XP Expert

Ibovespa recua após sinalização de maior aperto monetário e pressão baixista das commodities

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,9% | 128.057 Pontos

CÂMBIO -1,0% | 5,01/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa registrou queda de 0,93% no pregão de ontem, atingindo 128.057 pontos, após sinalizações de maior aperto monetário nos Estados Unidos e no Brasil. Vale destacar o recuo das ações ligadas a commodities, como os papeis da Petrobras e da Vale. Já as principais bolsas americanas tiveram desempenhos mistos, com recuo do índice Dow Jones (-0,62%), virtual estabilidade do S&P 500 (-0,04%) e elevação da Nasdaq (0,87%). Hoje, as bolsas internacionais amanheceram levemente negativas (EUA: -0,1%; Europa -0,5%).

As taxas futuras de juros encerraram a sessão de ontem em alta, refletindo os sinais inclinados à retirada de estímulos monetários pelo Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) e o sentimento de maior aversão ao risco global. DI jan/22 fechou em 5,575%; DI jan/24 foi para 7,795%; DI jan/26 encerrou em 8,34%; e DI jan/28 fechou em 8,71%. Por sua vez, a taxa de câmbio brasileira descolou da tendência global de valorização do dólar, com a moeda americana encerrando a sessão a 5,01 reais, um recuo de -0,97% em relação ao dia anterior.

No cenário internacional, em meio a avanços entre políticos moderados em negociações por um pacote de investimentos em infraestrutura ao redor de USD 1 trilhão nos Estados Unidos, a ala mais à esquerda do partido democrata pressiona por um pacote único de USD 6 trilhões, que seria aprovado sem apoio republicano. O projeto está sendo impulsionado pelo senador Bernie Sanders, e ganha tração entre uma parcela relevante do partido do Presidente Joe Biden. No entanto, sem apoio dos moderados no Senado, terá dificuldade em avançar. E, após reuniões entre Biden e lideranças europeias, autoridades da Casa Branca confirmam que estudam conversas “mais extensas” entre Washington e Beijing.

No lado econômico, enquanto os mercados ainda digerem a sinalização mais hawkish (dura, pró-aperto monetário) do Federal Reserve, os preços das commodities apresentam pressão baixista. O cobre está fechando sua pior semana em mais de um ano. O petróleo caiu pelo segundo dia consecutivo, embora ainda esteja em níveis relativamente altos. O índice CRB, que traz uma média de preços internacionais de commodities, recuou 1,6% desde o pico prévio, atingido há quatro dias.

Publicamos nosso relatório “Brasil Macro Mensal”, destacando os riscos da inflação pressionada no Brasil e no mundo (link para relatório completo). Parte do choque atual está relacionado aos efeitos da pandemia e, portanto, tende a ser temporário. Porém, os riscos de contaminação das expectativas de inflação de longo prazo persistem, demandando uma postura mais dura dos Bancos Centrais. No lado da atividade econômica, o Brasil vive uma importante melhora cíclica, o que traz certo alívio de curto prazo às contas públicas. Mantivemos nossas principais projeções para a economia local.

No campo político, o Senado Federal aprovou o projeto de lei que abre espaço para a capitalização da Eletrobrás. O texto agora retornará à Câmara dos Deputados, onde deverá ser votado até a próxima terça-feira (22/06). Esta aprovação é um passo importante do ponto de vista fiscal e de produtividade. Contudo, alguns especialistas do setor afirmam que a conta de energia aos consumidores pode aumentar sensivelmente.

Por fim, no lado corporativo, estamos retomando a cobertura de Hapvida, após seu recente aumento de capital, enquanto também atualizamos nossas estimativas para GNDI. Temos uma recomendação de Compra para Hapvida (HAPV3 – preço-alvo: R$ 19/ação) e Compra para GNDI (GNDI3 – preço-alvo: R$ 110/ação), pois acreditamos que ambas as empresas devem continuar consolidando o mercado (orgânica e inorganicamente) – as margens devem retomar níveis normalizados em 2022, após um difícil 2021. Além disso, a fusão entre as companhias deve criar sinergias consideráveis (R$ 1,2 bilhão), o que implica em um valuation muito atrativo para a empresa combinada (“Nova Companhia”): P/L ’22e de 26,8x vs. média histórica de 47,4x.

Tópicos do dia

Acesse aqui o relatório internacional

Economia

  1. Publicamos nosso Brasil Macro Mensal, destacando os riscos de inflação no Brasil e no mundo. Parte do choque atual está relacionado aos efeitos da pandemia e, portanto, tende a ser temporário. De fato, os preços das commodities se estabilizaram ou caíram um pouco recentemente. Mas o risco de contaminar expectativas de inflação de longo prazo persistem, demandando uma postura dura dos Bancos Centrais. No Brasil, o Senado aprovou o projeto de lei que abre espaço para a privatização da Eletrobrás

Política

  1. Política internacional: ala mais à esquerda do partido democrata pressiona por um pacote único de USD 6 trilhões

Commodities

  1. Siderurgia: Produção de aço sobe novamente com demanda aquecida

Empresas

  1. GNDI (GND3) e Hapvida (HAPV3): Olhando para além de 2021; novos números
  2. Lojas Renner (LREN3): Mais sobre a estratégia da Realize e possíveis oportunidades de M&A
  3. Eletrobras (ELET6): MP da Eletrobrás é aprovada do Senado 
  4. Vale (VALE3): Anúncio de dividendos de R$2,18 por ação
  5. Notícias Diárias do Setor Financeiro
  6. Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

ESG

  1. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 18/06

Veja todos os detalhes

Economia

Publicamos nosso Brasil Macro Mensal, destacando os riscos de inflação no Brasil e no mundo. Parte do choque atual está relacionado aos efeitos da pandemia e, portanto, tende a ser temporário. De fato, os preços das commodities se estabilizaram ou caíram um pouco recentemente. Mas o risco de contaminar expectativas de inflação de longo prazo persistem, demandando uma postura dura dos Bancos Centrais. No Brasil, o Senado aprovou o projeto de lei que abre espaço para a privatização da Eletrobrás

  • Enquanto os mercados ainda digerem a sinalização mais hawkish do Fed, os preços das commodities parecem estar se estabilizando ou caindo um pouco. O cobre está fechando sua pior semana em mais de um ano. O petróleo caiu pelo segundo dia consecutivo, embora ainda esteja perto de um recorde. O índice CRB de todas as commodities caiu 1,58% desde o pico, atingido há quatro dias;
  • O Banco do Japão manteve as taxas de juros constantes e estendeu seu programa relacionado à covid até março de 2022 (antes de setembro de 2021). O núcleo da inflação ao consumidor ficou um pouco acima das expectativas em maio, mas ainda muito baixo: 0,1% no comparativo anual;
  • Publicamos nosso Brasil Macro Mensal, destacando os riscos da inflação no Brasil e no mundo (adicionar link!). O Brasil vive uma importante melhora cíclica, principalmente no crescimento e nas contas públicas. Inflação mais alta e um banco central mais agressivo são os efeitos colaterais negativos. Mantivemos nossas principais projeções para a economia brasileira;
  • O Senado brasileiro aprovou projeto de lei que abre espaço para a privatização da Eletrobrás. É um passo importante do ponto de vista fiscal e de produtividade. Alguns especialistas do setor afirmam, no entanto, que a conta de energia ou os consumidores podem aumentar sensivelmente.

Política

Política internacional: ala mais à esquerda do partido democrata pressiona por um pacote único de USD 6 trilhões

  • Em meio a avanços entre moderados em negociações por um pacote de infraestrutura de cerca de USD 1 trilhão, a ala mais à esquerda do partido democrata pressiona por um pacote único de USD 6 trilhões que seria aprovado sem apoio republicano. O projeto está sendo impulsionado pelo senador Bernie Sanders, e ganha tração entre uma parcela relevante do partido de Joe Biden. No entanto, sem apoio dos moderados no Senado, terá dificuldade em avançar;
  • E, após reuniões do presidente Biden com lideranças europeias, autoridades da Casa Branca confirmam que estudam conversas “mais extensas” entre Washington e Beijing. Existe possibilidade de reunião entre o presidente americano e Xi Jingping em paralelo a cúpula do G-20 em outubro na Itália.  

Commodities

Siderurgia: Produção de aço sobe novamente com demanda aquecida

  • De acordo com dados publicados pelo Instituto Aço Brasil (IABr) referentes a maio de 2021, a produção mensal de aço bruto foi de 3,1 milhões de toneladas, novamente o maior volume produzido desde outubro de 2018. No acumulado de janeiro a maio de 2021, a produção atingiu a 14,9 milhões de toneladas, alta de 20,3% frente ao mesmo período do ano anterior. A produção acumulada no ano representa o maior volume produzido desde o início da série. Destacamos também a retomada das vendas internas e do consumo nacional de produtos siderúrgicos, que avançaram 74% e 83%, respectivamente, na comparação anual, ainda que a base de comparação seja baixa, dado que maio de 2020 foi o segundo mês mais crítico de crise de demanda por conta da pandemia;
  • Em maio, a produção de laminados em 2,4 milhões de toneladas foi a maior da série histórica. Em relação aos aços planos, utilizados principalmente na indústria automotiva, a produção acumulada no ano avançou 30%, comparada ao mesmo período de 2020, enquanto as vendas no mercado interno cresceram 51%. Por outro lado, os aços longos, matéria-prima importante na construção civil, tiveram alta produção de 28%, além de um aumento 40% nas vendas ao mercado doméstico;
  • Segundo o IABr, a demanda atual pode ser explicada não só pela retomada dos principais setores consumidores, mas também pela formação de estoques defensivos de alguns segmentos que querem se proteger de cenário de volatilidade do mercado;
  • Além disso, o instituto também divulgou o Indicador de Confiança da Indústria do Aço (ICIA) referente ao mês de junho. O índice recuou 7,3 pontos em relação a maio, principalmente por conta de uma deterioração das expectativas para os próximos seis meses, apesar de entenderem que as condições atuais do mercado seguem estáveis;
  • Clique aqui para o relatório completo.

Empresas

GNDI (GND3) e Hapvida (HAPV3): Olhando para além de 2021; novos números

  • Estamos retomando a cobertura da Hapvida, após seu recente aumento de capital, enquanto também atualizamos nossas estimativas para o GNDI. Temos uma recomendação de Compra para Hapvida (HAPV3 – preço-alvo: R$19/ação) e Compra para GNDI (GNDI3 – preço-alvo: R$110/ação), pois acreditamos que ambas as empresas devem continuar consolidando o mercado (orgânica e inorganicamente) ao passo que as margens devem começar a retomar níveis normalizados em 2022, após um difícil 2021;
  • Os impactos de 2021 não devem ser estruturais. Em 2021, ambas as empresas sofreram um aumento no índice sinistralidade devido ao retorno dos procedimentos eletivos e taxas de ocupação mais altas devido à Covid-19. No entanto, à medida que o processo de vacinação evolui e a demanda reprimida por procedimentos eletivos diminui, acreditamos que a sinistralidade comece a diminuir;
  • Elas simplesmente continuam crescendo. Em 2021, esperamos que os beneficiários de saúde cresçam 16,3% no GNDI e 15,8% na Hapvida, devido à integração dos ativos adquiridos recentemente aliada ao potencial de crescimento orgânico. E não deve parar por aí: o GNDI adquiriu recentemente a CCG – marcando sua entrada no Rio Grande do Sul – enquanto a Hapvida captou R$2 bilhões para aquisições. Estimamos um crescimento de lucro médio ponderado anual entre 2020 e 2023 de 26% para o GNDI e 30% para a Hapvida, devido ao aumento no número de beneficiários e margens mais elevadas;
  • Sinergias consideráveis ​​= valuation atrativo. Estimamos sinergias de R$1,2 bilhão em 2022, o que levaria a um lucro líquido ajustado combinado de R$4,2 bilhões, com um múltiplo implícito P/L ’22 de 26,8x, um desconto de 43% em relação à média histórica das empresas;
  • Mas por que ainda não “está no preço”? Em nossa visão, por três razões: i) tendência negativa para os resultados no curto prazo – pressão na sinistralidade deve continuar ao longo de 2021; ii) aprovação da fusão pelo CADE ainda pendente; iii) a ausência de projeções de sinergias por parte das empresas;
  • Clique aqui para o relatório completo.

Lojas Renner (LREN3): Mais sobre a estratégia da Realize e possíveis oportunidades de M&A

  • Nós tivemos uma reunião com o management da Lojas Renner para entender melhor a estratégia da Lojas Renner na Realize. A principal mensagem que tiramos foi o fato de que a Realize irá focar em ter uma estratégica mais nichada e direcionada para sua base de clientes, o que eles acreditam que será seu diferencial frente aos outros players;
  • Além disso, estamos atualizando nossos números e reduzimos nossas estimativas de EBITDA e lucro líquido em 17%-25%, respectivamente, em 2021 e -21% em 2022, levando a um P/L 2022e de quase 42x;
  • Dessa forma, nós mantemos nossa recomendação Neutra dado que acreditamos que os resultados vão seguir pressionados pelos investimentos da companhia na construção do seu ecossistema enquanto os benefícios serão mais evidentes somente a partir de 2022-23;
  • Clique aqui para ver nosso relatório.

Eletrobras (ELET6): MP da Eletrobrás é aprovada do Senado 

  • Ontem (17) foi aprovado pelo Senado o relatório do Senador Marcos Rogério -DEM por 42 a 37, que permite a desestatização da Eletrobrás (não coberto). A sessão durou mais de 7 horas, mas acabou com poucas alterações em relação ao texto publicado na quarta-feira (16);
  • As principais alterações foram: (i) o subsídio ao carvão para termelétricas não será mais estendido e (ii) adicionou-se aos 6GW de térmicas a serem contratados, mais 2GW de térmicas a gás, dessa vez para a região Sudeste;
  • A adição de mais termelétricas pode causar aumentos de tarifas no futuro, mas a aprovação da proposta no Senado é um passo importante em direção à privatização da Eletrobrás. Agora a proposta volta para a Câmara para votação e se aprovada vai para sanção presidencial. 

Vale (VALE3): Anúncio de dividendos de R$2,18 por ação

  • A Vale anunciou uma distribuição de dividendos de R$2,18 por ação (2,1% de yield). A empresa destaca que o anúncio de hoje não tem relação com os dividendos a serem pagos em setembro de 2021, de acordo com a política de dividendos atual. A data ex é em 24 de junho de 2021;
  • Estimamos uma distribuição de dividendos de US$4,33 bilhões em setembro de 2021 (yield de 4,0%). Continuamos vendo uma diferença relevante entre geração de caixa e a distribuição de dividendos. Para 2021, esperamos um retorno com fluxo de caixa de 15%, considerando a média do minério de ferro de US$135/ton (vs. preço atual de US$220/ton), e isso se compara à nossa estimativa de dividend yield de ~6,0% em relação ao ano fiscal de 2021;
  • Reiteramos a nossa recomendação de Compra (preço-alvo de R$122/ação) com base na combinação de forte geração de caixa e valuation atrativo (3,2x EV/EBITDA 2021E), mesmo num cenário de queda forte do minério de ferro.

Notícias Diárias do Setor Financeiro

  • Acesse este relatório com notícias do setor financeiro que complementam nossos comentários publicados no Morning Call, mas que não consideramos relevantes o suficiente para serem analisadas. Aqui você encontra o título com o link para a fonte original da notícia, além de uma breve descrição do conteúdo;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

  • Nesta publicação diária, trazemos as principais notícias do setor de varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.) nacional e internacional, complementando nossa visão sobre as tendências e acontecimentos mais importantes do dia. Além disso, o relatório contém um resumo dos múltiplos e recomendações para as empresas de nossa cobertura;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 18/06

  • Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo falam sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança;
  • Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance histórica do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP;
  • Por que essas informações são importantes? Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.