XP Expert

Medidas de estímulo econômico impulsionam mercados, mas incertezas permanecem

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 3,67% | 77.710 Pontos

CÂMBIO 0,26% | 5,02/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou em alta de 3,7% ontem aos 77.709 pontos, pelo terceiro pregão consecutivo e seguindo os mercados americanos.

A expectativa de que a Câmara de Representantes nos Estados Unidos irá impor menos entraves à votação do pacote de US$ 2 trilhões foi o principal catalisador da performance, depois da piora no número de desempregados que foi divulgada ontem.

Os pedidos por seguro-desemprego no país dispararam de 282 mil na semana encerrada no dia 13 para 3,28 milhões na semana passada, acima da expectativa mediana dos economistas do mercado financeiro compilada no consenso Bloomberg, que apontava para um aumento a 1,7 milhão de pedidos. O dado mostra os danos profundos causados pelo coronavírus na maior economia do mundo.

O Presidente americano Donald Trump enviou uma carta para os estados comunicando que o governo federal irá ranquear países de acordo com o risco de contágio do coronavírus e enviará novas diretrizes a respeito das restrições de contenção do vírus. A ideia é implementar medidas que possibilitem a reabertura da economia até a Páscoa, como disse Trump em entrevista.

Nesta manhã, bolsas internacionais operam em território negativo. Índices futuros nos EUA e bolsas europeias caem 2-3%, enquanto mercados asiáticos fecharam para cima; China +0,3%, Hong Kong +0,6% e Japão +3.9%.

No Brasil, diversas medidas econômicas continuam sendo especuladas pela mídia local nessa manhã. Dentre elas, estão o pacote de R$ 750 bilhões que será anunciado em breve pelo Ministério da Economia, possíveis mudanças no seguro-desemprego para os trabalhadores que tiverem os contratos de trabalho suspensos ou redução de renda, criação de empréstimo compulsório com recursos de bancos, um possível imposto sobre fortunas e corte de salário de todos os servidores.

Na política, a Câmara dos Deputados aprovou ontem o projeto de lei que prevê a distribuição de um voucher para autônomos e trabalhadores informais no período de calamidade em decorrência da doença. Depois de negociações, o valor estabelecido foi de R$ 600 mensais, chegando a R$ 1.200 em casos especiais. O impacto, segundo a Instituição Fiscal Independente, será de R$ 43 bilhões em três meses. O texto, que segue para o Senado, prevê também a antecipação de benefícios e pagamento, por parte da União, do auxílio doença em caso de afastamento por coronavírus.

No mesmo projeto, os deputados alteraram as regras para concessão do BPC (benefício de prestação continuada) em 2020, mas mantiveram a partir de 2021 o texto que entrou em vigor com a derrubada do veto no início do mês. A lei amplia a faixa de renda das pessoas que têm acesso ao benefício e tem impacto estimado de R$ 217 bilhões em dez anos.

O governo finaliza ainda a medida provisória com foco nos trabalhadores formais. O texto deve prever uma compensação, por faixas, paga pelo governo aos empregados que tiverem o contrato suspenso ou reduzido em decorrência da crise.

Realizamos ontem uma teleconferência com executivos do Banrisul para tratar de como o banco tem reagido durante esta crise causada pelo coronavírus. Nossa visão foi positiva, principalmente pelas confirmações de que: (1) o foco momentâneo está na liquidez e na estrutura do capital do banco; (2) estão tendo cautela na originação de crédito; e (3) que a operação do banco continua.

Por fim, a Sabesp divulgou resultados no 4T19 acima de nossas expectativas e do consenso. No entanto, tendo em vista a volatilidade atual e nossa visão de que discussões sobre o novo marco regulatório do saneamento ficarão temporariamente em um segundo plano, não vemos grandes motivos para se investir nas ações no curto prazo, e mantemos recomendação Neutra.

Tópicos do dia

Coronavírus

A crise do coronavírus aos olhos da História
Coronavírus: sob os olhos de grandes líderes e executivos
Pesquisa XP Março: Qual é o impacto do coronavírus nas empresas do Brasil?
Coronavírus e seus investimentos: Aperte os cintos!
Varejo e o COVID-19: Entendendo a queda das ações; 4 principais pontos
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil
A crise do coronavírus aos olhos da História

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Temporada de resultados do 4º trimestre

Clique aqui para acessar o calendário completo
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados

Brasil

  1. Medidas continuam sendo especuladas para combater os efeitos do coronavírus sobre a economia

Empresas

  1. Sabesp (SBSP3): Destaques dos resultados do 4T19
  2. Banrisul (BRSR6): Encontro com executivos do Banrisul
  3. BRF (BRFS3): Pedro Parente deverá continuar no comando do conselho da empresa

Veja todos os detalhes

Brasil

Medidas continuam sendo especuladas para combater os efeitos do coronavírus sobre a economia

  • Diversas medidas continuam sendo anunciadas e especuladas pelo governo para combater os efeitos do coronavírus sobre a economia brasileira;
  • De acordo com o Ministro da Economia, Paulo Guedes, o pacote anunciado pelo governo, por bancos púbicos e pelo Banco Central será de R$ 750 bilhões, incluindo medidas já anunciadas e ações que devem ser anunciadas nos próximos dias. Entre as medidas especuladas estão recursos extras para cobrir salários de empregados, ajudar autônomos e empresas de pequeno e médio porte;
  • Outras das medidas especuladas são ampliar para 100% o valor do seguro-desemprego antecipado para os trabalhadores que tiverem redução salarial e de jornada de trabalho, cortar salários de todos os servidores públicos e criar empréstimos compulsórios e um imposto sobre fortunas. Entre as medidas anunciadas, estão a aprovação pela Câmara de um auxílio de R$ 600 para trabalhadores informais, de R$ 1,2 mil a mães chefes de família e a assinatura de uma MP que destina R$ 36 bilhões para que bares e restaurantes consigam pagar os salários de funcionários integral ou parcialmente por até 3 meses.

Empresas

Sabesp (SBSP3): Destaques dos resultados do 4T19

  • Em 26 de março de pós-mercado, a Sabesp divulgou os resultados do 4T19, com lucro líquido de R$ 1.057 abaixo da nossa estimativa de R$ 1.214 milhões, mas acima do consenso de R$ 926 milhões;
  • O EBITDA ajustado de R$ 1.672,0 milhões ficou acima da nossa estimativa de R$ 1.509,3 milhões e acima do consenso de R$ 1598,0 milhões, refletindo uma combinação de (i) volumes + 1,9% acima das nossas estimativas (principalmente em esgoto), que atribuímos a impactos acima do incorporação dos municípios de Guarulhos e Santo André e (ii) tarifas médias por m³ 5,9% acima de nossas estimativas e representando um aumento de 4,7% em relação ao trimestre anterior – impacto o qual precisaremos de maiores detalhes na teleconferência de resultados para justificar. O EBITDA acima do esperado é justificado principalmente pelas maiores receitas, dado que os custos gerenciáveis (pessoal, materiais e serviços) vieram praticamente em linha com nossas estimativas (+1,8%). Por outro lado, o Lucro Líquido veio abaixo das nossas estimativas devido a maiores despesas financeiras e maiores despesas com imposto de renda e contribuição social;
  • Temos uma avaliação positiva dos resultados da Sabesp no 4T19, dado que o EBITDA ajustado veio acima das nossas expectativas e do consensus. Dito isso, não acreditamos que resultados trimestrais impactem tanto a performance das ações, tendo em vista as preocupações macroeconômicas em andamento desencadeadas pela pandemia da COVID-19. Em particular, destacamos que 48% da dívida bruta da Sabesp, de R$ 13,2 bilhões, é denominada em moeda estrangeira sem proteção via hedges, o que pode penalizar as ações em momentos de volatilidade cambial. Além disso, acreditamos que no curto e médio prazo discussões sobre o Novo Marco Regulatório do Saneamento Básico fiquem em segundo plano, conforme o Congresso foca em discutir e deliberar sobre pacotes e medidas para conter os impactos econômicos e sociais da atual pandemia. Por estas razões, não vemos um argumento forte para se investir nas ações da Sabesp no curto prazo, e mantemos recomendação Neutra nas ações.

Banrisul (BRSR6): Encontro com executivos do Banrisul

  • Realizamos ontem uma teleconferência com executivos do Banrisul para tratar de como o banco tem reagido durante esta crise causada pelo coronavírus. Além da nossa equipe XP e de investidores institucionais, participaram da reunião: Marcus Vinícius Feijó Staffen, CFO, Alexandre Ponzi, Relação com Investidores, Cássio Zimmermann, Finanças, e Keyla Menine, Controladoria Financeira;
  • Nossa visão foi positiva, principalmente pelas confirmações de que: (1) o foco momentâneo está na liquidez e na estrutura do capital do banco; (2) estão tendo cautela na originação de crédito; e (3) que a operação do banco continua. Por fim, acreditamos que a carteira do Banrisul, que possui grande participação de crédito consignado, deve ser melhor defendida neste momento de crise. Reafirmamos nossa recomendação de compra no banco gaúcho. Clique aqui para acessar nosso relatório completo.

BRF (BRFS3): Pedro Parente deverá continuar no comando do conselho da empresa

  • Segundo o Valor Econômico, dois anos depois de assumir a presidência do conselho de administração da BRF, Pedro Parente deverá ter seu mandato renovado até 2022. O executivo já havia expressado ao jornal que desejava continuar à frente da BRF para consolidar a cultura corporativa da empresa;
  • Novos membros do conselho incluem Flávia Bittencourt, executiva da Adidas, Marcelo Bacci, principal executivo de finanças da Suzano, e Ivan Monthiel, que é funcionário da carreira do Banco do Brasil. Os três devem entrar nos lugares de Walter Malieni, Francisco Petros e Roberto Mendes;
  • Adicionalmente, a BRF anunciou ontem (26), por meio de Fato Relevante, que seu conselho de administração aprovou a criação de um programa de recompra de até 7,5 milhões de ações (pouco menos de 1% do total em circulação);
  • Vale lembrar que a JBS já havia anunciado seu novo plano de recompra de ações na quarta-feira (25), podendo adquirir até 10% das ações em circulação da empresa nos próximos 18 meses. Já a Marfrig, conforme Fato Relevante divulgado no dia 16, poderá adquirir até 0,83% do total de ações da empresa, também no âmbito de um programa de recompra de ações.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.