XP Expert

XP Morning Call 03/01/2019: Discursos dão amostra da agenda liberal

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1.   Política Brasil: Agenda liberal em prática na posse de Paulo Guedes, apoio a Maia aumenta chances de reformas

Internacional

  1. S&P 500: Em queda com a Apple cortando projeções de receitas
  2. Petróleo sobe com cortes de produção da Opep, liderados pela Arábia Saudita
  3. Líderes do congresso dos EUA não chegam a acordo para acabar com paralisação do governo 

Empresas

  1. Eletrobras: Privatização continua, Wilson Ferreira Junior fica
  2. Sabesp: Meirelles afirma que vai avaliar privatizar ou capitalizar companhia
  3. AES Tietê: Renova Energia rejeita proposta de aquisição do Complexo Eólico Alto Sertão III

Resumo

Discursos dão amostra da agenda liberal

O Ibovespa renovou no primeiro pregão do ano a sua máxima histórica, atingindo 91.012 pontos, movimento quase que inteiramente fruto dos discursos de posse dos ministros do governo Bolsonaro. Destacamos o contundente discurso do Ministro da Economia Paulo Guedes, que renovou as expectativas em torno da implementação de uma agenda liberal com redução da carga tributária, privatizações e redução de cargos. O apoio do PSL para a reeleição de Rodrigo Maia para a presidência da Câmara dos Deputados também deu fôlego ao mercado por sinalizar pragmatismo e elevar a chance das reformas serem aprovadas, embora ainda haja indefinição na Presidência do Senado.

Outro grande destaque foi a renovação do compromisso com a capitalização da Eletrobras na posse do Ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque, bem como a permanência de seu presidente, Wilson Ferreira Júnior para tocar o processo. A implementação de uma agenda liberal tal como sinalizada nos discursos reforça nossa visão positiva para a bolsa, cujos patamares atuais de múltiplos (média de 10,5x nos próximos 2 anos, em linha com a média histórica) ainda não anteveem uma expansão acelerada de lucros com base em um crescimento longo e sustentável da economia. Evidentemente que todo o foco estará na execução dos discursos de agora em diante.

Não há grandes destaques na agenda internacional, salvo o impasse entre líderes do Congresso americano e o Presidente Trump para encerrar a paralização parcial do governo federal, que já dura 12 dias. As negociações serão retomadas na sexta-feira, mas as principais lideranças republicanas e democratas ainda não mudaram suas visões (contrárias) sobre a demanda de financiamento de US$5 bilhões para um muro na fronteira EUA-México.

As bolsas em Nova York começam 2019 em leve alta, com Dow que subiu 0,08%, o Nasdaq avançou 0,46% e o S&P ganhou 0,13%, e fechando aos 2.510 pontos. Os futuros do Dow Jones e S&P 500 estão em queda de -1,5% em média, influenciados principalmente pela forte queda das ações da Apple devido ao corte de projeções de receitas pela empresa devido à desaceleração da venda de iPhones na China. O petróleo fechou em alta de 2,06% apoiado por notícias de que os países da OPEP, liderados pela Arábia Saudita já começaram a reduzir seus níveis de produção em dezembro.

Na Europa, as ações conseguiram devolver as perdas observadas mais cedo e fechar, na maioria, em leve alta a sessão inaugural do ano. Hoje os mercados estão em queda de -1% em média na região. Na Ásia, os mercados também seguem ainda em leve queda, com o Hang Seng fechando em queda de -0.26% e o CSI 300 em queda de -0,16%.

No âmbito corporativo, o grande destaque foi para a forte alta da Eletrobras com a retomada do processo de privatização. Também destacamos um movimento similar da Sabesp após o secretário da Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles afirmar que o governo do Estado avalia a capitalização ou privatização da companhia.


Conteúdo na íntegra

Brasil

Política Brasil: Agenda liberal em prática na posse de Paulo Guedes, apoio a Maia aumenta chances de reformas

  • Na cerimônia de posse do cargo de Ministro da Economia, Paulo Guedes defendeu uma reforma tributária com criação de imposto único e redução da carga para 20% do PIB contra os atuais 36%, privatizações (com destaque para o discurso de posse do Ministro de Minas e Energia e a retomada do processo de capitalização da Eletrobras), abertura comercial, liberalização trabalhista, corte de cargos comissionados e corte de gastos;
  • Por outro lado, o Ministro destacou que, caso a reforma da previdência não seja aprovada, uma saída seria uma proposta de PEC para a desvinculação e desindexação do Orçamento que também poderia ser estendida a Estados e Municípios. A fala foi vista com cautela por economistas, pois já antevém a possibilidade de fracasso da reforma e poderia ser uma medida inócua, já que eventualmente os crescentes gastos com aposentadorias consumirão todas as receitas do governo;
  • Para presidência da Câmara, PSL apoia Rodrigo Maia, que agora contabiliza 330 votos. O movimento é interpretado como positivo para o mercado, pois eleva a chance de avanço da pauta econômica na Casa. No Senado, lançamento da candidatura de Major Olímpio divide a oposição à Renan Calheiros. 

Internacional

S&P 500: Em queda com a Apple cortando projeções de receitas

  • O S&P futuro hoje está em queda de aproximadamente 1,5% com notícias de redução da projeção trimestral da Apple pela primeira vez em 15 anos;
  • A Apple reduziu sua projeção de receita no primeiro trimestre para US$ 84 bilhões, abaixo do intervalo de US$ 89 bilhões e US$ 93 bilhões previstos anteriormente. Foi uma mudança sem precedentes na era Tim Cook que foi motivada por uma queda nas vendas de iPhones na China;
  • A notícia aumenta os temores de uma desaceleração no crescimento global, bem como os efeitos das tensões comerciais dos EUA sobre os ganhos das empresas;

Petróleo sobe com cortes de produção da Opep, liderados pela Arábia Saudita

  • Antes do início efetivo do acordo para cortes de produção em 1º de janeiro, os países da OPEP começaram a cortar a produção já em dezembro, com o grupo relatando uma redução de 530 mil barris / dia na produção, ou a maior queda em quase 2 anos;
  • A produção da Arábia Saudita caiu apenas 420 mil barris / dia, e seu ministro da energia prometeu cortar a produção ainda mais do que o acordado;
  • ​Os preços do petróleo fecharam em alta de 2,06% com as notícias, e um aumento adicional deve vir na forma de redução de estoques e menores preocupações com o crescimento global.

Líderes do congresso dos EUA não chegam a acordo para acabar com paralisação do governo 

  • Segundo a Bloomberg, líderes do congresso americano não chegaram a acordo para encerrar a paralisação parcial do governo federal (que já dura 12 dias) em reunião com Donald Trump na quarta-feira. O presidente os convidou a voltar para a Casa Branca na sexta-feira para novas negociações;
  • Os principais democratas e republicanos da Câmara e do Senado saíram das negociações na Casa Branca sem dar indicações de que mudaram suas posições sobre a demanda de Trump por US$ 5 bilhões para financiar um muro na fronteira;
  • Os democratas, que assumem o controle da Câmara na quinta-feira, planejam votar duas medidas que reabrirão o governo, fornecerão US$ 1,3 bilhão para a segurança da fronteira e darão tempo para novas negociações sobre segurança nas fronteiras, o que não é suficiente para um acordo ser alcançado, segundo a notícias.


PMI Industrial dos Estados Unidos – Fracos números para o mês de dezembro   

  • De acordo com a pesquisa divulgada pela IHS Markit, a atividade industrial nos EUA atingiu 53,8 em dezembro, ante 55,3 do mês anterior;
  • O valor atingido no mês representou a mínima de 15 meses, pressionado por receios quanto aos impactos à economia americana de uma possível desaceleração global;
  • Apesar do menor ritmo no fim do ano, o desempenho do quarto trimestre superou o do mesmo período de 2017.

Empresas

Eletrobras: Privatização continua, Wilson Ferreira Junior fica

  • Em seu discurso de posse, o Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que o governo Bolsonaro dará continuidade ao processo de privatização da Eletrobras;
  • Além disso, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, disse que foi convidado e decidiu permanecer à frente da estatal para dar prosseguimento ao processo de privatização;
  • Ambas as notícias fizeram as ações da Eletrobras disparar no primeiro pregão do ano. A notícia também é positiva do ponto de vista de implementação efetiva de uma agenda liberal pelo novo governo.​

Sabesp: Meirelles afirma que vai avaliar privatizar ou capitalizar companhia

  • ​O Secretário da Fazenda de São Paulo Henrique Meirelles afirmou na tarde de ontem (2) que o governo do Estado vai avaliar a capitalização ou privatização da Sabesp, como parte do esforço de enxugar a máquina pública;
  • De acordo com o Secretário, a decisão final dependerá da transformação em lei de uma medida provisória assinada pelo ex-presidente Temer, que atualiza o marco legal do saneamento básico;
  • Segundo Meirelles, na pior das hipóteses, a capitalização poderia render R$4 bilhões aos cofres do Estado em R$1 bilhão em investimentos na empresa.

​AES Tietê: Renova Energia rejeita proposta de aquisição do Complexo Eólico Alto Sertão III

  • Em fato relevante divulgado, a empresa de energias renováveis Renova Energia, afirmou que o seu conselho rejeitou a proposta da AES Tietê de adquirir o Complexo Eólico Alto Sertão III e outros projetos de geração eólica;
  • A construção do Complexo Eólico foi suspensa por falta de recursos, e a Renova afirmou que pode reavaliar a proposta da AES Tietê para garantir a continuidade de suas operações;
  • Temos uma visão neutra das notícias para a AES Tietê, já que estimávamos um impacto pequeno de uma possível aquisição ao nosso preço-alvo de R$15,0. Além disso, as notícias devem reduzir pressões relacionadas a uma eventual oferta de ações para financiar a aquisição.

Exportações brasileiras de minério de ferro crescem +25,4% A/A em 2018 com avanço da Vale

  • De acordo com dados da Secex divulgados ontem, as exportações de minério de ferro do Brasil tiveram alta de +25,4% A/A em 2018, para 394,24mt, impulsionadas principalmente pela Vale;
  • ​Maior exportadora de minério de ferro do mundo e responsável por grande parte das vendas externas do Brasil, a Vale prevê produzir 390mt em 2018, ~6,5% acima de 2017;
  • ​Para 2019, assumimos que a Vale atingirá produção de 400mt, em linha com as estimativas da empresa, impulsionada pela maior produção em Carajás, o que vai de encontro com sua estratégia de aumentar a participação do minério de ferro de alto teor em seu portfólio, buscando continuar desfrutando dos prêmios por qualidade.

Aprovação do CADE para as aquisições feitas pela Vale 

  • O CADE anunciou ontem a aprovação da aquisição da New Steel pela Vale por US$500mi (0,7% do valor de mercado). Segundo as companhias, a operação envolve práticas pró-competitivas, uma vez que viabilizará eficiências no mercado ao possibilitar o uso da tecnologia de beneficiamento de minério, detida pela New Steel. Em nossa visão, a aquisição é estratégica, com potencial diminuição de custos e CAPEX para a Vale no médio-longo prazo;
  • Além disso, o CADE também anunciou um parecer favorável ao acordo de joint venture que foi firmado entre a Vale e as empresas coreanas Dongkuk Steel e Posco para atuar na indústria siderúrgica na região Nordeste do Brasil;
  • Nós mantemos nossa recomendação de COMPRA para as ações da Vale, com um preço-alvo de R$70/ação.

Marfrig conclui compra de ativos da BRF na Argentina

  • Segundo comunicado das empresas, a Marfrig concluiu a aquisição da Quickfood da BRF, anunciada em 7 de dezembro (US$ 54,9 milhões). Além disso, a aquisição de Várzea Grande no Brasil permanece em fase de conclusão;
  • Na BRF, como temos destacado, vemos os desinvestimentos como positivos, mas reconhecemos que ainda há um longo caminho pela frente para a conclusão de seu plano de reestruturação. No entanto, a Quickfood, juntamente com a venda da Avex / Danica anunciada em dezembro, aumentam a confiança na materialização do plano.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.