XP Expert

Mercados internacionais amanhecem pressionados com queda técnica do petróleo

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 1,51% | 78.990 Pontos

CÂMBIO -0,01% | 5,23/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Após uma semana positiva para o Ibovespa, mercados internacionais amanhecem no campo negativo, seguindo queda no preço do petróleo para menor nível em 21 anos (WTI < US$ 14/barril). Após uma semana de alta, futuros do S&P 500 nos EUA caem 1,6% e bolsas na Europa em queda de 0,8%. Mercados asiáticos fecharam sem direção definida; China +0,4%, Hong Kong -0,2% e Japão -1,1%. Acesse aqui o relatório internacional completo.

Os preços de petróleo tipo Brent recuam -3,5% nesta manhã, aos US$27,08/barril, enquanto o WTI, com contrato referente a maio de 2020, que expira hoje (20) opera em forte queda de -26%, aos US$13,62/barril. O contrato de junho de 2020 recua -9%, aos US$22,80/barril.

Os motivos de tal fator técnico são (1) a falta de liquidez para o contrato de curto prazo, com a migração de investidores para o do período seguinte e (2) preocupações referentes à ultrapassagem da capacidade de armazenagem de óleo no núcleo de Cushing, em Oklahoma. O pano de fundo continua a ser a queda significativa de demanda devido à quarentena resultante da pandemia do COVID-19, que supera em muito os esforços de controle de produção da OPEP+ anunciados até o momento (contração de demanda de -20 a -25 milhões de barris ao dia comparado a queda de oferta de -9,7 mbpd).

No Brasil, o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, afirmou ontem que o pacote de ajuda às grandes empresas mais vulneráveis à pandemia do coronavírus deve começar no mês que vem e disse que as iniciativas, que hoje estão concentradas nos setores elétrico, aéreo, automotivo e varejo não alimentício, poderão alcançar de nove a dez setores.

Além disso, para diminuir o receio dos bancos em conceder empréstimos às microempresas devido ao aumento do risco de inadimplência, o governo estuda a possibilidade de aportar R$ 10,9 bilhões em recursos do Tesouro Nacional do Fundo Garantidor de Investimentos (FGI). Com o aporte, o FGI poderia bancar 80% do risco da operação e os recursos seriam suficientes para dar suporte a R$ 13 bilhões em empréstimos e oferecer a cerca de 3,2 milhões de microempresas um financiamento para capital de giro equivalente a 30% do faturamento mensal, durante dois meses e a juros menores que 6% ao ano.

Por fim, de acordo com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, o governo busca alternativas de como levar o auxílio emergencial de R$ 600 para pessoas sem acesso à internet a partir de maio.

No campo político, a semana começa com a repercussão da participação e do discurso do presidente Jair Bolsonaro em ato em que eram exibidas faixas em defesa da intervenção militar, na frente do Exército, em Brasília. Os jornais dão destaque ao trecho em que o presidente disse “Nós não queremos negociar nada, nós queremos é ação pelo Brasil”, no contexto de críticas à classe política. A manifestação de Bolsonaro – que também mencionou democracia e liberdade – foi criticada, entre outros, pelo presidente da Câmara, por ministros do Supremo Tribunal Federal e por governadores. 

Por fim, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, sugeriu ao presidente Jair Bolsonaro que a MP do Congresso Verde Amarelo seja reeditada, para que o Congresso Nacional tenha mais tempo para aperfeiçoar as regras desse programa que caducaria hoje e que visa reduzir as contribuições de empresas para estimular a contratação de jovens de 18 a 29 anos e indivíduos com mais de 55 anos.

No lado das empresas, a Vale divulgou seu relatório de produção e vendas no primeiro trimestre de 2020. A produção de minério de ferro totalizou 59,6 milhões de toneladas (abaixo das estimativas anteriores da empresa, entre 63 e 68 milhões de toneladas). As vendas de minério de ferro e pelotas atingiram 59mt, +5,3% em relação às nossas estimativas, -33% vs. o trimestre anterior e -13% no comparativo anual. Adicionalmente, a Vale revisou suas expectativas de produção de minério de ferro em 2020 para 310-330 milhões de toneladas, de 340-355mt. Vemos as ações da Vale atrativas, negociando a 3,6x EV/EBITDA 2020. Mantemos recomendação de Compra, com preço-alvo de R$61/ação.

Tópicos do dia

Coronavírus

Tempos de guerra – revisando o target da Bolsa
Revisão setorial: Novas estimativas e Preços alvo
Varejo e o COVID-19 – Parte 2: Tendências no Brasil e no Mundo
IPCA de março esboça os primeiros efeitos do coronavírus sobre a economia brasileira
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Brasil

  1. Para o enfrentamento da crise do coronavírus, Brasil estuda mais medidas e China corta taxa de referência para empréstimos de um e cinco anos
  2. Presidente do BC reconhece que o cenário econômico se deteriorou bastante desde a última reunião do Copom
  3. Mercado reduz projeção de PIB para -1,96% em 2020

Internacional

  1. Petróleo opera em queda nesta manhã, mas atenção ao WTI

    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Vale (VALE3): Menor produção já esperada; Estratégia de margens vs. volumes é positiva
  2. EZTec (EZTC3): EZTec reporta sólidos resultados operacionais do 1T20
  3. Cyrela (CYRE3): Cyrela divulga sua prévia operacional do 1T20
  4. AES Tietê (TIET11): Conselho de Administração rejeita oferta de fusão com a Eneva por unanimidade
  5. Frigoríficos (BRFS3, JBSS3): Potencial redução da produção de frango no Brasil
  6. Bancos: bancos privados devem aderir na ajuda setorial

Veja todos os detalhes

Brasil

Para o enfrentamento da crise do coronavírus, Brasil estuda mais medidas e China corta taxa de referência para empréstimos de um e cinco anos

  • O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, afirmou ontem que o pacote de ajuda às grandes empresas mais vulneráveis à pandemia do coronavírus deve começar no mês que vem e disse que as iniciativas, que hoje estão concentradas nos setores elétrico, aéreo, automotivo e varejo não alimentício, poderão alcançar de nove a dez setores;
  • Além disso, para diminuir o receio dos bancos em conceder empréstimos às microempresas devido ao aumento do risco de inadimplência, o governo estuda a possibilidade de aportar R$ 10,9 bilhões em recursos do Tesouro Nacional do Fundo Garantidor de Investimentos (FGI). Com o aporte, o FGI poderia bancar 80% do risco da operação e os recursos seriam suficientes para dar suporte a R$ 13 bilhões em empréstimos e oferecer a cerca de 3,2 milhões de microempresas um financiamento para capital de giro equivalente a 30% do faturamento mensal, durante dois meses e a juros menores que 6% ao ano.
  • Por fim, de acordo com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, o governo busca alternativas de como levar o auxílio emergencial de R$ 600 para pessoas sem acesso à internet a partir de maio;
  • Na China, também para dar continuidade ao enfrentamento dos efeitos da pandemia do coronavírus sobre a economia, o Banco Central chinês cortou sua taxa de empréstimo de um ano de 4,05% para 3,85%, enquanto a de cinco anos passou de 4,75% a 4,65%.

Presidente do BC reconhece que o cenário econômico se deteriorou bastante desde a última reunião do Copom

  • Durante entrevista ao SBT na madrugada de hoje, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o sistema bancário brasileiro é um dos mais sólidos do mundo e que ninguém precisa “se apavorar” quanto ao dinheiro depositado nos bancos;
  • Roberto Campos também avaliou que o cenário econômico se deteriorou desde a última reunião de Política Monetária do BC e ressaltou que a próxima decisão levará em conta diversos fatores, como o custo fiscal das medidas anunciadas, as expectativas quanto à retomada da agenda reformista pós crise, a volatilidade dos mercados e a consequente saída de recursos do Brasil. Na nossa opinião, o comentário veio em linha com o nosso entendimento de que o BC corte mais 0,50 pp na taxa Selic em uma reunião extraordinária em abril ou na reunião regular de maio;
  • Além disso, durante a entrevista, Roberto Campos também: i) pontuou que o potencial das medidas anunciadas para conter os efeitos do coronavírus no Brasil já chega a 16% do PIB, enquanto a média observada nos demais países emergentes não chega a 5%, ii) abordou a PEC do Orçamento de Guerra, comentando que autorização para que o BC compre títulos de dívida privada no mercado secundário vai prover uma liquidez adicional ao sistema e iii) disse que a proposta de independência do BC está madura e que “tem tudo para ser aprovada”.

Mercado reduz projeção de PIB para -1,96% em 2020

  • O mercado reduziu sua projeção de inflação para 2020 de 2,52% para 2,23%. Para 2021, a projeção passou de 3,50% para 3,40%;
  • A projeção de PIB para 2020 passou de -1,96% para -2,96%, e para 2021 passou de 2,70% para 3,10%;
  • A projeção da taxa de câmbio passou de 4,60 para 4,80 em 2020 e de 4,47 para 4,50 em 2021. Enquanto isso, a projeção da taxa Selic passou de 3,25% para 3,00% ao final de 2020 e permaneceu estável em 4,50% para 2021. Clique aqui para acessar a análise completa.

Internacional

Petróleo opera em queda nesta manhã, mas atenção ao WTI

  • Os preços de petróleo operam em queda nesta manhã, com o Brent recuando -3,5%, aos US$27,08/barril. Quanto ao WTI, importante ressaltar a diferença entre o horizonte dos contratos futuros: o contrato referente a maio de 2020, que expira hoje (20) opera em forte queda de -26%, aos US$13,62/barril, enquanto o contrato de junho de 2020 recua -9%, aos US$22,80/barril;
  • Os motivos de tal fator técnico são (1) a falta de liquidez para o contrato de curto prazo, com a migração de investidores para o do período seguinte e (2) preocupações referentes à ultrapassagem da capacidade de armazenagem de óleo no núcleo de Cushing, em Oklahoma. O pano de fundo continua a ser a queda significativa de demanda devido à quarentena resultante da pandemia do COVID-19, que supera em muito os esforços de controle de produção da OPEP+ anunciados até o momento (contração de demanda de -20 a -25 milhões de barris ao dia comparado a queda de oferta de -9,7 mbpd);
  • Segundo a Bloomberg, em alguns casos no Texas, compradores de óleo estão oferecendo preços na casa de US$2/barril – o que praticamente significa que produtores podem em breve pagar compradores para retirarem seus barris por não ter capacidade de estocagem. A armazenagem no núcleo de Oklahoma saltou para 55 milhões de barris, ante uma capacidade de estocagem de 76 milhões de barris;
  • Na iminência do cenário de crescimento de estoques de petróleo, preços de petróleo onshore como o WTI podem ter performance muito pressionada no curto prazo devido a maiores restrições logísticas. No caso de produtores offshore, tal pressão é menor devido à disponibilidade de navios-tanques petroleiros como forma de estocagem (por isso a melhor performance do Brent). Quanto pior o cenário de petróleo no curto prazo, mais produtores serão forçados a interromperem e selarem poços de petróleo. Por outro lado, dada a falta de flexibilidade da maioria dos produtores para retomarem a produção interrompida em uma retomada (uma vantagem da OPEP), mais acelerada será a recuperação de preços em um cenário de normalização da demanda com o fim da quarentena.

Empresas

Vale (VALE3): Menor produção já esperada; Estratégia de margens vs. volumes é positiva

  • A Vale divulgou seu relatório de produção e vendas no primeiro trimestre de 2020. A produção de minério de ferro totalizou 59,6 milhões de toneladas (abaixo das estimativas anteriores da empresa, entre 63 e 68 milhões de toneladas). As vendas de minério de ferro e pelotas atingiram 59mt, +5,3% em relação às nossas estimativas, -33% vs. o trimestre anterior e -13% no comparativo anual. Esses números mais fracos do que o esperado vieram de (1) pior clima e manutenção não programada (transportador de correia de longa distância) no Sistema Norte, (2) chuvas fortes no sudeste do Brasil e (3) problemas operacionais no Sistema Sul;
  • Adicionalmente, a Vale revisou suas expectativas de produção de minério de ferro em 2020 para 310-330 milhões de toneladas, de 340-355mt;
  • Vemos as ações da Vale atrativas, negociando a 3,6x EV/EBITDA 2020, com uma rentabilidade de 10% de sua geração de caixa em 2020, considerando preço do minério de ferro a US$70/t ao final do ano. Assumimos preço realizado médio US$77/t em 2020 para o minério de ferro. Em nossa análise de sensibilidade, para cada US$10/t de aumento no preço do minério, o EBITDA da Vale aumenta ~US$3bi. Mantemos recomendação de Compra, com preço-alvo de R$61/ação.

EZTec (EZTC3): EZTec reporta sólidos resultados operacionais do 1T20.

  • EZTec lançou 3 empreendimentos que somam R$564 milhões em VGV (+43% vs. 1T19 e -40% vs. 4T19) com destaque para o empreendimento Air Brooklin;
  • Vendas líquidas atingiram o patamar de R$455 milhões (+50% vs. 1T19 e -17% vs. 4T19), impulsionados pela contribuição do empreendimento EZ Parque da Cidade (lançado no 4T19) e do lançamento do Air Brooklin, que teve mais da metade de suas unidades vendidas na primeira semana;
  • Apesar do resultado operacional sólido, destacamos que a ação deve continuar volátil no curto prazo dependendo do fluxo de notícias e dos impactos operacionais decorrentes do COVID-19 para os próximos trimestres.

Cyrela (CYRE3): Cyrela divulga sua prévia operacional do 1T20

  • A companhia lançou R$1.644 milhões em projetos no primeiro trimestre (+200% vs. 1T19 e -31% vs. 4T19), sendo 63% desse volume composto por projetos do segmento de baixa renda (do programa Minha Casa, Minha Vida);
  • As vendas líquidas atingiram R$1.361 milhões no trimestre (+30% vs. 1T19 e -34% vs. 4T19), sendo 59% das unidades do programa Minha Casa, Minha Vida;
  • Apesar de resultados operacionais sólidos, acreditamos que o crescimento do volume de vendas foi inferior ao de lançamentos dado os impactos da quarentena estabelecida em meados do mês de março, que restringiu as operações comerciais da companhia. Ainda, não descartamos volatilidade no papel dado o impacto operacional relacionado ao COVID-19 nos próximos trimestres.

AES Tietê (TIET11): Conselho de Administração rejeita oferta de fusão com a Eneva por unanimidade

  • Em fato relevante divulgado no domingo (19), a AES Tietê informou que seu Conselho de Administração decidiu, por unanimidade, rejeitar a oferta de combinação de negócios (fusão) proposta pela Eneva S.A. (ENEV3, não coberta);
  • Em resumo, a AES Tietê considera que os termos e condições da oferta (que classifica como “hostil”) não se adequam ao interesse da companhia e seus acionistas. Em primeiro lugar, a TIET11 destaca a incompatibilidade de seus negócios, baseados em geração renovável, com a vocação da Eneva para geração termelétrica. Além disso, a companhia destaca riscos como exposição à atividade de Exploração e Produção (E&P) de hidrocarbonetos, distribuição de dividendos, subavaliação da companhia e elevado nível de endividamento da nova empresa após a fusão;
  • Em particular, a AES Tietê detalha em seu documento riscos como (1) uma menor estimativa de sinergias após a oferta, (2) falta de detalhes e compromisso firme de financiamento para a parcela de pagamento em caixa aos acionistas de R$6,89/unit, totalizando R$2,75 bilhões, (3) impossibilidade de amortização do ágio na aquisição e (4) restrições de liquidez e incertezas econômicas em meio à pandemia de COVID-19;
  • A AES Tietê realizará teleconferência hoje para explicar os motivos de rejeição da proposta. A companhia ainda se declarou aberta a uma contraproposta da Eneva, mas com melhores condições como possibilidade de liquidez integral a acionistas que não desejarem migrar para a nova empresa. Aos conselheiros cabe apenas recomendar ou não a operação, mas sua posição pode ser vencida por minoritários das ações preferenciais, segundo o nível 2 de governança da B3. Temos recomendação de compra nas units da AES Tietê.

Frigoríficos (BRFS3, JBSS3): Potencial redução da produção de frango no Brasil

  • Segundo o Valor Econômico, a demanda interna mais fraca, aliada ao risco de contaminação de funcionários de frigoríficos, estaria levando produtores de frango a reduzirem suas atividades. A planta da Minuano em Lajeado (RS), fornecedora de carne de frango para a BRF, teria cortado sua produção em cerca de 40%, por exemplo, após 16 de seus 1,8 mil funcionários terem diagnóstico positivo para o covid-19, e outros 560 serem afastadas preventivamente;
  • Ainda não haveria estimativas precisas sobre a dimensão no corte da oferta, mas algumas empresas entrevistadas pela reportagem já teriam decidido quebrar parte dos ovos enviados das incubadoras aos nascedouros, reduzindo assim os lotes de animais destinados à engorda. Os reflexos desse movimento só deveriam aparecer com mais força na produção efetiva de carne de frango a partir de junho, uma vez que o processo de engorda dos frangos leva cerca de 45 dias. Outra possível medida de ajuste que estaria começando a ser praticada seria o abate de aves matrizes;
  • Em abril, o preço do frango congelado no atacado paulista caiu 13,8%, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Tais medidas de ajuste visariam corrigir o quadro de sobre-oferta que teria levado a essa queda nos preços. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), “Análises preliminares indicam uma tênue redução da produção, decorrente da atual conjuntura”. A associação também enfatizou que a exportação segue “em nível positivo”;
  • Ao Valor, o presidente da BRF, Lorival Luz, reiterou que a “demanda agregada” pelos produtos do grupo segue estável e dentro do que foi planejado. Até o momento, acrescentou o executivo da BRF, a companhia não reduziu a criação de frango. Ele frisou, no entanto, que a empresa está preparada para fazer ajustes caso o espalhamento do coronavírus leve à redução da velocidade de abates.

Bancos: bancos privados devem aderir na ajuda setorial

  • De acordo com a mídia, bancos privados devem aderir na originação de crédito para os setores mais impactados pela crise do coronavírus (aéreas, elétricas, varejo não alimentício etc.). Além dos bancos sob nossa cobertura e do BNDES, devem participar o Citi e o Safra;
  • O total a ser originado seria de R$ 50 bilhões e todos os resultados (juros, inadimplência etc.) seriam compartilhados pelos bancos proporcionalmente, em um modelo provavelmente parecido ao ocorrido com o dos R$ 40 bilhões para PMEs;
  • Faltam informações essenciais para análise, mas a princípio o impacto parece limitado, embora negativo. Se assumirmos que 2/3 do montante vai ser originado pelos bancos sob nossa cobertura, isso representaria apenas 1.7% do portfólio dos mesmos em 2019. O impacto nos lucros também seria limitado em 5.7% do lucro em 2019, mesmo considerando 15% da inadimplência (vs. menos de 4% de média para grandes empresas).
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.