XP Expert

XP Morning Call 15/02/2019: Proposta da reforma da Previdência impulsiona Ibovespa

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1. Reforma da Previdência: Bolsonaro aprova idade mínima de 65 para homens e 62 para mulheres

Internacional

  1. Dados sobre inflação na China aumentam preocupações sobre crescimento global
  2. EUA e China: Tensões comerciais pesam no sentimento devido à falta de progresso visível em negociações comerciais
  3.  Trump pode tomar outras ações para construir o muro com a fronteira do México

Empresas

  1. Cosan: Destaques dos resultados do 4T18
  2. Aéreas: Laudo de viabilidade aponta para necessidade de venda da parte operacional, diz Valor
  3. Petrobras (PETR4): Pagará dívida de R$3,5bi por supercampo no Espírito Santo

Resumo

Proposta da reforma da Previdência impulsiona Ibovespa

Bolsas asiáticas e americanas operam no campo negativo nesta manhã de sexta-feira, caindo 1,9% e 0,4%, respectivamente. As tensões comerciais entre os EUA e a China pesam no sentimento devido à falta de progresso visível nas conversas do alto escalão que devem se encerrar hoje. Além disso, a preocupação com crescimento global elevou-se após dados de inflação chineses mostrarem desaceleração e dados de varejo nos EUA apresentarem a pior queda em nove anos.
 
Ainda nos EUA, o Congresso enviou legislação ao presidente Donald Trump que será assinada para evitar outra paralisação do governo. Porém, o presidente pode declarar estado de emergência para redirecionar fundos para a construção do muro de fronteira entre Estados Unidos e México.
 
No Brasil, os primeiros detalhes da reforma da Previdência animaram o mercado ontem e Ibovespa fechou com alta de 2,27%. O anúncio do presidente Jair Bolsonaro incluiu idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e 62 para mulheres, e o tempo de transição de 12 anos. Tal proposta pode gerar economia de R$1,1 trilhão para o governo, acima dos R$800 bilhões da proposta inicial de Temer.
 
Do lado das empresas, a Cosan (não coberta) divulgou os resultados do 4T18, com um dos principais destaques sendo a melhora expressiva de margens no negócio de distribuição de combustíveis, implicando uma leitura positiva não só para a empresa, mas para outras distribuidoras listadas como UGPA (Compra) e BRDT (não coberta).


Conteúdo na íntegra

Brasil

Reforma da Previdência: Bolsonaro aprova idade mínima de 65 para homens e 62 para mulheres

  • Após um longo período de disputas dentro do governo para as definições finais, o presidente Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes entraram em acordo sobre uma proposta de reforma da Previdência que prevê idades mínimas de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, após uma transição de até 12 anos (ante os 20 anos da proposta do governo Temer);
  • A proposta é mais dura que a apresentada pelo governo Temer, e espera-se uma economia de R$ 1,1 trilhão em 10 anos, em contrapartida à economia de R$ 800 bilhões do governo anterior. O Secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou que os demais detalhes da proposta serão divulgados na próxima semana, e que o presidente pediu a divulgação de apenas algumas informações para fazer ima deferência ao Congresso;
  • Enquanto negocia com parlamentares, o governo explicará a população as razões da necessidade da reforma. Segundo Marinho, o presidente fará pronunciamento à nação no dia 20 para explicar a forma que o projeto da Previdência será encaminhado ao Congresso.
     

Internacional

Dados sobre inflação na China aumentam preocupações sobre crescimento global

  • De acordo com a Bloomberg, a inflação dos produtores na China desacelerou pelo sétimo mês, aumentando as preocupações com o retorno da deflação e seu respectivo impacto sobre os lucros corporativos que já estão fracos;
  • De acordo com o National Bureau of Statistics, o índice de preços ao produtor subiu 0,1% em janeiro na comparação ano contra ano, o sétimo mês consecutivo de desaceleração. Economistas esperam que o índice aumente 0,9% em 2019, bem abaixo do aumento de 3,5% no ano passado;
  • ​Os lucros começaram a cair no final de 2018 e as contínuas quedas nos preços do produtor poderiam agravar a situação, aumentando a pressão sobre as empresas que já estão sofrendo os impactos da desaceleração econômica.

EUA e China: Tensões comerciais pesam no sentimento devido à falta de progresso visível em negociações comerciais

  • Segundo a Bloomberg, as negociações comerciais entre os EUA e a China devem terminar sexta-feira em Pequim, com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin em tom positivo enquanto o prazo para um acordo que evite um aumento de tarifas sobre mercadorias chinesas em 1 de março está se encerrando;
  • No entanto, de acordo com três funcionários dos EUA e da China, que pediram para não serem identificados porque as negociações são privadas, não houve nenhum progresso visível nos esforços em torno das reformas que os EUA solicitaram para a economia da China e eles disseram que provavelmente somente uma reunião entre Xi e o presidente Donald Trump para selar um acordo.

Trump pode tomar outras ações para construir o muro com a fronteira do México

  • De acordo com a Bloomberg, o Presidente Trump assinará a lei de financiamento e depois vai declarar estado de emergência para conseguir redirecionar fundos do Congresso para a construção do muro entre o México e os Estados Unidos;
  • ​A estratégia evita outra paralisação do governo, ao mesmo tempo que permite que o presidente mostre aos seus apoiadores políticos que ele tem o poder e a vontade de construir o muro.

Parlamento britânico rejeita estratégia de May para renegociar Brexit

  • O parlamento britânico rejeitou ontem a estratégia da primeira-ministra britânica, Theresa May, em busca de garantir mudanças no acordo do Brexit acertado com a UE no fim do ano passado, acrescentando ao governo mais uma derrota parlamentar, como já era esperado;
  • Além disso, outras duas emendas também foram rejeitadas. Uma delas referente ao pedido da oposição trabalhista de que a votação final e significativa sobre o acordo do Brexit fosse realizada antes de 27 de fevereiro, e a outra que pedia o adiamento do Brexit em três meses;
  • O Reino Unido está programado para sair da UE em 29 de março. Até o momento, nenhum acordo que rege o comércio do Reino Unido e outras relações com Bruxelas está em vigor.

Empresas

Cosan: Destaques dos resultados do 4T18;

  • ​A Cosan divulgou os resultados do 4T18 em 14 de fevereiro, após o mercado. O EBITDA proforma ajustado (incluindo 50% do EBITDA da Raízen) foi de R$ 1,45 bilhão, principalmente em linha com o consenso de R$ 1,42 bilhão;
  • Os principais destaques dos resultados foram (1) crescimento de volume da Comgas de + 5,8% no ano e (2) melhores margens na Raízen Combustíveis (distribuidora de combustíveis da bandeira Shell);
  • Vemos a melhoria das margens do negócio de distribuição de combustíveis como uma confirmação preliminar de nossas expectativas do trimestre, dado que as distribuidoras apenas repassaram parcialmente a postos as reduções de preços de diesel e gasolina praticadas pela Petrobras (link para nosso relatório), além de refletir a recuperação gradual da economia. Assim, temos uma leitura positiva dos resultados para outras distribuidoras de combustíveis, como UGPA (recomendação de Compra) e BRDT (não coberta).


Aéreas: Laudo de viabilidade aponta para necessidade de venda da parte operacional, diz Valor

  • De acordo com o estudo de viabilidade da consultoria Galeazzi e Associados, acessado pelo Valor Econômico, a viabilidade econômica da Avianca Brasil nos próximos anos vai depender da venda da parte “operacional” do negócio e do aporte de US$ 75 mi;
  • O plano é reduzir a frota em ~28% (14 das 50 aeronaves) e criar uma “parte produtiva isolada” (com os direitos de pousos e decolagens em determinados aeroportos, ou slots, e as aeronaves). Essa empresa seria então leiloada em até seis meses após a homologação do plano de recuperação judicial. De acordo com o Valor, um levantamento da Eagle Consultoria aponta que o valor dessa empresa poderia chegar a R$ 135 milhões, e poderia gerar em seu primeiro ano a um EBITDAR de ~R$ 925 mi;
  • Enquanto não emitimos opinião sobre o sucesso ou não do plano, lembramos que a Avianca possui ativos interessantes no Brasil. A empresa tem uma participação de mercado de ~13%, e possuía slots interessantes em Guarulhos, Santos Dumont e outros aeroportos. Como exemplo, até outubro de 2018, a Avianca possuía ~22% de participação no aeroporto de Guarulhos, que juntava ~17% da demanda total por voos domésticos no Brasil.

Petrobras (PETR4): Pagará dívida de R$3,5bi por supercampo no Espírito Santo

  • Em fato relevante, a Petrobras informou que a ANP realizou a audiência pública com a ANP com relação à unificação dos campos de petróleo do complexo Parque das Baleias, no Espírito Santo;
  • ​Em 2014, a ANP determinou a unificação de 7 campos de petróleo do Parque das Baleias, o que resultou em um acréscimo de cobrança de participações Especiais (PE) adicionais. A Petrobras iniciou processo de arbitragem por discordar dos critérios de unificação, o qual foi suspenso por iniciativa das partes em julho de 2018 para se chegar a um acordo;
  • ​A minuta de acordo desenvolvida pelas áreas técnicas da Petrobras e da ANP prevê a unificação de alguns campos do Parque das Baleias a partir do 4T16, o que implicaria em um pagamento de R$3,5 bilhões pela Petrobras em valores atualizados. Em contrapartida, o acordo prevê a prorrogação do prazo de concessão do novo campo de Jubarte, que viabilizará a implantação de uma nova plataforma de produção em 2022 e projetos complementares na área;
  • Assim sendo, a Petrobras reconhecerá provisão do valor de R$3,5 bilhões no resultado do 4T18 como resultado do acordo.

Energias do Brasil (ENBR3): Elliott quer que EDP venda EDP Energias do Brasil

  • A gestora Elliott management, que tem participação na elétrica portuguesa Energias de Portugal (EDP) questionou a oferta pública de aquisições lançada pela chinesa China Three Gorges (CTG) para adquirir o controle da companhia, e também propôs como alternativa a venda da subsidiária Energias do Brasil;
  • Na visão da Elliott, a proposta da CTG subavalia o futuro da empresa portuguesa, e vai deixa-la mais fraca e instável. A gestora defende a otimização do portfólio da elétrica, com a venda dos ativos no Brasil e de participações da região Ibérica. A subsidiária brasileira não seria um ativo estratégico por trazer volatilidade cambial e não ser a empresa líder em seus segmentos por limitações de capital;
  • A Elliott acredita que a EDP Brasil pode gerar 2,3 bi de euros para a matriz, e prevê uma demanda considerável pela empresa brasileira por empresas chinesas, Enel, Engie e Iberdrola.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.