pretendem aumentar sua exposição em ações (37%) e um aumento dos que pretendem diminuí-los (13%, +2p.p. M/M). Ainda assim, a maioria pretende manter seus investimentos em renda variável (51%, estável em relação ao mês anterior). Veja o relatório completo clicando aqui.

Top 10 ações XP

Como foi a performance de cada nome da carteira no mês?

Em julho, nossa carteira Top 10 ações XP caiu -6,5%, enquanto o Ibovespa fechou o mês com uma queda de -3,9%. Leia abaixo o que está por trás da performance de cada um dos 10 nomes que fizeram parte da nossa carteira em maio e o que esperamos olhando para frente.

Assaí (ASAI3): estamos reforçando nosso posicionamento das últimas atualizações da carteira top 10, destacando as ações da companhia como nossa preferência no setor de supermercados, por conta de um valuation bastante atrativo, atualmente negociando em ~18x P/L 2021e, dinâmica de curto prazo ainda positiva com consumo em casa ainda sendo uma realidade, enquanto a flexibilização das restrições de circulação devem fomentar a demanda do canal B2B (bares, restaurantes, transformadores) e impulsionar as vendas do formato de Atacarejo, além de enxergarmos muito potencial de crescimento orgânico a ser entregue. Essa tese foi reforçada com os resultados divulgados pela companhia referentes ao 2T21 (leia mais aqui), o que nos leva a reiterar nossa visão positiva e manteras ações do Assaí (ASAI3) em nossa carteira recomendada. Saiba mais sobre nossa tese para as ações do Assaí (ASAI3) em nosso relatório aqui.

B3 (B3SA3): durante o mês de julho, as ações da B3 performaram abaixo do índice Ibovespa enquanto o mercado ainda assimila as notícias de possíveis novos entrantes no mercado em que a empresa atua. Apesar disso, a empresa reportou um investimento interessante na TFS Soluções e os dados operacionais referentes a junho apresentaram aumento do volume financeiro médio diário (ADTV) de 60,1% no período e aumento de 19,7% na comparação mensal. O número de investidores ativos seguiu crescendo 1,4% mensalmente e 42,9% anualmente, atingindo 3,8 milhões de investidores. Com isso, permanecemos otimistas com a retomada do mercado de capitais e com as taxas de juros ainda em patamares baixos.

Sul América (SULA11): durante o mês de julho, as ações da SulAmérica performaram abaixo do índice Ibovespa dado as incertezas sobre os juros e as possíveis taxações de dividendos. Dito isso, mantemos nossa recomendação de Compra baseado em: i) alavancagem ao ciclo econômico; ii) vantagens competitivas no segmento de saúde; e iii) crescimento de lucro e opcionalidades.

Rede D’Or (RDOR3): atribuímos o desempenho ligeiramente positivo da ação em julho ao medo de uma terceira onda de Covid-19 devido à variante Delta e, portanto, uma possível pressão de curto prazo nos resultados se a recuperação de procedimentos eletivos for afetada. Vemos essa preocupação como momentânea e mantemos nossa visão positiva para a empresa, uma vez que: i) deve apresentar sólidos resultados, com indicadores financeiros e operacionais positivos; e ii) vem entregando uma agenda de M&A ativa, com valuations disciplinados e pode ultrapassar nossa estimativa de 1.000 leitos adquiridos para 2021.

Klabin (KLBN11): atribuímos a performance negativa das ações da Klabin à forte queda nos preços da celulose (-16% na comparação mensal), apesar de um dólar ligeiramente mais alto (+5% no mês). Seguimos com uma visão positiva para as ações da Klabin daqui para frente com base na expansão da margem com maiores volumes no segmento de papel. Além disso, acreditamos que os papéis para embalagens e papelão ondulado continuarão se beneficiando do bom momento do setor, que bate recordes consecutivos de vendas há 12 meses. Reiteramos nossa recomendação de Compra, com preço-alvo de R$32/ação.

Localiza (RENT3): vemos o desempenho da Localiza ao longo de julho um pouco acima do desempenho geral da bolsa de valores brasileira (-3% vs. -4% para o IBOV). Continuamos esperando fortes resultados de dinâmica de curto-prazo para o setor e reiteramos nossa visão positiva de longo-prazo tanto para o segmento de aluguel de automóveis quanto para a Localiza.

Lojas Americanas (LAME4): atribuímos a performance negativa das ações em julho a 3 principais fatores: (i) Prévia do 2T21 pode ter decepcionado alguns investidores, uma vez que estimamos um prejuízo de R$42 milhões, explicado pelo impacto negativo da Ame Digital; (ii) Movimento de arbitragem entre LAME e AMER devido ao elevado desconto de holding (hoje em ~25% mas tendo superado 30% ao longo do mês); e (iii) aumento das incertezas quanto ao cenário macroeconômico.

Arezzo (ARZZ3): mantemos uma visão construtiva para a empresa, uma vez que (i) ela é uma empresa de alta qualidade com perspectivas sólidas de crescimento orgânico (Ana Capri, Vans, Reserva) além de contar com diversas opcionalidades de crescimento (com a entrada em infantil, chinelos e vestuário feminino); e (ii) ela está bem posicionada para se beneficiar da retomada/recuperação econômica dado que acreditamos que a categoria de calçados foi duramente despriorizada em 2020, principalmente no que diz respeito a sapatos sociais/casuais (foco da Arezzo); Saiba mais sobre nossa tese para as ações da Arezzo & Co. (ARZZ3) em nosso relatório aqui.

Multiplan (MULT3): em nossa visão, as ações da Multiplan foram positivamente impactadas após a publicação dos resultados do segundo trimestre.  A Multiplan reportou resultado operacional positivo, com destaque para a receita de aluguel de shoppings e vendas dos lojistas se aproximando aos patamares pré-pandemia, bem como a forte atividade de locação. Isso indica a uma sólida demanda por shoppings dominantes e de alta qualidade. Assim, reiteramos nossa recomendação de compra e preço-alvo de R$29,5/ação.

Vale (VALE3): atribuímos a performance positiva das ações da Vale em relação ao Ibovespa aos fortes resultados apresentados referentes ao segundo trimestre, mais do que compensando a considerável queda nos preços de minério de ferro (-15% na comparação mensal). Com relação aos números do segundo trimestre, Vale reportou resultados novamente muito. O EBITDA ajustado de US$11,2 bilhões (exclui despesas de Brumadinho e doações relacionadas à Covid-19 de US$201 milhões), representou uma alta de 33% na comparação trimestral. Esses números mais fortes foram resultado de preços realizados mais fortes compensando os custos de produção e frete mais elevados. Adicionalmente, a companhia anunciou distribuição mínima de US$5,3 bilhões em dividendos (yield de 4,5%) a serem pagos em setembro. Reiteramos nossa recomendação de Compra (preço-alvo de R$122/ação).

Abra sua conta na XP Investimentos e conte com o nosso time especializado de assessores.

Alterações da carteira Top 10 Ações

Estamos realizando cinco alterações na nossa Carteira Top 10 Ações XP: 1) sai Americanas S.A. (AMER3), 2) o peso de Lojas Americanas (LAME4) passa de 8,5% para 5%, 3) o peso de Vale (VALE3) passa de 15% para 10%, 4) o peso de Localiza (RENT3) passa de 5% para 10%, e 5) o peso de Rede D’Or passa de 10% para 15%.

Estamos retirando Americanas S.A. (AMER3) para readequar para 10 o número de companhias em nossa carteira e por preferirmos exposição através de LAME4. Além disso, estamos reduzindo a exposição em Lojas Americanas (LAME4) de 8,5% para 5% por acreditarmos que podemos ver alguma volatilidade no curto prazo por conta de movimentos de posicionamento ou notícias relacionadas ao cenário competitivo do setor. Entretanto, seguimos com um visão positiva por (i) vermos a companhia como um ecossistema robusto; (ii) enxergamos as lojas físicas da LAME bem posicionadas para o movimento de reabertura econômica; e (iii) um valuation atrativo (0,8-0,5x EV/GMV para 2021-22e). Mantemos nossa recomendação de Compra para LAME4 e preço-alvo de R$12,0 para o final de 2021.

Estamos reduzindo o peso em Vale (VALE3)de 15% para 10%, pois apesar de permanecermos otimistas com a companhia, decidimos por realizar parcialmente os lucros na ação, que já acumula alta de +33% no ano. É importante destacar que a nossa visão para Vale se mantém, uma vez que acreditamos que a forte geração de caixa e preços de minério de ferro em patamares ainda altos deverão impulsionar a ação no segundo semestre. Para 2021, esperamos um retorno com dividendos mínimo de ~7%.

Estamos aumentando o peso de Localiza (RENT3) de 5% para 10%, pois continuamos esperando fortes resultados de dinâmica de curto-prazo para o setor e reiteramos nossa visão positiva de longo-prazo tanto para o segmento de aluguel de automóveis quanto para a Localiza.

Estamos aumentando o peso de Rede D’Or (RDOR3) de 10% para 15%, ao vermos: i) um sólido impulso de ganhos para a empresa, com indicadores financeiros e operacionais positivos conforme ocorre o retorno dos procedimentos eletivos, além de taxas de ocupação mais altas em hospitais; ii) entrega consistente de aquisições atrativas (+830 leitos em 2021), com valuations disciplinados e sinergias ainda a serem capturadas; e iii) forte probabilidade de ser adicionada ao Ibovespa no rebalanceamento de setembro e, com isso, aumento do fluxo para a ação.

Top Dividendos XP

Em julho, nossa carteira Top Dividendos XP subiu +0,3%. Leia abaixo o que está por trás da performance de cada um dos 5 nomes no mês e o que esperamos olhando para frente.

AES Brasil (AESB3): a AES Brasil usualmente apresenta lucros consistentes, embora possa haver um certo grau de volatilidade dependendo da incidência de chuvas e impactos relacionados ao risco hidrológico. Em 2020 a companhia distribuiu 88% de seus lucros, o que se traduz em um dividend yield de 8,5% no ano, o que reforça nossa visão de que a AES Brasil é uma das nossas preferidas como pagadora de dividendos. Estimamos um dividend yield de 7,2% em 2021-22 para a ação. Temos recomendação de compra em AESB3 com preço-alvo de R$ 17/ação.

Copel (CPLE6): destacamos como positiva a nova política de dividendos anunciada pela Copel em janeiro de 2021. De acordo com a nova política as propostas de dividendos regulares serão calculadas conforme os critérios: (i) alavancagem abaixo de 1,5x = 65% do Lucro Líquido Ajustado, (ii) alavancagem entre 1,5x e 2,7x = 50% do Lucro Líquido Ajustado e (iii) alavancagem acima de 2,7x = 25% do Lucro Líquido Ajustado. Com isso, estimamos um dividend yield de 12,7% em 2021-22 para CPLE6. Mantemos nossa recomendação de Compra nas ações da Copel, com um preço-alvo de R$ 7,5/ação.

Banco do Brasil (BBAS3): durante o mês de Julho, as ações do Banco do Brasil performaram levemente acima do índice Ibovespa, mas em geral ficou relativamente sem grandes variações enquanto o mercado espera mais clareza sobre a nova taxação de dividendos. Com isso, mantemos nossa recomendação de Compra pois acreditamos que o banco apresente uma assimetria de investimento positiva, principalmente com base no valuation atraente do banco, enquanto mantém uma operação defendida e com possível destravamento de valor com uma maior distribuição de dividendos.

Engie (EGIE3): a Engie se destaca pela capacidade diferenciada de se proteger dos efeitos de baixa incidência de chuvas, além de ter expandido sua atuação para os setores de transmissão de energia e transporte de gás, diversificando e mostrando sua eficiência em alocação de capital. Acreditamos que a distribuição de dividendos da Engie se normalize em 2021 para o patamar de distribuição de 100% dos lucros, tendo em vista a situação confortável de liquidez da companhia. Estimamos um dividend yield de 10,8% em 2021-22. Mantemos nossa recomendação neutra em Engie, com preço-alvo de R$ 44/ação.

Taesa (TAEE11): vemos a posição da Taesa como confortável para manter a distribuição de 100% de lucros em 2021.  De acordo com o Estatuto Social da Companhia, o dividendo anual mínimo distribuído é de 50% do lucro líquido ajustado do exercício. Entretanto, a companhia tem apresentado um histórico de pagamento de dividendos bem acima da remuneração mínima que consta em seu Estatuto. Estimamos um dividend yield de 7,9% em 2021-22 para TAEE11. Mantemos nossa recomendação neutra em TAESA, com preço-alvo de R$ 37/unit.

Alterações da carteira Top Dividendos

Nesse mês, não estamos realizando nenhuma troca na nossa carteira Top Dividendos XP.

Top Small Caps XP

Em julho, nossa carteira Top Small Caps XP caiu -4,9%, enquanto o Ibovespa fechou o mês com uma queda de -3,9%. Lembrando que compõem a carteira ações sob nossa cobertura que possuem capitalização inferior a R$ 10 bilhões. Leia abaixo o que está por trás da performance de cada um dos nomes no mês e o que esperamos olhando para frente.

Blau (BLAU3): vemos o desempenho positivo das ações como efeito das boas expectativas para os resultados da empresa no 2T21, que podem ser impulsionados por uma maior demanda e, portanto, apresentar um melhor faturamento. Mantemos o nome em nossa carteira pois vemos boas perspectivas para o setor farmacêutico e a empresa bem posicionada em seu segmento, com crescentes investimentos em P&D e na capacidade produtiva.

Hidrovias do Brasil (HBSA3): embora mantenhamos nossa visão positiva de longo-prazo para a Hidrovias do Brasil, que acreditamos estar: (i) bem posicionada para capturar o futuro crescimento das exportações de grãos do Brasil; e (ii) negociando em níveis de valuation baratos (~15% de TIR real), vemos um fluxo de notícias negativas de curto-prazo impedindo uma melhor performance das ações.

Bemobi (BMOB3): continuamos otimistas no papel e acreditamos que a Bemobi está bem posicionada no grande mercado de serviços móveis que estão em expansão acelerada nos Mercados Emergentes. Nossa tese de investimento baseia-se em (i) seu modelo de negócio B2B2C exclusivo para distribuição de soluções digitais que vão desde jogos e aplicativos, microfinanças até comunicação; (ii) negócios escaláveis com forte perfil de crescimento; (iii) oportunidades adicionais de crescimento através de Fusões e Aquisições (M&A) e (iv) valuation atrativo com opcionalidades adicionais que podem levar para uma forte reavaliação de múltiplos. Temos uma recomendação de Compra e preço-alvo de R$30,0/ação para BMOB3 para o final de 2021.

Jalles Machado (JALL3): o mercado de açúcar e etanol segue impactado por questões climáticas, uma vez que, conforme a colheita avança no Centro-Sul, as perdas por conta da seca ficam mais evidentes. Estima-se que o impacto gire em torno de 10-15% de perda na produtividade. Além disso, diante do efeito da geada nos canaviais a perda pode ser maior. Esses eventos tem sustentado preços altos para o açúcar no mercado mundial e para o etanol no mercado doméstico, diante de um balanço de oferta e demanda muito ajustado. A Jalles Machado, por sua vez, teve menos impacto dessas questões climáticas por estar localizada em Goiás e por fazer uso de irrigação, sustentando níveis de produtividade mais altos. Com isso, continuamos otimistas com a empresa e temos recomendação de Compra com preço-alvo de R$ 14/ação para março/22.

Grupo Soma (SOMA3): estamos restritos.

Vulcabras (VULC3): em nossa opinião, a performance negativa da ação no mês não teve um fundamento específico e nos parece ser um movimento técnico de realização de lucros visto que a ação havia avançado 33% entre março e junho. Temos uma boa perspectiva para o setor de varejo com a aceleração do processo de vacinação e acreditamos que a companhia deverá divulgar um resultado positivo agora no 2° trimestre. Nossa tese é sustentada pelo foco da Vulcabras no segmento esportivo, com marcas reconhecidas, e por um crescimento de margens impulsionado por um ambiente de preços mais racional. Assim, mantemos o papel na carteira e nossa recomendação de Compra com preço-alvo de R$12,0.

Alterações da carteira Top Small Caps XP

Estamos realizando uma troca em nossa carteira: sai Hidrovias do Brasil (HBSA3) e entra Vivara (VIVA3).

Estamos retirando Hidrovias do Brasil (HBSA3) de nossa carteira pois, embora continuamos com uma visão positiva de longo-prazo para a companhia, que acreditamos estar: (i) bem posicionada para capturar o futuro crescimento das exportações de grãos do Brasil; e (ii) negociando em níveis de valuation baratos (~15% de TIR real), vemos um fluxo de notícias negativas de curto-prazo impedindo uma melhor performance das ações. Portanto, a estamos substituindo para Vivara (VIVA3).

Estamos adicionando Vivara (VIVA3), à nossa carteira de Small Caps, uma vez que: (i) os resultados devem permanecer sólidos, apesar do forte aumento de custo de matéria prima em 2020 e com a retomada da economia como um fator positivo; (ii) nós vemos a companhia como o melhor player para consolidar o setor dado seu track record de execução consistente e força de marca; e (iii) a expansão da Life deve contribuir para crescimento e rentabilidade dado seu maior mercado endereçável e margens. (link para nosso último relatório sobre a empresa).

Abra sua conta na XP Investimentos e conte com o nosso time especializado de assessores.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.