XP Expert

Raio-XP: Bolsa à espera do ciclo de corte de juros

Nesse Raio-XP da Bolsa, iremos destacar e relembrar os principais acontecimentos do mês que serão relevantes para entender o que virá pela frente. Além disso, destacaremos o Valuation da Bolsa brasileira, que segue barata. Atualizamos nossas carteiras recomendadas.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Conteúdo exclusivo para clientes XP
A conta XP é gratuita. Abra a sua agora!

Cadastrar

Já é cliente XP? Faça seu login

Invista melhor com as recomendações
e análises exclusivas dos nossos especialistas.

Sou assessor

Mercados seguem desafiando o pessimismo com a economia… Em abril, as Bolsas globais tiveram mais um mês de performance positiva, com o S&P 500 subindo +1,5% e o índices de ações globais (MSCI ACWI) fechando em alta de 1,3%. Embora o mercado tenha ficado de lado boa parte do mês passado, dados econômicos ainda sólidos e uma temporada de resultados do 1T23 melhor do que temido trouxeram mais otimismo. O Brasil também registrou retornos positivos no último mês. Dados de inflação em desaceleração e o anúncio do novo arcabouço fiscal deram suporte para ganhos de 2,5% do Ibovespa neste mês em reais.

Quais setores da Bolsa se beneficiam em ciclos de corte de juros. Dada a expectativa sobre um início de ciclo de cortes na taxa de juros no Brasil, realizamos um estudo para entender quais são os setores, fatores e ações mais sensíveis a juros. Os setores que apresentaram a melhor performance em ciclos de cortes de juros no passado incluem Transportes, Varejo e Saúde. Também realizamos o mesmo exercício analisando fatores de estilo. Em ciclos de cortes de juros, os fatores Momentum, Qualidade e Tamanho (Small Caps) foram os que tiveram a melhor performance no relativo.

O que acontece com as ações brasileiras quando os EUA entram em recessão? Uma pergunta muito comum dos investidores é o que acontece com os mercados emergentes e as ações brasileiras durante uma recessão nos Estados Unidos. As ações brasileiras podem ter um desempenho superior durante uma recessão americana? Ao olhar para o desempenho relativo dos mercados emergentes e ativos brasileiros após 1, 3 e 6 meses do índice ISM de manufatura dos EUA cair abaixo do limite de 50, vemos que ambos tiveram um desempenho marginalmente superior em relação ao S&P 500 durante esses períodos. Isso corrobora com a tese que mercados emergentes podem ter uma performance superior à Bolsa americana em períodos de desaceleração da economia.

O valuation da Bolsa brasileira continua atrativo: As ações brasileiras continuam atrativas com uma relação de Preço/Lucro (P/L) de 7,0x, um desconto de mais de 30% em relação à média dos últimos 15 anos em 11,0x. Nós mantemos o valor justo do Ibovespa em 128 mil pontos para o final do ano. Mantemos nossos três principais temas em nossas carteiras: 1) Commodities; 2) Histórias de crescimento secular; e 3) Qualidade a um preço razoável (“QARP”).

Como foi o desempenho dos setores no último mês: Olhando para os setores, o melhor setor no mês foi Educação (+9,3%), enquanto as Instituições Financeiras (+8,0%) e Bancos (+6,4%) tiveram um desempenho positivo com o alívio das preocupações globais do setor bancário e expectativas de resultados resilientes adiante, e Petróleo, Gás e Petroquímicos (+7,9%) foram impulsionados pelos fortes retornos de PETR3 e PETR4. Os setores com pior desempenho foram Mineração e Siderurgia (-9,6%), afetados pela queda nos preços do minério de ferro no mês, e Varejo (-5,7%), pressionado pelas discussões sobre a reforma tributária que poderiam afetar negativamente o setor.

Por fim, para o mês de maio, estamos fazendo alterações nas nossas carteiras Top 10 XP, Top Small Caps XP, Top Dividendos XP e a Carteira ESG XP.

O mês de abril foi marcado por um retorno da aversão ao risco diante das preocupações contínuas com o setor bancário e os riscos de recessão ainda presentes. Embora o mercado tenha ficado de lado boa parte do mês passado, os bancos e instituições financeiras encerraram o mês positivos com dados econômicos sólidos e uma temporada de resultados do 1T23 indo melhor do que o temido até agora. Como resultado, os mercados globais encerraram o mês em território positivo, com o MSCI ACWI subindo +1,3% e o S&P 500, +1,5%. No acumulado do ano, a maioria dos índices globais apresenta fortes ganhos.

O Brasil também registrou retornos positivos no último mês. Dados de inflação em desaceleração, expectativas de que a economia finalmente encontre espaço para reduzir as taxas de juros em 2023 e o anúncio do novo arcabouço fiscal apoiaram um sólido ganho de 2,5% do Ibovespa neste mês em reais e +3,8% em dólares. Ainda permanecem uma série de dúvidas em como o superávit fiscal será alcançado, mas vimos um retorno na entrada de fluxo de capital estrangeiro para as ações brasileiras, que têm sido o comprador marginal do Brasil desde o ano passado.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 28/04/2023.

Olhando para os setores, o melhor setor do mês foi Educação (+9,3%), enquanto as Instituições Financeiras (+8,0%) e Bancos (+6,4%) tiveram um desempenho positivo com o alívio das preocupações globais do setor bancário e expectativas de resultados resilientes adiante, e Petróleo, Gás e Petroquímicos (+7,9%) foram impulsionados pelos fortes retornos de PETR3 e PETR4. Os setores com pior desempenho foram Mineração e Siderurgia (-9,6%), afetados pela queda nos preços do minério de ferro no mês, e Varejo (-5,7%), pressionado pelas discussões sobre a reforma tributária que poderiam afetar negativamente o setor.

Fonte: Bloomberg, XP Research. *Dados até 27/04/2023 devido à disponibilidade de dados.

A desaceleração da inflação e uma maior visibilidade com novas regras fiscais trazem de volta a discussão sobre corte de taxa de juros no Brasil

Os dados mais recentes de inflação surpreenderam positivamente os mercados em Abril. Pela primeira vez desde fevereiro de 2021, o IPCA ficou abaixo de 5%. A combinação de um arcabouço fiscal mais previsível (embora ainda expansionista), sinal de que a inflação está caindo (embora a o núcleo de inflação ainda esteja alto), enfraquecimento do mercado de crédito e desaceleração da atividade econômica, indicam que o Banco Central pode iniciar um ciclo gradual de afrouxamento monetário mais cedo do que o esperado anteriormente. Nossa equipe de economia revisou recentemente suas projeções e vê espaço para cortes começando na reunião de agosto até que a taxa Selic atinja 11% em 2024.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 28/04/2023.

Setores, fatores e ações sensíveis à taxa de juros

Dada a expectativa sobre um início de ciclo de cortes na taxa de juros no Brasil, nossa time de Estratégia Quant realizou um estudo para entender quais são os setores, fatores e ações mais sensíveis a juros.

Realizamos uma análise do desempenho das ações domésticas em diferentes estágios de ciclos monetários passados nas últimas duas décadas. Para essa análise, nosso universo amostral inclui a composição histórica do IBX100 do Brasil desde 2002.

Para avaliar o desempenho desses grupos, calculamos retornos excedentes ponderados pelo valor de mercado (em comparação com o IBX100) para cada setor. Quanto aos fatores de estilo, calculamos retornos long-short usando a metodologia do time Quant (para saber mais, veja Um guia sobre Factor Investing em ações no Brasil)

Neste estudo, segmentamos nossa análise em regimes monetários por expectativas de taxas de juros (medidas pelo Swap Pre-DI de 360 dias), pois esse indicador mede quando os investidores antecipam essas movimentações.

Fonte: Bloomberg, Economatica, XP Research. Dados até 28/04/2023.
Fonte: Bloomberg, Economatica, XP Research. Dados até 28/04/2023. Retornos excedentes são a mediana em relação ao índice IBX100.

Como observamos na tabela acima, os setores que apresentaram a melhor performance em ciclos de cortes de juros no passado incluem o setor de Transportes, Varejo e Saúde em uma janela de 3 meses.

Também realizamos o mesmo exercício analisando os seguintes fatores de estilo: Valor, Momentum, Qualidade, Baixo Risco e Tamanho. Em ciclos de cortes de juros, os fatores Momentum, Qualidade e Tamanho (Small Caps) foram os que tiveram a melhor performance no relativo.

Fonte: Bloomberg, Economatica, XP Research. Dados até 28/04/2023.

E por último, montamos uma cesta de ações sob a cobertura da XP que tem uma alta relação com as taxas de juros, em poderiam se beneficiar em um cenário de cortes de taxas. Nos concentramos nos principais setores que reagem de forma mais positiva quando as taxas são reduzidas – Educação, Saúde, Papel & Celulose, Varejo e Transporte.

Fonte: XP Research. Dados até 28/04/2023.

O que acontece com as ações brasileiras quando os EUA entram em recessão?

Uma pergunta muito comum dos investidores é o que acontece com os mercados emergentes e as ações brasileiras durante uma recessão nos Estados Unidos. As ações brasileiras podem ter um desempenho superior durante uma recessão americana?

Embora a economia dos Estados Unidos tenha, até o momento, evitado uma recessão muito aguardada desde o ano passado, ela ainda é altamente esperada por Wall Street. A probabilidade de uma recessão nos EUA nos próximos 12 meses ainda está em alta, em 65%, segundo as pesquisas da Bloomberg com economistas de mercado.

Existem duas teorias contraditórias sobre o tema:

  1. Durante recessões nos EUA, os investidores vendem seus ativos americanos e movem o dinheiro para o exterior, ajudando a impulsionar os mercados emergentes, ou
  2. Durante recessões nos EUA, a aversão global ao risco aumenta e mercados de maior risco, como o Brasil, apresentam desempenho inferior como resultado.

Para testar essas hipóteses, analisamos períodos históricos em que o índice de manufatura americano (ISM) caiu para abaixo de 50, indicando uma contração na economia. Utilizamos o ISM, e não os períodos oficiais de recessão, por duas razões básicas: primeiro, só sabemos que uma recessão ocorreu depois do fato, e, segundo, nos últimos 30 anos, houve apenas 4 recessões nos Estados Unidos.

Ao olhar para o desempenho relativo dos mercados emergentes e ativos brasileiros 1, 3 e 6 meses após o índice de sentimento de manufatura (ISM) cair abaixo do limite de 50, vemos que ambos tiveram um desempenho marginalmente superior em relação ao S&P 500 durante esses períodos. Isso corrobora com a tese que mercados emergentes podem ter uma performance superior à Bolsa americana em períodos de desaceleração da economia.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 28/04/2028.

Outra forma de analisar essa relação é traçando um gráfico do índice ISM em relação à performance relativa entre o MSCI Brasil e o S&P 500. A mesma conclusão também é possível de se obter, embora seja mais difícil de enxergar, dadas as grandes oscilações nessa relação ao longo dos últimos 30 anos.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 28/04/2028.

Resumindo, as ações brasileiras e de mercados emergentes podem ter um desempenho superior ao do S&P 500 em períodos de contração da economia dos EUA. No entanto, essa relação não parece ser forte. Além disso, estamos procurando um desempenho superior, o que significa que ambos os mercados podem ter grandes perdas durante esses períodos, especialmente quando se trata de recessões significativas (2001, 2008, 2020).

O valuation barato deverá continuar sustentando o Ibovespa

Na nossa opinião, o Brasil continua com um desempenho superior relativo aos mercados globais em grande parte por conta dos níveis de valuation ainda bastante atrativos.

Atualmente, o Preço/Lucro (P/L) projetado do Ibovespa se encontra em 7,0x, um desconto de mais de 30% em relação à média dos últimos 15 anos em 11,0x. Mesmo quando retiramos as empresas de Commodities, ou somente a Petrobras e Vale, o P/L vai para 9,2x e 8,6x, respectivamente – ambos menores do que suas próprias médias históricas. E quebrando o Ibovespa setorialmente, vemos que todos os setores no Brasil estão com seus múltiplos negociados abaixo ou próximos às médias de longo prazo.

Em relação a Renda Fixa, as ações brasileiras também continuam mais atrativas. O Prêmio de Risco, que compara rendimento de renda variável com as taxas de juros reais, mostra que as ações brasileiras estão baratas mesmo considerando o alto nível das taxas de juros locais.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 28/04/2028.

Como se posicionar nesse cenário?

Embora as taxas de juros em queda tendam a ser positivas para ativos de risco, mantemos nossa postura defensiva em nossas carteiras. Nossa equipe de Economia da XP projeta que a taxa Selic será cortada na próxima reunião do Copom em agosto, encerrando 2023 em 12% e chegando a 11% no primeiro semestre de 2024.

Isso significa que as taxas de juros ainda estarão em dois dígitos por um tempo, o que significa que empresas altamente alavancadas e setores voltados para o consumidor devem continuar sofrendo. Além disso, ainda vemos muitos ruídos políticos, mais recentemente relacionados à reforma tributária que pode impactar muitos setores, e outras notícias pressionando os ativos brasileiros. Esse ambiente tem beneficiado principalmente partes defensivas do mercado, como mostrado por nossa equipe Quant, e nossa carteira XP Dividendos tem superado fortemente o Ibovespa, com um ganho de mais de 6% no mês e 2% no ano (veja mais detalhes das nossas carteiras abaixo).

Desta vez, fizemos várias mudanças em nossas carteiras para torná-las mais defensivas, focando em momentum positivo de lucros e Qualidade a um Preço Razoável (“QARP”), enquanto retiramos a exposição a empresas com alta alavancagem e setores que poderiam estar expostos a ruídos políticos.

Portanto, removemos nomes como ASAI3 e SOMA3, ambos nomes que têm sofrido com o cenário macro ainda desafiador, além de discussões recentes sobre ICMS; VAMO3 devido a preocupações com seus níveis de alavancagem. Adicionamos nomes como CPLE6 e BBAS3 devido à sua resiliência e menor volatilidade.

Mantendo o valor justo do Ibovespa em 128.000 pontos para 2023

Nesse mês mantivemos o valor justo do Ibovespa em 128.000 pontos para o final de 2023.

O valor justo para o Ibovespa é calculado como uma média de três metodologias: 1) um modelo de fluxo de caixa descontado (DCF), que atualmente assume um WACC de 12,0%, 2) um modelo de P/E alvo, que assume um múltiplo P/E de 8,5x, ainda abaixo da média histórica de 11x, e 3) um EV/EBITDA alvo de 5,5x, também abaixo da média histórica de 6,5x.

Para ver mais vantagens no valor justo do Ibovespa, precisaríamos ver: 1) estimativas lucros sendo revisadas para cima e/ou 2) uma correção nos múltiplos, que pode vir de fortes fluxos pra Bolsa, bem como juros reais mais baixos.

Fonte: Bloomberg, XP Research. Dados até 28/04/2028.

Top 10 ações XP

Essa carteira de ações é composta por 10 papéis que são os top picks dos nossos analistas do Research XP. A composição da carteira é analisada mensalmente pelos analistas da equipe, e ela pode ou não sofrer alterações a cada mês. O objetivo da Carteira Top 10 é superar o desempenho do índice Ibovespa no horizonte de longo prazo.

Na Carteira Top 10 Ações, fizemos quatro trocas para o mês de maio visando defensivar a carteira.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Top 10 XP.

Top Dividendos XP

Para quem é essa carteira: para o investidor em busca de ações que têm boa perspectiva de distribuição contínua de lucros. O investimento em dividendos oferece uma alternativa para quem busca menor volatilidade e oportunidade de criar um fluxo de renda recorrente, além do crescimento do valor de mercado do portfólio pela valorização das ações.

Na Carteira Top Dividendos XP, não realizamos nenhuma alteração em maio.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Top Dividendos XP.

Top Small Caps XP

Para quem é essa carteira: para o investidor que busca alocação em ações com alto potencial de crescimento. A carteira Top Small Caps XP é composta pelas ações de menor valor de capitalização que são as top picks dos nossos analistas do Research.

Na Carteira Top Small Caps XP, retiramos um papel do setor de Agro, Alimentos e Bebidas, e adicionamos uma empresa do setor de Bens de Capital.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Top Small Caps XP.

Top ESG XP

Esta carteira é composta pelas 10 principais ações (com peso semelhante de 10% cada) que combinam altos padrões ESG e fundamentos sólidos, com o objetivo de superar o índice B3 ISE no longo prazo. Ela é revisada mensalmente e pode ou não mudar a cada mês.

Na Carteira Top ESG XP desse mês, estamos fazendo duas mudanças: trocando dois nomes com perspectivas operacionais mais fracas para os resultados de curto prazo, por duas empresas que, além do bom posicionamento ESG, temos uma visão fundamentalista construtiva.

Clique aqui para ver todos os detalhes da nossa Carteira Top ESG XP.

XP Expert
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.